12 de fevereiro de 2018

Raposa Serra do Sol dificulta absorção de venezuelanos, diz General Heleno

RAPOSA SERRA DO SOL
DEMARCAÇÃO DESASTROSA EM RORAIMA DIFICULTA ABSORÇÃO DOS VENEZUELANOS, DIZ HELENO
DEMARCAÇÃO IDEOLÓGICA HOJE IMPEDE TRABALHO PARA VENEZUELANOS
O GENERAL AUGUSTO HELENO ADVERTIU PARA A A POLÍTICA INDIGENISTA CAÓTICA, E HOJE O ÍNDIO SEM PERSPECTIVAS E SEM OS ARROZAIS RECORRE AO LIXÃO PARA SOBREVIVER, NA RESERVA RAPOSA SERRA DO SOL.
O general Augusto Heleno, ex-comandante militar da Amazônia e um dos mais admirados oficiais do Exército Brasileiro, lembrou neste domingo (11) que se não tivesse ocorrido a “demarcação ideológica” da reserva indígena Raposa Serra do Sol, que destruiu a cultura do arroz, o Brasil poderia absorver nesse setor boa parte da mão de obra dos 50 mil venezuelanos que invadiram Roraima à procura de trabalho e melhores condições de vida.
“O presidente Temer vai a Boa Vista conhecer o problema dos 50 mil imigrantes venezuelanos”, escreveu o general em artigo para o Diário do Poder. “Por ser o Comandante Militar da Amazônia, denunciei, em 2008, a lamentável política indigenista. Alertei sobre a falta de critério na demarcação ideológica de Raposa Serra do Sol. Economistas avisaram que a expulsão dos arrozeiros era medida social e economicamente desastrosa. Ignoraram. Favelizaram Boa Vista e empobreceram Roraima”, acusa.
Ao decidir pela demarcação em terras contínua da reserva Raposa Serra do Sol, em 2009, sob influência de conceitos meramente ideológicos, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou a expulsão dos arrozeiros.
Atualmente, a gigantesca região de 17 mil quilômetros quadrados, mais de 11 vezes o tamanho da cidade de São Paulo e três vezes maior que o Distrito Federal. A reserva faz fronteira com a Venezuela e Guiana. Antes a maior produtora de arroz do Brasil, virou terra abandonada, com cerca de 20 mil índios aculturados e sem atividade econômica, passando fome e com milhares deles entregues ao alcoolismo.
“Hoje, a situação gerada pela ditadura de Maduro poderia ser contornada pela ampliação da cultura arrozeira e pelo consequente emprego de boa parte da mão de obra estrangeira que chegou a Roraima”, afirma o general Augusto Heleno em seu artigo. “Não há mais essa alternativa”, lamenta. “Infelizmente, vem aí mais improvisação e desordem urbana. Em outubro, temos que mudar o País”, conclama.
DIÁRIO do PODER/montedo.com

11 comentários:

Anônimo disse...

Haja fralda pra conter o STF.

Anônimo disse...

O Exmo Sr Gen Heleno deveria se candidatar, pois é de gente capacitada e honesta que esse país precisa no meio político. Com o apoio de militares ativos, inativos e demais simpatizantes, elegendo-o, contaríamos com um representante do mais alto nível. Essa reserva Raposa Serra do Sol antes produzia alimentos, divisas para o Brasil, hoje, completamente abandonada, nada produz. Índio é silvícola, não engrena na agricultura. Acredito que no futuro revertam essa decisão desastrosa, que criou essa reserva, pois prejudicou muita gente que lá plantava e colaborava diuturnamente com o progresso do país.

Anônimo disse...

Dessa vez concordo plenamente com o general.Infelizmente os militares , parecem, que não tem mais tanto poder para influenciar o governo contra decisões que só prejudicam o país. Esses desastre podem colocar na conta do PT/PMDB. Tive oportunidade de conhecer áreas onde os indígenas, após contato e "adquirir" a cultura do homem branco, com fins religiosos ou não, ficaram totalmente dependentes da nossa forma de viver, inclusive dependente do dinheiro. Mas, índios, com algumas exceções, não são muito adeptos do trabalho fixo. A vida deles é, normalmente, nômade. Vão para onde há caça. Com a fixação na terra, o que vi muito, foi alcoolismo. Índio, principalmente os das fronteiras, acha que tudo está a disposição dele e é livre, grátis, por isso um índice alto de furtos, mesmo em comunidades com presença de religiosos. Para eles não existe fronteira. Nas proximidades de Porto Velho, por exemplo, o governo para "proteger" comunidades e se fazer de bonzinho, concedeu uma"bolsa" em espécie para a "sobrevivência" deles, devido a dependência deles do homem branco e extinção de área de caça. Muito de nós não sabemos controlar o nosso dinheiro, imaginem os índios? Alguns atravessavam o rio e iam se embebedar pela cidade e outros, além da bebida, entravam no mundo das drogas. Uma decisão errada, só pensando em imagem política, traz consequências desastrosas imensas para todos nós.

Anônimo disse...

O general bate uma no cravo e outra na ferradura. E aproveita o fato de sermos o 6 país mais ignorante do mundo para vender lorotas aos idiotas sem informação e formação. Eu não lembro dele falar do sobre a demarcação das terras ianomâmis que ocorreu no governo Sarney e teve aprovação do Supremo.A demarcação das terras da Raposa do Sol em Roraima foi mais um crime praticado contra a população local, com o consentimento do Supremo. O problema e as mazelas do país está nesta constituição e na constituição do STF que julga de acordo com as vozes da rua. Vai enganar outro, eu não.

Anônimo disse...

Raposa Serra do Sol foi demarcada pelo então Governador de Roraima, Ottomar de Souza Pinto, Brigadeiro da Aeronáutica. Nunca uma a cultura do arroz teria conseguido absorver os venezuelanos, pois o estado carece de postos de trabalho e possui uma população inferior a 520 mil habitantes, sua economia é baseada no contra-cheque do funcionalismo, é um estado administrativo mantido pela União. A TI Yanomami, homologada quando era o Cel Jarbas Passarinho o Ministro da Justiça, é 5,5 vezes maior que a Raposa Serra do Sol. É mais fácil absorver 5o mil pessoas num estado populoso e produtivo do que num estado improdutivo e com vazios demográficos. Lembrando que o grande nome de oposição era o Sr Paulo César Quartiero, atual vice governador do estado e que na ocasião fugiu para .... a Venezuela ...

Anônimo disse...

Cara palida refresque a memoria, abril de 2008 o general fala a um clube militar no Rio de janeiro de politica nacional indigenista e de forma indireta se refere a reserva raposa serra do sol, pesquisa simples no Google resolve facil qualquer duvida

Anônimo disse...

Vai estudar um pouco de história e geografia em vê de fazer papel de papagaio de pirata.

Anônimo disse...

Estive em RR algumas vezes o ano passado, o Quartiero está trabalhando na região de Santarém, e não é mais procurado pela PF. A época ele comandou a resistência em RR. O estado é promissor na plantação de soja. Estão viabilizando a construção de uma estrada entre Boa Vista x Bonfim x Lether x Georgetow para escoamento da soja.

Anônimo disse...

Um diz que o arroz daria emprego aos venezuelanos...outro diz que o general falou de forma "indireta"...ora, se tivesse falado de forma direta, se insurgido contra esta demarcação, bom, eu até acreditaria...mas agora, com o governo que eles fizeram parte, sim parte, querem colher frutos que não plantaram...ainda tem uns seguidores...com cegueira geo-politica...e interesses pouco claros. Vai ver que faltou boquinha...

Anônimo disse...

Depois que Roberto Jeferson, criminoso contumaz, entregou os comparsas por não ter recebido sua parte...desconfio de tudo.

Anônimo disse...

O Presidente quer "resolver" o problema mandando espalhar todo esses imigrantes pelo Brasil. E, adivinhem quem vai fazer o transporte deles?? Muitos serão candidatos a serem mais um "soldado" do MST e etc. Os que tem alguma formação técnica ou superior terão que comprovar, conforme o MEC exige... ou não? Muitos que estão lá, nem estavam em áreas afetadas. São índios que viviam em suas tribos e estão aproveitando a ocasião. Basta qualquer um visitar um posto de saúde ou de apoio da FUNAI, que verão os índios lá, relaxados nas redes e perambulando, sem a mínima vontade de voltar para sua área. Depois dessa solução mágica, mais gente virá. Já recebemos, sem querer, haitianos, bolivianos, peruanos, argentinos, paraguaios, guianenses, etc, etc, ou seja, a América Latina parece querer vir toda para o Brasil.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics