20 de setembro de 2014

Revolução Farroupilha sem discussão revisionista

Proclamação da República de Piratini (Quadro de Antônio Parreiras)
Editorial
O Rio Grande do Sul tem aderido ao revisionismo histórico e ao enfrentamento com viés ideológico antes do que com argumentos racionais. Até mesmo a Revolução Farroupilha, símbolo máximo do que há de melhor entre os feitos dos gaúchos desde o início da colonização da Província de São Pedro do Rio Grande do Sul, não foi poupada. No entanto, para os tradicionalistas, o tema não chega a empolgar. Às vezes é totalmente ignorado o que, a rigor, está certo. Não se reescreve a história. É que cada um de nós contribui com o seu contingente para o acervo da ciência humana. Infelizmente, este acervo compõe-se, geralmente, de mais erros e fábulas do que de verdades. Pois a Guerra dos Farrapos ou Revolução Farroupilha são os nomes pelos quais ficou conhecido o movimento armado ou guerra regional, de caráter republicano, contra o governo imperial do Brasil. O movimento levou à independência da província, dando origem à República Rio-Grandense. Estendeu-se de 20 de setembro de 1835 a 1 de março de 1845.
A revolução influenciou ações que ocorreram em outras províncias brasileiras, como a Revolução Liberal, em São Paulo, em 1842, e na revolta denominada Sabinada na Bahia, em 1837, ambas de ideologia do Partido Liberal da época. Chegou a expandir-se à costa brasileira, em Laguna, com a proclamação da República Juliana e ao planalto catarinense de Lages. Teve como líderes o general Bento Gonçalves, general Netto, coronel Onofre Pires, coronel Lucas de Oliveira, deputado Vicente da Fontoura, Pedro Boticário, general David Canabarro, coronel Corte Real, coronel Teixeira Nunes, coronel Domingos de Almeida, major Vicente Ferrer de Almeida, coronel Domingos Crescêncio de Carvalho, general José Mariano de Mattos, general Gomes Jardim. Também teve inspiração ideológica de italianos da Carbonária refugiados, como o cientista e tenente Tito Lívio Zambeccari, e o jornalista Luigi Rossetti, além do capitão Giuseppe Garibaldi, que embora não pertencesse a Carbonária, esteve envolvido em movimentos republicanos na Itália.
A questão da abolição da escravatura também esteve envolvida, organizando-se exércitos, contando com homens negros que aspiravam à liberdade. Há quem sustente que houve um massacre dos escravos que lutavam ao lado dos farroupilhas quando a derrota se tornou inevitável e o movimento se esvaía, sem mais recursos, armamento e combatentes, além da superioridade militar do Império do Brasil. Mas o que fica para as gerações que se sucederam são os ideais republicanos, atos de heroísmo e a certeza de que o Brasil teve a sorte de contar, por 50 anos, com Dom Pedro II e seus preceptores na condução dos negócios de interesse da nação. Enquanto a América Espanhola se desintegrava do México até a Patagônia, Portugal manteve unida a colônia. Depois, Dom Pedro II e Duque de Caxias não permitiram, com muita habilidade política e também pela força das armas, impedir que a mesma fragmentação ocorresse no Brasil. Os farrapos lutaram por ideais, mas eles jamais apagaram do peito o coração pulsante pelo Brasil. Hoje, dá orgulho ver-se quando dos desfiles tremulam, lado a lado, a bandeira nacional e a da República Rio-grandense.
Jornal do Comércio/montedo.com

10 comentários:

Anônimo disse...

Comparar a revolução farroupilha com outros movimentos não é correto; os farrapos brigavam por vaidades e estavam longe dos ideais ora difundidos por alguns.( é só estudar sobre o tema) Nesta tradição, existem três tipos de gente; as que ganham com a tradição; os que ganham com os que ganham com a tradição e, por fim, os iludidos que, que querem algo pelo qual se orgulhar. Nasci no RS, amo minha terra mas, amo mais ela por ser BRASIL, e ser brasileiro, ME BASTA. A tradição é bonita, mas tradição é aquilo que nossos antepassados faziam e não aquilo que alguém inventou a alguns anos, não preciso disso pra me orgulhar de minha terra. Para quem gosta de se sentir a melhor bolacha do pacote, parabéns...Viva aqueles que defenderam o meu direito de ser hoje brasileiro. E não adianta gritar, porco ronca grosso e acaba virando linguiça.

Anônimo disse...

Fala sério, quer dizer que um movimento comandado por caudilhos influenciou movimento pelo Brasil iniciado por pessoa do povo, quer dizer que os mesmos caudilhos escravocratas que aliciaram os escravos a lutarem pelo falso sonho de liberdade não foram os mesmo que os deixaram serem chacinados. Quer dizer agora que temos que continuar nessa falsa história simplesmente pelo orgulho, vamos parar com isso o que acontece com a Comissão da Verdade é que querem incriminar os militares, comparar as revisões da história é ser leviano.

Anônimo disse...

A revolução farroupilha é um grande CASE de Marketing, onde os derrotados é que são os heróis. Levaram ferro desde as primeiras batalhas, com exceção da invasão de porto alegre, e são endeusados pelos seus " feitos". Basta se debruçar sobre a história de forma isenta para saber o que realmente aconteceu naquela época.

Anônimo disse...

Viva o Império! Graças a ele, o Brasil manteve-se unido!

Anoir Vasconcelos disse...

Eu fico impressionado com os comentários postados aqui sobre a Nossa Revolução Farroupilha, com certeza esses comentários não deve ser de Gaúchos devem daqueles mordidos que só vem pra cá por convenencia, e ser forem nascidos aqui devem ser daqueles que não torcem por cultura nenhuma porque pelo que sei da História outros estados também fizeram revoltas e nem por isso são execrados. E mais quem realmente leu sobre o inicio da Revolução começo pelos Altos Impostos que o Império Cobrava Pela Exportação do Nosso Charque Riqueza nossa da Época. ""E UM COISE DE ""CAVALO"" PRA QUEM É CONTRA"!!! (OS GAÚCHOS)

Anônimo disse...

Meu caro Anoir
Você está certo em amar sua terra, ter orgulho de suas raízes. isso é uma coisa perfeitamente natural, mas, em termos de argumentos válidos, você fica a desejar, cita coisas de ouvir falar e, se demostra algum interesse sobre o assunto é daqueles que só lê o que lhe interessa. Existem bons historiadores não comprometidos com venda de CD, cuia, etc, você deveria lê-los e depois, querendo, continuar com seu modo de vida, mas sabendo da verdade. Você não está errado amigo, só que você se enquadra no que disse o anônimo acima; você é um inocente útil, seja feliz em sua inocência mas, não espere que outros o sejam. Viva o Império que me fez BRASILEIRO, viva o BRASIL e sua unidade territorial, viva todas as regiões com suas ricas culturas e, VIVA PÁTRIA.
Obs. Quem não gostar, pegue seus escravos e vá para o Uruguai...

Anônimo disse...

Parece que um amigo inocente apareceu ai... Existem historiadores com bons livros sobre o tema amigo, aqueles que não vendem cuia, CD e outros penduricalhos...você poderia lê-los, pois, o Gaúcho é culto e esclarecido, Quem não gostar que pegue seus escravos e vá para o Uruguai...Não existe mais lugar em uma sociedade moderna para "Coices"...

Anônimo disse...

Sou mineiro e estou há 03 anos na campanha gaúcha e considero que muitos portam a Bandeira do Brasil no desfile Farroupilha, apenas por obrigação, pois aqui compareci a vários eventos cívicos, onde, incrédulo, presenciei o nosso Hino Nacional ser sussurrado enquanto o Hino do Rio Grande do Sul era cantado a plenos pulmões. Aqui muita gente ainda brada:
" Rio Grande, meu País"!!!

Anônimo disse...

Foram 118 batalhas, 59 vitórias de cada lado.
Vamos estudar

Anônimo disse...

Recalque por aqui é inço...Não gosta de como o RS expõem a história, faça o seguinte, não a leia! tem mais 25 estados e o DF pra vc estudar.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics