28 de setembro de 2014

Mulheres são 7% do efetivo das Forças Armadas

Avanço moderado

Lauro Jardim
A mulher vem ampliando sua participação nas Forças Armadas. É o que revela uma pesquisa inédita do Instituto Igarapé, especializado em segurança pública.
Hoje, há 23 787 mulheres no serviço militar, o que representa 7% do efetivo. O crescimento, como era de se esperar, ocorreu mesmo na base da hierarquia. Em 2001, eram 6 619 do sexo feminino com as patentes de 1º e 2º tenentes, cabos, soldados e sargentos – hoje, são 20 584.
Já no universo de oficiais generais, topo das Forças Armdas, passou de zero em 2001 para um em 2014.
Radar on-line (Veja)/montedo.com

11 comentários:

Anônimo disse...

O melhor seria 50% no mínimo, em um quadro não combatente.

Anônimo disse...

O brabo é que elas são mais arregadas na formação (principalmente of e sgt temporárias) e, se tiverem um caráter soberbo, se acham especiais, melhores que os outros (já tive desprazer de trabalhar com esse tipo de gente)!!! E as que forem mais humildes, vibrarão com a profissão porque não passaram as mesmas adversidades que um militar de carreira passa!!!! Valão comum para elas, mas como existe o "cavalheirismo", não creio que isso mude!!!!

Anônimo disse...

NÃO EXISTE CAVALHEIRISMO NA GUERRA REAL OU EM COMBATE!

Anônimo disse...

1º Sgt Art
Tive uma experiência quando passei pela função de Sgte em 2009, havia na minha Bia uma duas Sgt Tmpr de Adm, inclusive ambas eram as mais modernas de 25 Sgt que a Bia possuía. Pois bem, numa sexta-feira o Cmt de SU determinou que escalasse um Sgt para cumprir missão no dia seguinte sábado. Pois bem, foi escalada uma das duas ou melhor a mais moderna, ao ler o Adt na Bia o Cmt determinou que trocasse e escalasse um Sgt do seguimento masculino alegando que a missão era muito rústica e a militar não poderia cumprir. Fiquei perplexo e mais perplexo quando ao chamar a militar escalada e informar a razão pelo qual foi dispensada da missão, a mesma respondeu "Tá legal, tudo bem" será que a militar diria a mesma coisa se dissesse a ela que iria ganhar menos pois, não cumpre as mesmas missões de um militar do seguimento masculino? Com certeza alegaria discriminação sexual e procuraria a justiça de imediato.
A partir do momento que as mulheres são incorporadas devem ser tratadas iguais aos homens, " pau que dá em chico, dá em francisco", direitos e deveres iguais. Sem cavalheirismo, por parte dos marmanjos a elas, apenas educação e respeito.

Pantoja disse...

"Seguimento " é cruel ,mas agora , que as mulheres , principalmente no EB, são tratadas de forma diferenciada, ninguém discute. Essa tenente do QCO já com alamar de ajudante de ordens é dose !

Anônimo disse...

Essa tenente do QCO com alamar de ajudante de ordens eh mais do q merecimento. Trata-se de uma das melhores oficialas com qual trabalhei. Mt preparada, inteligente e bastante culta, não me surpreendo em absolutamente nada q ela esteja nessa função. Ah!, diga-se de passagem, continua gata demais.
Cap Segatto

Anônimo disse...

A do EB é lindona tá de parabéns !!!

Anônimo disse...

"Oficiala" é dose....
Mas, também já tive experiencia muito negativa, tendo que ministrar instrução em um campo de Estagio de adaptação ao serviço (EAS), em que havia tanto homens como mulheres, e como instrutor quis dar um tratamento igualitário aos homens e as mulheres no campo do estágio, cobrando que as mulheres executassem ou pelo menos tentassem passar nas oficinas de pista de cordas e etc, e dando o mesmo tratamento, sem distinguir, na pressão psicológica, mas sem usar palavras de baixo calão, nem ofensas a dignidade humana, uma dondoca foi reclamar quando terminou o acampamento, dizendo que eu a tratei mal, estava exigindo demais, e quase fui punido.
A sorte que meus companheiros testemunharam que eu nao fiz nada demais do que ja era cobrado em todos os campos e nao deu nada, além da minha dor de cabeça.
Sem contar que depois de formadas, na tropa, não querem escalar as mulheres como of de dia, cmt da guarda, etc...
E no final do mes o salario é igualzinho ao lobinho (As Sgt) e aos aspiras (as Of).
O comentário acima expressa bem o interesse de muitos, ou seja, ficar enchendo a bola de algumas "oficialas", principalmente se forem bonitas, com talvez umas segundas ou terceiras intenções...

Anônimo disse...

Justiça seria instituir serviço militar obrigatório para essa madames, ai sim seria direitos iguais. Atem o momento elas estão em desvantagem.

Anônimo disse...

...PresidentA, OficialA...e depois... TenentA, MajorA, CoronelA, GeneralA, CabA, SoldadA, SubtenentA ("SubA"), BrigadeirA, AlmirANTA (gostei desse posto).

Anônimo disse...

CONCORDO COM A MAIORIA DOS COMPANHEIROS ACIMA POIS TRABALHO EM UM QG E FICO OBSERVANDO O JEITO DAS MADAMES QUE SE PREVALECEM DA SITUAÇÃO DE "SEXO FRÁGIL", PARA SE ESQUIVAREM DAS MAIS DIVERSAS MISSÕES. SEM CONTAR NOS CASOS DAS TEMPORÁRIAS QUE CHEGAM HIPER BIZONHAS, SEM NENHUMA FORMAÇÃO MILITAR, NO INICIO COMENDO NA MÃO DOS SUBORDINADOS, CITO COMO EXEMPLO: JÁ VI ADJUNTO TOCANDO A PARADA PARA A OFICIAL DE DIA QUE COLOU AS PLACAS. MAS ESSAS MESMA BIZONHAS, SEM FORMAÇÃO MILITAR, DEPOIS DE ALGUNS MESES DE CASERNA COMEÇAM A SE ACHAR E A LITERALMENTE CAÇAR SEUS SUBORDINADOS, DA MESMA FORMA QUE OS DE CARREIRA JÁ FAZEM E SÓ VOLTAM A SITUAÇÃO ANTERIOR DE BIZONHAS QUE SÃO, QDO APARECE UMA MISSÃO DO TIPO BOCA PODRE. A VERDADE É A SEGUINTE SENHORES, NA HORA QUE SE PASSA O CARTÃO NO CAIXA DO BANCO O SALÁRIO É IGUAL PARA HOMENS E MULHERES. ENTÃO DEIXEMOS DE CERIMONIA, DE PATERNALISMO, DE EDUCAÇÃO EXACERBADA E GENTILEZAS E MISSÃO BOCA PODRE NELAS. É COMO DIZEM PARA NÓS: NÃO ESTÁ CONTENTE, PEDE PARA IR EMBORA.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics