16 de setembro de 2014

Rangers: mulheres farão parte da tropa de elite do U.S. Army.

Pela primeira vez mulheres poderão integrar força de elite do Exército americano

WASHINGTON, 15 Set 2014 (AFP) - O Exército dos Estados Unidos anunciou nesta segunda-feira uma convocação inédita para que soldados mulheres entrem para a a exigente escola dos Rangers, em uma iniciativa que tem como objetivo integrar o sexo feminino às forças de elite.
"O curso de avaliação para Rangers treinará juntos homens e mulheres com o objetivo de ajudar a preparar as instituições, as escolas e os líderes para futuras decisões de integração", disse o Exército em um comunicado.
Para realizar uma avaliação única, o Exército fez a convocação para voluntárias femininas que -se o plano seguir adiante- farão parte de um curso de dois meses na primavera de 2015 (hemisfério norte).
De acordo com autoridades militares, o Exército quer estudar a possibilidade de introduzir tropas femininas, em um reflexo das novas regras no Exército dos Estados Unidos, feitas para permitir que as mulheres atuem em postos mais próximos das linhas de frente.
Aqueles que se opõem à suspensão das restrições para mulheres em combate argumentam que as soldados não têm a força física necessária para realizar as tarefas requeridas em uma unidade de infantaria.
Mas autoridades disseram que os padrões para o curso ministrado no Forte Benning, na Georgia, não serão alterados para essas candidatas.
"Os padrões atuais do curso dos Rangers continuarão sendo os mesmos para todos os estudantes. Não haverá mudança alguma nos requisitos de rendimento atuais ou nos padrões de graduação", indicou o Exército.
Ainda não está claro quantas mulheres serão selecionadas para participar deste projeto piloto.
UOL/montedo.com

9 comentários:

Anônimo disse...

"Os padrões atuais do curso dos Rangers continuarão sendo os mesmos para todos os estudantes..."
... É isso que me refiro, tratar igual, sem arrego, aí sim quero ver, sem ficar com peninha, aí sim...

Rosseau

Anônimo disse...

Igual aos padrões no CIPQDT, onde os alunos do sexo masculino pagam 10 vezes mais que as mulheres, e não quero nem falar da experiência que fizeram no CIGS com aquelas duas "Guerreirinhas de Selva"... Tratamento igual para todos, o pau que bate em Chico tem que bater em Francisco.
GS/PQDT

Anônimo disse...

Legal! Dá pra ver que o curso não é tão difícil. Difícil é viver longe de casa. Como agora não precisa pedir que é mandado assim mesmo, então que venham as mulheres!

Anônimo disse...

Curso operacional é rolha, difícil é fazer faculdade na folga 4, usar o conhecimento adquirido em prol do EB e ser chamado de vagabundo...

Anônimo disse...

...usar o conhecimento adquirido em prol do EB...

Usa o conhecimento por que quer, com certeza não deve ser obrigado, faça valer seu direito, ninguém é obrigado a fazer nada contra sua vontade, ainda mais em se tratando de utilizar de um conhecimento que tu deve ter comprometido um esforço a mais, então meu amigo, não venha dizer que usa em prol do EB sem ser sua vontade!

Anônimo disse...

.... usa em prol do EB sem ser sua vontade!

Caro comentarista, creio que vc deve ser um militar que parou no tempo, no contexto educação continuada, pois, cara pálida! amargo a doze anos minha negativa em usar o meu conhecimento adquirido com tanto sacrifício em prol de um chefe ingrato. Digo ainda que ouvir do meu Cmt Btl dois anos antes, quando solicitei minha liberação no horário previsto para o toque de ordem devido que meu horário na faculdade iniciava a 17:00h e o toque de ordem era 16:30 h, ouvir do meu CMT: SARGENTO VOCE É UM PROFISSIONAL ESCOLAHA ENTRE A SUA EDUCAÇÃO E SEU TRABALHO, VEJA QUAL É A SUA PRIORIDADE!

PATRIA! BRASIL!

HOJE EU SOU BACHAREL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS, TAMBÉM!!!. BREVEMENTE, COM FÉ EM DEUS, VOU ABRIR O MEUS ESCRITÓRIO.

E, DIGO MAIS, A EDUCAÇÃO PODE SIM ANDAR AO LADO DO TRABALHO.

As.: Conde de monte cristo

Anônimo disse...

Comentarista de 17 de setembro de 2014 11:30.
Então quer dizer que a oitava série exigida para fazer a prova da ESA basta para um Sgt desempenhar suas funções numa Seção Administrativa? Ah tá...

Anônimo disse...

Não precisa nem dizer que o tal comentarista com essas opiniões de caxias é um oficial né! Duvido se ele for um de nós PRAÇA.

Anônimo disse...

Os direitos que as mulheres brasileiras tanto desejam na verdade, é a supremacia em relação ao homem, vejamos: a Carta magna reza que homens e mulheres possuem os mesmos direitos, Bem, só não entendo porque se fazem tantas leis para conceder mais direitos as mulheres, duas uma, ou a mulher é um ser tão frágil e incapaz que se faz necessária tantas leis para beneficiá-las e protegê-las ou são seres mais importantes que os homens. Voltando ao assunto, no Brasil e em particular no exército, as mulheres querem os mesmos direitos exceto os deveres e a carga maior que fica para os burros (homens) se o EB fosse uma instituição séria deveria exigir os mesmos requisitos, aí sim.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics