22 de setembro de 2016

Suposto infiltrado do Exército em protestos de SP é alvo de 3 investigações

Janaina Garcia
Do UOL, em São Paulo
O capitão do Exército William Pina Botelho se apresentaria nas redes sociais como "Balta Nunes"Ao menos três instâncias diferentes de poder no país investigam se um capitão do Exército agiu como infiltrado entre manifestantes contrários ao governo de Michel Temer, nas últimas semanas, em protestos de rua na cidade de São Paulo. Além do próprio Ministério da Defesa, que afirma ter aberto processo administrativo no Exército para apurar o caso, a ação do capitão Willian Pina Botelho sob o codinome "Baltazar Nunes" é alvo de investigação também por parte do MPE-SP (Ministério Público do Estado de São Paulo) e da Câmara dos Deputados.
O caso foi revelado em reportagens dos sites Ponte e El País Brasil após o protesto "Fora Temer" do último dia 4 em São Paulo.
Nesta terça (20), a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara debateu requerimentos para convocar os ministros Raul Jungmann (Defesa) e Alexandre de Moraes (Justiça), além do ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Etchegoyen, para prestar esclarecimentos "sobre a possível prática de 'crime de espionagem', crime de abuso de autoridade, crime de falsidade ideológica e ato de improbidade administrativa, dentre outras infrações".Os requerimentos de convocação devem ser votados em outubro.
"As manifestações são pacíficas e são um direito das pessoas. Não podemos aceitar esse tipo de invasão por parte do Estado –isso não condiz com o Estado democrático e de respeito aos direitos humanos e coletivos", afirmou o deputado Nilto Tatto (PT-SP), titular da comissão.
Na semana passada, o líder do PSOL na Câmara, Ivan Valente (SP), havia apresentado pedido de informações ao Ministério da Defesa sobre o mesmo assunto.
Na última sexta (16), durante agenda no Rio, Jungmann defendeu que há uma sindicância em curso e que, em 20 dias, o caso será apurado. "Não vou me antecipar, mas vou dizer duas coisas: em primeiro lugar, o Exército e as Forças Armadas agem na mais absoluta legalidade. Segundo: qualquer um que exceda ou cruze a linha dessa legalidade, será exemplarmente punido", resumiu.
Procurado, o Exército confirmou a sindicância e disse que Botelho é lotado no Comando Militar do Sudeste. Segundo o Portal da Transparência, do Governo Federal, o oficial está na corporação desde março de 1998 e não está licenciado.

"É só notícia de jornal", diz número 2 do MP em SP
A terceira instância de investigação é no MP-SP, que designou a promotora Luciana Frugiuele, coordenadora do Gecep (Grupo de Atuação Especial de Controle Externo da Atividade Policial), na semana passada, para apurar o caso.
Em entrevista ao UOL, o subprocurador-geral de Justiça, Mário Sarrubbo, afirmou que o MP pode remeter a investigação ao MPU (Ministério Público da União), em Brasília, se constatada a atividade de agente infiltrado do capitão e a correlação dela com as prisões de 21 manifestantes, dia 4, antes mesmo de o protesto começar. Na ocasião, Botelho –que, segundo as reportagens, se apresentava nas redes sociais, aos manifestantes, como "Balta (Baltazar) Nunes" e suposta ideologia de esquerda –também foi levado, mas liberado no mesmo dia pela polícia.
Conforme o procurador, o procedimento do Gecep busca esclarecer dúvidas antes de definir se a investigação sobe à instância federal. Um desses questionamentos, nas palavras de Sarrubbo, é se "há um conluio" entre as forças estaduais e federais de segurança na ação que resultou nas prisões.
"Em primeiro lugar, para nós, essa é só uma notícia de jornal, por enquanto. Há promotores de justiça designados para essa investigação específica", afirmou o subprocurador, que, no MP-SP, está abaixo, apenas, do procurador-geral, Gianpaolo Smanio.
E se os infiltrados forem agentes do próprio Estado? "Se a investigação, no papel, chegar a essa realidade que a senhora me coloca aqui, vamos pegar essas peças e remeter ao juízo competente, ou, no caso, ao MPU, que tem que investigar a conduta desse militar. Vamos nos ater às investigações que nos interessam: existe algum tipo de participação da PM? Tem algum tipo de participação de Polícia Civil?", afirmou.
"Há um conluio entre eles para fazer com que essas pessoas praticassem alguma irregularidade ou fossem presas indevidamente? De fato, foram, porque os promotores foram a favor da liberação de todos os presos nessa empreitada, inclusive menores. Então, estamos apurando tudo isso", declarou Sarrubbo, que enfatizou: "Temos que trabalhar aqui com equilíbrio e legalidade. Acho correto esse tipo de coisa [supostas infiltrações de agentes do Estado em atos de civis]? Não. Acho que o Exército observa tudo isso? O Exército tem um serviço de inteligência; é o papel dele saber o que está acontecendo na sociedade. Mas infiltrar alguém para levar pessoas a serem presas? Evidente que não (concordo). Isso aconteceu? Estamos apurando", concluiu o procurador, para quem, caso as investigações confirmem o que foi noticiado, "vamos punir quem estiver participando, dentro da nossa atribuição".

Conselho pede para MPF investigar
Na semana passada, o Condepe (Conselho Estadual Dos Direitos Da Pessoa Humana) –que é um organismo independente, ainda que vinculado administrativamente à Secretaria da Justiça e Cidadania do Estado de São Paulo –pediu ao MPF (Ministério Público Federal) que instaure procedimento para investigar o caso do capitão e as prisões dos manifestantes.
"A finalidade de nossos pedidos de investigação nesse caso é saber se o oficial agiu clandestinamente ou de forma planejada por meio de acordo entre o Exército e a SSP", afirmou o advogado Ariel de Castro Alves, membro do Condepe. O MPF tem até 30 dias para responder que providências foram tomadas sobre o pedido.
Questionado, o MPF não respondeu, até as 18h da quarta (21), se há investigação em curso sobre a ação do oficial.
* Colaborou Hanrrikson Andrade, no Rio de Janeiro

17 comentários:

Anônimo disse...

E se ele realmente estava infiltrado? Até onde sei, isso não é crime.

Anônimo disse...

A inversão de valores neste pais só tinha de dar onde já deu. Um Brasil num buraco negro sem fundo. Uma crise que já é a mais grave de sua história.
Um militar de uma instituição, que está contribuindo em prol da nação. Nação esta que tenta se livrar dos tentáculos de uma das maiores organizações criminosas travestidas em partidos políticos, especialmente os integrantes e simpatizantes do FORO DE SAO PAULO, e aí tentam invertar o jogo e incriminar quem tenta que o caos nao tome conta das ruas.
Sera que só tinha "santo" entre os manifestantes presos....e as mochilas com mascaras de gases e outros apetrechos para usar nos protestos de rua...estavam com eles pra que...

Anônimo disse...

Absurdo. Nos militares estamos sem moral. Eu presenciei um Delegado mandar um Capitão Guerra na Selva "calar a boca". O capitão Superior de Dia foi buscar um SD preso por briga de rua. O Delegado mandou o Capitão "sumir" com o Soldado. Fico triste. Perdemos o valor. Por este motivo não deixei meu filho Cursar a AMAN. Hoje ele é médico anestesista e muito feliz.

Anônimo disse...

Que merda! se esse suposto capitão estava infiltrado deveria cumprir bem com dever dele, primeramente para não queimar o disfarce os mesmo deveria ser preso junto com os outros manifestantes e depois deixassem que os orgão de inteligência dariam um jeito de inventar uma estória de cobertura.

Marcelo Carvalho disse...

O que me interessa é: a Força respaldará o militar ou assistirá de camarote o Capitão ser engolido pelos leões ?

Anônimo disse...

Aí faço a mesma pergunta de ptista: "Você tem prova?

Anônimo disse...

Uai mermão !

Como trabalha a Cia, FBI, KGB e demais Órgãos similares pelo mundo ? Não é infiltrado não ?

É cada uma nesse país de esquerdistas.

Tamos nos lascando no dia a dia, inflação, tudo caro e a lição não foi aprendida !

Anônimo disse...

Quem investiga os da "inteligência das mídias sociais e fofocas"? São um pessoal mal caráter e terão que ajustar suas dívidas com o capet.....porque infernizam a vida alheia srm direto de resposta, chicotes de perseguição fos Cmts!

Anônimo disse...

O Exercito Brasileiro, por falta de inimigo externo, cria o inimigo interno. Por falar nisso azar de capitão, foi um capitão que levou uma bomba para o riocentro no colo de um sargento e explodiu, o capitão estava cumprindo ordens de alguém, a missão deu errado e a força sacaneou o capitão, não pode nem fazer a prova da eceme, e desde então exerceu funções burocraticas dentro da força, esse foi pego infiltrado, e vai pagar a conta sozinho. A grande pergunta é, pode o exercito atuar internamente e monitorar os movimentos sociais, esta previsto na constituição, é atribuição do exercito, pode um militar infiltrado incentivar ou induzir jovens a delinquir, a resposta pode desde que não seja pego, se for pego, o EB vai dizer que desconhece, que não é sua atribuição, e que o capitão agiu de livra vontade, ou seja, vai ser punido exemplarmente para a sociedade, para mostrar que a força não adota tal postura. Pano rápido, todos conhecem a historia da equipe de televisão que foi criada numa OM para entrar num acampamento dos Sem Terra, como a missão foi bem sucedida entrou pelos anais da façanha das segundas seçoes, se tivesse dado errado seriam exacrados.

Anônimo disse...

Quem conhece o trabalho de segunda seçao do EB, sabe que o capitão não estava sozinho, tinha um sargento com ele, que conseguiu se infiltrar e passou desapercebido, com certeza, dormiu na cadeia junto com os outros jovens, foi mais humilde e não deu carteirada.

Anônimo disse...

E daí, o que está faltando é as Forças Armadas botarem a justiça no seu devido lugar e mandar que ela cumpra seu dever que, como sabemos, não está fazendo. Estão preocupados com atividades das Forças Armadas, muito estranho, não?. Manda esse bando de gentinha de Direitos de Vagabundos ir para a ........, nem precisa dizer.

Anônimo disse...

Infelizmente o EB tá sem moral mesmo. Lembro de um soldado que teve sua farda rasgada por PM's no Rio e apesar dos pseudos policiais militares serem identificados o Cmte da Unidade em que o Sd servia não fez absolutamente nada.
Ainda bem q já estou na reserva.

Anônimo disse...

Boa...buaaaaa....buaaaaa...snif....snif...buaaaaa

Anônimo disse...

Anônimo 23 de setembro de 2016 00:14;
O senhor não deve ser militar, se for é muito ruim. É natural o serviço de inteligência das FA atuarem para monitorar esses pseudo movimentos sociais que podem se transformar numa guerrilha futuramente,pois seus líderes vieram dela, sendo assim, as FA devem acompanhar suas ações para não serem pegas de surpresa, isso envolve sim, a segurança nacional, responsabilidades das FA.
SGT Major

Anônimo disse...

Os Comandantes de hoje não são como os de antigamente. Alguns sonham ser General. Quando conseguem chegar ficam pior por quererem até 4ª estrela. Igual Subtenente não defende mais o subordinado por querer ser QAO. Na verdade vivemos uma "fantasia". Ninguém defende ninguém. Este Oficial estava em missão real, tinha que receber uma medalha. Duvido alguém de estrela ir na midia e Defender ele.

Anônimo disse...

Muito tempo para os movimentos sociais, militares estudantes, militares com bicos, trabalho licito após o expediente.

Pouco tempo para fraudes em licitações, desvios de verbas, uso de drogas, uso da tropa e do cargo em beneficio próprio, crime organizado.

Anônimo disse...

Não iludam seu filhos a serem militares. Nos sabemos a situação. Quem faz isto "esta jogando seu filho na boca do leão". A Tendência é piorar. Um colega deixou de castigo seu filho desde a prova da ESPCEX (semana passada) tirou celular e computador até o final do ano. Porque o menino não foi bem na prova. Ele sempre quis ser Oficial de AMAN e não conseguiu. Fez NPOR não pegou vaga e hoje é 1º Sgt monitor de NPOR, ou seja que sempre estar no meio. Ele quer realizar o sonho dele na pessoa do filho. O menino quer ser Professor de Matemática e ele quer ver o menino Oficial. Fala direto no alojamento que não vê o momento de entregar o espadim ao filho para poder postar no face. Caros colegas não façam isto. Não joguem seus filhos na "boca dos leões". Deixem eles escolherem. Tudo é ilusão. Esta é minha opinião e deixem seus filhos escolherem seus futuros. Observem: Os aspirantes que chegam na tropa, perguntem a eles se os Pais são militares. A maioria vai responder que os são Pais civis e quando um é filho de militar são filhos de QAO, QE, mas de Of de AMAN são poucos. Porque será??? Observem também que a maioria já chega falando em Receita Federal (concurso) Por que será??

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics