17 de abril de 2015

Forças Armadas em crise, com Marinha perto de um colapso

Marinha só tem dez navios em condições de navegar
Rubens Barbosa

A defesa nacional e as relações exteriores, dois setores de crucial importância para resguardar os interesses do Estado, foram relegadas a um perigoso segundo plano nos últimos anos. A perda de relevância política associada à decisão governamental de reduzir a participação do Ministério da Defesa e do Itamaraty no Orçamento Geral da União estão trazendo grandes problemas operacionais que põem em questão a própria segurança nacional.
Neste artigo vou limitar-me à área da Defesa, identificando concretamente alguns problemas que afetam as atividades das três Forças e tornam mais difíceis o exercício, de forma eficiente, de suas missões constitucionais e o desenvolvimento dos projetos em execução, alguns dos quais urgentes e de grande significado para a projeção externa do Brasil.
O Orçamento Geral da União atribui ao Ministério Defesa apenas 1,3%, abaixo das necessidades das Forças Armadas. A redução de recursos para o PAC trouxe um corte de R$ 1,6 bilhão para alguns dos projetos mais importantes da Defesa. O forte contingenciamento em 2015 trará sérios prejuízos à manutenção das estruturas físicas, à aquisição de armamentos convencionais, à qualidade dos serviços prestados, incluindo, o que é mais preocupante, as atividades de formação, treinamento e aperfeiçoamento de pessoal, que no caso das Forças Armadas é altamente especializado e relevante para a segurança do País.
No Exército, a escassez de recursos é sentida não só na modernização dos equipamentos, como na execução de sete projetos estratégicos e vários projetos e programas setoriais em andamento. Os projetos Guarani (família de blindados sobre rodas), Sisfron (Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras), Defesa Antiaérea, Astros 2020 (sistema de artilharia), Defesa Cibernética e Recop (Recuperação da Capacidade Operacional da Força Terrestre) têm recebido verbas abaixo da previsão, atrasando sua implantação.
Também por causa dos cortes orçamentários impostos às três Forças, o prazo final de entrega das 50 aeronaves EC-725 (Caracal) que estão sendo montadas na Helibras para o Exército, a Marinha e a Aeronáutica passou de 2017 para 2019.

MARINHA À DERIVA
Quanto à Marinha, a esquadra está próxima de um colapso inaceitável. A fragata brasileira Constituição, navio-capitânia da força multinacional que patrulha o litoral do Líbano, quebrou na costa libanesa no fim do mês passado. A avaria é tão grave (a fragata vai completar 37 anos de uso!) que foi preciso despachar um navio-patrulha (menor em tamanho e em capacidades) para substituí-lo na missão. Com isso – em outro vexame nacional – o Brasil se arrisca a perder a liderança da missão, integrada por 15 países.
Por falta de recursos a Marinha deixou de fazer a manutenção necessária nas suas corvetas da classe Inhaúma, que se encontram paradas há mais de dois anos. Noticia-se também a desativação de duas das três fragatas Tipo 22 (classe Greenhalgh), de procedência britânica. Todos esses navios têm, aproximadamente, 30 anos de uso.
Alguns esquadrões navais da Marinha – como o da Flotilha da Amazônia e o da Força de Minagem e Varredura – estão completando 40 anos com os mesmos navios e nenhuma perspectiva de renovação desses seus meios. Isso implica, naturalmente, defasagem tecnológica e adestramento das tripulações fora da realidade da guerra moderna.
Para um país das dimensões e dos interesses do Brasil, a Marinha, na prática, está reduzida a 10 navios: 1 submarino, 3 fragatas da classe Niterói, 2 fragatas Tipo 22, 1 corveta e 3 navios-patrulha. O programa Prosuper, que incorporaria novas embarcações (5 fragatas e 5 navios-patrulha) está paralisado.

NA FAB, O MESMO QUADRO
No tocante à Força Aérea, a modernização dos 43 jatos de ataque A-1 (AMX) da FAB – serviço liderado pela Embraer com a participação de empresas brasileiras e estrangeiras – está praticamente parada. Até agora foram entregues apenas dois A-1M. O cronograma dessa remodelação já está com sete anos de atraso. Agora há rumores de que a FAB não fará o upgrade em todas as aeronaves – talvez só em 30 delas.
Também falta dinheiro para que a FAB possa contratar entre 8 e 12 caças Gripen C (versão anterior à do Gripen NG, vencedor do programa FX-2) a fim de prover a capital da República de alguma proteção aérea atualizada. As aeronaves também seriam muito importantes para ir familiarizando os pilotos de combate brasileiros no manejo do jato sueco. O leasing de cada Gripen C custa US$ 10 milhões por ano.
Por falta de recursos nossa Força Aérea também adiou sine die o projeto de comprar um lote de jatos de treinamento para pilotos de combate. Diante dessa dificuldade, os aviadores precisam passar diretamente da fase de adestramento no avião de treinamento Tucano – um monomotor turboélice – para o manejo do caça supersônico F-5.

EMBRAER SEM PAGAMENTO
Empresas líderes no atendimento aos programas das Forças Armadas, como Embraer, Helibras e a Itaguaí Construções Navais (construção de submarinos) já sentem os efeitos dos atrasos nos pagamentos que deveriam receber em 2014. O caso da Embraer é ainda mais grave. Diante da falta de repasses de dinheiro pelo Comando da Aeronáutica, a empresa – que fechou 2014 com um cash flow negativo em razão dos atrasos nos recebíveis do governo – está tendo de bancar com recursos próprios o desenvolvimento do segundo protótipo do jato cargueiro KC-390.
A falta de recursos adequados está prejudicando programas de significado estratégico e político, como o conjunto de atividades relacionadas com o Programa Espacial Brasileiro: o aproveitamento comercial da Base de Alcântara, o desenvolvimento do projeto para o veiculo lançador de satélites e a fabricação de satélites comerciais.
O Estado de S.Paulo/montedo.com

27 comentários:

Anônimo disse...

E NO EXÉRCITO:
- NÃO TEM COMIDA;
- NÃO TEM COMBUSTÍVEL;
- NÃO TEM DINHEIRO PRA CORRESPONDÊNCIA;
- TIRO REAL 3 MUNIÇÕES POR HOMEM...

Anônimo disse...

Nossas FFAA esta passando dificuldade e vergonha pela falta de orçamento. Sendo que o pior de tudo é que tudo continua, as operações e as atividades sem ser reduzidas somente dizendo para economizar.
Esta dificil dentro das OM...

Anônimo disse...

Replicando um comentário anterior, Será que depois deste congresso os nossos comandantes ainda ficarão coniventes com este desgoverno!? Sigam o link http://www.pt.org.br/wp-content/uploads/2015/04/TESES5CONGRESSOPTFINAL.pdf e tirem suas conclusões. Brasil acima de tudo, e não esqueçamos, abaixo de Deus!!

Anônimo disse...

Kkkkkkk..... eu quero é que este circo termine de pegar fogo.... tem que ter dinheiro pra comprar nada mesmo não. ... se não tem pra aumentar os salários (ou melhor, ninguém se preocupa em valorizar o pessoal) Então é melhor afundar de vez!!!! kkkkkk
só estou pelo meio expediente por falta de comida. ..kkkkk

Anônimo disse...

O governo não está repassando os numerários, assim não pagamos os fornecedores, hospitais e etc. As forças ficam como caloteiras para sociedade, tudo devidamente calculado por esse partido Ridículo, revanchismo Descarado, e nossos chefes representantes como quibes, aceitando tudo calados. Tivemos a oportunidade de limpar essa sujeira a 40 anos atrás e não fazemos, agora aguenta.

Anônimo disse...

Todo meio expediente é bem vindo no meu quartel, pois assim posso trabalhar no meu táxi e ganhar um din-din por fora. Estou me lixando para a força que não me dá valor algum.

Anônimo disse...

Companheiros não esperem nada das Forças e nem de seus mandantes, pois, os ocupantes desses cargos não podem quase nada fazer. Podem conceder medalhas e não podem cancelar, não podem dar aumento ou qualquer outro benefício, porém, podem dar esperança, elogios em seus assentamentos ou uma cadeia se encherem a paciência.
Calma pessoal! Nem tudo está perdido. O pior já passou, agora chegou o muito pior.


Anônimo disse...

Aos colegas que reclamam e pedem o meio, temos que lembrar que por pior que estamos o meio é uma concessão dada no final de ano para economizar. Se isso acontecer agora, no periodo inicial e de treinamento dos recrutas sera um caos total...
Para quem não gosta das FFAA e esta somente como um trampolim ou um cabide de emprego busque algo melhor e deixem quem quer trabalhar sucegado e parem de reclamar. Pois existe muita diferença em reclamar das faltas de condições e alguns que só reclamam de aumento.
Pelas faltas de condições até concordo e muito.
Para quem quer aumento de salario busque outro serviço e deixe a vaga para quem quer trabalhar e aceita as condições do emprego...
O salario poderia e deveria ser melhor ate concordo.
Ser militar em primeiro lugar é ter patriotismo e não só colocar a farda e ir para o emprego e ficar reclamando de tudo.
Me cansa esta poluição auditiva e visual dentro das OM e aqui de reclamação das FFAA, de pessoas que só reclamam e não buscam um melhor para si mesmo.
O mercado de trabalho esta ai para todos, basta estudar e crescer.
A sorte esta lançada a todos.
Boa sorte.

Fábio Monteiro disse...

Comentarista de 18 de abril de 2015 08:29, não sou muito de postar comentários mas não consegui ficar inerte às suas colocações. Em primeiro lugar, reclamar faz parte do nosso cotidiano, você sempre reclama de alguma coisa que não esteja funcionando bem, faz parte da cidadania ou então você é um inconformado com o errado, com o ilícito. Segundo, se todos os funcionários das carreiras outras carreiras de estado ficassem inertes e sem buscar suas melhorias, seus direitos estaríamos todos mudando ou tentando mudar de uma carreira para outra sem no entanto valorizar a que temos e valorizar passa sim por melhoria salarial, seria trágico por exemplo um auditor da receita querer ir para a PF pois lá pagasse melhor, mas depois de algum tempo tentar voltar porque a carreira de auditor melhorou, enfim, temos que tentar sim valorizar nossa carreira, pois é a que temos e parar com aquela covardia e refúgio dos incompetentes que dizem sempre: "não está satisfeito, pede pra sair, ou busque algo melhor, estude e tente outra carreira". Definitivamente NÃO. Estudei para ser Sargento do Exército, quero que minha profissão seja valorizada sim e quanto a você, que não se identifica, para de fazer o jogo sujo das hostes que comandam este país e as forças armadas. Fábio Monteiro - 1º Sgt EB

Anônimo disse...

O comentarista da 08:29 é um brincante.

Anônimo disse...

Cretino.

PierFranco Pastore disse...

Nossa! Que idiota...

Anônimo disse...

Comentarista de 18 de abril de 2015 08:29, concordo com as suas colocações e entendo o seu ponto de vista colocado e temos que respeitar. Tambem acho que precisamos ter mais profissionalismo e etica profissional com a nossa profissão que em geral, vejo a falta de patriotismo por muitos dos colegas, dinheiro é importante, mas ficar só reclamando não dá, quem somente pensa em dinheiro parece um mercenario. Nossas FFAA deveriam pagar melhor e eu tambem gostaria de ter um salario melhor e precisaria de mais, porem quem não esta contente busque algo melhor quem passou num concurso estude e preste outro e passe tambem, mas não fique resmungando e atrapalhando quem quer trabalhar coisa que vejo muito tambem. Quanto as condições de trabalho vejo um sistema atrasado que precisa ser revisto para melhorar isso sim, quem esta na força tem que gostar e não estar por dinheiro, por que se pensa em fica rico esquece. Busque outra coisa.

Anônimo disse...

Infelizmente temos que nos conformar com a realidade, que não é somente nas forças armadas e sim no país pois não tem dinheiro na esfera municipal, estadual e federal. Uma falencia geral em todos os setores. Cada dia a coisa fica pior em todos os setores, dá medo do futuro...
Nos resta fazer o nosso serviço e tentar levar até a hora que der e derem ultima forma pela falta das verbas.
Brasil acima de tudo - Adsumus

Anônimo disse...

Sr Comentarista das 08:29, eu acredito que para quem escreve "sucegado" realmente o salário não está ruim. Cada um sabe o quanto vale. Quem reclama por melhores salários, sabe do seu real potencial.

Anônimo disse...

Vejo muitos criticando o comentario 08:29 do colega acima, porem não vejo nada de errado, ele simplesmente falou uma verdade que muitos de nos não vemos ou fingimos não ver.
É a opinião dele e devemos respeitar como respeitamos de cada um aqui.
Eu concordo com ele em mitas coisas ali ditas.

Anônimo disse...

Alou Fab : 60% de corte para o Comgar !!! Aguardem o meio speed ...

Anônimo disse...

O cara qndo não tem argumento se utiliza das simples palavras: cretino e idiota.

Anônimo disse...

E... os três comandantes o que dizem?? Nada, nadinha. Mudos entraram e mudos vão permanecer??? Só o ministro da defesa fala por eles. Será castigo eterno??

Anônimo disse...

Kkkkkk..... depois de tudo que li continuo a pensar: SÓ ESTOU PELO MEIO EXPEDIENTE! pois ja deu! Aqui sou altamente capacitado e amo ser sgt do EB..... com duas formação superior... a última. .. Gestão Pública, só pra melhor resolver os pepinos adm que os chefes de seção não sabem resolver. ....
porém tudo cansa... e não adianta se capacitar por uma Instituição que não olha para o seu público interno. ... só pensa na fantasia de uma imagem que o Governo adora derrubar.... e ainda assim, quem pode fazer algo, NÃO FAZ!!!!! Por isso vou ficando por aqui apenas pra garantir a reserva remunerada e SÓ! com o meu expediente tenho mais tempo pra cuidar de meus aluguéis e meu micro negócio que me dão o dobro deste salário que virou mesada pro meu filho..... mas agora só de sacanagem NÃO SAIO!!!!! QUE VENHA O MEIO POR FALTA DE COMIDA! !!!!
ass.... 2° sgt que, há tempos aprendeu a se virar sem o EB nos vê apenas como um número.

Antonio Dourado disse...

Enquanto os Oficiais dos postos mais privilegiados não olharem para a Tropa, nada irá mudar. Afinal quem ainda mantém os meios em funcionamentos somos nós as Praças.

Anônimo disse...

Boa tarde a todos, tenho 12 anos de serviço e somente sou valorizado quando posso dar algo em troca pros oficiais. Quando não podemos fazer favor algum somos perseguidos. Seja lá qual favor seja, dos mais simples aos mais complicados. Dessa forma como levar a sério?

Anônimo disse...

VOU FAZER UM DESAFIO A TODOS OS COMENTARISTAS E LEITORES E AOS MILITARES EM GERAL: MAS ANTES VOU DIZER O QUE APRENDI. TODOS JA SABEM QUE DINHEIRO NÃO NASCE EM ÁRVORE E NO SISTEMA ECONÔMICO VIGENTE MAIS FORTE É ESTE PENSAMENTO. MAS ENTÃO PORQUE NÃO PENSARAM AINDA EM MUDAR ESTE MODELO??? BEM!! POSSO SUPOR QUE NINGUEM SAIBA COMO. E SE APARECESSE NO MEIO DE VOCES UM QUE NEM AO MENOS FOSSE CONSIDERADO E DE REPENTE DISSESSE A VOCES, QUE EXISTE UMA SOLUÇÃO PARA TIRAR NÃO SO O BRASIL DA CRISE, MAS QUALQUER PAIS QUE QUISESSE IMPLANTAR UM NOVO MODELO??? O QUE DIRIAM??? ESTA LOUCO??? BEM....O MUNDO SÓ EVOLUI SE APARECE ALGUEM QUE RECEBE UM DOM É UM GÊNIO OU DESCOBRE ALGO QUE NINGUEM AINDA PERCEBEU OU ENTÃO, JA SABEM QUE EXISTE ESTA POSSIBILIDADE E NÃO QUEREM QUE SEJA FEITO. QUAL DELES É A MAIS PROVÁVEL??? POSSO DIZER ENTRETANTO O MUNDO PASSA FOME, PORQUE DESPERDIÇA, NÃO TRAZEM AO SEU SEIO OS FEIOS(DESAFETOS) QUE PODEM SER A SOLUÇÃO,NÃO QUEREM SE MISTURAR COM OS QUE ACHAM QUE SÃO IGNORANTES... MAS É A PURA VERDADE. EXISTE SIM UM MEIO DE SAIR DESTA QUEDA QUE VIVENCIAMOS. VOCES FIZERAM TESTE PSICOTÉCNICO. ENTENDERÃO O QUE QUERO DIZER.

Anônimo disse...

O amigo do comentário das 15:23 acima aí, se digitasse a pontuação correta do português até que poderia ganhar mais um afiliado !!!

Anônimo disse...

Concordo... pois mesmo com testes psicotécnicos, sem uma escrita correta fica difícil decriptografar esta mensagem....
como sempre, a culta é das comunicações.
kkk

Anônimo disse...

Concordo que.rxitam dificuldades, mas TB tem muito superfaturamento, cabide de.empregos, licitações marcadas e a porra do NAe São Paulo assassino funciona só pra.dia de mar de almiranteA Marinha também não quer fazer redução de expediente, não quer abrir mão do ehisky dos príncipes, das motdomias, etc..Então, chora na cama, que é lugar quente!!! Continuem com suas beneces e a foder os praças.

Anônimo disse...

O cidadão de 19 de abril de 2015 15:20 resumiu o cotidiano das OM...não tem como levar a serio...e outra: enquanto te sugam e vc se mata, ele tá papirando ou ou pensando na próxima transferência.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics