28 de agosto de 2015

O Adjunto de Comando do Exército e uma transformação inadiável

Embora o tom cauteloso, numa entrevista em que reproduz em quase tudo o estilo do Comandante do Exército, a fala do Subtenente Crivelatti é muito esclarecedora.
Ao contrário da opinião de muitos leitores do blog, tenho a convicção de que a implementação do cargo de Adjunto de Comando é o ponto de partida de uma transformação inadiável e muito salutar para a Força Terrestre. 

Subtenente Crivelatti, Adjunto de Comando do Exército (EB, reprodução montedo.com)
As condições nunca estiveram tão propícias:co. caso não saibam, o embrião foi plantado há mais de vinte anos, no então CIAS-Sul (hoje EASA), em Cruz Alta (RS), pelo seu primeiro comandante, tenente-coronel Sérgio Westphalen Etchegoyen, que é o atual Chefe do Estado-Maior do Exército e responsável pela criação do cargo de Adjunto de Comando, ainda quando estava à frente do DGP.
Esse modelo, que teve pleno êxito e está consolidado na EASA, pode e deve ser estendido à todo o Exército, pois trata-se de um passo gigantesco (embora muitos não percebam) no caminho da valorização do sargento como profissional militar.
O objetivo final, entretanto, deve ser a criação de uma carreira específica para as praças, com a extinção do Quadro Auxiliar de Oficiais. Tenho a convicção, pois vivenciei in-loco essa experiência, de que a aspiração profissional da esmagadora maioria dos sargentos do Exército não é atingir o oficialato, mas sim, ser valorizado como profissional das armas.
Não é, evidentemente, um processo simples, pois implica na mudança de uma mentalidade arraigada desde a Missão Militar Francesa, e lá se vão cem anos. Mas é o melhor caminho, talvez, o único.


126 comentários:

Anônimo disse...

Extinção do QAO , graças a Deus !! Foi a melhor notícia que ouvi este ano para o EB. Vai ter muito S Ten querendo ser "oficial" por aí tendo ataque do coração ... rsrs

1º Sgt/97

Anônimo disse...

Vejo da mesma forma. O cargo de adjunto é o início da valorização decente da carreira do sargento, sem esses apelos infantis de brevês dourados, distintivos dourados, alcunhas de "S Ten", sindicâncias, entre outros.
Maj QCO Leonardo

Anônimo disse...

Será?: "a aspiração profissional da esmagadora maioria dos sargentos do Exército não é atingir o oficialato, mas sim, ser valorizado como profissional das armas"

Pelo menos no meu caso, antes de qualquer coisa, a minha grande aspiração é ganhar melhor, se tivesse o salário igual ao da PMDF ou PMMG, poderiam até me chamar de soldado.

Se atingir o oficialato resultar em ganhar melhor, essa então é minha grande aspiração.

Esse discurso é aquele politicamente correto, só para agradar o chefe.

Nada mudou!

Anônimo disse...

Saudações ao Crivelatti, companheiro de turma... um ícone da Turma Olavo Bilac!

Wagner disse...

Também vivenciei esta fase no CIAS-Sul, pois fui Monitor do CAS de Infantaria no triênio 95/97, acompanhei de perto a evolução da idéia. Como voce mesmo falou, é uma mudança que demanda tempo até ser absorvida, mas a semente foi plantada.

Anônimo disse...

Mais um Bla Bla Bla que resultara em militares bitolados pela carreira que passarão por cima dos outros praças para ganhar essa cordinha que fica no ombro.
Ser valorizado com mais funções é mole....quero ver a valorização no salario PNR, auxilio moradia, fardamento e natalidade igual para todos e nao escalonado por soldo.

Anônimo disse...

Me esclareçam, por favor. Não entendi qual a vantagem e que "passo gigantesco" é esse? O "subão" ia sendo promovido, passava à tenente, etc, etc. Agora o militar fica como sub-tenente e vira adjunto do comando? Ele é adjunto do adjunto(OF) do comando ou o oficial que era adjunto sai? Qual o grande progresso disso??

Anônimo disse...

Interessante Montedo. Eu que fiquei 14 anos como Sargento vejo como positiva essa mudança de paradigma. Se efetivamente vai haver ou não valorização da carreira dos Sargentos, só o tempo dirá.
Abraço.
Marcirio

Izaias Alves disse...

Muito boa a entrevista, esclareceu alguns pontos pendentes, porém, como está em fase experimental, o S Ten Crivelati não tem respostas para todas questões levantadas.Mas eu discordo um pouco da opinião do montedo quando diz que o objetivo do sgt não é atingir o oficialato mas sim ser valorizado. Eu penso diferente, acho que uma coisa não exclui a outra, o st/sgt quer ser valorizado e também quer ser promovido a oficial, aliás, eu penso que uma das formas de valorizar a carreira de praças é acelerar as promoções para que cheguemos a oficial com menos tempo de serviço e assim possamos assumir melhores funções dentro das OM e, obviamente, melhorar o soldo.

Anônimo disse...

A extinção do QAO já era prevista a muito tempo. Uma pergunta: então porquê criaram esse tal de CH QAO? Essa mudança pode ser até significativa, mas será que teremos uma valorização de vencimentos? Será que seremos ouvidos pelos comandantes? participaremos de decisões no universo de praças? Hoje segundo os grandes estudiosos do alto Comando, já samos valorizados: IPM, Sindicância, processos administrativos e por vai...

Respeito aos nobres companheiros que acreditam, eu não.

Anônimo disse...

Djalmão diz:

Nada contra a qualquer mudança, que venha realmente a valorizar a carreira das praças...mas, se essa valorização não for só de "aumento de trabalho" colocando mais um "corpo de prova" na já pesada mochila dos ST e Sgt, mas sim de reconhecimento e de uma carreira "paralela" com salario compatível com o "status" e necessidade financeira das Praças.

Anônimo disse...

Não me disse nada!!!!!!! quero que valorize o nosso salário, isso não dará em nada será apenas um fantoche na mão dos oficiais se não concorda com o que os '' chefes '' disserem esta fora do jogo e ainda se queima, praça não pode ter muito direito eles acham que vão revolucionar o OM!

Só papiro liberta!

Anônimo disse...

Será que o pessoal dos Altos Estudos não percebe que temos que se virar nos 30 pagar as contas de casa, pagar escola para os nossos filhos, proporcionar lazer a nossa família e tudo isso custo dinheiro. Tudo bem, criou-se esse cargo de Adjunto de Comando que vai beneficiar uma meia dúzia de gato pingado, mas e os outros, como vão resolver seus problemas financeiros? Por mim poderia até ser criado um cargo de Sargento Adjunto da Faxina, contanto que o salário inicial fosse pelo menos igual ao de Analista de Tribunal. Não dá pra entender essa nossa política de Recursos Humanos. Será que nunca vão enxergar que o precisamos neste momento é uma recomposição salarial urgente. Isso sim seria a verdadeira valorização dos militares.

Anônimo disse...

Concordo plenamente com a extinção do QAO e que a carreira das praças tenha como última graduação a de subtenente, por exemplo. Porém, esse subtenente, em fim de carreira das praças, deve perceber uma remuneração equivalente, no mínimo, a de Major, caso contrário, será um retrocesso.

Anônimo disse...

Sgt major tupiniquim, isso que tá me parecendo mas somente com os ônus e sem os bônus.

Lorenzo Mena disse...

"Não se obtém resultado diferente, quando repetimos sempre a mesma sistemática".
Assim, resumidamente, acredito que há a intenção de mudanças, mas isso não ocorrerá, se não tivermos uma boa formação em todos os âmbitos. No EB, ainda se "mede conhecimento" com provas de "decoreba" e contagens de "gaivotas" o que na minha opinião e de maneira simplista, é o grande responsável por este atraso (exceto razões culturais).
Não adianta absorver conteúdo, se não se souber aplica-lo e se não desenvolvermos a capacidade e raciocínio lógico e objetividade em nossas atividades. Ainda sim, teremos barreiras como o R/Quero, a vaidade, o desvio de função e o bom, permanente e antigo amadorismo. O caminho é longo.... Muito, muito longo!

Anônimo disse...

Particularmente sou contra a extinção do QAO. Ao colocar a graduação de STen com a última da carreira do praça significa que ela será escalonada ao longo dos (pelo menos) 30 anos de serviço. Se não mexerem no escalonamento vertical do pagamento de soldo, o Ten temporário, recém formado, irá ganhar mais do que o STen com 30 anos. De qualquer forma, as funções continuarão sendo as mesmas, exceto pelo Adjunto de Comando (que será um por Comando). Os outros permanecerão na função antiga. Ainda serão Auxiliares de Seção e o Chefe de Seção será sempre Oficial (O Chefe da SALC, o Almoxarife, o Aprovisionador, o Tesoureiro são funções de Oficial e não de STen ou Sgt). Equiparação salarial sem equiparação de responsabilidade não existe em nenhuma carreira. O simples fato do tempo de serviço (sem o devido retorno em qualidade de trabalho) não serve de justificativa.

Anônimo disse...

Tenho observado muitos militares, QAO, STen ou 1º Sgt, sem o menor preparo profissional, fugindo da responsabilidade de sua nova função (designada por consequência da promoção). Enquanto não melhorarmos o desempenho, por que termos melhoria salarial? Observem, no seu quartel, o comportamento da maioria dos colegas, no refeitório, no alojamento e no desempenho de sua seção. É vergonhoso! Um nível de educação (familiar e escolar) baixíssimo e muita reclamação, achando que há muitos direitos e nenhum dever.

Anônimo disse...

Creio ser um excelente militar o escolhido para inaugurar esta nobre missão. Acredito ser uma grande inovação. Tive uma muito boa impressão do S Ten Escolhido para o cargo.

Porém a questão não e ser adjunto. Nós não queremos ser oficial, aqueles que aspiram o oficialato e devido a melhoria salarial e reconhecimento profissional.
O que adianta ser adjunto de comando se o Sten esta com 25 anos de serviço. As PM já fazem isso aceleram a promoção dos praças para o oficialato para aproveita-los em cargos administrativos ou específicos.
O STen escolhido para ser o adjunto de comando pela ficha dele ele deveria ser oficial a muito tempo em qualquer PM ou BM do brasil. porém ele continua S Ten.
O Sargento excepcional e aquele que consegue passar no QCO, passar em concurso público, conseguir ser profissional liberal ou ter um empreendimento próprio. Porque somente isso pode aliviar a vida dura da esposa, filhos e família do militar. Quem não quer a melhoria das condições dos seus entes queridos só ser for um militar muito bitolado.
Queremos e melhorias para nossas famílias,uma medida seria acelerar a promoção dos Sgt.

Anônimo disse...

Agora sim !
Nada como críticas construtivas!
Parabéns pela matéria !

Anônimo disse...

"Só o papiro liberta"
Se eu pudesse voltar no tempo, hoje prestaria concurso pra PMMG, pois estão ganhando o dobro de meu salário, não perderam os quinquenios, quando há melhora nos índices de segurança pública ganham bônus no salário, tiram serviço de escala e ganham folgas etc, etc..

Anônimo disse...

Minha gente deixemos de ser inocentes, pois tomamos na cabeça a carreira inteira como sargentos e na época em que passamos a ser oficiais do QAO temos garantidos por lei várias garantias que beneficiam os Oficiais em particular a Lei que rege as promoções de Oficiais sem nada de Portaria, isso me lembra o soldão que na época ia ser maravilhoso, só que hoje vemos a porcaria que deu. Em suma praça vai ser sempre praça (Adjunto de Comando) ou não e com isso veremos portarias regulando essa nova Função e não Lei, logo vamos ter muita alteração das mesmas pois Portaria se muda igual se muda de roupa, para beneficiar uns numa época e prejudicar outras em outra época.
Deixa como está e melhorem as vagas para promoção a QAO a fim de que boa parte das turmas sejam convidadas a serem Oficiais pois é o coroamento de todo sofrimento como bom graduado ou bom praça.

Anônimo disse...

Na verdade,esse Adjunto do Comando vai ser o "Entregão da Tropa". Um S2 melhorado. Vai é ser entupido de missão pelo comando. Vai depender é claro da ética do graduado que ocupar esta função, por que se ele quizer torrar um companheiro para o comando, vai ter status (o Adjunto do Comando) para influenciar na chefia.
Mas como vejo muito S Ten ai dando rasteira nos companheiros para melhorar conceito...sei não viu.
Enquanto o Brasil está um caos, estão preocupados com o mundo pra dentro do muro.
Agora, deveriam ser carreiras distintas, a dos oficiais e a dos praças, assim como ocorre no EUA, onde os graduados chegam a Sergeant Major.

Anônimo disse...

OK, isso aí é no Exército, e na Marinha e Aeronáutica, o que será feito?

Anônimo disse...

Voltamos aos tempos de Colônia, ótimo! Um sargento-mor (major) possuía prestígio, autoridade e bons rendimentos.

Anônimo disse...

Subão, para com esta bobagem, tira estas maricacas, põe a farda de instrução e entra em forma que eu vou apresentar... "Ten (CPOR) Fulano, apresenta a tropa pronta!!! Isso é valorização? isso é profissionalismo? Parabéns...e a família, ferro na tábua do queixo. Nem pra copiar sevem...

Anônimo disse...

KKKK. a velha e boa cadeia de comando nada além disso, obviamente mascarada com esse nome pomposo, a fim de justificar a extinção do QAO!!! mais um engodo goela abaixo das praças!!!

Anônimo disse...

Mais um ônus, aliás, mais uma rolha.

Anônimo disse...

Olha...Na minha humilde opinião esse novo projeto de Adj de Comando só foi e está sendo criado para objetivos que não nos interessa. Seria bem melhor projetos que nos motivem, como a diminuição do interstício, transferências abertas onde o Militar ve o que realmente levou a ir para tal lugar, auxílio moradia, volta do tempo de serviço e olha q nem mencionei o salário. Sejamos realistas... o que motiva é melhor qualidade de vida para o Militar e para sua família... Deixemos de ser enganados... Entrei no EB a 6 anos e tenho a certeza que a maioria pensa assim também tanto que da minha turma ja saíram 12.... e tenho a convicção de que essas medidas fariam a debandada diminuir radicalmente....

Anônimo disse...

Valorização de verdade tem que ser no salário. O resto é papo furado.

Anônimo disse...

A Praça não quer ser oficial, ela quer receber soldo de oficial.

A Praça é a primeira a se desvalorizar, trata qualquer processo de oficial com mais rapidez que o processo da outra Praça, é assim também na sua OM?

Sgt Carvalho

Anônimo disse...

Praça ser promovida a oficial é INCONSTITUCIONAL! Sáo cargos distintos com escolaridades distintas. Se assim não fosse, agente da PF poderia ser promovido a delegado sem passar por concurso universal, analista judiciário poderia ser promovido a juiz, técnico da Receita a Analista, e assim por diante. O DECEx até tentou transformar o CH QAO em curso superior (tecnólogo), mas o MEC plotou e não chancelou a manobra. Concurso interno para promoção entre cargos de escolaridade distinta é uma manobra claramente ilegal, que as FFAA insistem em perpetrar, mas que, mais dia menos dia, será plotada pelo TCU ou pelo Poder Judiciário. Melhor acabar antes dos agentes diretores terem de se explicar, pois um dia essa situação será fatalmente questionada pelo TCU, MPF ou MPM.

Anônimo disse...

Fico impressionado como a instituição não tem mecanismos para frear certas decisões "inteligentes" de alguns chefes, que resultam em milhões de reais jogados fora. Ex: para quê primeiro ano da AMAN na EsPCEx, meu Deus, aumentando o curso para 5 anos? Para quê CHQAO se a tendência é o QAO ser extinto e não dá para o Sgt o curso de tecnólogo? Para quê um Sgt do EB ser formado em 2 anos, sendo o primeiro em OMCT? (jabuticaba que só o EB tem, na FAB um CONTROLADOR DE VOO que vai ter milhares de vidas nas mãos durante um turno de serviço é formado em 8 meses!!!), para quê essa porrada de PTTC se o EB tem of sup e ST sobrando em relação ao QCP? para quê expandir CM se atenden apenas os militares da guarnição enquanto os outros têm de se virar e não recebem nada por seus filhos não poderem frequentar CM?, para quê se construir mais PNR se matematicamente jamais atenderá a todo efetivo (náo seria melhor um auxílio que atingisse todos?), para quê...ah, quer saber de uma coisa? Deixa para lá...perda de tempo, estamos no Brasil e as instituições continuarão sem freios contra essas iniciativas irresponsáveis...afinal, os 39 ministérios não estão aí? (e quem segura nova CPMF para pagar a farra?). Vida de gado, povo marcado, povo feliz...

Anônimo disse...

Isso pelo que vi não resolve em nada nossos problemas,ainda desuni a tropa e ainda é uma boa desculpa para se extinguir o QAO!queremos valorização salarial,leis para nos reger,e não portarias que mudam com os ventos!Isso do jeito que foi posto e´um grande retrocesso!Aí que não vai segurar ninguém mesmo na Força!

Anônimo disse...

Como já foi dito anteriormente a melhor valorização é a financeira. Ganhando o que ganha um PM de Minas ou BSB é o que importa. Vejo que isso apenas é uma forma de criar mais ilusões na sofrida tropa.Agora o farol de muitos a será alcançar este cargo para prosseguir sonhado com o próximo, o QAO, não se importando em deixar de lutar pelos praças para não se "queimar" com o Comando da Unidade. Amigo Montedo por tudo que escrevi repito valorização é ter um salário digno para sustentar a família e um plano de saúde decente e que funcione, não criar um cargo na "Casa Grande" para cuidar dos oprimidos da "senzala"

Anônimo disse...

O militar, seja oficial ou sargento, que na verdade é uma reposição salarial nos moldes da maioria das carreiras federais civis, o resto é papo furado. Um policial rodoviário federal, em meados da década de 90, por exemplo, ganhava igual a um 2º sargento, hoje ganha, no mínimo, igual a um capitão, sem contar as diárias rotineiras.

Esta semana, o Comandante do Exército reuniu os oficiais superiores do QGEx em Brasília e, segundo as palavras dele, "estamos maus". Referia-se a nossa reposição salarial. Disse que era o MD que tratava do assunto. Todos presentes esperavam ouvir dele que faria gestões mais enérgicas para conseguir algo melhor.

Falam-se em extinguir o QAO e criar uma carreira em Y, mas isso precisaria de lei. Se não conseguimos aprovar a MP 2.225 e atualizar a tabela de bagagem que está defasada a 20 anos, precisando apenas da assinatura da Presidente (Decreto), vai conseguir algo muito mais complexo, como aprovar uma lei mudando carreiras.

Há, fala sério.

Anônimo disse...

O Cmdo fala em valorizar os ST/SGT, mas manda o subão com mais de 25 anos de sv fazer um cursinho a distância de 2 anos, pois não acredita que ele pode ser tenente. O mesmo Cmdo promove um recruta formado em oito meses de meio expediente num NPOR qualquer a tenente e ainda da a maior moral. Isso sem falar nos OTT que são formados em 45 dias. Tem muito ST/SGT formado em cursos propostos para vagas do QCO e de OTT, mas estas formações só são reconhecidas na hora das missões se houver interesse do Cmdo.
Qualquer militar que passou pela EsSA e pela EASA tem muito mais condições e vivência profissional para desempenhar as funções de tenente.
Na verdade em termos de direitos o EB vê os ST/SGT como vê os militares convocados para o serviço militar obrigatório, mas quando se trata de trabalho e missões quer excepcionais profissionais.
Um ST, geralmente com filhos cursando faculdade, ter soldo menor do que um garoto de 19 anos que cursou NPOR, sem responsabilidades financeiras nem família pra sustentar e que foi aluno deste ST é a prova de que não há valorização por parte do Cmdo.
É a mesma relação no caso dos PNR quem mais recebe é que tem casa e quem ganha pouco paga aluguel.
Só pra lembrar que o militar é o ST/SGT, a sua família não tem que pagar por isso.
Enquanto continuar este sistema feudal nada vai mudar.

Anônimo disse...

Tenho uma dúvida muito importante:
O curso de adj Cmdo vai dar brevê????

Senão é melhor ser SGT Brigada!!!!
... haja valorização!

Anônimo disse...

Quantos serão Adjunto de Comando? Quantos 1º Sgt / S Ten o Exército tem? Valorização?

Anônimo disse...

Valorização????
Vinte e tantos anos de serviço para ingressar no Quadro AUXILIAR de Oficiais para ser agraciado com as nobres funções de S/1, Aj-Sect, S/2, Conformador, IPM, Almox, padrinho de reintegrado, e toda sorte de funções previstas e não previstas no QCP (decorativo nas OM) e que os nobres da "acadimia" não querem. Passamos 20 anos concorrendo às escalas de sv e no final, tome oficial de dia no lombo. O meu alento é que falta pouco.....

Anônimo disse...

Não me importaria ser recruta mas com salário decente. Título não me interessa, e sim, valorização acompanhada de salário justo. O que sempre notei, militares parecem índios do tempo de Pedro Álvares Cabral, onde dava-se espelho em troca do ouro. Militares adoram "merdalhas" e são tapeados feito bobos da corte. Há gente que pensa que medalha de ouro é feita de ouro mesmo. Não existe a intenção de mostrarem, na mídia, os militares especializados e o que eles realmente fazem. Isto, talvez, mudaria aquela "praga" de a sociedade, por desconhecimento ou sei lá o que, achar que militares não fazem coisa alguma nos quartéis a não ser jogar bola, que na verdade é parte da Educação Física inerente à vida militar. Deveriam também mostrar, por exemplo, laboratórios da Aeronáutica e da Marinha, e o que os militares altamente especializados, até com curso no exterior, fazem no seu dia a dia de trabalho. Mas não, escondem tudo isto da população para não justificar que eles deveriam ter um bom salário. Há muitas Organizações Militares, como por exemplo, Parque de Material de Eletrônica do Rio de Janeiro, com seus laboratórios de manutenção e calibração, escondido em pleno bairro do Caju, que deveriam ser conhecidas. Portanto, no meu entender, enquanto militares forem lembrados apenas pelo tempo da Ditadura, não haverá o reconhecimento merecido e nem salário justo.

Anônimo disse...

Nada de novo. Já no tempo da escravidão existia a figura do Capitão do Mato, que nada mais era do que um escravo valorizado, que ajudava a manter o sistema escravocrata, colocando os escravos em seus devidos lugares.

Anônimo disse...

Sou a favor que acabe o Oficial QAO, quem quer ser oficial que preste prova e entre no quadro de oficial...
Pois temos muitos QAO que não sei o que faz na OM, só estão lá esperando dar o tempo para ir para a reserva.
Acho sim que tem que ter uma valorização na carreira dos praças em especial dos Sgt e ST, porem deve existir uma prova para estes serem oficiais, exigindo nivel superior e boa ficha militar. Um melhor salario para estes que derão duro na vida militar e esta prestes a ir a reserva.
Todo Sgt quando fez EsSA sabia que iria ser praça e que poderia ou não ser oficial, pois se quer ser oficial basta prestar prova.

Anônimo disse...

a pergunta que não quer calar:

se para sair oficial tem que ter curso superior, por quê então os aspirantes do NPOR são todos promovidos a 2º Tenente sem completar seu curso??????

em 2011 no CAS, o E1 do EME o qual palestrava não soube responder essa pergunta de um aluno do CAS.

Anônimo disse...

Pobre praça. O PT arrebenta com o Exército e o Exército arrebenta com seus praças. E a gente vai levando, em todos os sentidos.

Anônimo disse...

Estamos ferrados com estes soldos malditos. Totalmente baixo em relação a outras categorias do executivo. e outros...

Anônimo disse...

To vendo que não vai demorar acabarem com o QAO, pois eles já não aguentam mais tanto "praça"entulhando os clubes de oficiais, os Hotéis de trânsito. Os oficiais de carreira nem conseguem mais vaga para jogar tênis, porquê as praças (QAO) ocupam tudo. Antigamente QAO só frequentava clube de sargentos, agora um dia após a promoção muda de clube, tá ficando saturado.

Ten Lourenço disse...

Valorização????? O militar quer é salário digno de que adianta um monte de elogios, medalhas, pompa e ganhar uma merreca. Os ST aspiram ser oficial pois são mais 3 promoções rápidas adiante e um atendimento diferenciado nos Hospitais. Já sou QAO e posso falar por eles. \nosso objetivo sempre foi a melhoria nos proventos. Agora ... nesse caso quantos chegariam a ser adjunto? Quantas vagas existiriam?? Não seria uma forma de limitar a carreira e economizar recursos????

Anônimo disse...

Valorização, assim como foi valorizada a ESAO para quem realizou antes de 2000, aumentando em 5% ou 10% o adicional habilitação para oficiais, e 4% para alguns praças ou pensionistas. Poupem meu tempo.

Anônimo disse...

Competência e capacidade, vemha competir no mundo civil.

Anônimo disse...

O ULTIMO QUE SAIR, APAGUE AS LUZES.

Tá no BE 35, de 28 Ago 15 ==> Mais um que pica a mula do Exército ( Ten Cel Eng )

DEMITIR ex officio do serviço ativo do Exército, sem indenização à União Federal, a contar de 3 de julho de 2015, o Ten Cel Eng MARCELO BORTOLOTI WETLER, por ter sido nomeado e investido em cargo público permanente, e incluí-lo com o mesmo posto na reserva não remunerada.

almiro rogério disse...

A maior valorização do praça não seria o oficialato e nem esse cargo de adjunto de Comando, mas sim, a volta do tão sonhado auxilio moradia, LE, anuênio e outros direitos mais que perdemos.Os praças em especial estão sofrendo com aluguéis caríssimos para atender os interesses da Força e infelizmente ninguém vê isso.

Amauri disse...

É uma nova função q veio pra ficar. Só saberemos ser para o Bem ou Mal qdo começar pra valer. Porém é necessário uma reformulação completa na carreira dos Sgt (q só será possível mediante Lei específica):
1º) Aumento do tempo de CFS para dois anos, sendo q, obrigatoriamente, os últimos 6 meses serão de estágio em OM tropa (parecido com EIPOT);
2º) A classe dos Sgt deixar de ser, definitivamente, Praça. Ou seja, existirão três categorias separadas de militares: Os Oficiais, Os Sargentos e as Praças (Cabos/Soldados);
3º) Aumento de número de graduações na categoria dos Sargentos e, naturalmente, aumento do padrão remuneratório das referidas graduações (exemplo: a graduação mais elevada dos Sargentos ter um vencimento idêntico ao previsto para a patente de Capitão) e;
4º) Promoção ao QAO mediante, exclusivamente, concurso interno. Contudo com restrições (exemplo: as três graduações mais elevadas dos sargentos não poderiam realiza-lo em hipótese nenhuma).
É a minha opinião!!!!!

Ten Cav disse...

Adjunto do Comando, FE Pica to fly?
A tropa não quer isso.
Queremos PNRs para todos, auxilio escolar e transporte condizentes.
Queremos atualização dos soldos, por que nao retornar com o tao bem quisto anuenio?
Enquanto isso em brasilia esses generais vomitando portarias, dias de uniforme, breves dourados, cordinhas e tantas rolhas.

Paranaense disse...

A extinção do QAO será uma medida bem mais sensata. Eu tive a amarga experiência de ser QAO em corpo de tropa. Próximo de cinquenta anos, ninguém tem o mesmo pique de um oficial recém saído da AMAN. É sempre visto como oficial auxiliar, um praça com uma estrela no ombro. Missões e mais missões, com o salário desproporcional com a responsabilidade dos cargos que o QAO assume. Com a criação da função de Adjunto de Comando, o STen será visto com bons olhos e um salário mais condizente. Durante a minha carreira conheci alguns QAO, que não tinham as mínimas condições de ter atingido o oficialato. Por outro lado, criar uma função é fácil, quero ver selecionar a pessoa certa para exerce-la.

Anônimo disse...

Ainda tem gente querendo brevês . . . tá de saca . . . esse brevê vai ser uma bolinha vermelha no seu nariz, Gosto muito do Crivelatti mas ele sorrindo na entrevista parece que está no fantástico mundo de Bob . . . lamentável

Anônimo disse...

Valorização? Tá de sacanagem? Um SD da PM com 6 meses de Sv ganha mais que um 3° Sgt com agonizantes 8 anos! Essa valorização é uma passada de bola de sindicância e outros encargos que não se tinha, conversa que só trouxa Babão acredita

Anônimo disse...

E o aumento em $ das forças armadas, alguém sabe de alguma notícia?

Sargento Curitiba disse...

TRISTE...TRISTE..TRISTE...A missão francesa foi para o Exército o que o Foro de São Paulo é para o Brasil....décadas de atraso que respinga até hoje. Quem teve alguma experiência (real) com outros exércitos sabe o que estou escrevendo e de como como estamos parados em todos os sentidos. A figura do adjunto de comando é TRADICIONAL, em exércitos de combate (EUA, Espanha, Inglaterra, Portugal), e lá vamos comparar de novo....Adjunto de comando será o porta voz das praças. Será que as praças precisam de porta voz para informar aos 'comandantes' as dificuldades da 'carreira' da praça e mais duro ainda vislumbrar que cada dia que passa o pessimismo aumenta e a evasão idem e que raros, mas muito raros são os oficiais que se envolvem em alguma questão para solucionar algum problema. Novamente comparando o Sargeant major dos EUA é o ápice da carreira, e para isso ele tem que ter vida disciplinar sem punição, ter pelo menos 2 experiências fora dos EUA (seja em combate ou bases americanas), ter sido instrutor de alguma escola ou curso operacional, ter vida particular estável e ser reconhecido pelos seus pares pelos seus atributos, além de cursar o curso de major na escola das américas, que pasmem, se o sargento aluno quiser ele pode sair com curso de Mestrado em ciências humanas, conforme vagas disponibilizadas. Se ele for indicado ao posto ele assessorará diretamente no mínimo um major até um chefe do estado maior de força, ou ainda ser o sargento de armas da Casa Branca , responsável pela segurança do presidente. Legal né, um sonho para nós...porém lá existe a questão cultural, questão financeira , PIB etctetc, e se caso o militar americano fizer alguma aberração ou ele é demitido ou rebaixado...em todas as esferas. O major americano exerce , comparando aqui , como comandante de companhia e ou batalhão. A questão salarial para qualquer exército é a seguinte ou paga bem ou não tem.

Sargento Curitiba disse...

Mas voltando para nossa realidade poderíamos sugerir ao adjunto do nosso EB as seguintes ideias para valorização da carreira:

1o Profissionalização das FA, extinguir o serviço militar obrigatório e criar um plano de carreira em todos os círculos.

2º Formação do Sgt 2 anos. Concurso nível 2º grau ( o que já é) com validação do MEC como Curso Técnico.

3º Diminuição do tempo de promoção.

4º Cursos (operacionais ou administrativos)realizados com incremento de pontos para promoção e porcentagem salarial (como é na maioria dos funcionalismo público, inclusive para aposentadoria).

5º Ao realizar o CAS ( o aperfeiçoamento) elevar o nível de formação de técnico para acadêmico , reconhecido pelo MEC, como foi feito pelos oficiais em elevar o curso da AMAN de ciEñcias militares. Por que? Porque a carga horária de formação do sargento hoje extrapola a carga horária para que o MEC reconheça como curso superior (fiz um trabalho sobre o assunto e sei o que escrevo), e juntando o CAS a carga horária sobra para elevar para nível acadêmico.

6º caso o sargento ou subtenente tenha um curso civil acadêmico (direito, fisioterapia, qualquer coisa), através de concurso interno promover este militar a 2o tenente e incluí-lo em uma carreira administrativa onde o referido militar chegaria, por exemplo até major, onde o exército utilizaria o curso acadêmico em prol do próprio exército.

7º Muito se fala que o sargento não quer chegar ao oficialato, mentira. Se amanhã oficializar a extinção do QAO vai haver uma debanda de gente para reserva. O que poderia ser feito era que todo o STen ao ir para reserva ganhasse um valor a mais no salário, ou equiparar o salário de Sten a Capitão. (absurdo, nem tanto).

8º Concurso interno para promoção ao oficialato, levando em conta também a vida pregressa do candidato.

9º Extinçaõ do CHACAo ( o que um militar com mais de 20 anos de exército tem que saber a mais???)

10º Todos os concursos para ingresso (aman, essa) o aprovado deverá SERVIR um período , como SOLDADO, para dar valor e ser humilde na futura carreira, além de evitar a arrogância na carreira. Vamos começar de baxo (utópico num país como o o nosso).

Boas sugestões ???? Opinem. É claro que para isso deverá ser extinto, muitos quartéis (no RJ, RS), relocar quartéis de capitais para fronteiras, valorização de pessoal e salarial, diminuição do efetivo, reformulação da missão das FA....muita coisa né e isso dá trabalho.

Anônimo disse...

Boa Sgt Curitiba.
Mas o Adj do Cmdo não possui autoridade delimitada e só ser leal ao Cmt.

Anônimo disse...

Discordo do Sargento Curitiba29 de agosto de 2015 01:21 apenas na equiparação. O comprometimento salarial do St está no mesmo nível do Cel Full. Claro que na seria 100% mais baseado nele.

Professor Menezes disse...

Se a função de "Adjunto de Comando do Exército" foi criada com o fim de extinguir-se futuramente o oficialato para os subtenentes, eu não tenho nenhuma dúvida que irá aumentar exponencialmente a evasão de sargentos das fileiras da Força ! - Os sargentos vislumbram no futuro aposentadorias melhores ! - Só não ver quem quer !

Anônimo disse...

Alguns estão achando que com a extinção do QAO vão poder também ascender às futuras graduações que em tese, podem serem criadas com essa extinção. Fato: se não tem condições de ser promovido no QAO, também continuarão sem ser promovidos nas novas graduações, ou pensam que as exigências não serão da mesma forma do sistema atual ou até maior?
Questão salarial: com certeza, o máximo que iria acontecer com os vencimentos seriam o equivalente e até menor que os atual 2º e 1º Ten e Cap.

Anônimo disse...

Vejo que muitos querem ser promovidos a QAO e pertencer com funções de Sgt. Ora, se são promovidos a oficial vão pegar funções de S1, Almoxarife, Suporte documental, e muitas outras. É o ONUS.

Anônimo disse...

Em quanto os desunidos se matam, em breve vai ter QE saindo Sub.

Praça véia dos anos 90

Anônimo disse...

Eu sou a favor de manter-se o QAO, afinal, sou Subtenente já em fim de carreira e no momento, a única forma mais imediata de valorizar o praça é sim a promoção a oficial do QAO. Sinceramente, não entendo por que muitos militares, se é que realmente o são, que postam aqui seus comentários são contra. Sou Subtenente já há alguns anos, evidentemente já tomei algumas caronas (fazer o que, faz parte) e posso afirmar sem medo de errar ou de estar cometendo uma “blasfêmia”, todos os subtenentes que eu conheço e que estão no QA QAO, SEM EXCEÇÃO, até os mais “fraquinhos”, termo que absolutamente discordo, mas muito empregado por alguns aqui neste tópico e sob outros, exercem e/ou já exerceram rotineiramente, funções típicas de oficiais, digo, capitães com ESAO, já auxiliaram e até tomaram decisões inerentes a cargos de chefia tanto de chefes de Seção e ou Cmt de SU e sem querer desmerecer os oficiais, particularmente na OM onde sirvo se não fossem os “Primeirões”, os “Subões” e os QAO’s, algumas atividades (a maioria), em particular às administrativas, simplesmente estariam com o freio de mão puxado, sem rodas e sem motor.

Anônimo disse...

Porque não faz prova pra analista então?!?

Anônimo disse...

Valorização do sargento? Uma companhia de fuzileiros alemã da Segunda Guerra Mundial tinha uma Sç Cdo e 3 Pel Fzo. Nela só existiam 2 (dois) Of: o Cap-Cmt Cia e o Ten Cmt do 1º Pel Fzo que também era o Scmt Cia. Os outros dois Pel Fzo eram comandados por SARGENTOS. Aliás, conta-se que o soldado alemão torcia para ser incorporado aos primeiros pelotões comandados por tenentes, pois a vida costumava ser mais apertada nos outros pelotões comandados por sargentos. Isso é VALORIZAR O SARGENTO.

Anônimo disse...

Faço parte de uma Unidade da 4ª Bda Inf L (Mth) e o processo já começo errado.Foi escolhido um militar que em serviço já realizou tiro acidental quase ferindo um Sd, além de outras bizarrices que nem mesmo um recruta é capaz de fazer. Por isso entendo que a criação desta função é mais uma maneira de enganar os ST/Sgt criando falsas expectativas e ter um capacho do Comando para "queimar" e manter a tropa nas rédeas.

Anônimo disse...

Os civis do Executivo não aceitam os 21% oferecidos, pois o MP e o Judiciário estão levando no mínimo 41% (e tb não aceitam, querem mais) No EB o Comandante ficou hiper satisfeito com 25% em 4 anos, que representam perda real ante a inflação estimada. Milico é muito tonto mesmo. Por isso é o servidor federal mais mal pago entre todas as carreiras.

anônimo disse...

Nsda mesmo

Anônimo disse...

Essa mudança irá ocorrer sim......O perfil boa praça do Comandante nada mais é que "Operações Psicológicas" O Cmt do EB assim deseja, contudo não haverá VALORIZAÇÃO coisa nenhuma.....Não se enganem....Aqueles que fizerem parte de uma minuria de oportunidade, como esse ST, que imita muito bem o Comandante, estarão se dando bem.......Quer fazer mudança???? Então coloca no Edital do Concurso da EsSA que os Sargentos serão preparados para serem o Adjunto de Comando e estabeleca as regras para que depois de formados eles saibam o caminho a percorrer para serem Adjunto de Comando.....Algo de ruim está no AR!!!! O Exercito não faz nada para as PRAÇAS sem uma pitada maquiavélica de maldade e atribuição de mais responsabilidades......NÃO HAVERÁ VALORIZAÇÃO FINANCEIRA NEM EQUIPARAÇÃO SALARIAL!!!! 1º Sgt Bsb-QGEx

Anônimo disse...

Com certeza acontecerá o Armagedon, no dia em que um Cmt, com toda a sua auto afirmada sabedoria e superioridade intelectual (segundo o que ensinam na academia, atrelada ao grau hierárquico do militar)priorizar e acatar a opinião de um velho ST com um breve decorativo, em detrimento ao ponto de vista de um de seus Cmt de Cia, ou mesmo de um de seus "experientes" OCT ou OTT. A implantação desse cargo, gerará uma competição não salutar entre as praças e poucas ou nenhuma melhoria para o universo em questão. Imagino os "atributos" que serão avaliados por cada cmt antes da escolha do militar a ocupar esse cargo...com certeza terão prioridade aqueles com casos agudos de Síndrome de Estocolmo, subserviência saltitante aos olhos dos chefes e total isenção e omissão diante das questões de interesse às praças. Uma marionete com brevetada. Nosso EB como sempre copiando mal, tudo o que copia.

Anônimo disse...

O cargo é bom, facilidades, diárias sem burocracias, contato direto com o "mestre" e... só oficiais eram capacitados. Agora, a coisa está feia, dinheiro sumiu, diárias só com testemunha e reconhecimento de firma e na "pindura", chefe estressado e muito assunto casca grossa e,... aí colocam os "Severinos"? A toda hora mudam as regras e vira uma bagunça.

Anônimo disse...

Bom então.
Um militar como o Crivelati e o outro Sub FE não poderiam ser oficiais.
Então quem pode.
Garotinhos do CPOR.
Garotos da AMAN.
Comparados não dá nem para falar.
Tá de brinqueichon.

Anônimo disse...

Prefeito.

Anônimo disse...

"Adjunto de Comando será o Porta Voz dos Praças" Na verdade o comandante está de saco cheio em escutar reclamações dos praças, e resolveu obter um filtro, obter um "Ouvido". Cabe a este Adjunto de Comando escutar o choro e "Filtrar" as informações.

E quando o comando perguntar como estão os praças (se é que vão lembrar de perguntar), ai o Adjunto de Comando realiza sua função de "Dourar a Pílula", deixando de passar muitas reclamações, e dizer que "está tudo bem meu chefe, sua chefia está Excepcional! Só existe praça A ou B, que poderiam ser devidamente "Doutrinados", para o bem maior do controle da tropa.
Eu só queria ver, se acabarem com a promoção a QAO, como vai ficar o atendimento nos Hospitais Militares quando ESTIVER NA RESERVA... Acabou o tratamento de "Oficial" no hospital, ou será que vão criar um tratamento "Adjunto de Comando" para os praças?
Lembrem-se que um dia fiarão velhos e irão necessitar, não só vocês como suas famílias, de um tratamento digno no assunto Saúde.

Anônimo disse...

E uma coisa mais simples quando farão? Como atualizar a tabela de bagagem de transporte que, pasmem, está desatualizada a mais de 20 anos.

Sempre pensei o seguinte: o pior oficial é mais valorizado que o melhor sargento. Isso nunca mudará.

Quer valorizar, então construa mais PNR, volte o adicional de tempo de serviço, atualize os valores da tabela de bagagem, lutem para que seja aprovada uma nova LRM com soldos compatíveis com as demais carreiras públicas.

O incompetente/desinteressado/manipulador quando não quer realmente atacar o que faria a diferença na vida de todos, apresenta esse tipo de projeto para tampar o sol com a peneira. O pior é que tem gente que acredita.

Alguém poderia pedir para os integrantes do Alto Comando acessar este blog.

Anônimo disse...

SALÁRIO BAIXO DÁ NISSO ... ATÉ 28 AGO, 79 OFICIAIS DE CARREIRA JÁ PICARAM A MULA DO EB. VEJA O ÚLTIMO !!!!!

==> BE 35, de 28 Ago 15.

DEMITIR ex officio do serviço ativo do Exército, sem indenização à União Federal, a contar de 3 de julho de 2015, o Ten Cel Eng MARCELO BORTOLOTI WETLER, por ter sido nomeado e investido em cargo público permanente, e incluí-lo com o mesmo posto na reserva não remunerada.

Anônimo disse...

VALORIZAÇÃO DO ADJ DE CMDO ( BE 35 )

PORTARIA Nº 966, DE 28 DE JULHO DE 2015.
Apostilamento.
Na Portaria do Comandante do Exército nº 966, de 28 de julho de 2015, publicada no Boletim do Exército nº 31, de 31 de julho de 2015, relativa à designação do Cel Inf XXXXXXXXXX, do Gab Cmt Ex, para acompanhar o Senhor Comandante do Exército em viagem oficial ao Chile (Atv PVANA Inopinada W15/103_B), na cidade de Santiago, na República do Chile, no
período de 12 a 21 de setembro de 2015, incluindo os deslocamentos.

==> No presente ato, INCLUIR, na relação de nomeados, o S Ten Cav OSMAR
CRIVELATTI, do Gab Cmt Ex.

Amauri disse...

As sugestões do Sargento Curitiba, tb, são muito boas.

Precisamos, tb, da reestruturação de todo EB. É absurdo a quantidade de quase 700 OM(!!!!), sendo q a grande e esmagadora maioria nos grandes centros urbanos. Temos, tb, um grande efetivo, porém fica extremamente diluído nessa imensidão de OM. É necessário extinção de, pelo menos, metade e realocação do efetivo nas OM restantes.

Anônimo disse...

Atualmente sou 2º Ten QAO da turma de 91. Pois bem, a mudança do modelo atual (que é um misto entre o modelo francês e americano) será de grande boa para os praças, até mesmo a temida extinção do QAO desde que a mudança não seja apenas burocrática (apenas se copie um modelo, como o americano ou outro qualquer sem melhorias práticas para o praça, mas somente um pano de fundo para a Instituição se sentir melhor). Estas mudanças tem de acontecerem e estão acontecendo não porque o EB quer ser "bonzinho" com seus sargentos, mas porque o alto comando visualiza um cenário futuro muito ruim em relação à nossa carreira. Ora, quando entrei no EB se exigia o nível primeiro grau (um bom primeiro Grau) a formação era de 11 meses, passei 6 (anos) como 3º Sgt e já no 4º Ano tirava adjunto de Oficial de dia, passei, tinha a certeza que se fizesse o dever de casa, sairia QAO, fiquei exatamente 23 e 6 meses como praça. Qual o cenário hoje, quase dois anos de formação, mesmo nível de entrada exigido para AMAM, os militares que passam (temporário Sgt, na minha turam tinha até Ten, hoje não pode) que mantinham seus soldos) tem de dar baixa e entram com soldo de aluno, 8 anos na graduação de 3º Sgt tirando Cmt da Gda e Sgt Dia (quase não se tem mais temporários e os que tem, por exemplo, do seguimento feminino "não podem tirar guarda). Este tempo é suficiente para um sargento "lobinho" ver um aspirante chegar junto com ele, ter 4 promoções, no máximo em 4 anos deixar de tirar serviço, e o sargento fica literalmente estático, sem aumento, sem melhorias nas condições. Ao olhar para frente o sargento atualmente, se tem certo que sairá S Ten, pois no modelo atual além da promoção para QAO ser um merecimento misto de Escolha, o próprio concurso do CHQAO pode ser uma barreira a mais para ser vencida...... Aqui chego no ponto crucial, ser sargento hoje em relação à carreira do oficial e quase um sacerdócio, a EsSA já teve anos que estava chamando a 5 majoração (no meu ano mais de 120 mil inscritos, apenas 86 mil atingiram a nota de corte e 2000 mil foram chamados sem nenhuma majoração). Esta imensa descolorização de nossa carreira cada dia menos diminui o nosso capital humano, hoje se vê um aluno do CFS fazendo o curso e de serviço estudando para outro curso, PM, Bombeiro, PF, PRF etc. A carreira militar nunca foi algo para se ficar rico, mais ao menos para a carreira de oficiais possibilita um planejamento, um salário que não é um dos melhores, mais que se vive com dignidade, um certo status. A do praça só aumento a exigência, mas o resto todo só fez piorar, continuando assim, o sargento do EB num futuro próximo será aquele que só ficou por uma vocação que beira o sacerdócio ou por falta de capacidade intelectual para conseguir qualquer outra coisa melhor... Resumindo, a carreira do praça com estas mudanças teria, no meu ponto de vista, ficar independente das dos oficias, como no modelo americano, argentino etc, onde em termos de vencimento, um 1º Sgt tem um vencimento de Cap, onde quem puna um praça seja um praça que conheça a carreira e o peso de uma sanção para o militar daquela carreira, onde, por exemplo, como na Argento o Sargento Major, mais graduado da unidade realmente desempenha funções de destaque, como coordenar uma cerimônia. Se não for assim, a extinção do QAO será apenas mais uma aspecto que piorará ainda mais a carreira do sargento, mas responsabilidade e nenhum retorno prático para o militar

Anônimo disse...

VALORIZAR O SALÁRIO OU SEJA A REMUNERAÇÃO.

SUGESTÃO AO CMT DO EXÉRCITO: ENCOMENDE AO CPEX INDICADORES DE EMPRESTIMOS CONSIGNADOS AO CPEX. ( FÁCIL E RÁPIDO E VEJA O RX DA SITUAÇÃO DA TROPA )

Segundo pesquisa realizada aqui na Revista Sociedade Militar, os militares das Forças Armadas tem se virado para quitar as dívidas causadas pela perda de poder aquisitivo. Segundo os dados colhidos:

- Mais de 75% dos militares têm dívidas com empréstimo consignado, índice bem maior do que o restante da sociedade brasileira.

- 77% dos militares já estiveram em situação em que precisaram realizar um empréstimo para quitar dívidas contraídas anteriormente.

- 82% dos entrevistados (Todos os postos e graduações) declararam que pensaram em pedir baixa das Forças Armadas recentemente.

Anônimo disse...

Quanto à questão dos vencimentos serem equiparados dentro das duas carreiras, por tempo de serviço e atribuições (para evitar a discrepância de um garoto OCT, ou OTT, com 1 ano de meio expedientes de formação ganhe mais que um ST com 29 anos de SV) acho que nossos comandantes pensam de maneira retrógrada e jurasica, imaginando que um 1 Sgt com soldo equiparado a de um 1 Ten faria motim toda vez que recebesse uma ordem do mesmo, por ganhar financeiramente a mesma coisa. Obviamente, ambos têm funções e responsabilidades distintas, porém a ascenção dos oficiais é desigual comparada a das praças (que está tomando um vulto meteórico, em queda...). Em 5 anos o of não tira mais SV de escala (senhores, me perdoem, SV de sup de dia é uma piada) enquanto a praça sai QAO e entra para a escala com os aspiras e tenentes de 21 anos, após 30 anos de cmts da gda, adj, sgt de dia....quanto às promoções, como citado acima, um of galga 4 promoções enquanto no mesmo período de tempo a praça amarga com apenas 01 ( a diferença pecuniária deduzido o imposto de renda é inócua). Promoção significa valorização, melhora de condições de trabalho, retorno financeiro, palavras ausentes no vocabulário das praças. Algo tem que mudar.

Anônimo disse...

QUANDO SERÁ A 301ª RACE ???

* NÃO FICAMOS SABENDO NADA DA 300ª, PORQUE ? O QUE FOI TRATADO ?

** QUE TAL FALAREM SOBRE VALORIZAÇÃO E MELHORIAS REAIS PARA A TROPA ?

A MINHA SUGESTÃO DE PAUTA SERIA:

- construção de pelo menos 50 PNR para ST/Sgt por GU em até 2 anos;
- auxílio-moradia;
- reajuste anual entre 30% em uma única parcela ( DATA BASE );
- pagamento do direito da férias não gozadas de recruta ( uns receberam e outros não )
- salário familia para cada filho até os 14 anos de idade, no valor de R$ 200,00;
- volta do posto/ graduação acima na passagem pra inatividade;
- nunca construir quartel sem construir 100% de PNR primeiro;
- extinguir os uso das bicicletas das bandas de musica ... kkkk ;
- discutir o assunto suicidios;
- diminuição dos interstícios (aumentados em 2002);
- discutir o assunto acidentes com armamento, viaturas, motos;
- em todas a reuniões Cmdo RM ou DE ou Bda ou AD, os Cmt deverão obrigatoriamente apresentar indicadores de endividamento da tropa sob seu Cmdo nas dezenas de entidades consignatárias ( SPP da OM );
- e nas RACE, indicadores fornecidos pelo CPEx, situação todo EB;
- proibições dos expedientes desnecessários e sem recursos para manter;
- atualização da tabela de bagagem, Auto e moto, não atualizadas desde Dez 1994 (o frete deve ter aumentados mais de 600% nesse periodo de 20 anos);

*** O valor da indenização é para o militar custear o trasnporte da sua bagagem e não JUNTAR 3 ou 4 para alugar UM caminhão.
- Etc ...

Quais as suas idéias ?????

Ten Reis disse...

Impressionante como o militar nunca está satisfeito com nada...se acaba o QAO reclamam, se continua reclamam das "caronas", se arrumam algum cargo diferente reclamam, tá louco...fora as "viajadas altas" que uns tem dado como QE saindo subtenente e sargento de carreira indo até Ten Cel...o turma que vivem nas nuvens...

Anônimo disse...

O engraçado é que a carreira do oficial é imutável... nada piora... enquanto o praça fica ao Deus dará... também, por que mexer em time que está ganhando (e bem), não é???

Anônimo disse...

Milico reclama demais, tenhamos paciência, vejo que a intenção é ajudar e melhorar.

Sgt 03

Bucha de canhão disse...

Mil vezes ser o subão da reserva, montar latrina, servir cachorro-quente, coisa que até um conscrito consegue coordenar a ser adjunto de comandante para ter que prestar assessoria em alto nível, sofrer perseguição de oficiais vaidosos e ficar mal visto pelas praças.

Valorizar significa tratar melhor os melhores e não entubar os melhores porque os piores não querem nada. Nunca vi militar ruim ter incentivo em melhorar, mas vejo diariamente bons profissionais jogarem a toalha: dá menos trabalho ser vagabundo, já que o salário é igual.

Alguém já parou para calcular a diferença de vencimento entre um 2º Sgt com dezesseis anos de formado e um 3º Sgt recém formado que não tem nem um passarinho para dar água?

Insígnias douradas, medalhas, funções pica-das-galáxias, porta-bandeira, sindicância, nada disso aumenta o salário no fim do mês. Sou mercenário? Quem acha que sou, doe o soldo para mim e pague a escola do filho com vibração. Já abro mão de permanecer com minha família fazendo o serviço dos outros e tirando serviço em escala apertada porque vagabundo baixa de fuleragem. O mínimo que espero é poder dar algum conforto para a família que compense minha ausência.

Quero sair oficial pelo soldo e não pela estrela. Estrela até um menino de 18 anos, formado no meio expediente e sem faculdade consegue. Praça tem que morrer praça, mas com remuneração decente.

O EB é uma piada de mau gosto: querem a praça trabalhando com o conhecimento de um doutor em Harvard mas com a resignação de um escravo.

O EB só irá mudar no dia em que as praças enxergarem o verdadeiro valor que têm e pararem com essa síndrome de vira-lata: se eu for um bom menino subserviente poderei carregar espadinha quando meus dentes caírem.

Anônimo disse...

Valeu bucha de canhão. Assino onde.

Anônimo disse...

Fala-se em fazer curso e sair para outra função. Concordo! Eu tiraria da cabeça de um filho se ele quisesse ser da carreira militar, hoje em dia. Entretanto, vejo aqui que muitas pessoas terão mesmo de fazer um curso, inclusive supostos oficiais, basta ver os erros cometidos no que redigem. Vamos dar bom dia à Língua Portuguesa!

Anônimo disse...

A sacanagem ja começou logo no criterio para a escolha do S Ten Crivelatti. Nada contra ele, e sim com o criterio da escolha.ou seja, nenhum. Talvea tenha sido escolhido pela temida e obscura comissão de promoção, aqual ja fez com que o Sub Ten que é da turma de 93 desse uma carona nos Sub da turma de 94.

Anônimo disse...

Para ter valorização de fato, tem que fazer igual aos QE: falar diretamente com os políticos. Os QE em breve vão conseguir sair subtenente.

Os oficiais de AMAN não possuem esse atributo de ir no meio político e lutar pela melhoria da classe militar. São analfabeto nesse quesito. São doutrinados desde a adolescência para não ponderar e se conformar com a situação, a olhar somente para seu umbigo e o resto é que se f...

Um general 4 estrela tem 35% adicional de tp de sv, posto acima, 20% adicional de permanência, 20% de PQD (alguns), diárias a rodo, motorista, taifeiro, conta de telefone residencial por conta, casa com mobilia da União, rancho diferenciado etc.

Com isso tudo, alguém acredita que eles algum dia vão lutar por alguma coisa. E melhor criar internamente algo rolha para acalmar os ânimos da tropa enquanto a reserva chega. E esse circulo vicioso vai passando de um para o outro.

AMIGO DO R.A disse...

Ainda aguardando meu amigo R.A postar, porém penso que tudo isso é uma cortina de fumaça, valorização dos ST/SGT está muito além de ser um adjunto de comando, está sim em melhorar o seu soldo, dando-lhe as condições de saber que chegará ao último do mês sem ter recorrer ao cartão de crédito, ao limite do cheque especial e outros. Os Cmt FFAA sabem que isso é que vai valorizar os ST/SGT. Porque não brigam para que a MP do Mal que esta no senado a 15 anos parada entre na pauta de votação ou porque na lutam pela aprovação da PEC249/2008, essa estorinha de adjunto de comando é conversa para boi dormir...

Anônimo disse...

Acrescentando que o oficial CPOR/NPOR não tem curso superior mas durante o seu tempo de serviço militar tem todos os direitos que um oficial de carreira tem !

Anônimo disse...

Eles não sabem responder perguntas do tipo, aliás, poucas gemadas realmente sabem alguma coisa, provando que vão a essas palestras somente para receberem o adicional de representação ou será diária ????

Anônimo disse...

Universo gigantesco para meia dúzia de vagas. Já podemos começar a trairar com o companheiro?? Brincadeiras a parte, mas acho que não há qualquer interesse real de mudar a situação da coletividade. Eles mudam a embalagem, porém o conteúdo é sempre o mesmo: gambiarras para favorecimento de apadrinhados que ganha força na crença ingênua de alguns ou simplesmente malandragem de outros. Há até os que pretendem se pertuarem na, ainda em fase de teste, função, vide pergunta do vídeo.

Anônimo disse...

De vagar, de vagar foram passando todas as funções que os Of consideram "chatas" para os burros de carga, dizendo que se tratavam de "valorização"... Essa aí é a cereja do bolo: O SCmt não aguenta mais ser o carrasco da tropa(responsável pela disciplina), então manda mais essa "valorização" para os otários... E o salário ó!!!(por mais que os PS fiquem jogando panos quentes no assunto, podem chamar de leão de alojamento e etc, é a pura verdade... Infelizmente...)

Anônimo disse...

Antes a moeda de troca era o QAOlato, mas e agora??? O que o praça vai receber por escutar o resmungo dos companheiros e o esporro do CMT todo dia??? Não vejo compensação nenhuma aí.

Anônimo disse...

1_ Quantos em uma turma de sargentos chegarão a esse tal de adjunto de comando?
2_ Quanto vai ganhar a mais e incorporar no soldo até a reserva ao chegar a essa função?
3_ Sera que os oficiais doutores ecemicos vão dar ouvidos mesmo aos assessoramentos do praça adjunto de comando? muitos não dao a mínima nem para o seu estado-maior, se acham os donos dá verdade.

Me parece mais uma medida paliativa, uma OPERAÇÃO PSICOLÓGICA para dizer que se está valorizando os praças.

Lembrem-se de quando estava pra entrar em vigor a MP 2215, MP do MAL, dizia-se que teríamos o "SOLDÃO" e deu no que deu, a maior trairagem dá história!

Os praças sonham em atingir o oficialato sim, e também, principalmente a diferença de soldo entre subtenente e tenente, o tratamento diferenciado em hospitais, hotéis de trânsito, etc, etc
Na minha opinião tem que dar mais oportunidades de ascensão dos praças ao oficialato, aproveitar aqueles que fizeram curso superior em concursos internos como a EsFCEx, EsSEx , etc....

Anônimo disse...

Discurso muito bem amarrado, ensaiado e direcionado pelo EME. Assim como a futura atuação do "adjunto de comando" que será LINEAR, isenta e omissa no tocante às reivindicações e necessidades reais das praças. Atuação muito bem direcionada pelos comandantes com a finalidade de tapar "sol com a peneira" e acalmar os ânimos, haja vista que tudo o que vier dessa futura figura ilustrativa e cerimonial, ou já estará filtrada de acordo com sua capacidade de julgamento, ou não será levada em consideração. No nosso EB impera o ego, e vaidades mil. Uma praça nunca terá voz ativa entre os lords.

Anônimo disse...

Enquanto não criarem uma lei de promoção dos praças não haverá valorização alguma e muito menos justiça. Todo o resto é conversa para boi dormir. Tenho dito.

Lauro - Mat Bel disse...

QAO é um QE melhorado, apenas isso, pois nunca será olhado como oficial. Essa mudança vai valorizar o sgt.

Anônimo disse...

Muito me impressionou o tamanho do amadorismo de quem produziu e editou o vidro do Crivelatti. Não precisa ser nenhum diretor de cinema vencedor de oscar para notar que o Crivelatti tava lendo o texto todo preparado pelo EME, o 1 Sgt então, esse aí coitado, alem de estar lendo a pergunta totalmente tendênciosa, demonstrava uma insegurança incrivel. Esse amadorismo perpetua no EB.
kkkkkkkkk

Anônimo disse...

Eu não sei se esse cargo de adjunto de comando terá em um futuro bem próximo como sinônimo "Capitão do Mato"... "Bobo da Corte"... ou "X9".... eu sou e sempre fui contra o quadro QAO... ele já devia ter acabado... ou melhor... nem começado... mas com o EB é cheio de arrumadinho... peixadinha daqui... ajeitadinha dali... fizeram essa cagada... a merda esta ai e segundo muito oficiais de carreira... ela deve ser limpa... concordo com eles... o que nós praças queremos ...são medidas concretas que resolvam nossos problemas de ordem financeiras e politicas de pessoal que permitam que o militar possa ter uma vida digna com sua família... temos sim que rever os critérios de transferências de militares... auxilio moradia... gratificações para militares que vivem em capitais onde o custo de vida é muito alto... o resto é papo furado... fico impressionado de ver comentários aqui de ST/ Sgt falando em carreira...façam-se um favor... acorda PRAÇA... tem oficial QAO que se comporta como oficial de verdade... o cara pensa que é oficial mesmo... acorda PRAÇA VELHA... vocês jamais serão oficiais para os verdadeiros oficiais de carreira... continuem se humilhando por migalhas... nossa classe desunida agradece... o ultimo feche a porta...

Anônimo disse...

Os QE já ensinaram o que fazer. Nada de Adjunto de Cmdo, figura figurativa que não foi escolhido pelos seus pares.
Devemos e procurar os políticos como os QE sabiamente fizeram e as PM também.

Anônimo disse...

Parabéns Anônimo de 29 de agosto de 2015 19:32

falou bem a realidade e esta.

Anônimo disse...

MELHOR COMENTÁRIO:

anônimo denominado BUCHA DE CANHÃO...simplesmente perfeito, sintetizou tudo...

"O EB é uma piada de mau gosto: querem a praça trabalhando com o conhecimento de um doutor em Harvard mas com a resignação de um escravo.

O EB só irá mudar no dia em que as praças enxergarem o verdadeiro valor que têm e pararem com essa síndrome de vira-lata: se eu for um bom menino subserviente poderei carregar espadinha quando meus dentes caírem. "

Comentário: BUCHA DE CANHÃO anônimo 29 de agosto de 2015 15:23

Anônimo disse...

Se os QE saírem ST sem CAS e com CFC, quero sair TC com meu ensino supletivo e 11 meses de ESA.
Sgt esperançoso

Anônimo disse...

Esse cargo irá beneficiar alguns, em detrimento da classe. Sou contra a extinção do QAO, entretanto acho que o filtro para chegar a ele deveria ser mais fino. A supervalorização do merecimento para o acesso ao QAO estimula o "puxassaquismo" e a intriga. Há oficiais do QAO que não sabem se expressar, escrevem mal, não tem cultura, enfim, não merecem ascender ao Oficialato. Em contrapartida, há subtenentes e sargentos cultos, inteligentes "desenrolados" que, por "azar militar" ou desilusão com a carreira, vão para a reserva, precocemente. Penso que deveria haver, sim, um concurso, a necessidade de um curso superior (até para não ouvir abobrinhas do pessoal da AMAN e QCO). Hoje, o posto de Cap QAO é o trampolim para a reserva, sem um forte motivo que justifique, ninguém, em sã consciência, fica na ativa como Cap QAO só para curtir o posto. O ideal, é que se chegasse ao posto de 2º Ten QAO com, no máximo, 20 anos de serviço (5 anos por graduação), a fim de que o exercício do "QAOlato" fosse feito de forma plena, tanto física quanto funcional. E a partir daí, as promoções fossem como as do pessoal de AMAN, o que promoveria o QAO a Cap em torno dos 23 ou 24 anos de serviço. Naturalmente, funções específicas deveriam ser criadas para esses profissionais, ou ainda, extinguir o QCO e aproveitar esse pessoal nas funções antes ocupadas por esse Quadro, já que todos teriam curso superior e uma formação militar também superior. Quanto aos PNR, deveriam ser todos vendidos e os recursos revertidos para a melhoria das instalações da Força, retornasse o Auxílio-Moradia, com valores diferentes, compatíveis com a realidade de cada localidade. Simples, estimulante e factível. Falta vontade política, falta liderança. Nada do que eu disse é complexo ou absurdo. O maior reconhecimento que podemos receber da Força, é a valorização do nosso trabalho e o entendimento de que não é a diferença entre uma divisa e uma estrela que define a capacidade profissional de um militar...

Anônimo disse...

Desculpe, não tive estômago para assistir o vídeo inteiro. Segue o barco.

Anônimo disse...

Concordo em gênero, número e grau com o comentarista 30 de agosto de 2015 12:31. Isso inclusive valorizaria a nova geração de sgt que em sua maioria tem ou cursa um curso superior, transformando realmente em carreira a "jornada" das praças. Talvez se isso fosse feito, associado a um LRM mais justa com a volta de institutos retirados pela MP do mal, não teríamos a evasão de competentes ST/Sgt para outras carreiras do funcionalismo público, e não venho com o papo de vocação pq qndo atingimos certa idade percebemos que nada pode ser superior ao conforto e a qualidade de vida da família e do jeito que as coisas estão isso quase nenhum militar consegue proporcionar a seus familiares só com oq ganhamos na força.

Anônimo disse...

Puro "FACTOIDE". Todo praça consciente sabe que a instituição EB está se lixando pra opinião dos praças. Ela está institucionalizada e estruturada no sentido e forma que se preocupa com uma única classe, a dos oficiais, o que passar disso é simulacro.

Anônimo disse...

Fala sério. Todo militar com o mínimo de inteligência sabe que o EB é dos oficiais. As praças sempre foram, são e sempre serão um "mal necessário". Não é síndrome de coitadinho, mas apenas a verdade nua e crua e ela choca. A idéia de que não dê poder ao sargento que ele vai "roubar"o seu comando ainda é viva dentro da AMAN. No meu batalhão um sargento não pode sequer assinar um cartão de cabelo do soldado e ainda tem companheiro que não tem a mínima noção de que não manda nada dentro da força. É apenas um cabo melhorado. Vai virar ST e vai montar campo, p cag, p ban, comandar uma reserva de material cheia de troço velho e nada mais. Fala sério.
P.S. Desculpas aos companheiros que ainda vivem no mundo de Matrix e não enxergam a realidade como ela realmente é....é triste mas é assim que funciona!

Anônimo disse...

Companheiro, seria carona se os ST de 94 passassem à frente dos de 93. Não entendi o seu comentário.

Anônimo disse...

Mais uma operação psicológica para confundir os praças e desuni-los ainda mais. Não é a toa que a instituição criou um batalhão somente para criar situações como esta, pra quem não sabe ainda ele fica sediado em Goiânia. Senhores, valorização é, como já dito, a melhoria nos vencimentos, o retorno dos direitos extirpados pela MP do Mal, a qual não consigo entender como ainda está em vigor. Somente os tolos acreditam nesta estória de valorização. E me desculpe o Sub veio que deu a entrevista, visto que é de notar-se que as perguntas e as respostas foram meticulosamente formuladas pelos senhores do saber integrantes do EME. Brasil acima de tudo!

Anônimo disse...

Faz-me rir...ST não assina nem cartão de cabelo. Quando incumbido de sindicância, se não der o parecer aguardado pelo CMT é obrigado a refazer os autos (verdade universal...cada fato têm três versões, a versão do sindicado, a versão que o CMT espera assinar embaixo... E o que realmente sucedeu...kkk). No primitivismo interpessoal de nosso exército imperam as vaidades e o egocentrismo. O oficial aprende na academia que o sgt é seu rival, é seu inimigo, vai tomar seu comando. O sgt por sua vez aprende a temer o poderoso, erudito e onisciente oficial, que poderá participa-lo e assim tornar mais penosa sua caminhada rumo às escassas promoções as quais está predestinado (agora sem o QAOlato). Sinceramente senhores, se fôssemos empresa, haveríamos de ter fechado as portas a muito tempo. Perdeu-se a essência do trabalho em equipe, o senso universal do cumprimento da missão. Existe um abismo muito grande entre os tomadores de decisão e os executantes. Corporativismo? No universo dos oficiais, e para os oficiais. Presençiei situações que jogariam uma praça na cadeia, acontecerem com oficial que nada sofreu, foi aglutinado e protegido pelos pares, o assunto esquecido, premiado com uma missão no exterior (para retira-lo da OM a curto prazo) e uma transferência sumária. Morreu o assunto. Diante de fatos, duvido que tal honraria superficial venha a somar algo positivo ao universo das praças.

Anônimo disse...

Concordo plenamente com vc, Izaias Alves.

Anônimo disse...

Ten Reis, nada contra os seus comentários, mas acho que deves ter um irmão gêmeo que discorda das tuas opiniões. Não dá pra ser ser tão ambíguo assim, sabe como é, ficando em cima do muro quando é conveniente. E haja contrainteligência!

Anônimo disse...

"Seja leal para consigo mesmo. Não altere o seu comportamento apenas para contentar os outros"

Siva Yogaswami

Anônimo disse...

"Falacias flacidas bovinus acalentus"
Ditado do Império Romano

Traduzido
Conversa mole pra boi dormir

Anônimo disse...

~Quer dizer que um subtenente com família, filhos em idade de cursar faculdade, e ganhará menos que um tenente de vinte e poucos anos? Que evolução!!! Se eu pudesse voltar no tempo acho que escolheria a PMDF.

Anônimo disse...

O que esses caboclos vão fazer sem os praças? Não vai ter "cordinha" "taifeiro¨"...
Hoje o negócio é ser político, em 8 anos já se aposentou...

Anônimo disse...

Perguntinhas decoradas,
kkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

oficial da aman => 5anos de preparação
oficial da qco => 11 meses de preparação
oficial da npor => 10 meses de preparação
oficial da ott=> 45 dias preparação
*nepotismo indicar a esposa para ocupar cargos de of ott
*Promoção garantida sem ultrapassagem de turmas

oficial da qco => 26 anos de serviço
* Bel prazer da CPQAO sem divulgar critérios
* Ultrapassagem de turmas
* Sistema de pontuação equivocado
* Distribuição de medalhas para beneficiar subordinados
* Valorização de desempenho de atividades que não são por indicação e a de motorista, atividade de soldado

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics