4 de agosto de 2017

Tenente acusado de matar namorada é expulso do Exército e pode ir a júri

Izabella Pimentel
redacao@cidadeverde.com
O Exército Brasileiro expulsou o tenente José Ricardo da Silva Neto, 22 anos, acusado de matar a estudante Iarla Lima Barbosa, 25 anos. A decisão foi tomada após o comando da 10º Região Militar negar o pedido de prorrogação do serviço militar do tenente que ingressou nas Forças Armadas em agosto de 2014.
José Ricardo era segundo tenente do 2° Batalhão de Engenharia de Construção. Com a revogação do pedido de prorrogação de serviço militar, o suspeito do feminicídio de Iarla perde a patente de oficial do Exercito Brasileiro e se torna civil.
O tenente encontra-se preso no quartel do 2º BEC. Sem condição de oficial das Forças Armadas, o suspeito perde a regalia e será encaminhado para cumprir prisão preventiva em uma penitenciária do sistema prisional do Estado.
O Ministério Público Estadual, representado pelo promotor de Justiça Ubiraci Rocha, solicitou à 1º Vara do Tribunal do Júri a transferência imediata de José Ricardo para uma unidade prisional.
José Ricardo da Silva Neto é acusado de matar a tiros a namorada Iarla Lima Barbosa no dia 19 de junho deste ano, quando saiam do um pub localizado na zona Leste de Teresina. O Ministério Publico denunciou o ex-tenente à Justiça por feminicídio.
Na denúncia, Ubiraci Rocha destacou que o crime foi cometido pelo menosprezo ou “discriminação à condição de mulher, haja vista a expressa manifestação de poder do acusado sobre a vítima, uma vez que estes mantinham uma relação amorosa (namorados), há apenas sete dias”.
O ex-oficial também foi denunciado por tentativa de homicídio qualificado pelo feminicídio de Josiane Mesquita da Silva e Ilana Lima Barbosa, amiga e irmã [respectivamente] de Iarla que também teriam sido baleadas por ele.
O caso foi encaminhado ao Tribunal Popular do Júri de Teresina.
cidadeverde/montedo.com

12 comentários:

Anônimo disse...

A notícia está errada. Ele não foi expulso do Exército, somente teve a revogação do pedido de prorrogação de serviço militar negada. Ele deixou de ser Oficial "Temporário" e passa a ser Oficial R/2 do Exército. Não perdeu a patente de Oficial do Exército Brasileiro. Continua com "a condição de oficial das Forças Armadas". É considerado, como Oficial R/2, "civil" para a lei penal, por isso vai para a penitenciária do Estado.

Anônimo disse...

Retificando: retirem o "negada" do texto acima.

Anônimo disse...

Se ele fosse de carreira, ficaria preso em uma prisão militar aguardando o trânsito em julgado da sentença condenatória, e aí sim seria excluído com a Perda do posto e patente, e entregue em uma penitenciária, esse sujeito é uma assassino covarde e imundo, merece a execração pública.
Ten QAO R/1 EB

Anônimo disse...

Amigo, completamentando, o estatuto dos militares. Art 3, parag 1. Ele deixou de ser militar. Militar é da ativa, reserva remunerada ou reformado.

Anônimo disse...

Sendo ou não, ainda militar, ele é um monstro em evolução. Se, como oficial temporário, armado, já tinha essa índole com a namorada de sete dias, imaginem com mais tempo. Se for transferido para uma prisão comum, será "muito bem recebido" pelos demais presos que "gostam" muito de matadores de mulheres e, sendo ex-militar, pior será. Casos como esse é que me deixa na duvida de ser a favor da permissão de todo militar portar arma. Infelizmente, a burocracia e exames chatos são necessários e, mesmo assim, não conseguem detectar todos os incapazes e incontroláveis. Condenados com rigor mesmo, são os familiares da vítima, que não a terão mais no seu convívio.

Anônimo disse...

Bem mais digno ser um QAO com pistola do que um MULEKE que não sabe de nada da vida ! MU LE KE ....esse em 20 anos ou menos um pouco estará fora das grades 20 +20 ...40 anos de idade louco, livre e cheio de odio no coração....

Anônimo disse...

Nota do Exército:
“Em relação aos fatos envolvendo o 2º Tenente José Ricardo da Silva Neto, informamos que o processo administrativo instaurado para apurar a conduta do militar foi finalizado. Como resultado, o Comando da 10ª Região Militar decidiu por não renovar a prorrogação do tempo de serviço militar do tenente.

Em consequência, decorre o licenciamento do referido Oficial do serviço militar ativo, previsto para o dia 05 de agosto de 2017, e a perda da prerrogativa de cumprir a prisão preventiva em unidade prisional do Exército Brasileiro. Diante do exposto, o 2º Batalhão de Engenharia de Construção informou à Justiça do Estado do Piauí, para que seja providenciada a sua transferência para outra unidade prisional”.

"Agora considerado licenciado pelo Exercito Brasileiro, o tenente do 2° Batalhão de Engenharia de Construção (BEC), José Ricardo da Silva Neto, 22 anos, acusado de assassinar a estudante Iarla Lima Barbosa, 25 anos, no mês de junho, será expulso quando for julgado e condenado pela acusação que responde no Poder Judiciário do Piauí.

A informação foi confirmada pela reportagem do OitoMeia junto à relações públicas do Exercito, Capitã Sofia. Segundo ela informou, na tarde desta quinta-feira (03/08), não procede a informação de que ele foi expulso."

Fonte: https://www.oitomeia.com.br/noticias/2017/08/03/expulsao-de-tenente-acusado-de-matar-namorada-so-ocorrera-apos-julgamento/

Anônimo disse...

Como assim perde regalia, na prisão em OM, o militar não pode por exemplo trabalhar, estudar ou fazer resumo de livros (como o José Dirceu fez) para ter os dias descontados em sua pena, como ocorre na prisão "civil".

Gen Anibal disse...

Na Bíblia Sagrada, muitas vezes há referência sobre pessoas insensatas e que ás vezes, "traz a calamidade para a sua própria cabeça" o que foi o caso desse Tenente, que se achava o Ban Ban Ban, novo, ganhando bem, deixou-se ser enganado pela vaidade e com isso veio a derrocada. Trouxe desgraça para si, sua família e a família da moça. Deus tenha piedade dessa alma que vai pagar seus pecados em um presídio do Estado.

Anônimo disse...

A responsabilidade é inteira da união, onde estão os testes psicológicos realizados por profissionais habilitados nos candidatos ao serviço militar, antes da incorporação ou convocação.

Não existem os testes psicológicos para avaliar se o candidato pode portar arma de fogo.

Anônimo disse...

De fato, o Estatuto dos Militares AINDA não contempla os Oficiais R/2 como "Militares da Reserva Não-Remunerada" (em breve serão considerados como tais), porém eles ainda são Oficiais com carta patente válida e reconhecida (e não ex-oficiais, ex-tenentes como muitos insistem em qualificá-los).
Um caso isolado de um covarde, que atira a queima-roupa na namorada, mas que por acaso é tenente "temporário", não pode desqualificar todos os Oficiais "temporários". Na internet está cheio de casos escabrosos de militares de carreira que cometeram os mais escandalosos crimes. E tais crimes independem de tempo de serviço.
No caso específico do Tenente Sousa Neto, ele poderá perder o posto e a patente depois da condenação.

Anônimo disse...

Anônimo 5 de agosto de 2017 20:33, se tais testes fossem possíveis com a exatidão que você pensa, não haveria crime causado por maníaco. O problema é que, quando se tratando de FAs, vocês querem MILAGRES. Agora, se esse cara fosse casado e com filhos menores de idade, ele receberia o chamado AUXÍLIO RECLUSÃO de mais de R$ 900,00 por cada dependente, como qualquer civil preso e que descontava para aposentadoria. Aí está a quebra da Previdência, pois há mais bandidos do que gente neste país.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics