23 de outubro de 2016

Militar brasileiro morre no Haiti atuando em área atingida por furacão



Mais 20 militares do Brasil morreram na missão de paz da ONU desde 2006.

Sargento Vicente, de 46 anos, teria sido vítima de parada cardiorespiratória.

Tahiane Stochero
Do G1 São Paulo
O sargento do Exército brasileiro Vicente Medeiros, de 46 anos, morreu no Haiti nesta semana na base temporária brasileira na cidade de Les Cayes, no sul haitiano, fortemente destruída após a passagem do furacão Matthew. O furacão deixou ao menos 473 mortos e 75 desaparecidos, conforme balanço provisório oficial.
Medeiros atuava na tropa de engenharia e foi encontrado desacordado dentro da base do Brasil por volta das 13h30 de segunda-feira (17). A unidade foi construída em contêiners para ajudar as pessoas desabrigadas e abrir estradas que haviam sido bloqueadas após a passagem do furacão.
Segundo o coronel Sebastião Roberto de Oliveira, comandante do Batalhão Brasileiro no Haiti, ele foi, provavelmente, vítima de uma parada cardiorrespiratória.
O sargento é considerado o 21º militar brasileiro a morrer integrando a missão de paz da ONU no Haiti, chamada de Minustah. O Brasil lidera militarmente a operação desde que ela foi criada, em 2004, em meio a um caos político e institucional que levou à queda do então presidente Jean Betrand Aristides e a um princípio de guerra civil.
O 2º sargento Vicente recebeu os primeiros socorros de colegas em Les Cayes e foi levado de helicóptero para um hospital militar em Porto Príncipe, a capital haitiana, mas não resistiu. O corpo passou por autópsia na República Dominicana, de onde será transladado para o Rio de Janeiro, onde reside a família.
Antes de seguir ao Haiti, onde integrava o 24º Contingente Brasileiro, o sargento servia no Hospital Central do Exército, em Benfica, no Rio.
O Exército informou que ele passou por todos os treinamentos, testes e exames previstos para integrar a Minustah. Durante seu período no Haiti, "o referido militar sempre desempenhou suas atividades sem queixas, nem nada o desabonasse".
"A Companhia Brasileira de Engenharia de Força de Paz (BraEngCoy) manifesta as condolências à família do sargento Vicente, que cumprindo a missão que a sociedade e o Exército lhe confiaram, deu a própria vida, trabalhando para garantir o desenvolvimento e o bem-estar do povo haitiano", informou o Exército em nota.
Foram instaurados procedimentos para investigar o ocorrido, dentro das normas da Organização das Nações Unidas (ONU) e do Brasil, para esclarecer o que ocorreu.
O Itamaraty informa que a embaixada em Porto Príncipe está trabalhando para facilitar as providências de traslado do corpo.

Mais 20 mortes do Brasil
Em 2006, o general brasileiro Urano da Matra Bacellar, então comandante da missão de paz, foi encontrado morto com um tiro, em meio à pressão internacional para que houvesse a realização de eleições presidenciais e a pacificação de regiões violentas da capital, como Cité Soleil. Em 2015, outro general brasileiro e também no cargo de comandante da missão, José Luiz Jaborandy Júnior, morreu devido a um infarto durante viagem do Haiti para Manaus (AM), onde iria conhecer a neta, nascida há poucos meses.
Durante o terremoto, em janeiro de 2010, 16 militares brasileiros morreram no Haiti. Dez deles em um posto das tropas brasileiras localizada na principal rodovia da capital haitiana, chamado de "Casa Azul", e que ficava próximo a uma das áreas mais violentas do país, Cité Soleil. O tremor deixou mais de 200 mil vítimas fatais, divulgaram as organizações internacionais na época.
Houve ao menos outras duas mortes de militares brasileiros em acidentes. Um soldado morreu em 2007 - ele teria se descuidado e tomado uma descarga elétrica em um ponto-forte (uma base avançada) do Exército do Brasil em Cité Soleil. Outro, em 2011: um soldado de 22 anos caiu de uma altura de cerca de 1,5 metros, após se desequilibrar ao fazer a segurança na parte de trás de um jipe.
G1/montedo.com

38 comentários:

Léo disse...

Pergunto,agora , quem autorizou,chancelou, concordou com a ida,ao Haiti,de um Sargento,de 46 anos de idade, do HCE, claro que sem ser um profissional operacional, provavelmente por ter sido,a vida inteira, excelente Cabo e 3 Sargento? Alguém permitiu que ele estivesse lá! 46 anos,é ? Imaginem agora que todos nós teremos que trabalhar 35,35,35 longos,longuíssimos anos,nas amadas e sucateadas Forças Armadas...

Anônimo disse...

Acho que quando não temos o que falar é melhor ficar quieto. O fato dele estar momentaneamente servindo no HCE nada tem a ver com o acontecido. Quantos e quantos exercem funções administrativas na Tropa? Ai vem o LÉO dizer " quem chancelou" ? Vamos melhorar o nível dos argumentos, e deixar de externar recalques, achar que tudo é culpa do comando, que tudo é culpa dos oficiais. Sou praça, já estive no Haiti. O que aconteceu com o companheiro foi uma fatalidade, que acontece todos os dias em nossos quartéis,. Por isso, Léo, se não tem o que falar, fique quietinho. Vamos elevar o padrão da discussão. Procure estudar e conhecer melhor antes de falar. Por fim, meus pêsames à família do companheiro que partiu.

Anônimo disse...

Os oficiais que vão (Cmt SCmt etc) estao nessa mesma faixa etária... o grande problema é que muitos omitem problemas de saúde para poderem ir e ganhar uma graninha (que não é muita para o risco) alguns deixam de tomar remédios de uso diária para poderem ir...

Anônimo disse...

pqp
reclamam de tudo

Reinaldo disse...

Pretexto sem logica, no caso dele que em princípio foi vítima de infarto, isso poderia ter acontecido aqui ou em qualquer outro lugar e como foi falado ele passou por exames médicos, físicos e psicológicos no caso do infarto não tem relação com a idade muitas das vezes são casos hereditários ou o modo de vida que a pessoa leva, vejo isso como um oportunismo pra mais uma vez massacrar a força

Anônimo disse...

A notícia é triste, para piorar a situação você lê certos absurdos, esse indivíduo de 23 OUT 2016 01:44, foi totalmente infeliz em seu comentário, totalmente descriminatório. Se o companheiro foi escalado para compor o efetivo foi por que mereceu, todos sabemos que na Instituição existe o apadrinhamento, mas não podemos generalizar ou ser levianos ao ponto de apontarmos alguém que sequer conhecemos. Essa é a dura realidade, reclamamos de nossas condições atuais, mas não conseguimos sequer respeitar a vida do companheiro e o sofrimento de sua família. Infelizmente a Instituição está permeada de indivíduos assim. O último apague a luz.

Marcelo Carvalho disse...

Os militares que integram o contingente passam por 6 meses de treinamento para uma missão de 6 meses. Fatalidades acontecem, ainda mais num Batalhão com 1200 homens. Estava no Haiti durante o terremoto e pude constatar como é frágil nossa existência. O que podemos fazer de melhor é orarmos pela família do Sargento.

Anônimo disse...

Qual é a turma dele?

Anônimo disse...

O militar se voluntariou e, pelo visto, não havia impedimentos legais para sua ida ao Haiti. Acontece que vivemos numa época em que não se pode mais morrer... Quando uma morte acontece, precisa haver um bode expiatório. Mesmo com todos os avanços da medicina, mortes em pessoas jovens e aparentemente saudáveis, continuarão ocorrendo, no Brasil e em qualquer lugar do mundo. É o imponderável da vida.

Anônimo disse...

Para missão no exterior, haiti, só vão os bons. É por isso que tem militar que vai mais de duas vezes. São bons. Eu só estou aqui para justificar os direitos dos bons. Pois, quando você tem algo, alguém reivindica que também tem direito. Mas nunca se expões para adquiri-lo/conquistá-los.

Anônimo disse...

A vida militar é assim. Ou você acha que um policial militar com idade igual ou superior a desse sargento, não sobe morro e troca tiro com bandido. Para de falar besteira e seja menos idiota nos seus devaneios.

Léo disse...

Todo o meu respeito e pêsames à família do companheiro falecido.Que o SENHOR o receba em seus braços,no Paraíso.

Anônimo disse...

Léo, procure saber primeiro o que aconteceu, antes de ficar fazendo comentário ridiculo, desmerecendo as pessoas e a Instituição. Respeite o companheiro que faleceu, não fique fazendo conjecturas de que ele não teria condições de ir. Deixe de ser " leãozinho de alojamento". Outra coisa, se não quer ficar até os 35 anos, vá embora! A porta da casa é-a serventia da casa.

Anônimo disse...

Léo, comentário infeliz.

Anônimo disse...

Em uma das om em que passei, há um Sgt QE que já foi para o Haiti 4 vezes, e esta no repousativo para ir a quinta vez, tudo cortesia de amigos, tb do quadro especial, que servem em BSB e usam a proximidade funcional com autoridades para brindar seus colegas tb do quadro especial com esses mimos. A designação vem de BSB publicada, ou como ordem, pegando até os cmts de militares como esse, de surpresa. Alguns saem imediatamente de dispensas perpétuas de escala de serviço, TAF e TFM para comporem os contingentes de missões de paz, voltando a essas condições assim que retornam. Não creio que uma missão com elevada responsabilidade como essa deva ser tratada como cabide de relacionamentos laborais e pessoais, na forma de agrados concedidos a militares que as vezes não dispõe de condições sanitárias ideiais. Uma lástima a perda do companheiro, que Deus conforte a família.

Anônimo disse...

Estou indo para meu 27º ano de serviço. E tem dias que parece mesmo que vou ter um ataque! Existem as atribuições funcionais e regulamentares, e existem as "vontades" travestidas de ordens, o general QUER, o coronel QUER, o major QUER, o capitão fulano QUER e por aí vai, tudo para antes de ontem, URGENTE!!!Simples e inúteis tarefas com status de "missão" especial, infernizam a vida da maioria dos Sten e sargentos nos quartéis diariamente. "Missões" que por vezes prejudica as instruções, o treinamento físico com regularidade, o bom andamento do serviço, a parte administrativa pesada e brutal da instituição, coisas do tipo relatório do mapa da planilha do quadro estatístico da tabela da ficha modelo 30... essas coisas todas nos dias de hoje matam a boa vontade e a SAÚDE de qualquer bom militar.

Anônimo disse...

Léo seu comentário é ridículo. Você é militar? Acho que não.

Anônimo disse...

O militar deve ter sido aprovado na inspeção de saúde e TAF, e ainda deve ser um especialista da sua área. Independente de ser da área operacional (o amigo quer dizer combatente?) deve ter participado dos Estágio Básico de Operações de Paz e o Estágio Avançado de Operações de Paz) o que o habilitaria a desempenhar a função.

Anônimo disse...

Sr Leo! Ninguém precisa autorizar nada, somos militares! lembra? Alguém manda e alguém obedece! Você acha que um homem de 46 anos não pode trabalhar? Em que mundo você vive rapaz? Quanto a chamar seu trabalho de maneira pejorativa, te conclamo a respeitar e valorizar, porque é de lá que sai seu sustento, e pelo que percebi em poucas palavras você não merece, e merecia ser demitido!

Anônimo disse...

Não entendi o amigo anônimo. Não fica claro em seu comentário se a preocupação é com a saúde do militar; com a indicação; com os 35 anos?
Primeiro, minhas condolências a família, parece-me, pelo que li, o problema poderia ocorrer em qualquer local, no banheiro, no ônibus, dormindo. Os 46 anos??? não entendi- nesta missão também vão ST, Ten QAO,General, com essa idade a até mais. A indicação, é uma constante nesta missão, vai gente que nem farda sabia que existia...nunca foi tropa, até oficial temporário,e outros tantos. Agora, se o problema foi o militar ser do QE, o amigo desperdiçou excelente oportunidade de mostrar seu respeito por alguém que provavelmente fez um sacrifício pensando na família.

Anônimo disse...

Olha bem, amigo...o que ocorreu foi uma fatalidade...ocorreria até dentro do HCE, local em que trabalhava. Um homem de 46 anos tem plenas condições de exercer o munus militar. Ele tinha feito todos os exames necessários. Esta semana mesmo um jovem jogador de futebol morreu em São Paulo. Fatalidades ocorrem diariamente. E vou dizer outra coisa, caso a ficha do amigo ainda não tenha caído: o risco (inclusive de vida) faz parte da profissão militar. Ás vezes esquecemos disso por estarmos num exército "de paz".

Anônimo disse...

Exército recupera armas roubadas; duas pessoas são presas

Redação outubro 20, 2016 Cidade Leave a comment 89 Views
remocao-preso-manaus
Na imagem, um dos presos sendo transferido para Manaus.

Dois homens, um militar e um civil, foram presos no dia 15 de outubro no município de Coari, acusados do roubo de 01 fuzil 7,62 PARAFAL e 01 pistola 9 mm do 17º Batalhão de Infantaria de Selva (BIS), sediado na cidade de Tefé, ocorrido no dia 14 de outubro.

Os acusados , que não tiveram os nomes revelados foram presos após uma operação que reuniu além de militares do Exército, Marinha, Aeronáutica, Polícia Militar, Polícia civil, Comando Militar da Amazônia e outras entidades.
posto-bloqueio-tefe
Bloqueios foram realizados em diversos pontos da cidade.

Os presos, um militar, responsável pelo furto e um civil, que atuou como receptador foram transferidos para Manaus. O armamento também foi recuperado no município de Coari.

Em nota encaminhada ao Portal TeféNews a 16ª Brigada destacou apoio e a colaboração da população dos municípios de Tefé e Coari, da Marinha do Brasil, das diversas Agências, Órgãos de Segurança Pública e do Poder Judiciário para a rápida apuração dos fatos.

Fotos: Divulgação

Anônimo disse...

Meus caros,
Fatalidades ocorrem. Mais uma. Sejamos pacientes com os inconvenientes. Nossa classe militar exige de nossa vida sacrifícios. O Sr que fez o comentário IMPRÓPRIO, com certeza é mais um desses frustados que ficam dentro dos alojamentos fazendo rixa com o pessoal do QE, como se fosse DOUTOR por ter passado 10 meses na EsSA. Todos que tem essa formação, EXCELENTE, mas o pessoal do Quadro Especial do Exército, também tem os seus MÉRITOS. Parem com esse tipo de discórdia. Que o companheiro que faleceu, fique em paz, que DEUS o receba com braços abertos, como sempre esteve, esperando por TODOS nós, que um dia chegaremos a ele, inclusive você Sr LEO. Abraço a todos os companheiros que dedicam suas vidas as FFAA.

Anônimo disse...

Meus sentimentos a família do nobre militar. Deus o tenha.
46 anos de idade...muito novo e muita vida pela frente...mas Deus sabe o que faz.

Anônimo disse...

Léo, seu robô petista, sua ignorância sobre a carreira militar me dá nojo!

Anônimo disse...

Todos merecem uma chance.Todos merecem lutar para dar uma melhor condição de vida à família. Militar é pau pra toda obra. Não é só dar a missão?? Não importa se a especialidade dele é diferente, mesmo assim ele contribui para ajudar aquele povo.O importante é a saúde em dia, mesmo assim, casos de parada cardíaca acontecem. Quantas notícias já ouvimos de atletas sadios que tiveram uma parada cardíaca repentina? Cada um tem suas peculariedades, reage de maneira diferente aos fatos externos, e que na conjuntura atual dos militares não é das melhores. Eu mesmo, com saúde em dia, com exames recentes, por motivos externos, tive um "piripaque" no coração e fiquei uma noite na UTI. Agora estou no rol dos hipertensos e tomando dois medicamentos.Meus pêsames a família e que as respostas corretas sejam dadas para honrar mais um guerreiro que falece no cumprimento do dever. SELVA!!!

Andre Soria disse...

Meus amigos vamos respeitar este momento triste de nossos colegas de farda e nossos tambem pois somos Brasileiros, quanto ao motivo que o leva muitos de nossos militares com idade avançada e como diz nosso amigo Leo, sem preparo isso n~da o direito de colocar o motivo de muitos estarem la, se por dinheiro ou por cabide como muitos falam, o importante e que somos militares e seremos sempre mesmo depois da reserva remunerada, meus pesames para a familia de nosso sargento falecido em cumprimento da missão

Anônimo disse...

Já que você escreveu é porque tem o que escrever.

Anônimo disse...

Se fosse possível ganhar o poder de Deus, ser igual a Deus, a graninha seria dispensada.

Rogério da Silva Gomes - 1ª Sgt disse...

A verdade é que muitos militares vão repetidamente para essas missões, independente da idade. O Exército é feito de apadrinhados. Para ser promovido não basta ser bom, tem que ser também apadrinhado. Se você tem padrinho, você vai e volta para guarnições especiais de 1ª categoria de fronteira e bem distante. Temos milhares de militares competentes e dedicados, mas se não for apadrinhado, tem que ter sorte.

Anônimo disse...

Só nos resta ignorar esse "pseudo militar" Léo. Perdeu um grande momento de ficar calado!!

1 sgt inf disse...

senhores, fatalidade? Não creio.
coraçao não fica ruim de um dia para o outro. o q acontece na verdade, eh q a revisão médica é sumária e insuficiente. E nós, negligenciamos os cuidados necessários e básicos a nossa saúde e ateh mesmo escondemos a nossa verdadeira situaçao de saude, para não perdermos oportunidades.
De certo, poderia ter acontecido tanto lah no haiti como aqui no Brasil, porém qdo se trata de missão de paz, muita gente fica querendo dar o gás pra garantir a vaga, nem sempre dá certo. E pra finalizar, essa historia de SÓ VÃO OS MELHORES, me poupe! jah fui, voltei decepcionado, e posso garantir q Encontrei os melhores e os piores.

Anônimo disse...

um oficial temporário de CPOR/NPOR GANHA MAIS DE 7.000,00 sem ter feito concurso ou coisa igual apenas para despachar documentos.

E eu é quem devo me dedicar e dar o pronto?

2º Sgt QE

2º Sgt da caserna disse...

AUDITORES DA RECEITA FEDERAL CONTESTAM REFORMA DA PREVIDÊNCIA
Publicado em 11/02/2016 - 11:34 Vera BatistaSem categoria

A Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Anfip) divulgou nota informando que vê com preocupação a intenção do governo de, mais uma vez, modificar as regras para concessão das aposentadorias na Previdência Social.

“Não bastasse a crueldade do fator previdenciário ainda em vigor e o progressivo rigor na concessão de pensões por morte, agora o Palácio do Planalto quer estabelecer uma idade mínima para aposentadoria”, reclamou a entidade.

Como é possível falar em idade mínima em um país com dimensões continentais e profundas desigualdades regionais em termos sociais e econômicos?, questionou Anfip, ao enfatizar que a Previdência Social paga mensalmente 32,6 milhões de benefícios, entre aposentadorias, pensões, auxílios e outros benefícios assistenciais. Destes, somente 5,4 milhões são por tempo de contribuição, ou cerca de 17% do total. O estabelecimento de idade mínima estaria direcionado para estas aposentadorias, que incluem percentual pequeno do total de pagamentos previdenciários.

“É preciso ressaltar também que o subsistema urbano é superavitário, mas o rural apresenta deficit. Em 2015, enquanto a Previdência do trabalhador da cidade registrou saldo positivo de R$ 5,1 bilhões, no campo a conta ficou negativa em R$ 91 bilhões. Por uma questão de justiça social, o trabalhador rural se aposenta em condições diferenciadas”, diz a nota. Segundo a Anfip, uma possibilidade para melhorar os números do segmento é convocar o agronegócio a contribuir para a redução do desequilíbrio.

Orçamento é superavitário

Se, por um lado, a possibilidade de aprovação no Congresso Nacional de idade mínima em meio à atual crise política e em pleno ano eleitoral é pequena, por outro, é preciso fazer a discussão a partir de dados corretos.

Um ponto essencial, que o governo insiste em omitir, diz a Anfip, é que a Previdência Social faz parte de um sistema com orçamento superavitário. Ao lado da saúde e da assistência social, a Previdência compõe a Seguridade Social brasileira, modelo estabelecido na Constituição Federal.

Há quinze anos a Anfip comprova, ano após ano, que a Seguridade é superavitária. Em 2014, por exemplo, o saldo positivo foi de R$ 53,9 bilhões (leia aqui o estudo completo).

“Também é preciso dizer que o governo desfalca reiteradamente o orçamento do setor. Anualmente, cerca de R$ 30 bilhões saem do caixa para incentivar diversos setores da economia por meio de renúncias previdenciárias (empresas que pagam alíquotas menores ou estão isentas)”.

Para a Anfip, antes de propor reforma ou idade mínima, é preciso que os ocupantes do Executivo atuem com transparência na divulgação das contas da Previdência. “Também é hora de o governo parar de retirar recursos da Seguridade Social para garantir superavit primário e bancar o serviço da dívida pública”.
Compartilhe:

Anônimo disse...

Ao Sr comentarista de 24 de outubro de 2016 19:12. Falou tudo! Concordo com o companheiro. Infelizmente é assim. Basta observar a Guarnição de Brasília. Por que não transferem? Muitos militares esperando uma oportunidade e não conseguem. Muitos de Brasília são movimentados para o Norte e Nordeste e voltam para Brasília. Ninguém é insubstituível concordam comigo? Os que vão para Brasília recebem medalhas, tem PNR, Colégio Militar, emprego para esposa, cursinhos para os filhos e lá se perpetuam. Na ponta da linha o tropeiro rala o ano todo, conceito baixo e medalha somente em sonho. Quando o tropeiro consegue comprar sua casinha e sua esposa consegue um emprego é movimentado sem pedir. Referente ao Haiti discordo que são os melhores. Na minha opinião deveria existir uma seleção a nível Brasil em todos os quartéis. O que acontece atualmente é sorte e quem estiver naquele local do quartel designado vai para o Haiti mesmo que não que seja o melhor, visto ser um universo reduzido. Tem que ser uma seleção a nível Brasil, como a Força Nacional, existe uma seleção dos melhores PM de todo Brasil que depois de uma rígida seleção, médica, pisico e física são destacados. Discordo de muitas coisas, porém nada podemos fazer. Outra questão é promoção a QAO. Conheço vários casos mas citarei apenas um caso: conheço um "peixe" que durante toda carreira foi "condor", sempre baixado, falava em missão ele baixava, chegou extrair dentes cisos, para não tirar serviço no natal. Cursou faculdade, foi punido duas vezes e era conhecido no quartel como "sabonete" de tão escorregadio. Chegava 1645h era o primeiro a estar civil no portão e com sua pasta para rumar destino Universidade. No mesmo local existia um militar também da mesma turma do "condor", porém este chegou paraquedista e montanha. Vibrador, corria de calça e coturno depois do expediente, era voluntário para ficar a noite com os recrutas no período básico. Era orientador e corredor de rústica. Este era conhecido como "rambo", devido suas vestes civis serem camufladas, estilo "rambo". Militar alto nível, comprometido com a farda que vestia, nuca foi punido, porém era um militar de poucas palavras ao contrário do "condor" que era "fanfarrão". "rambo" não dormia no serviço, a sua ronda algumas vezes ele rastejava entre a vegetação para observar as sentinelas. "sabonete" era o bonzinho finais de semana fazia festas com os subordinados que o chamavam de "maluco beleza". Há poucos dias fiquei sabendo que o "rambo" foi para reserva por não ter sido promovido a QAO, e o "condor" também foi para reserva porém como Oficial QAO. A dúvida é qual o critério para ser QAO? O que a Comissão analisa? Militar que foi punido na carreira e anula a punição sai Promovido? Militar vibrador como o "rambo" não foi porque?

Anônimo disse...

O Rambo nao saiu porque era doido! Reveja seus conceitos. Pelo jeito vc eh daqueles que acham que e graduado nao deve estudar...
Outra coisa, seu argumento sobre o povo de Brasilia nao se sustenta pelo mesmo motivo que vc citou, ou seja: Pq um militar bem estabelecido em uma cidade reclama quando eh movimentado? Pelo mesmo motivo que leva o pessoal da capital a querer ficar la. Ha muita movimentacao para a capital, acontece que somente aqueles que possuem alguma aptidao util sao escolhidos. Pode chorar a vontade, mas um "rambo" da vida, que sequer sabe preparar um Diex, nao ira para la, pois nenhum comandante vai querer um cara que nao possui aptidao para o trabalho em sua sessao. Se eh injusto ou nao, nao importa, pois eh a mesma logica utilizada para missao no exterior. Ou vc acha que seria certo escolher o zezinho que so fala portugues para uma missao no exterior somente porque ele eh um excelente guerreiro. Chefia, as oportunidades sao reguladas por competencias... esse papinho que todos sao iguais eh conversa de socialista. Alias, essa sua teoria de "a nivel Brasil" eh sem nocao mesmo. Se jah eh dificil preparar uma OM para FPaz, imagina entao uma OM composta somente por militares de outras unidades... papinho socialista de quem sabe nada sobre o que eh uma missao de paz... vai estudar!
SGT Infa

Anônimo disse...

Antes dos dez meses ou atualmente um ano e meio, houve uma aprovação em concurso público.

Anônimo disse...

Vamos tambem selecionar pessoal a nivel Brasil pra compor uma OM para ocupar os morros no RJ. Kkkkkkk. Cada ideia que somente louco mesmo pra prestar atencao...

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics