25 de fevereiro de 2015

A vingança do dentista.

Tarda, mas não falha (parte 2) 
O dentista que vingou o exército dos EUA em grande estilo

Júlia Matravolgyi 
Não se engane pela carinha de
bom moço de Ben Solomon
Apenas três anos depois de começar a carreira como dentista, Benjamin L. Salomon precisou mudar seus planos: fora convocado a se alistar no exército dos Estados Unidos. Sempre trabalhando com higiene bucal, ele chegou ao posto de Capitão – até esse momento, a coisa mais terrível que Salomon já tinha feito era um tratamento de canal.
Mas seu destino estava prestes a mudar (de novo!) e o dentista foi enviado à batalha de Saipan, na qual os Estados Unidos disputavam com o Japão o controle sobre as Ilhas Marianas, no Oceano Pacífico. Lá, ele trabalhava de maneira improvisada como cirurgião do regimento.
Enquanto o dentista/cirurgião cuidava dos feridos, foi surpreendido por uma invasão japonesa na tenda em que trabalhava. Quatro soldados inimigos entraram no local e atingiram um soldado que o dentista acabara de salvar – ao ver seu trabalho “arruinado”, Ben não pensou duas vezes e libertou toda a raiva que guardara até então.
É ai que começa uma sequência para Rambo nenhum botar defeito: Solomon atirou em dois soldados, chutou a faca que estava na mão do terceiro e deu uma cabeçada no quarto, que caiu desmaiado. Em seguida, ordenou que todos os feridos fossem retirados na barraca. Mas, como os soldados que estavam com ele não tinham munição para dar-lhe cobertura, Salomon pegou uma metralhadora e providenciou cobertura ele mesmo, para a surpresa de todos os feridos.
Leia também:
Tarda, mas não falha: A história da princesa que levou a vingança muito a sério
Enquanto aqueles que se recuperavam de ferimentos escapavam do local, a visão que tinham era a de um dentista até então inofensivo, usando óculos, completamente sozinho, eliminando um exército de inimigos que avançava sobre ele – isso tudo usando apenas uma metralhadora. Quando os soldados dos EUA retornaram para reconquistar a tenda, no dia seguinte, encontraram Benjamin Solomon sem vida.
Ah, só um detalhe: também encontraram mais de 100 soldados japoneses mortos no local.
Salomon fora alvejado mais de 70 vezes, muitas das quais foram apenas de raspão. E você ai pensando que seria fácil derrubar um dentista!
Ele ganhou uma medalha de honra póstuma do governo norte-americano, pelo simples fato de ter vencido dois batalhões inteiros de soldados inimigos, completamente sozinho.
Fonte: Cracked
Super Interessante/montedo.com

4 comentários:

Anônimo disse...

Bah guriiiiii ! Esse era macho mesmo.

Certamente, não era um leão de alojamento, reclamando dia e noite não.

Anônimo disse...

A grande verdade é que muitos oficiais e praças de saúde são muito melhores que muitos combatentes...
Nos quais adoram ser embusteiros e zombar dos quadros de saúde chamando de mafia de branco.
Infelizmente as FFAA ainda não valorizam os militares de saúde da forma que deveriam ser valorizados deixando realizar determinados cursos ou favorecendo em determinadas atividades.

Anônimo disse...

Com certeza. Fazemos toda a parte operacional, e ainda salvamos vidas. Na hora da necessidade, todos os militares combatentes ficam pianinho, mas depois esquecem. Gratidão zero.

Anônimo disse...

Cada dia que passa as FFAA perdem mais profissionais de saude seja Medicos, Farmaceuticos, dentistas e enfermeiros e tecnicos de enfermagem. Cada dia menos inscrições para a escola de saúde, os que entram querem sair, não ficando nem 5 anos na carreira, os temporarios ficam um ano e tambem querem sair, isso tudo por falta de profissionalismo dos comandantes que não valorizam. Tudo isso pelo devio de função que existe na força, a falta de valoriação dos profissionais, não dando liberdade profissional aos profissionais de saúde.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics