30 de agosto de 2014

Brasil reafirma intenção de se juntar à Argentina e Chile em força de paz

Brasília, 28 ago (EFE). - O Brasil reafirmou nesta quinta-feira a disposição de se somar à Argentina e ao Chile na Força de Paz Combinada "Cruz del Sur", uma iniciativa conjunta que está à disposição da Organização das Nações Unidas (ONU), informou o Ministério da Defesa em comunicado.
A participação brasileira foi discutida na reunião que os ministros da Defesa, Celso Amorim, e do Chile, Jorge Burgos, tiveram em Brasília. Amorim explicou que o objetivo brasileiro é se juntar paulatinamente a "Cruz del Sur", inicialmente com o envio de um pelotão da Polícia do Exército e oficiais para compor o Estado-Maior Conjunto Combinado. Na fase seguinte, o Brasil enviará uma companhia completa de Infantaria.
Ele garantiu que a participação do Brasil na iniciativa reforçará a integração regional e a formação de uma identidade de defesa sul-americana.
"Até pelo histórico das relações entre o Chile e a Argentina, a Força 'Cruz del Sur' é uma iniciativa simbólica da cooperação Sul-Sul. Temos forte desejo de que a nossa participação seja concretizada", afirmou o ministro.
Já Burgos afirmou que abordará o assunto na visita oficial que realizará à Argentina a partir de amanhã.
A força de paz Cruzeiro do Sul, que começou a operar em 2006 e cujo comando trocado anualmente, conta com mil militares, dois navios e oito helicópteros. A força, com participação do exército, marinha e aeronáutica do Chile e da Argentina, está permanentemente à disposição das operações da ONU. O Brasil estuda se unir ao grupo desde 2012 quando enviou um grupo de observadores para acompanhar militares da brigada em Bahía Blanca, a 700 quilômetros de Buenos Aires.
Na reunião os dois ministros também abordaram o aumento da cooperação nas pesquisas na Antártida e uma possível troca para melhorar a capacitação na operação de submarinos franceses Scorpène. Atualmente, o Chile tem dois deles e o Brasil está fabricando cinco, sendo um nuclear, no estaleiro de Itaguaí, no Rio de Janeiro.
EFE/montedo.com

4 comentários:

Anônimo disse...

Que bonito Chile e Argentina tem um efetivo presente de força de ação de combate a disposição da ONU e o Brasil ate agora somente Pacificação. E ainda estuda...
O Brasil precisa entender que nós até podemos ser um pais de paz, mas não sabemos as intenções dos outros paises em geral...

Anônimo disse...

Meu caro comentarista das 11:05, quanta bobagem...

Paranaense disse...

Meus amigos! O Brasil está mais preocupado com o bloco comunista que está em andamento à passos largos, na América Latina. Segundo notícias de um canal de TV da Bolívia, quem está coordenando é o foro de São Paulo, criado por Lula, Fidel e Maduro. Assisti a entrevista da secretaria geral do foro, dizendo que será uma democracia. Somos obrigados a concordar porque as três celebridades citadas, gozam de toda a credibilidade, confiabilidade, honestidade, são democratas convictos. A Dilma também está colaborando, a começar pelo decreto 8243 (democracia pura). Me engana, que eu gosto. Abraços a todos!

Anônimo disse...

Tenho até medo só de pensar nessas coisas. O Brasil se meteu lá no Haiti e a coisa tá ficando sem rumo e sobrando para nós brasileiros que não conseguimos nem resolver os nossos problemas. Agora quer se juntar com a Argentina? Vai me dizer que, se for solicitado, Dilma e cambada iriam fazer, digamos, intervenção na Venezuela e Cuba? Hahaha.O Brasil quer ter direito a voto na ONU, mas está ficando só com os "abacaxis".

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics