29 de janeiro de 2015

Uma Certa Capitã Carla...

Vários leitores questionaram o merecimento da Major Médica Carla Maria Clausi, primeira mulher a Comandar uma unidade do Exército Brasileiro. 
Pois bem, a matéria abaixo foi publicada há cinco anos por Garivaldino Ferraz em seu blog Mujahdin CucarachaLendo-a, você vai entender o significado de algumas das muitas condecorações à que a Major já fez jus. 
Mulher de fibra, esta Carla Maria.


Uma Certa Capitã Carla
A capitão Carla resgatando uma criança dos escombros no Haiti (imagem: CENACID)
Há anos mantenho contato com oficiais do Exército, tanto por trabalho quanto por amizade, e eles me relatam as aventuras, alegrias e tristezas dos soldados e fuzileiros que compõem a  missão de paz da ONU no Haiti. Bom, até os mais desavisados hão de lembrar do excelente trabalho das forças armadas brasileiras naquele miserável país caribenho, destroçado pela guerra civil. Quando as Nações Unidas se cansaram daquela zorra, enviaram as forças de paz em 2003. A população comemorou.
E continua comemorando. O Haiti ainda não saiu da miséria, mas ao menos escapou da guerra, dos assassinatos em massa, das torturas, das gangues armadas. Hoje, graças às forças de paz comandadas pelo Brasil desde 2004, aquele é um lugar melhor de se viver.
Nosso Exército pacificou as facções e reduziu a criminalidade; de quebra criou hospitais, escolas, fornecimento de água, infraestrutura, comunicações. Deu àquele povo sofrido um rumo, um norte, uma esperança. Trabalho de primeira; parabéns aos militares.
Infelizmente, isso é pouco divulgado. Ou simplesmente não o é. Coisa de nosso complexo de vira-latas, como diria Nélson Rodrigues.
Pior: Num País onde faltam heróis e sobram cafajestes, teimamos em ignorar os bons exemplos. Como sou mais teimoso ainda, vamos falar um pouco de dois desconhecidos: a capitã médica Carla Maria Clausi e o cabo Ricardo. Já ouviram falar deles? Certamente não, mas devem ter visto algo sobre o desabamento de uma escola na capital haitiana, Porto Príncipe, no dia 7 de novembro, no qual mais de 90 pessoas perderam a vida. Foi um horror; vários sobreviventes estavam sob toneladas de escombros, sem muita chance de salvamento, num lugar praticamente sem estrutura para atendimento de emergências. Que fazer pelos soterrados?
Em desespero, os haitianos se lembraram dos brasileiros; chamados, os militares enviaram imediatamente uma equipe médica completa, composta de soldados e fuzileiros navais. Foi a literal salvação de 4 crianças, de 6 a 7 anos de idade.
A capitã médica Carla e o soldado enfermeiro Ricardo se esgueiraram pelos escombros, ignorando o perigo de morte por esmagamento e, a muito custo, conseguiram salvar as crianças. As fotos, enviadas do Haiti por um amigo militar, são impressionantes. Mostram o grau de coragem dos dois heróis, que arriscaram suas vidas pelas das pobres crianças. Desafiaram a morte não por glória, dinheiro, fama ou medalhas. O agradecimento das famílias levou os bravos soldados às lágrimas.
Uns dirão que eles apenas cumpriram seu dever. Eu digo que foram além disso; demonstraram coragem, bondade, desprendimento, heroísmo. Mais do que reconhecimento, merecem todas as homenagens possíveis. Merecem ser lembrados.
Leia também:
Exército tem sua primeira mulher Comandante!
Exército nomeia mulher para o comando pela primeira vez na história

Quando vejo tais exemplos de caráter, logo vêm à mente todas aquelas medalhas que os políticos se auto-concedem (ou trocam) sem o menor motivo. Penso na Medalha Santos-Dumont que Marisa, mulher de Lula, recebeu em 11 de janeiro deste ano por “relevantes serviços” (gargalhadas) prestados à Força Aérea. Que vergonha. E dizer o quê de todas aquelas comendas que deputistas e senateiros recebem todos os anos, quando seus atos de “bravura extrema” se resumem a tomar uísque em seus enormes gabinetes acarpetados e refrigerados, rodeados de serviçais e puxa-sacos? O Brasil não tem jeito, mas alguns brasileiros têm. Principalmente a capitã médica Carla e o cabo Ricardo.
Acredito que Carla e Ricardo não vão receber nenhuma medalha, nenhuma homenagem de nosso governo. Ele está ocupado demais, pendurando faixas e adornos brilhantes em políticos gordos que se reúnem em Brasília para reclamar do calor; então, fica aqui nossa pequena homenagem a esses dois heróis que, se não forem mesmo reconhecidos como tal, ao menos servem para denunciar essa medonha inversão de valores (mais uma!) num País que trocou os fatos pela versão, a verdade pela ficção, o exemplo real pelo inventado.
Enquanto a capitã e o soldado arriscam a vida por quatro crianças pobres sem o menor reconhecimento das autoridades, a excelentíssima primeira-dama dá polimento em sua comenda, refletindo sobre seus relevantes serviços prestados, refestelada nos pufes do Palácio da Alvorada, aplaudida por um séquito de empregados. Alberto Santos-Dumont deve estar virando no túmulo.

COMENTO
A postagem é de novembro de 2008 mas só tomei conhecimento dela nesta data, graças à mensagem eletrônica do meu amigo Nilton. Lamentável a omissão de nossa imprensa e a falta de empenho de quem deveria divulgar o fato, mesmo que fosse em "matéria paga". Para quem quiser ver o destaque dado pela instituição que deveria sentir-se honrada pela atitude de seus membros, é só procurar a nota publicada em um enlace que pode ser localizado junto ao rodapé da página institucional. Há que ter paciência na busca entre outras notas abordando as importantíssimas visitas de "otoridades".
ATUALIZAÇÃO: infelizmente, os enlaces acima citados já não conduzem a nada que se relacione ao fato. Porém, se alguém quiser um excelente relato do ocorrido no Haiti, escrito pelo Embaixador do Brasil no Haiti, à época, e pela própria Oficial, pode ler clicando aqui. Por outro lado, hoje, 17 Mai 2014, li com muita satisfação a notícia dando conta que a já Major Carla Maria Clausi vai assumir o Comando do Hospital da Guarnição de João Pessoa, na Paraíba, tornando-se a primeira Comandante do segmento feminino do Exército Brasileiro. Parabéns à Major Carla e muito sucesso em seu Comando!

7 comentários:

Anônimo disse...

Boa noite !

Guerreira. Desejo a ela, um excelente comando e que nada aconteça de mal. Entretanto lidar com pessoal é complicado, pois a maioria ou quase a totalidade só sabe reclamar, malhar, não coopera, não assessora, etc ..

Vida que segue ...

Anônimo disse...

Estive no 9 contingente ( Haiti ) , juntamente com a capitã Carla, mas infelizmente esta médica da foto não é ela, lembro-me que era uma oficial médica temporária que atuou no trágico desabamento daquela escola. Parem de especular sobre ela, tratar-se de uma médica gente boa e competente,abraços, QE DA SELVA !!

Marco Balbi disse...

Além disso ela é cardiologista, intensivista com várias especializações nesta área de tratamento intensivo. Atleta de primeira, foi integrante acho que pioneira mesmo, na primeira equipe de orientação feminina que o Exército montou. Primeira de sua turma na ECEME entre os médicos. Já concedeu várias entrevistas, pelo fato de ser considerada potencial candidata ao generalato. Ressalto a Veja Rio e a Revista do Clube Militar Nr 439! Infelizmente esta última não confere com o original no site do Clube.

Anônimo disse...

Parabéns a Major pelos excelentes serviços prestados. Parabéns também àqueles outros anônimos que, sem mídia, trabalharam nestes dias e não receberam as mesmas medalhas. Parabéns àqueles que trocaram tiros nesta e em outras missões pelo mundo, e não receberam as mesmas medalhas. Parabéns a outros tantos que tiveram atos heroicos durante o regime militar, nas fronteira...e não receberam as mesmas horarias. Parabéns aos abnegados, incautos e esquecidos. Parabéns a todos que sabiam quem era a Major e, não ficam com medo de ser politicamente incorretos.

Anônimo disse...

Excelente post, Montedo! as medalhas da maj carla são um pequeno reconhecimento da Forca pelo excelente trabalho que ela desempenhou ao longo de sua carreira. Aí ficam os leões de alojamento, que só sabem reclamar e falar mal dos outros, criticando: "Pra que tanta medalha...","deve ter ido pra alguma guerra pra ganhar essa quantidade de medalha" e outras asneiras do tipo. A MAJ CARLA merece sim sua medalhas. Quem não merece é o Genoino, Zé Dirceu, Dona Marisa, e outros dessa corja que assalta diuturnamente o Brasil.

Anônimo disse...

Complementando o comentário anterior, quem também não merece portar várias medalhas são alguns estrelados, refrigerados e bem alimentados que concedem e deixam marginais continuarem usando as mesmas honrarias que nossos heróis. É o velho ditado "quem com porco se mistura farelo come". Infelizmente por causa de alguns nobres estrelados estamos comendo farelo.

Geraldo Magela Azevedo disse...

O nome certo é a Capitão e não a Capitã como bem disse na mensagem. Digo isso porque não existe em pronome as palavras de Postos e Graduações Militares feminino, mas masculino a Capitão a Presidente, etc. Para que essas palavras ditas no feminino seria necessário alterar o nosso DICIONÁRIO. As palavras "PRESIDENTE e nem as mulheres no militarismo são usadas como Presidenta, mas sim Presidente seja homem ou mulher, bem como as mulheres também, não existe a Capitã, mas a Capitão e assim sucessivamente.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics