20 de fevereiro de 2016

Aldo Rebelo usa até campeonato de várzea para distribuir honraria militar como mimo

Ministro usa até Desafio ao Galo para distribuir honraria militar como mimo
Vinícius Segalla
Do UOL, em São Paulo
O Ministério da Defesa premiou neste ano 252 pessoas com uma medalha de mérito militar que deveria ser concedida somente àqueles que "prestaram relevantes serviços ao desporto militar do Brasil". Na lista dos agraciados, porém, constam nomes de pessoas que jamais realizaram nenhuma ação em prol do esporte militar brasileiro, incluindo políticos do mesmo partido do ministro da Defesa, Aldo Rebelo (PC do B), dirigentes de clubes de futebol, aliados políticos e comentaristas esportivos. Até o extinto torneio de futebol de várzea Desafio ao Galo foi motivo para o agraciamento, segundo o Ministério.
Trata-se da Medalha do Mérito do Desporto Militar. A honraria das Forças Armadas foi criada por uma lei de 2006, mas só passou a ser concedida em 2008, após publicação de uma portaria normativa que regulamentou o prêmio. Desde então, sem contar as deste ano, foram entregues 1.121 medalhas no total, uma média de 140 por ano. Aldo Rebelo é o ministro da Defesa que mais medalhas concedeu de uma vez. Com apenas 51 dias em 2016, ele já aumentou em 80% a média do que era distribuída por ano, com 112 a mais do que o comum.
A portaria que regulamenta a medalha é bem clara sobre a quem deveria ser destinada a honraria: "militares brasileiros que tenham se destacado em competições desportivas nacionais ou internacionais, bem como militares e civis brasileiros ou estrangeiros que tenham prestado relevantes serviços ao desporto militar do Brasil".
Apesar disso, como se pode ver na lista abaixo, o Ministério da Defesa não levou em conta os critérios legais para distribuir a honraria neste ano. A portaria normativa que versa sobre a premiação preconiza que quem deve propor os laureados são comissões desportivas do Exército, Marinha e Aeronáutica. Essas comissões devem entregar suas propostas acompanhadas de justificativas para uma outra comissão geral, que avaliaria se a pessoa seria ou não merecedora da medalha.
O UOL Esporte pede desde o dia 12 de fevereiro que o Ministério da Defesa forneça as justificativas oficiais elaboradas pelas comissões militares, mas a pasta não forneceu e avisa que não fornecerá os documentos, que são públicos. Ao invés disso, enviou à reportagem as justificativas que seguem abaixo para alguns dos premiados. Na semana que vem, o portal entrará com um pedido via Lei de Acesso à Informação para obter os papeis.


Vanderlei Luxemburgo

Gilvan de Souza/ Flamengo

O técnico de futebol que atualmente está trabalhando na China jamais realizou qualquer atividade ligada ao desporto militar. A justificativa para a sua premiação, conforme o Ministério da Defesa informou à reportagem, é: "Formado em educação física, estudioso do futebol, ex-técnico da seleção brasileira, vitorioso na sua trajetória como técnico no Brasil e no exterior."

Andrés Sanchez (PT-SP)

Rodrigo Capote/UOL

Os motivos alegados pela Defesa para premiar o ex-presidente do Corinthians e atual deputado federal são:
"Integra a Comissão do Esporte da Câmara dos Deputados, instituição que tem se destacado no fortalecimento da legislação esportiva do Brasil."

 


Milton Neves

Rivaldo Gomes/Folha Imagem

O apresentador de televisão e comentarista esportivo é merecedor da honraria das Forças Armadas do Brasil, de acordo com o Ministério da Defesa, pelos fatos que seguem:
"Jornalista, apresentador, divulgador que, com sua atividade, divulga e valoriza a prática do esporte de alto rendimento e, notadamente, do futebol do Brasil."

 

Marcelo Teixeira

Flavio Florido/UOL

O ex-presidente do Santos Futebol Clube não tem nenhuma relação com o desporto militar brasileiro. A medalha está sendo concedida a ele por sua atuação no "esporte amador e de alto rendimento":
"Dirigente do Santos Futebol Clube e empresário destacado no estímulo e apoio à prática do esporte amador e de alto rendimento."

 

Ademir da Guia (PC do B-SP) 

Piervi Fonseca/Agif/Folhapress

O político e ex-jogador de futebol deve à sua atuação nos gramados o prêmio que as Forças Armadas ora lhe concedem:
"Atleta consagrado no Brasil e no mundo, cuja presença deu ao futebol o brilho e a arte de um dos seus mais destacados praticantes. Ademir valorizou como poucos a arte do futebol no Brasil e no mundo."


José Atanásio Lemos Neto

Reprodução/Facebook

Figura pouco conhecida do grande público, o advogado é um entusiasta do esporte rural, e por isso se tornou, para o Ministério da Defesa, merecedor da honraria militar:
"Advogado e presidente da Confederação Nacional da Prática do Esporte Rural, conhecida como Laço Comprido. Pioneiro e organizador do laço no Mato Grosso do Sul e de suas instituições.."


Fernando Fernandes Filho (PSDB-SP)

Prefeitura de Taboão da Serra

O valor que o prefeito de Taboão da Serra (Grande São Paulo) dá ao futebol de várzea foi o que motivou sua premiação por parte do Ministério da Defesa:
"Prefeito da cidade de Taboão da Serra, considerada a capital brasileira do futebol de várzea, esporte por ele valorizado e promovido."


Hortência Marcari

João Sal/Folha Imagem

A ex-jogadora de basquete nunca teve o menor contato com o desporto militar, mas sua medalha de mérito foi garantida pelo que ela fez pelo esporte dentro e fora das quadras:
"Dirigente esportiva, integrou o Conselho Nacional do Esporte, com uma grande contribuição ao aperfeiçoamento da gestão e da legislação esportiva no Brasil. É considerada uma das melhores atletas do basquete de todos os tempos."


Vilmar Romera – (post mortem)

Prefeitura Municipal de Imbé (RS)

Eventos e passeios a cavalo fizeram com que este radialista fosse honrado, após morrer, com a Medalha do Mérito do Desporto Militar:
"Apresentador e radialista. Fundador da Cavalgada do Mar e valorizador dos esportes equestres no Rio Grande do Sul."



Gregório Antônio de Souza Poço (PC do B-SP)

Divulgação/PC do B

O secretário sindical do PC do B em São Paulo não tem qualquer relação com o desporto militar. Sua ligação com o esporte é por meio do torneio de futebol amador "Desafio ao Galo", e foi isso que levou o Ministério da Defesa a conceder com a honraria militar:
"Presidente do clube dos motoristas e condutores de São Paulo (CMTC Clube), que sempre valorizou o esporte amador e comunitário. Sediou, durante muito tempo, o torneio amador Desafio ao Galo, que se tornou um dos mais prestigiados eventos do futebol de várzea da capital paulista. Acolhe até hoje atividades desportivas amadoras e comunitárias."


George Hilton (PRB-MG)

Divulgação/PRB

Para o ministro do Esporte ter ganho a honraria militar, a justificativa da Defesa é sucinta:
"Ministro do Esporte, responsável pela organização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016 no Brasil."




UOL/montedo.com

19 comentários:

Anônimo disse...

Ninguem liga para essas medalhas. Honra nao existe mais no comando e subsequente esse sentimento passa para a tropa.

Anônimo disse...

Medalha não se pede, não se recusa e não se usa.

Anônimo disse...

A partir de agora essa medalha deixou de ser uma honraria para se tornar um lixo, como fizeram com a medalha do pacificador que foi jogada na lama quando a entregaram a José Genuíno e Cia Ltda. E não venham com o papo de carreirista defendendo a Força dizer que foram cassadas, que não explica e muito menos justifica. Agora essa outra medalha que inventaram, que nem importa saber o nome, entregue a "personalidades" como Luxemburgo (cafetão de jogadores); Nilton Neves (um lixo de apresentador); presidentes de clubes de futebol e mais um bando de comunistas, o que devemos pensar e dizer a respeito. Vamos esperar para ver quantas dessa honraria serão cassadas futuramente, pois a grande maioria dos recipiendários são bandidos/vagabundos.

Novinho disse...

Simplesmente lamentável, vergonha!

Anônimo disse...

Brasil, país maravilhoso e rico, infelizmente administrado por um monte de déspotas, porcarias, safados e comunistas de bosta, como esse verme que está ai.
Pior de tudo, nós aceitamos passivamente.
"PARA QUE O MAL VENÇA, BASTA QUE O BEM NÃO FAÇA NADA".

Montese disse...


- Que lixo!!!! Esse e o nosso Brasil, mas não vou me alongar muito, para entender esses absurdos leiam os livros 1808, 1822 e 1889 de Laurentino Gomes, não estou fazendo comercial e nem ganho nada por isso, mas talvez ajude a entender (- me ajudou! ) por que isto acontece, tipo como lixos como Dilma e Lula são eleitos...É cultural, pois como país temos pouco mais de duzentos anos... existe uma luz no final do túnel...hoje temos internet...

Anônimo disse...

Fazer o que né!!!

Anônimo disse...

A maneira como o Exército agracia seus militares não é nada diferente do apresentado nesta matéria. Há muito tempo, mas muito tempo mesmo que a palavra MÉRITO deixou de ter o significado constante no dicionário.

Rodolfo disse...

Se medalha fosse sinal de competência, o poder público não existiria, pois quem alimenta-os é o suor do trabalhador honrado corroído pela alta carga tributária.

Anônimo disse...

Não sei qual surpresa?! Isso acontece o tempo todo dentro da própria caserna. Medalhas???, só para os peixes. Muitas vezes militares a recebem sem ter contribuído em nada enquanto os outros que estão na labuta no dia a dia não. Isso não me surpreende!

Anônimo disse...

Existem muitos militares que se dedicam por anos ao EB, muitas vezes priorizando em detrimento a sua familia que fica de lado e após chegar ao final da carreira ou cross, só consegue a de tempo de serviço. Lamanetável essa falta de reconhecimento. Entretanto, qualquer vira latas, ladrão ganham todos, sem qualquer contribuição.

Vida que segue ... lembrando, que o inferno os aguardam.

Diego H disse...

O brasil (minúsculo mesmo) não é um país sério, isso o mundo inteiro sabe...ainda mais com esses governantes, ainda mais com esses chefes militares...bando de frouxos....

Anônimo disse...

Em 2008, fiz o CAS no Rio de Janeiro, ESIE. Na primeira palestra de "boas vindas" o oficial chefe do corpo de alunos apresentou várias cenas de juízes, promotores e outras autoridades recebendo "mimos" (medalhas), manuseando armas e usando a farda verde oliva. Era uma bela instrução sobre vida afetiva dos praças, com vários recursos audiovisuais.

Mesmo sendo quase prefeito ( sargento aperfeiçoado) não entendi qual a finalidade daquela singela mensagem. No entanto, um sargento da Cia de alunos havia me esclarecido que o comando, no ano anterior, foi alvo de denúncias que narravam as péssimas condições que os alunos enfrentavam naquela escola: alojamentos, alimentação e até mesmo falta de banho quente no inverno.

Hoje, sou um sargento perfeito (aperfeiçoado) e tenho a plena convicção que o exército deveria fazer o bom uso do fuzil e outros artigos bélicos, cuja matéria prima seja o metal, derretendo-os para confecção de mimos (medalhas).

"Medalhinhas" de cá, "Medalhões de lá", esse é o estilo de vida da caserna.

E você, já ganhou a sua medalhinha?


Anônimo disse...

Medalha parece coisa de penelope charmosa se nao me engano quando o vilao estava em apuros seu cachorro o salvava e ganhava as famigerosas medalhas.....

Anônimo disse...

Assim é no Exército também,tirando as medalhas obrigatórias, 10, 20 30 anos etc. as outras,só para os "peixes", sem falar na promoção ao QAO que é vergonhosa, como já foi citada aqui por outros companheiros! agora medalha para o André Sanches, é brincadeira roubou o dinheiro público e junto com o Lula deu um estádio para o seu time de coração!
O dia que um flamenguista assumir, está arriscado a ganhar um estádio também....kkkkk

Anônimo disse...

Isto é feito propositalmente como estratégia, é a chamada imposição da estupidêz.Para nós miliatres sim,soa como uma avacalhação,mas para a ideologia reinante no poder, não,pois não sabem o valor simbólico de uma medalha,por isso a distribuem aos montões.Em breve criarão campeonato de cuspe à distância militar só para distribuir medalhas.

Anônimo disse...

Não é nada diferente que nos quartéis,Existe uma fara de diploma de amigos que as vezes o agraciado chega ligar para saber onde é a Organização Militar em que tem que receber.

Anônimo disse...

E ainda aparece militar apontando o dedo e dizendo qual subtenente com mais de 25 anos de serviço não tem condições de sair QAO.
Outros dizem que deve tudo ao Exercito, certamente ganharam a vaga na escola de sargentos e não tiveram que suar para ser promovidos.

Anônimo disse...

No EB há muito tempo a palavra mérito pode ser substituída perfeitamente por peixada, puxa saquismo, capacidade de agradar os superiores, tudo menos capacidade de trabalho, abnegação e dedicação aos estudos. Mas o que tem peso mesmo, é o local onde se está servindo. Militares que estão próximos ao Forte Apache, recebem medalhas pela antiguidade, é uma questão apenas de esperar sua vez. Ao contrario na ponta da linha, muita gente boa e competente passa 30 anos sem sequer ser relacionado para tal "honraria".

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics