22 de julho de 2014

Tiro acidental: colega foi o autor do disparo que matou soldado do Exército em MG.

Exército diz que tiro que matou soldado foi disparado por colega
Jovem de 19 anos foi morto dentro do Quartel General da 4ª Brigada de Infantaria Leve (Montanha), no Bairro Mariano Procópio
Baleado Exército Juiz de Fora (Foto: Reprodução/TV Integração)
Acidente foi no QG da 4ª Brigada de Infantaria Leve, em Juiz de
Foto: Reprodução/TV Integração
Nathália Carvalho
Juiz de Fora (MG) - O recruta de 19 anos, que morreu dentro do Quartel General da 4ª Brigada de Infantaria Leve (Montanha), no Bairro Mariano Procópio, Zona Nordeste, na última sexta-feira, foi atingido, segundo o Exército, por um tiro acidental disparado por um colega, que também possui a mesma idade. A informação foi divulgada na tarde desta segunda-feira (21) pelo setor de comunicação da unidade. Até então, o Exército não havia repassado quaisquer informação sobre como a morte teria, de fato, ocorrido. O caso aconteceu durante a troca de turno, por volta das 7h. Conforme é explicado por meio de nota oficial, foi lavrado o auto de prisão em flagrante delito do soldado que atingiu o jovem. Após a conclusão do documento, ocorrido na tarde do último sábado, o mesmo foi entregue à Auditoria da 4ª Circunscrição de Justiça Militar.
De acordo com o Quartel, o jovem que atirou encontra-se preso e à disposição da Justiça Militar na unidade carcerária do 10º Batalhão de Infantaria de Juiz de Fora. Ainda de acordo com a comunicação da unidade, as famílias dos dois rapazes envolvidos estão recebendo apoio médico e psicológico da instituição. O Exército mantém a postura de não divulgar o nome da vítima, a pedido da família. Na tarde desta segunda, a Tribuna entrou em contato com o Cartório da Justiça Militar, responsável pela investigação do crime, para obter outros detalhes da tramitação, mas não obteve retorno. O prazo previsto para conclusão das apurações é de 40 dias.
Segundo o chefe da seção de comunicação da unidade, tenente-coronel Toni Fredman, o Exército entende que o tiro foi disparado de forma acidental, mas salienta que ficará a cargo da Justiça analisar o que realmente aconteceu. "A palavra final se foi um homicídio culposo (sem a intenção de matar) ou doloso (com a intenção de matar) é da Justiça, que irá realizar a investigação." O tenente-coronel também informou que o soldado que atirou ainda estava em serviço, enquanto o que morreu estava entrando no turno.
Leia também:
Soldado do Exército morre atingido por tiro de fuzil em MG
O crime
O recruta foi morto depois de ser atingido no tórax por um tiro de fuzil automático leve no Quartel. No mesmo dia, um Inquérito Policial Militar (IPM) foi instaurado para apurar o caso, ocorrido no corpo da guarda, onde ficam os militares responsáveis por controlar a entrada e saída do lugar. O jovem havia ingressado no início deste ano no serviço militar obrigatório. O corpo foi velado e enterrado no sábado no Cemitério Municipal. Em um ano e meio, esse foi o segundo caso na cidade de morte de militar ocorrida dentro de unidade do Exército por disparo de arma de fogo. Em janeiro de 2013, outro soldado, também de 19 anos, foi morto com um tiro de fuzil na cabeça nas dependências do 4º Depósito de Suprimentos (4º D Sup), no Barbosa Lage. (R. A.)
TRIBUNA DE MINAS/montedo.com

13 comentários:

Anônimo disse...

Não é possível, estamos em pleno Séc XXI e ainda temos militares morrendo por tiro acidental dentro dos quartéis. Até quando o amadorismo irá imperar nas Forças Armadas. Nossos Comandantes maiores deveriam abrir os olhos. Até quando os jovens continuarão a perder suas vidas cumprindo uma obrigação prevista em Lei. Eh Brasil, ruim até no Serviço Militar. Mais não tem problema não, a mãe do Soldado recebeu uma Bandeira do Brasil no lugar do filho. Grande troca!!!!

Anônimo disse...

Boa tarde !

Quem desejar a relação dos candidatos militares nas eleições de 2014,favor enviar e-mail para robertoalves.brasilia@gmail.com

Sem bancada militar não temos chances.

Vida que segue...

Anônimo disse...

É muita FAXINA e pouco manejo com equipamento...

Anônimo disse...



qual seria a causa desta morte???

mais uma morte de um jovem dentro de um quartel.

o exercito vai dizer que o IPM vai apurar, que estamos investigando, que o soldado estava preparado... etc etc etc etc...

balela, falácia...

sabemos que os soldados sao maus preparados, maus pagos, desmotivados e por ai vai...

é mais um jovem DESPREPARADO a morrer com um tiro, de uma arma potente, posta na mão de jovens DESPREPARADOS e nada muda na cabeça dos nosso chefes, que só pensam no ganha pão deles como vemos nossos seniores comandantes na matéria abaixo.

estão colocando os jovens para tirar serviço nos quartéis pelo Brasil afora dia sim, dia não.

qualquer um sabe que isto num curto prazo só aumenta as celeumas, os atritos e tudo o mais que jovens não estão preparado para enfrentar e nem são treinados para isto.

os armamentos nas guardas já é coisa do passado, as reservas tem que serem mais bem trancadas e tira-se o fuzil da mão do soldado.

mais uma morte por incompetência, falta de comando e desvontade, ou seja, não se faz nada, porque ninguém tem coragem de fazer nada.

só cobrar.

e enquanto isto...

mais uma mãe enterra um filho, num exercito onde o serviço militar AINDA É OBRIGATÓRIO.

lastima...

lágrimas...

enquanto isto, lá em Brasília, nada muda.

só a diária do sênior general que será publicada no próximo boletim

Anônimo disse...

Já está mais que na hora de recolher esses fuzis de matar elefante, e deixá-los guardados somente para qdo tiver guerra.

O Ministério Público tinha que intervir e acabar com esse negócio de escala de serviço rolha, pois, em Exércitos de primeiro mundo até as escalas se segurança são terceirizadas.

Aqui ficam inventando postos para ocupar o soldado em vez de destiná-los a instrução e adestramento.

Ninguém pode acreditar que soldado treinado em faxina e serviço poderá garantir a segurança do Brasil.

Quem tem que fazer segurança em quartel
são os vigilantes com seus cassetetes e revólveres 38.

O que acontece atualmente nos quartéis é instalar cercas elétricas, câmeras de segurança e manter escalas rolhas para ocupar praças.


Anônimo disse...

Todo mundo que comentou com essa choradeira demonstra grave problema de desconhecimento...lamentável.
A perda é lastimável, fato. Deve-se tomar providências quanto ao ocorrido? óbvio! Temos problemas no EB, desvalorização, baixo salário, chefes que não se mexem?claro que sim! Tem como reparar a família? Nada nesse mundo seria capaz. Porém nenhum país consegue manter sua soberania e seu respeito sem Força Armada, e o serviço militar tem que ser o que?? voluntário? E se formos invadidos quem vai? Quem vai proteger sua família? quem vai dar a vida por você, chorão? Considere-se um Israelense e tente imaginar o pavor de estar na sua casa e aparecer um segundo depois sem perna a metros dela...aí depois veja se haverá alguém pra te defender, pra não deixar sua filha e esposa ser estuprada. Se tiver alguém, serão soldados, obrigados ou não, darão a vida deles pela sua. Engomadinho Chorão.

Anônimo disse...

caro anônimo das 19:16

qualquer um sabe o que você disse, nenhum dos comentários que você classificou de choradeira são lastimáveis ou indignos de reflexão.

lastimável é seu desconhecimento, ou sua incompetência em reconhecer que o SISTEMA com os jovens ingressam e servem as forças armadas ESTÁ ERRADO.

qualquer um sabe da necessidade de uma força amada para um pais etc etc etc etc etc.

países desenvolvido já não possuem mais serviço militar obrigatório.

o que você não quer reconhecer, e aqui abro um adendo para citar sua incompetência, é que o SISTEMA final em que o fuzil vai parar na mão de um recruta é sim errado, é sim lastimável, é sim imprudente e é sim inconsequente.

tirando uma brigada paraquedista, um batalhão FE, ou algumas pouquíssimas organizações militares, o restante é tudo AMADOR, na concepção e no comando.

em quartéis como este de juiz de fora, recrutas mau atiram, mau são instruídos e ainda EXTREMAMENTE DESPREPARADOS para lidar com um arma tão potente, são jogados para tirar serviço e lidar com elas no dia a dia.

isto é fato meu amigo.

enquanto isto outros jovens irão morrer. Deus queira que não seja nenhum da sua família.

abraços

Anônimo disse...

completando caro anônimo das 19:16, engomadinho chorão somos nos que estamos chorando a morte de nosso ente querido

Anônimo disse...

ainda respondendo ao anônimo das 19:16...

você esta convidado, hoje, quinta-feira, as 19:30, na igreja de Benfica, em juiz de fora, a assistir a missa de sétimo dia do soldado falecido e entender porque choramos.

e quem sabe, assim, você poderá CO-ME-ÇAR a entender porque o SISTEMA esta errado e as coisas estão sendo feitas, mau e erradamente.

Anônimo disse...

Realmente o amadorismo impera nas atividades militares atinentes ao manuseio de armas por parte dos Soldados.
Vejam que tais acidentes não ocorrem nas polícias com a mesma frequência com a qual ocorrem nas Forças Armadas. Explicação? Amadorismo nas instruções e imaturidade dos jovens que são selecionados para o serviço militar obrigatório, que por sinal já é falho pelo simples fato de não haver testes psicotécnicos para os voluntários. Uma aberração, levando-se em consideração que tais jovens manusearão armas de fogo.
O amadorismo não reina apenas no universo dos recrutas, mas também no meio dos militares antigos.
Servi há alguns anos atrás no Parque/1 e lá me deparei com uma instrução de armamento e tiro sofrível ministradas por militares recém-formados (Aspirantes de CPOR formados em 10 meses de meio-expediente), assim como o rendimento dos militares no estande de tiro por ocasião do TAT.
Lá chegava a ser ridícula a aplicação do TAT, pois uns 10% ou 20% do efetivo realmente comparecia ao estande, e desses, muitos antigos tinham um baixo rendimento mas contavam com a complacência do Oficial-de-Tiro no lançamento das menções(notas).
O pior de tudo é que os paisanos nos acham peritos em tiro.
Acho que os Comandantes e S3 deveriam fiscalizar mais as instruções de armamento e tiro ao invés de falsearem junto à sociedade e principalmente à justiça militar sobre a deficiência nas instruções de armamento e tiro.

Anônimo disse...

Que beleza, todo mundo sabe tudo... Todos tem razão e são donos de todas as verdades, tanto que às escrevem com perfeição até o ponto de dizer que isso tá errado e pronto, isso é assim e pronto...
De nada adiantam somente palavras... Realmente o erro está no amadorismo de alguns, na irresponsabilidade das escalas de serviço nas 24 horas (um dia inteiro de serviço das 07:00h às 07:00h do outro dia onde vigia 2 horas, fica de prontidão 2 horas e descansa 2 horas durante todas as 24 h e "emboca" direto no expediente do outro dia)... na má aplicação de recursos destinados à segurança para aliviar os postos de sentinela...
Quanto ao serviço obrigatório isso é lógico, imagina deixar ao gosto de quem quer servir, somente dos voluntários? só serão voluntários a parcela de jovens que não tem outra opção de vida (alimentação principalmente)pois a rotina é realmente estressante depois dos 3 primeiros meses e recebendo um salário que fala sério...
Não procede o comentário que os acidentes de tiro só acontecem nas Forças armadas, podem ter que certeza que também acontecem com as polícias militares, claro que em menor nr de casos pois estes atiram bem mais que um recruta que atira menos de 80 tiros por ano quando atiram todas as seçoes de tiro...
lamentável...

Casa Espirita Maria de Nazareth disse...

sou mae deste soldado em questao e quero dizer que nem todos estao preparados psicologicamente para estar armado e muito menos para uma fatalidade desta , meu filho e so mais um numero nada vai mudar e ate se eu quiser saber o que aconteceu de verdade tenho que ficar me humilhando pedindo que sejam verdadeiros e sabemos que eles nao dizem tudo tem o famoso sigilo militar , eu sou mae e so me entregaram sem eu pedir uma bandeira , achava fosse um orgulho ter filho militar hoje posso dizer as maes pensem bem antes de incentivar seu filho porque a hora que chega o discurso e maravilhoso podemos contar com o exercito como familia mas quando acontece algo deste tipo a familia acaba , eu so queria alguem que estivesse estado no local no momento e que me respondesse minhas perguntas. Esse e so mais um desabafo de uma mae orfa de filho e com uma saudade eterna

Anônimo disse...

Para todos os fins, o militar prestanto o serviço Militar obrigatório é considerado tutelado do Estado. Mesmo na ocorrência de auto-lesão (suicídio), o Estado é o respnsável, diferentemente do militar do núcleo base, que é considerado agente do Estado.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics