22 de janeiro de 2017

Crise carcerária: Forças Armadas nas ruas em Natal

Militares das Forças Armadas patrulharam as ruas de Natal neste sábado (21)
Imagens: Elias Medeiros
Militares estão nas ruas de Natal (Foto: Elias Medeiros)
Militares estão nas ruas de Natal (Foto: Elias Medeiros)
Militares estão nas ruas de Natal (Foto: Elias Medeiros)
G1/RN/montedo.com

Zero, o Recruta universal!


Estadão/montedo.com

O marechal cabeça chata

PODER SEM PUDOR
CABEÇA CHATA


Resultado de imagem para marechal castelo branco

Cláudio Humberto

Baixinho, atarracado e quase sem pescoço, o marechal cearense Humberto de Alencar Castello Branco certa vez reagiu assim à pilha de processos levada a ele pelos ministros Octávio Bulhões e Roberto Campos:
- Os senhores sabem por que eu tenho cabeça chata? É de tanto os senhores baterem nela e me pedirem: ‘Assina logo isso aí, presidente’...
DIÁRIO do PODER/montedo.com

21 de janeiro de 2017

Imagem do dia

Sob aplausos, Teori Zawascki é sepultado em cemitério de Porto Alegre | Foto: Mauro Schaefer

Correio do Povo/montedo.com

'Não vamos admitir descontrole', diz ministro da Defesa no RN

Forças Armadas vão patrulhar ruas da Região Metropolitana de Natal.
Raul Jungmann chegou ao estado nesta sexta (20) para operação.
Rosanne D'Agostino e Fernanda Zauli
Do G1, em Natal, e do G1 RN
O ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou nesta sexta-feira (20) que o governo federal não vai "admitir descontrole". O ministro está em Natal para acompanhar os desdobramentos da Operação Potiguar II, deflagrada após uma semana de rebeliões que deixaram 26 mortos na Penitenciária de Alcaçuz, a maior do estado.
"Não vamos admitir descontrole, não vamos admitir que venha a imperar o medo e a desordem como da vez anterior. Essa é a determinação do presidente Temer. E para nós, missão dada, missão cumprida", afirmou o ministro.
A ação das Forças Armadas pelas ruas de Natal e região metropolitana foi autorizada pelo governo federal após a série de ataques a veículos, unidades policiais e outras instituições que começaram na terça-feira (17). As tropas começaram a chegar nesta sexta.
Segundo ele, as Forças Armadas só farão a vistoria, varredura e limpeza das unidades prisionais e não atuarão dentro dos presídios.
Serão 650 homens nas ruas no primeiro dia, realizando o policiamento ostensivo. No sábado, 1,4 mil estarão na Região Metropolitana. E no domingo, 1.846 integrarão a operação. "Não vamos substituir nenhuma ação das polícias", afirmou. "É também responsabilidade dos governos estaduais garantir que essas unidades assim continuem", disse.
De acordo com o Ministério da Defesa, são militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica que vão atuar para garantir a ordem na Grande Natal. A Operação Potiguar II será realizada até o dia 30 de janeiro, conforme decreto do presidente Michel Temer publicado em edição extra do Diário Oficial da União.
É o 7º dia de rebeliões na penitenciária, a maior do estado. Na manhã desta sexta, os presos voltaram a ocupar o telhado da unidade. Eles continuam soltos pelos pavilhões e pelos pátios do presídio, mesmo após a entrada do Batalhão de Choque e do Bope.

Rebeliões
Mais cedo, o comandante-geral da Polícia Militar do RN, coronel André Azevedo, afirmou ao G1 que não havia intenção da corporação de fazer um "paredão humano" para separar facções criminosas na penitenciária. O coronel contradisse a fala do governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD), que deu entrevista à GloboNewsnesta quinta (19).
"Paredão humano, ele [governador] já se desculpou. Ele recebeu uma informação não técnica. Não existe. Lá existe arma de fogo. Polícia, se abrir as mãos, morreu", disse o comandante. "Nós, para entrarmos, temos que fazer uma operação complexa, planejada, que envolve muitos materiais, equipamentos, armas", disse.
O G1 procurou o governo do estado para comentar as declarações. O governo se manifestou por meio de nota. "Esse assunto em específico a assessoria de comunicação do governo do estado não vai comentar", diz o texto.
Segundo o comandante, deve ser instalada uma barreira física para separar as facções, que seria feita de contêineres provisoriamente. "Isso é urgente e necessário", disse. O coronel afirmou ainda que é uma "ilusão" pensar que a Polícia Militar conseguirá retirar todas as armas do presídio.

Rebeliões e mortes
A rebelião em Alcaçuz começou na tarde do sábado, logo após o horário de visita. Presos do pavilhão 5, que abriga integrantes do Primeiro Comando da Capital, facção ligada a presídios paulistas, quebraram parte de um muro e invadiram o pavilhão 4, onde há presos que integram o Sindicato RN.
Ao todo, 26 detentos morreram durante o conflito entre as duas facções criminosas dentro da unidade, que gerou uma série de ocorrências na capital e outros nove municípios. Na quinta, houve novo confronto entre os presos.
Pelo terceiro dia, ônibus e outros veículos de Natal foram atacados por criminosos. Até o momento, 26 ônibus e micro-ônibus, um carro do governo do estado, três carros da secretaria de Saúde de Caicó, um veículo da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana, quatro delegacias e outros três prédios públicos foram alvos de criminosos.
Desde segunda, o governo do Rio Grande do Norte mantém contato com os chefes de facções para tentar retomar o controle de Alcaçuz. O secretário de Segurança Pública e Defesa (Sesed), Caio Bezerra, disse que as facções foram informadas de que a polícia não iria mais permitir confrontos entre criminosos.

Sem grades
Inaugurada em 1998 com foco na "humanização", a penitenciária de Alcaçuz, no Rio Grande do Norte, está sem grades nas celas desde uma rebelião em março de 2015. Com isso, os presos circulam livremente e os agentes penitenciários se limitam a ficar próximos à portaria. O complexo, no município de Nísia Floresta, na Grande Natal, tem capacidade para 620 pessoas, mas abriga o dobro de presos (veja como funciona Alcaçuz).

Massacres
O Rio Grande do Norte foi o terceiro estado a registrar matanças em presídios deste ano no país. Na virada do ano, 56 presos morreram no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus. Outros oito detentos foram mortos nos dias seguintes no Amazonas: 4 na Unidade Prisional Puraquequara (UPP) e 4 na Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoal. No dia 6, 33 foram mortos na Penitenciária Agrícola Monte Cristo (Pamc), em Roraima.
O governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria, classifica o massacre em Alcaçuz como "retaliação" ao que ocorreu em Manaus, onde presos supostamente filiados ao PCC foram mortos por integrantes de uma outra facção do Norte do país.
G1/montedo.com

20 de janeiro de 2017

Frase do dia

'Estou aqui para honrar a democracia'
Hillary Clinton, ex-secretária de Estado derrotada nas eleições Donald Trump, embora tenha conquistado a maioria dos votos populares

Imagem do dia

 
G1/montedo.com

Gandhi, Ruy Barbosa, Renan Calheiros e o lixo da História

Alguns textos recebidos na área de comentários valem uma postagem exclusiva. Este é um deles.

Léo*
Resultado de imagem para gandhiSó se faz História, com coragem, renúncia a si mesmo e objetivos grandiosos. Quando esses objetivos são permeados de visão estreita, fanatismo ou desprovidos de sentimentos básicos de justiça social, por exemplo, aí mora o grande perigo.
No entanto, quando surgem líderes dotados de sentimentos genuínos e desprovidos de si mesmos, aí começa a roda da História para a construção de um mundo melhor.
Poderia citar dezenas, centenas de homens e mulheres, muitas das vezes pessoas simples que, em atitudes extraordinárias, carimbaram seus nomes na eternidade da História humana de maneira grandiosa.
Resultado de imagem para ruy barbosaA diferença maior entre um Gandhi e um Renan Calheiros é a tola aparência de que este sempre vence e aquele é sempre um derrotado, um sonhador, um utópico.
Ruy Barbosa de Oliveira, o 'Águia de Haia', foi candidato à Presidência desta república de ladrões, por mais de uma vez. Perdeu em todas.Quem é lembrado, até hoje e sempre, como alguém que eternizou-se pela honra pessoal: o 'Águia de Haia' ou aqueles que o derrotaram, aparentemente, naquelas fraudulentas eleições? 
O SENHOR JESUS afirmou, pela boca do seu profeta Lucas, que "não há nada em oculto que não será revelado". Sepulcros caiados é o que são essa elite política e financeira, ordinária e vagabunda, que comanda o Brasil da roubalheira, do dinheiro na cueca.
Qual a diferença entre o ladrão pequeno da cueca e o grande ladrão das offshores, mundo afora? Nenhuma diferença!
Ratos de esgoto é o que são.
E ambos irão para o lixo da História!!!
*Comentarista do blog

FAB localiza gravador de voz em avião que caiu com Teori e mais quatro

Avião King Air C90GTx, modelo igual ao que levava o ministro do STF Teori Zavascki
Do UOL, em São Paulo
O avião que caiu nessa quinta-feira (19) no litoral do Rio de Janeiro com o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Teori Zavascki e outras quatro pessoas, sem sobreviventes, possuía um equipamento que funcionava como gravador de voz. A informação foi confirmada na tarde desta sexta-feira (20) pela FAB (Força Aérea Brasileira). Segundo a instituição, o equipamento foi retirado dos destroços da aeronave, na água, hoje no início da tarde.
De acordo com o Cecomsaer (Centro de Comunicação Social da Aeronáutica), em Brasília, militares da FAB fazem uma primeira etapa de investigações, hoje, no local do acidente, a fim de coletar dados que ajudem a identificar as causas da queda da aeronave.
Depois da localização, o gravador de voz passará por uma perícia quer responderá se estava ligado durante o voo, bem como quais conversas foram armazenadas.
O caso também é investigado pelo MPF (Ministério Público Federal) e pela PF (Polícia Federal). O chefe da Delegacia de Polícia Federal de Angra dos Reis, Adriano Soares, abriu inquérito para investigar as circunstâncias do acidente aéreo. Uma equipe de Brasília formada por um delegado, peritos e papiloscopistas atuarão em conjunto em Paraty.
A aeronave decolou do Campo de Marte, aeroporto localizado na capital paulista, às 13h01, e caiu por volta das 13h45, segundo a Marinha. De acordo com informações disponíveis no site da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), o Beechcraft C90GT tem capacidade para sete passageiros, além do piloto. É um avião bimotor turboélice fabricado pela Hawker Beechcraft. A aeronave PR-SOM está registrada em nome da Emiliano Empreendimentos e Participações Hoteleiras Limitada.
Aeronave estava regular, segundo Anac
Ontem, a Anac informou que o avião apresentava certificados de inspeção em dia. Segundo a Anac, não havia nenhuma pendência em relação à aeronave.
A Marinha, por meio do Comando do 1º Distrito Naval, informou que tomou conhecimento por volta das 13h45 da queda da aeronave. Imediatamente, a Agência da Capitania dos Portos em Paraty enviou ao local do acidente uma equipe, a fim de prestar apoio na busca aos tripulantes da aeronave.
UOL/montedo.com

Em meio a onda de ataques e destruição, Exército volta hoje às ruas de Natal

Forças Armadas voltam às ruas de Natal para conter onda de ataques
Bandidos atearam fogo na garagem do prédio da Secretaria de Saúde de Caicó  (Foto: Willacy Dantas )


Operação Potiguar 2 será deflagrada nesta sexta (20) e segue até dia o 30.
Ao todo, 1.200 militares serão empregados no combate ao crime organizado.
Fred Carvalho
Do G1 RN
Homens do Exército, Marinha e Aeronáutica voltam às ruas de Natal a partir desta sexta-feira (20) para combater a onda de ataques criminosos iniciada nesta quarta-feira (18). O emprego dos militares no patrulhamento das principais vias, pontos turísticos e o aeroporto da capital do Rio Grande do Norte foi autorizada pelo presidente Michel Temer. Ao todo, 1.200 homens vão integrar a Operação Potiguar 2, que segue até o dia 30 deste mês.
Essa será a segunda vez em seis meses que militares são empregados no cambate à criminalidade em Natal e na região metropolitana. Em agosto do ano passado, por 21 dias, o mesmo efetivo ocupou as ruas da cidade após uma série de ataques criminosos em todo o Estado.
De acordo com o Exército Brasileiro, a Operação Potiguar 2 seguirá os mesmos moldes da primeira ação. Os militares virão dos mesmos batalhões da Operação Potiguar 1, localizados nos Estados de Pernambuco e da Paraíba, além do interior do Rio Grande do Norte.
Ataques
Entre a quarta (18) e a quinta (19), 22 ônibus, dois micro-ônibus, um carro do governo do estado, um carro da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana, três carros da secretaria de Saúde de Caicó, um veículo do município, duas delegacias foram alvo de criminosos e um prédio público foram alvos de criminosos.
Houve ataques em nove municípios do estado: Natal, Parnamirim, São Gonçalo do Amarante, Ceará-Mirim, João Câmara, Macau, Caicó, Touros e Maxaranguape.
Segundo o secretário de Segurança Pública, Caio Bezerra, a relação entre os ataques e a crise no sistema penitenciário do estado está sendo investigada. "Pessoas já foram presas", afirmou, mas sem revelar a quantidade de detidos.
A maioria dos ataques aconteceu no mesmo momento em que a PM fazia a remoção de 220 presos da Penitenciária Estadual de Alcaçuz. No local, 26 detentos morreram durante uma rebelião no final de semana. Destes, segundo o governo, 15 foram decapitados. Alcaçuz fica em Nísia Floresta, cidade da Grande Natal.
A remoção dos presos foi uma nova tentativa de o Estado retomar o controle da unidade. Para a retirada dos detentos o governo está usando ônibus de turismo locados.

Os atos
Comandante do 1º Batalhão da Polícia Militar, o major Soares disse ao G1 que o primeiro ataque registrado foi contra um carro do governo que estava estacionado na frente da casa de um servidor que mora no bairro de Mãe Luíza. Seis pessoas teriam se aproximado a pé e atirado contra o veículo, que em seguida pegou fogo.
Já na comunidade de Brasília Teimosa, que fica perto de Mãe Luíza, um ônibus da empresa Santa Maria foi incendiado.
Um pouco depois, dois ônibus foram queimados no terminal do Vale Dourado, no bairro Nossa Senhora da Apresentação, Zona Norte. Segundo a Polícia Militar, homens se aproximaram e lançaram um coquetel molotov sobre os veículos.
À noite, mais oito ônibus foram queimados na garagem da empresa de viação Contijo, no bairro Felipe Camarão, na Zona Oeste da cidade e um micro-ônibus queimado em Bela Vista, bairro de Parnamirim, cidade da Grande Natal.
Por volta das 23h10 a 2º DP de Natal foi alvo de disparos.
Em Macau, cidade da região salineira do estado, um micro-ônibus também foi incendiado.
No município de Maxaranguape, litoral Norte potiguar, dois ônibus escolares e um caminhão foram incendiados. Os veículos estavam na garagem da prefeitura. O fogo consumiu os veículos. Ninguém ficou ferido.
A Polícia Militar conseguiu evitar ainda outro ataque a ônibus no conjunto Parque dos Coqueiros, Zona Norte de Natal. Segundo o comandante do 4º batalhão, o major Lisboa, dois homens chegaram a jogar combustível no veículo, mas foram impedidos pelos policiais que patrulhavam preventivamente a área. Os bandidos fugiram a pé na direção da lagoa de captação. O comandante disse também que a segurança foi reforçada em todos os oito terminais de ônibus da Zona Norte.
Na cidade de Caicó, região Seridó do estado, a garagem da Secretaria de Saúde da cidade foi incendiada. De acordo com a Polícia Militar, três viaturas foram incendiadas. Ainda em Caicó, a PM confirmou um ataque na garagem da empresa de ônibus Jardinense. Um veículo foi destruído.
Durante a noite um ônibus também foi alvo de bandidos na cidade de Ceará-Mirim, na Grande Natal.
Na madrugada desta quinta-feira (19) dois ônibus foram incendiados em João Câmara, município a 75 quilômetros de Natal. Um deles estava estacionado na frente de uma oficina quando foi alvo dos bandidos. O outro, da empresa Expresso Cabral, estava estacionado na rodoviária da cidade. De acordo com o policiamento do local, ninguém ficou ferido.
Em Touros, um ônibus foi incendiado na noite desta quarta-feira (18). Segundo o policiamento da cidade, moradores chamaram os bombeiros para apagar as chamas. Ninguém ficou ferido.
Em São Paulo do Potengi, município do Agreste potiguar, três homens encapuzados botaram fogo em um ônibus escolar na tarde desta quinta-feira (19). A população conseguiu apagar o incêndio com a água de um carro-pipa. Os bandidos fugiram.
Grande Natal
Na madrugada desta quinta-feira (19) dois homens atacaram uma viatura que estava estacionada em frente à sede da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (STTU), em Natal. Servidores conseguiram apagar o fogo com um extintor. As outras viaturas foram retiradas do local.
Por volta das 23h uma bomba caseira foi jogada na subestação Chesf no bairro do Bom Pastor, em Natal. De acordo com a assessoria de imprensa da Cosern, não houve danos.
Por volta das 7h30 desta quinta-feira (19) um alternativo foi incendiado no bairro Nova Esperança, em Parnamirim, na Grande Natal. De acordo com o tenente Moisés de Almeida, do 3º Batalhão da PM, homens armados abordaram o veículo e mandaram todas as pessoas descerem. Atearam fogo ao carro e fugiram sem levar nada. Ninguém ficou ferido.
Por volta das 2h30 da madrugada desta quinta-feira (19), um ônibus de passeio foi alvo de bandidos no conjunto Santa Catarina, na Zona Norte de Natal. Ninguém ficou ferido.
Por volta das 8h30 desta quinta (19) o terminal das Rocas foi alvo de bandidos. De acordo com a PM, o prédio foi arrombado e os criminosos atearam fogo na sala da administração.
No início da tarde desta quinta-feira, um ônibus da empresa Santa Maria foi incendiado em Santos Reis, bairro da Zona Leste.
O 1º Distrito Policial, na Cidade Alta, também sofreu um ataque na tarde desta quarta-feira. Um policial que trabalha na delegacia e preferiu não se identificar disse que dois homens chegaram em uma moto e atiraram contra a fachada do prédio. Os bandidos também atiraram uma mensagem, amarrada a uma pedra, com ameaças aos policiais.
O Fórum Varela Barca, na Zona Norte de Natal foi alvo de disparos na noite desta quarta. O outro fórum, em Parnamirim, também foi atacado por bandidos. Ninguém se feriu.
Um homem suspeito de participação nos ataques foi detido na Plantão Zona Norte para averiguações. Ele apresentava queimaduras pelo corpo.
A outra delegacia atacada foi a 14ª DP, que fica no bairro de Felipe Camarão, na Zona Oeste. Tiros foram disparados contra o prédio. Ninguém foi ferido.
G1/montedo.com

19 de janeiro de 2017

RJ: militares e embarcações da Marinha buscam sobreviventes no avião que caiu com Teori Zavascki a bordo

Marinha envia 50 militares e três embarcações para buscas em Paraty
Teori Zavascki está na lista de passageiros
RIO - A Marinha informou, por meio de nota, que 50 militares e três embarcações, além da equipe do Corpo de Bombeiros do Rio e de barcos pesqueiros, estão envolvidos nas buscas por sobreviventes do avião que caiu nesta quinta-feira no mar próximo a Paraty, próximo a Ilha Rasa, na Costa Verde do Rio de Janeiro. O ministro do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki era um dos passageiros. A morte foi confirmada pelo filho de Teori.
A Marinha informou que tomou conhecimento por volta das 13h45 desta quinta-feira da queda da aeronave e que, imediatamente, a Agência da Capitania dos Portos em Paraty (AgParaty) enviou ao local do acidente uma equipe, com o objetivo de prestar apoio na busca aos tripulantes.
Assessores do Supremo confirmaram que Zavascki está na lista de passageiros. O avião saiu de São Paulo. Não há informação sobre o número de passageiros, ou se houve sobreviventes.
A morte de Teori foi confirmada pelo filho em publicação nas redes sociais.
"Caros amigos acabamos de receber a confirmação de que o pai faleceu. Obrigado a todos pela força", escreveu Francisco.
O GLOBO/montedo.com

Ex-prefeito, coronel do Exército é condenado a capinar pátio de delegacia no RS

Ex-prefeito é condenado a capinar pátio de Delegacia de Polícia em Caçapava do Sul
Zauri Tiaraju, que comandou o município de 2009 a 2012, teve pena substituída por prestação de serviços comunitários
Marcelo Martins
marcelo.martins@diariosm.com.br
O ex-prefeito de Caçapava do Sul Zauri Tiaraju Ferreira de Castro, que comandou o município de 2009 a 2012 pelo PT (atualmente é do PSD), está prestando serviços comunitários em decorrência de duas condenações imposta pela 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça, ainda de dezembro.
Uma referente ao descumprimento da lei das licitações e, outra, por inobservância à lei que regulamenta a atividade de um gestor público. Pela pena referente à lei das licitações, o ex-político teve condenação a uma pena de três anos, seis meses e 15 dias de reclusão em regime aberto, que foi substituída por prestação de serviços à comunidade. Ele ainda terá de pagar 15 salários mínimos.
Na prática, ele está – desde 12 de dezembro de 2016 – fazendo o corte de grama da Delegacia de Polícia Civil da cidade. A condenação do Coronel Tiaraju, que é militar reformado, é referente a atos administrativos de 2009, quando era prefeito.
A outra condenação, de dois anos em regime aberto, que também foi revertida em serviço comunitário é referente a irregularidades nas obras de reforma de uma escola localizada na zona rural do município. O político ainda terá de pagar 10 salários mínimos. O caso, inclusive, desencadeou uma CPI, formada pela Câmara de Vereadores em 2010, que apontou possíveis irregularidades no uso do dinheiro público.
O ex-prefeito teve o seu mandato marcado, ainda, por outros casos polêmicos envolvendo contratações públicas

Histórico
Quando esteve à frente da prefeitura, ele teria feito dispensa de licitação para a obra do calçamento de uma via urbana, também teria admitido servidores sem concurso público e, por fim, contratado uma cooperativa de trabalhadores sem licitação. Sobre esse caso, ele alegou situação emergencial – já que o município sofreu com enxurradas e chuvas fortes – para embasar o pedido. 
Mas, segundo a denúncia, parte dos contratados não prestou os serviços para os fins devidos – sendo designados para outras demandas, como auxiliar administrativo, instrutor de dança e até músico para baile do Carnaval do município.

A defesa e a juíza
A defesa de Tiaraju solicitou que ele cumprisse pena no quartel da BM ou dos bombeiros, o que foi negado pela magistrada Paula Mauricia Brun que, em despacho, escreveu que "realizar corte de grama, capina, não desmoraliza ninguém e não fere nenhum direito do apenado".
A magistrada ainda traz, no texto, que "não é prerrogativa (do apenado) 'escolher' onde pretende executar sua pena". A magistrada enfatizou que "para fins da real aplicação da pena, vez que é aposentado como coronel do Exército", os locais apontados pela defesa – quartéis da BM ou dos bombeiros – não seriam os mais apropriados, "o que dificultaria e muito o cumprimento diante da hierarquia existente nas corporações militares".
A prefeitura e o hospital do município foram procurados, pela Justiça, para avaliar a possibilidade de o apenado cumprir a pena, mas esses dois órgãos não aceitaram os serviços do ex-prefeito, relata a magistrada.
A defesa alegou que "diante do serviço que lhe foi imposto", Tiaraju, por ser ex-prefeito e já ter sido comandante do Exército, poderia ficar exposto a "todo tipo de chacota" na cidade. A magistrada, por fim, sustenta que a Delegacia de Polícia conta com muros, o que impede o acesso visual por parte das pessoas.
A condenação ainda prevê que o político fique inabilitado para o exercício de função pública pelo período de cinco anos.
O que diz o ex-prefeito
"Me sinto extremamente injustiçado. Tudo isso teve origem ainda lá naquela CPI, em meados de 2010, uma CPI política e forjada para me incriminar. Acontece que, agora, fui condenado em 2ª instância, aqui (em Caçapava do Sul) e em Porto Alegre. O absurdo de tudo isso é que para cumprir com o que me foi imposto vou levar dois anos e 9 meses, já que tenho de cumprir de sete a 14 horas semanais de capina. A verdade é que isso tudo é exagerado e incompatível com a minha atividade de político, de ex-prefeito e de coronel. Não concordo e vou recorrer com um mandado de segurança. Minha aptidão não é cortar grama. Se há algo de positivo nisso tudo é que vejo que as pessoas da cidade demonstram consternação e um apoio moral à minha situação"
DIÁRIO de SANTA MARIA/montedo.com

Imagem:
Galeria de ex-Cmt
1º BFv/10º BEC
Nota do editor
O coronel Zauri Tiaraju é da Arma de Engenharia e comandou o 1º BFv/10° BEC (Lages - SC) de 1997 a 2001.

É de mentira a intervenção das Forças Armadas na crise do sistema penitenciário

Mentira (Foto: Arquivo Google)Ricardo Noblat
A ideia inicial foi de Alexandre Moraes, ministro da Justiça, que a levou direto ao presidente Michel Temer: por que não usar as Forças Armadas para enfrentar o agravamento da crise no sistema penitenciário brasileiro?
Temer gostou da ideia e chamou para conversar a respeito os ministros Raul Julgmann, da Defesa, e Sérgio Etchegoyen, do Gabinete de Segurança Institucional. Foi longa a conversa.
Os dois desaconselharam Temer a embarcar na canoa furada de Moraes. Argumentaram com a falta de treinamento das Forças Armadas para cumprirem tal papel.
Falaram dos riscos de contaminação dos militares em contato direto com o crime organizado. E lembraram que a Constituição é muito clara quando define quais são as verdadeiras funções das Forças Armadas.
Mas Temer insistiu que alguma coisa deveria ser feita mesmo assim. Foi então que se inventou a intervenção militar de mentirinha. Porque é disso que se trata, e nada mais.
Uma vez que os governos estaduais peçam, uma vez que os detentos do presídio a ser vistoriado sejam retirados de lá e isolados em outro lugar, militares com detectores de metal inspecionarão as celas.
O serviço poderia ser prestado por empresas privadas que dispõem do mesmo tipo de equipamento. A farda, porém, servirá para lhe conferir maior credibilidade.
Servirá, também, para demonstrar a preocupação do governo com a situação dentro e fora dos presídios. Nada mal para um governo carente de popularidade e de boas ideias.
O Globo/montedo.com

Crise carcerária: Temer autoriza uso imediato das Forças Armadas para reforçar segurança em Natal

Após o apelo do governador do Rio Grande do Norte, Robinson Farias, que pediu ajuda  para que as forças armadas fossem enviadas ao Rio Grande do Norte de forma imediata, o Presidente Michel Temer acaba de autorizar o emprego de tropas na capital potiguar.


Após pedido do governador do Rio Grande do Norte, autorizei o uso das Forças Armadas para reforçar a segurança nas ruas de Natal.


O objetivo é de que os militares atuem nas ruas de Natal a partir de hoje e os policiais sejam deslocados para Alcaçuz. O presídio está em crise pelo sexto dia consecutivo e o governador declara que a situação está “fora de controle”.
Além do conflito dentro da unidade prisional, facções criminosas estão promovendo ataques a ônibus e carros públicos desde a tarde de ontem em retaliação a transferência dos presos. Vinte e um ônibus já foram queimados. Desde o meio-dia desta quinta-feira, Natal está sem transporte público.
A maioria dos ataques aconteceu no mesmo momento em que a PM fazia a remoção de 220 presos da Penitenciária Estadual de Alcaçuz. No local, 26 detentos morreram durante uma rebelião no final de semana. Destes, segundo o governo, 15 foram decapitados. Alcaçuz fica em Nísia Floresta, cidade da Grande Natal.

O governador disse ainda que o objetivo final é transferir todos os presos e interditar o maior presídio do Rio Grande do Norte.
Com informações da Gazeta do RN e G1/RN

Crise carcerária: Forças Armadas têm grande credibilidade, diz Temer

VARREDURAS
'FORÇAS ARMADAS TÊM GRANDE CREDIBILIDADE', DIZ TEMER SOBRE INSPEÇÕES
O PRESIDENTE REITEROU QUE NÃO HAVERÁ CONTATO COM OS CONDENADOS
Ao falar nesta quarta-feira, 18, sobre as reformas e ações do governo realizadas nos oito meses de governo, o presidente Michel Temer (PMDB) ressaltou a atuação das Forças Armadas dentro dos presídios.
"Pela primeira vez tivemos diálogo com Defesa e Forças Armadas sobre presídios. As Forças Armadas têm grande credibilidade e respeito e farão inspeção nos presídios. Elas não terão nenhum contato com os presos", ressaltou Temer.
As declarações do presidente foram feitas durante o lançamento do "Programa Empreender Mais Simples: menos burocracia, mais crédito", realizado em Brasília.
Na análise do presidente, a iniciativa, até então inédita, revela a "ousadia que o Brasil precisa". De acordo com o ministro da Defesa, Raul Jungmann, as Forças Armadas estarão prontas dentro de oito a 10 dias para atuarem dentro dos presídios.
A estimativa é de que 1 mil militares, divididos em 30 equipes, sejam mobilizados para as varreduras nas penitenciárias. Segundo o ministro, os militares vão atuar nos presídios para reduzir a criminalidade, não havendo risco de contaminação das Forças Armadas pelo crime organizado.
No evento realizado na sede do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Temer fez um balanço das propostas encaminhadas pelo atual governo para o Congresso e informou que a próxima reforma deverá ser a que trata do sistema tributária.
"Propomos quatro reformas importantes para o País em oito meses. A próxima reforma será a simplificação do sistema tributário. Estamos sendo ousados, além de coragem, é preciso ousadia", ressaltou Temer.
Apesar de considerar a reforma tributária apresentada pelo governo como "dura", o presidente disse que os direitos adquiridos não serão alterados.
"A reforma da previdência é pesada e dura, sim, mas é indispensável. Para garantir aposentadorias do futuro, é preciso reformular a previdência social. o Congresso Nacional é o palco próprio para as grandes discussões sobre a previdência e os direitos adquiridos serão mantidos", disse.
Além da reforma tributária e da previdência, Temer citou em seu discurso as mudanças do ensino médio e a modernização da legislação trabalhista. O presidente defendeu ainda que o Estado tem que assumir postura menos cartorial e mais eficiente. (AE)
DIÁRIO do PODER/montedo.com

Crise carcerária: Jungmann nega risco de "contaminação" das Forças Armadas pelo crime

Militares devem estar prontos para atuar em presídios em até 10 dias
Agência Brasil / CP
Um dia depois de o Palácio do Planalto anunciar a atuação das Forças Armadas para inspecionar cadeias de todo o País, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, disse nesta quarta-feira que os militares vão atuar nos presídios para reduzir a criminalidade, não havendo risco de "contaminação" das Forças Armadas pelo crime organizado. Jungmann ressaltou que os militares não irão enfrentar as facções que atuam nas cadeias, já que essa tarefa cabe às polícias.
Em termos operacionais, as Forças Armadas estarão prontas dentro de oito a 10 dias para atuarem em presídios, informou o ministro. O Ministério da Defesa vai disponibilizar inicialmente R$ 10 milhões para o emprego dos militares nas penitenciárias, ainda que não haja uma previsão de custos para as inspeções, pois esse cálculo dependerá do número de presídios vistoriados e das distâncias de deslocamento das equipes - caberá a cada Estado solicitar ao governo federal o apoio dos militares.
"As Forças Armadas não irão operar e controlar presídios e penitenciárias, não vão manejar os presos durante a varredura e não vão substituir policiais e agentes penitenciários estaduais. As Forças Armadas não atuarão sozinhas", destacou Jungmann.
O ministro reiterou que "as Forças Armadas não terão contato direto com os detentos". "Não haverá esse contato com a criminalidade. As Forças Armadas não irão enfrentar essas facções, isso é tarefa de polícias", frisou Jungmann.
A ideia do governo é que as vistorias nas cadeias ocorram de surpresa, "sem a possibilidade de vazamentos que possam implicar no insucesso de uma varredura", explicou o ministro. Jungmann classificou como "tragédia humana" os massacres ocorridos em presídios do Rio Grande do Norte, Amazonas e Roraima.
Correio do Povo/montedo.com

MPM denuncia quatro oficiais do Exército por fraude em licitações no hospital militar do Recife

PJM RECIFE DENUNCIA MILITARES E EMPRESAS ENVOLVIDOS EM FRAUDES EM PROCEDIMENTOS LICITATÓRIOS NO HMAR
Recebida a denúncia oferecida pela Procuradoria de Justiça Militar no Recife contra um tenente-coronel, três militares da reserva remunerada do Exército (um coronel, um 1º tenente e um capitão) e 10 civis envolvidos em fraudes em procedimentos licitatórios para a aquisição de bens para o Hospital Militar de Área do Recife (HMAR). As irregularidades identificadas totalizam aproximadamente R$ 2.milhões.
Para auxiliar nas investigações, o Ministério Público Militar requisitou uma auditoria à 7ª Inspetoria de Contabilidade e Finanças do Exército (7ª ICFEx) com a finalidade de averiguar a regularidade nos contratos firmados com o HMAR. O relatório constatou que, ao longo de 2007, oito empresas envolvidas no esquema fraudulento emitiram notas fiscais para justificar o recebimento dos valores pagos pela organização militar por itens não entregues.
Grande parte dos procedimentos licitatórios irregulares versavam sobre a aquisição de materiais de expediente e de informática. O relatório de auditoria da 7ª ICFEx atestou que as quantidades de materiais de informática adquiridos eram absolutamente incompatíveis com a necessidade do HMAR. No período, foram adquiridos, entre outros, 561 teclados para computadores, 437 estabilizadores de tensão, 675 processadores, 655 placas-mãe. Contudo, o parque computacional do hospital é composto por apenas 98 computadores, 10 notebooks e 26 impressoras. Outro fato que demonstra a fraude praticada pelos denunciados é a aquisição de suprimentos de informática incompatíveis com os equipamentos existentes no HMAR.
Também foi demonstrado que os militares atestavam o recebimento de mercadorias inexistentes e incluíam o material no patrimônio para, em seguida, ser desrelacionado, como se tivesse sido efetivamente usado pelos setores. Verificou-se ainda que os militares envolvidos deixaram de utilizar os sistemas SISCOFIS e SIMATEX e que o Relatório de Movimentação do Almoxarifado (RMA), assim como o Relatório de Movimentação de Bens Móveis (RMB) não estavam arquivados, tudo com a finalidade de impedir a fiscalização dos procedimentos licitatórios e garantir o sucesso da empreitada delituosa.
Com a quebra do sigilo bancário dos denunciados, foi possível identificar a a transferência direta de valores das contas das empresas envolvidas nas irregularidades para a conta-corrente de um dos militares denunciados, no montante de R$ 168 mil. Ressalte-se que boa parte dos recursos obtidos era repassado em espécie, justamente com a finalidade de encobrir a fraude.
Todos os envolvidos foram denunciados pela prática reiterada de estelionato, previsto no art. 251 do Código Penal Militar. De acordo com o MPM, considerando apenas os militares, o tenente-coronel e o capitão incorreram no crime 70 vezes, o coronel, 23 vezes, e o tenente, 10 vezes.
MPM/montedo.com

Bizú: vagas para os concludentes da EsSA em 2017


Resultado de imagem para desenho divisias terceiro sargento

Acabaram de ser divulgadas as vagas da EsSA para esse ano:

Anísio Jobim - 10 vagas
Bangu 1 - 4 vagas
Bangu 2 - 4 vagas
Bangu 3 - 4 vagas
Bangu 4 - 4 vagas
IPPO - 5 vagas
IPPS - 5 vagas
Presídio de Charqueadas - 6 vagas
Penitenciária Federal de Catanduvas - 8 vagas
Penitenciária Federal de Campo Grande - 8 vagas
Penitenciária Federal de Porto Velho - 8 vagas
Penitenciária Federal de Mossoró - 5 vagas
Penitenciária Federal de Brasília - 5 vagas 
Presídio de Pedrinhas - 10 vagas

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics