31 de agosto de 2016

RS: tropas do Exército não vão atuar no policiamento ostensivo no estado

Além da Força Nacional, Governo do RS pediu apoio do Exército
Lucas Abati
lucas.abati@rdgaucha.com.br
O Exército Brasileiro afirmou que as tropas não vão atuar no policiamento ostensivo do Rio Grande do Sul. O comunicado ocorreu após o vice-governador, José Paulo Cairoli, se reunir com o Comando Militar do Sul pedindo apoio na crise de segurança gaúcha.
O Exército afirma que estuda outras formas de auxiliar o Piratini com os problemas na área. Essas ações serão analisadas após o retorno do comandante da Região Sul, o general de Exército Edson Leal Pujol, que fará contato com o comando-geral em Brasília.
Recentemente, o governo do Estado anunciou uma série de medidas na área da segurança pública após mais um latrocínio em uma via de grande movimento de Porto Alegre. O então secretário da segurança Wantuir Jacini foi exonerado, um gabinete de crise comandado pelo vice-governador foi criado, e o Estado pediu apoio da Força Nacional de Segurança Pública para auxiliar a Brigada Militar na Operação Avante, que reforça o policiamento nas regiões de maior criminalidade.
RÁDIO GAÚCHA/montedo.com

7 comentários:

Anônimo disse...

O pessoal comenta sobre segurança pública, falência da competência policial, etc. Agora, porquê não aciona a guarda municipal do município, ou mesmos dos municípios do estado afetado , para reforçar a segurança pública. Creio que armas e viaturas não é o problema. Ou a GCM em vez de guardar o patrimônio municipal fica brincando de policia. pois pelo visto só autua bêbados e ladrão de galinha. Tem que colocar essa força "policial" do prefeito para apoiar o estado. Já dizia o Rei. Todos os homens dos vassalos devem obediência ao suserano. Traduzindo: os homens e mulheres dos prefeitos, GCM, devem apoio ao Estado, PM.

Anônimo disse...

Na hora de valirizar nao o faz..
Quando esta pegando fogo chama o exercito. Agora nao deveriamos atender a solicitacao... Chama o BATMAN ou o HULK, aproveita que ele verde tambem..

Anônimo disse...

Época de eleições municipais é a momento de fazer de conta que estão tomando alguma providência para combater a violência e fazer propaganda política indireta. Por que não fizeram isso antes? Não seria mais positivo para receber votos se a as coisas estivessem mais calmas? O uso indiscriminado das F.A. economiza verbas e não irrita os PM's com excesso de trabalho.

João Luiz disse...

É isso que não consigo entender...vivem dizendo que o Exército não tem poder de policia, mas quando o bicho pega é o primeiro a ser lembrado e mandado para as ruas...afinal, o Exército tem poder de polícia ou não???

Anônimo disse...

Não temos camarada! Nada temos! Não temos poder de polícia, não somos capazes de portar armas (é necessário para isso implorar um porte), mas no SV somos peritos, não temos representação digna, não temos nem se quer o respeito e a moral que deveríamos como um EXÉRCITO! Essa é a realidade! Que todo mundo vê, mas nem todos admitem.

Anônimo disse...

Se não estou enganado, as FA tem poder de polícia só nas fronteiras, nas bocas pobres, onde policiais nem querem ouvir, muito menos trabalhar e morar por la com a família.Na hora dos reajustes, aí, sim, são os primeiros a espernear e os militares são os primeiros a se calarem.

Anônimo disse...

Porte de arma, leia lei. Nunca fiquei sem e nunca implorei por porte.
Teve chefe que tentou negar, só na conversa, escreva. Para negar deve-se fundamentar.
O poder de polícia, leia, lei sobre preparo e emprego da FFAA. Existe S3 que prepara as operações e nunca leu a lei. Siga as leis.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics