25 de março de 2014

Subtenente músico, marido de Ideli Salvatti passou duas semanas na Rússia avaliando sistema de defesa antiaérea

Atualização: 25/3 (13h00)

Veja (Panorama Político)

Convenientemente, a Portaria do Ministério da Defesa omitiu que o marido de Ideli pertence a QMS Músico.


PORTARIA Nº 3.231-MD, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2013.
Designação de grupo de trabalho.
O MINISTRO DE ESTADO DA DEFESA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelos incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição e considerando as conclusões do Grupo de Trabalho Interministerial instituído pela Portaria Interministerial nº 1.808- MD/MCT/MDIC/MF/MP/MRE, de 12 de junho de 2013, resolve:
Art. 1º DESIGNAR, o Grupo de Trabalho para a Avaliação do Sistema de Artilharia Antiaérea de Média Altura-PANTSIS-S1, sob a ótica dos Requisitos Operacionais Conjuntos (ROC) 40/2013 (GTA-ROC), na Rússia, estabelecidos pela Portaria Normativa nº 1.984-MD, de 3 de julho de 2013, e compô-lo com os seguintes integrantes:
Gen Bda Cmb MARCIO ROLAND HEISE, coordenador do grupo;
Cel QEM Elo ROBERTO CASTELO BRANCO JORGE;
Ten Cel Art EDSON RIBEIRO DOS SANTOS JUNIOR;
Cap QEM Elo HERALDO CÉSAR ALVES COSTA;
S Ten [?] JEFERSON DA SILVA FIGUEIREDO;
Art. 2º O afastamento do país dar-se-á, incluindo o trânsito, com ônus para o Ministério da Defesa, de 28 de janeiro a 10 de fevereiro de 2014.
§ Único - A missão acima será considerada eventual e de natureza militar, estando enquadrada na alínea "c" do inciso I e na alínea "b" do inciso II do art. 3º, combinado com o art. 11 da Lei nº 5.809, de 10 de outubro de 1972, regulamentada pelo Decreto nº 71.733, de 18 de janeiro de 1973, modificado pelos Decretos nº 3.643, de 26 de outubro de 2000; 5.992, de 19 de dezembro de 2006; 6.258, de 19 de novembro de 2007; 6.576, de 25 de setembro de 2008 e 6.907, de 21 de julho de 2009.
(Portaria publicada no DOU nº 231, de 28 NOV 13 - Seção 2)
Jeferson e Ideli casaram-se em 2009. Gilberto Carvalho foi o oficiante da cerimônia.
(Imagem: ClicRBS)
Colaborou: R. A.

Recebi na área de comentários:

O Sub FIGUEIREDO é habilitado no idioma russo, ou seja, é altamente fluente na língua russa, além de ser bacharel em Direito. Com certeza foi nessa e em outras missões na função de intérprete. Dizer que ele não deveria ter ido por ser músico é no minimo ignorância e desconhecimento das qualificações do mesmo. A referida matéria é tendenciosa, busca atingir a imagem da Ministra propalando inverdades, tentando confundir competência e preparo profissional com tráfico de influência.

34 comentários:

Fardado Indignado disse...

Foram todos para a Russia num helicóptero do SAMU!!!!!

Anônimo disse...

A culpa é dos oficiais!!!

Anônimo disse...

Um STen de Brasília se aproveitando pra fazer viagens como aspone enquanto a tropa rala????

conta uma novidade agora...

Anônimo disse...

O cara é músico, será que tem conhecimento suficiente para avaliar um sistema desse? Ele deve ter ido junto para tocar trompete nas horas vagas da comitiva!!

Anônimo disse...

O amigo das 23:55 acho que vc não leu a matéria completa e já foi tachando culpa dos oficiais ? como assim cara culpa dos oficiais? vc não leu a parte em que foi o próprio ministro da defesa que o enviou o subão pra Russia e vem me falar culpa dos oficiais culpa desses quadrilha de ladrões que colocaram no poder isso sim votem melhor para depois reclamar alguma coisa!

Anônimo disse...

É mais uma daquelas notícias que só servem para trazer descontentamento e desmotivação. Passamos nossa carreira sendo pressionados pelos comandantes, que com punhos de ferro bradam palavras ética, valores e moral; todavia, pela exacerbação da vaidade, valorizam os rufões e se ajoelham perante qualquer engravatado ou um rabo de saia.

Anônimo disse...

Não sou hipócrita, eu também iria sem problema nenhum.

Anônimo disse...

Quem nunca foi desviado de função? Sou QCO e até PT de motor já fiz, com Oficial (mais antigo, claro) do QMB na OM...

Luis Fernando Smidt disse...

Aposto que essa é a primeira de uma série de "missões internacionais" do Subão...que nem artilheiro é e sim músico. Nada tenho contra os músicos, mas desta vez, o Amorim forçou a barra!!!!!

Anônimo disse...

Faz sentido.Pelo menos fazia,quando nas batalhas a banda ia à frente tocando para "encorajar" a tropa diante do inimigo.Quem sabe o (des)governo petralha não esteja planejando uma volta ao passado e use os músicos como bucha de canhão no enfrentamento aos "blacks?" O subão foi verificar as "armas",e é óbvio,ganhar umas diárias,porque ninguém é de ferro... a não ser o "Homem de Ferro",mas aí é outra história.

Anônimo disse...

Ele é habilitado no idioma russo, isso é verdadeiro. Deixem de ser burros, abram os Boletins do Exército. Toda semana sai publicado inúmeros Oficiais indo fazer cursos no exterior.

Anônimo disse...

O Sub FIGUEIREDO é habilitado no idioma russo, ou seja, é altamente fluente na língua russa, além de ser bacharel em Direito. Com certeza foi nessa e em outras missões na função de intérprete. Dizer que ele não deveria ter ido por ser músico é no minimo ignorância e desconhecimento das qualificações do mesmo. A referida matéria é tendenciosa, busca atingir a imagem da Ministra propalando inverdades, tentando confundir competência e preparo profissional com tráfico de influência.

Anônimo disse...

Não sejamos inocentes! O pessoal que vive e rala na caserna sabe, que qualquer outro Suboficial de carreira com qualidade e competência não iria nessa missão, de formas , que não podemos jamais desacreditar que houve influência.

Anônimo disse...

Na sua ficha junto ao orgão responsável, nao consta que o mesmo seja habilitado em Russo

Anônimo disse...

Habilitado em russo ? se eu fosse o blog checaria isso essa petralhada é capaz de tudo ....

Anônimo disse...

Senhores, verificando o almanaque on line pode-se verificar que o referido ST não possui habilitação em Russo, a não ser que o almanaque esteja desatualizado.

Anônimo disse...

Não vamos confundir as coisas...o fato do Subtenente ser da QMS Músico não o descredencia para essa missão, ele é habilitado em Russo e não dedicou a vida apenas a ser músico no exército, tem outras formações profissionais. Alguém já se perguntou se todos os oficiais eram habilitados em russo? Isso ninguém quer saber...vamos ser tendenciosos né?

Anônimo disse...

Sou habilitado e falo fluentemente dois idiomas. Tal habilitação consta no meu cadastro há mais de 15 anos e NUNCA fui convidado para nada. Pelo visto o diferencial que qualifica esse militar é justamente ser casado com uma ministra do PT. Assim funciona o chamado "mérito" no EB.

Anônimo disse...

Ele e um punhado de ARTILHEIROS sao habilitados em Russo, nada como juntar o util ao agradavel… poderiamos mandar um cavalariano habilitado em ingles compra instrumentos musicais na inglaterra se esse for o criterio.. Foi unica e exclusivamente por ser marido dessa mulher e mais nada

Anônimo disse...

Subão altamente fluente na língua russa, além de bacharel em Direito... Valha-me Deus, só pode ser uma piada! Tocando bumbo na banda do BGP...

Anônimo disse...

Sou especialista em armamento pela Força Aérea Brasileira, não desmerecendo o colega mas, meus cursos de desativação de explosivos não valeram de nada?

Anônimo disse...

DEIXA O CARA SEUS MILICOS DESUNIDOS...ESTÃO COM INVEJA PORQUE NÃO FORAM? ANTES ELE DO QUE OUTRO IGNORANTE AI QUE NEM MILICO É!!!DEIXA O CARA, POR FAVOR!!!OU VCS QUERIAM QUE O CAMARADA DEPUTADO DO BIG BROTHER FOSSE?

Anônimo disse...

Já vi muitos praças realizarem missões no exterior, servem em Adidos, embaixadas, mas essa de analisar sistemas de defesa, nunca um praça é enviado para isso, com exceção desse caso aí!

Anônimo disse...

O único errado foi aquele que omitiu a arma do ST, o restante está tudo certo.

Anônimo disse...

É pelo jeito o PT e a cúpula dos militares de brasília estão num calderão só.. O caldeirão da ajeitadinha...

Anônimo disse...

Por essa mediocridade de alguns que o Exército não evolui. É óbvio que o ST foi para essa missão por ser casado com a ministra, porém o assunto foi totalmente desvirtuado no debate e o assunto acabou virando a ridícula rixa oficiais x praças. O BI EB publica inúmeros ST/Sgt designados para cursos e missões no exterior. Ficar reclamando é fácil, mas pq não se qualificam para concorrerem por estas vagas, sejam instrutores da EsSA, estudem no CAS. Fui 3º colocado no CAS e premiado com curso no exterior e nunca servi em Brasília ou qq QG. Falta mais suor e menos saliva!

Anônimo disse...

O moderador do blog deve ser muito amigo do sub do pt. Não aceita uma crítica mais "ácida".

Anônimo disse...

Senhores, sejamos REALISTAS, IMPARCIAIS E OBJETIVOS. Esse subtenente deve ter os seus méritos - que seja fluente em Russo, conhecedor da cultura e costumes Russos, etc, etc. Mas, vamos aos fatos: Numa missão do Ministério da Defesa para avaliar sistemas de armas de artilharia, o EB envia um subtenente músico!! Não tem nenhum subtenente ou sargento de MB/Armamento ou de Artilharia habilitado em Russo ou mesmo Inglês?
Por que insistir em negar o óbvio: ele foi selecionado para a missão por imposição da senhora Ideli e ponto! O único mérito usado foi a condição de "marido da Ministra".

Anônimo disse...

Sr autor/proprietário do Blog
Pelo que consta do almanaque (relação de todos os militares), este sujeito realmente é Bacharel em direito, mas não é habilitado em nenhum idioma. Pura balela desse que postou tentando justificar.... Foi ganhar diárias e fazer turismo por nossa conta.

Anônimo disse...

Lembrando que desde 2011, com a introdução do IPL (Indice de Proficiencia Linguistica), não aparece mais no almanaque se determinado militar é ou não credenciado, somente quem se credenciou antes da mudança.

Anônimo disse...

A suposta informação que circula em setores da web segundo a qual o subtenente viajou a Moscou na qualidade de tradutor, se verdadeira, traz consigo uma pergunta inevitável: isso significaria que, na grande embaixada que o Brasil mantém na capital da Rússia — com 17 departamentos –, NINGUÉM fala russo?

Não há tradutores disponíveis entre os diplomatas, oficiais de chancelaria e demais funcionários?

A embaixada conta, inclusive, com um adido de Defesa, que representa as três Armas, o coronel do Exército Marco Antônio de Freitas Coutinho. Na mesma adidoria, trabalham também o tenente-coronel do Exército Marcius Cardoso Neto e o soldado Roberto Durão da Silva, que alguma coisa de russo sabem ou deveriam saber, e que com certeza estiveram envolvidos na missão mencionada nesta nota.

Anônimo disse...

O subtenente tinha é que estar tocando trombone na tropa (a legislação para músicos já os privilegia bastante), e não estar designado no MD, viajando para servir de maleiro nessas viagens. Se tem curso de Direito e fala o idioma russo, parabéns, mas não o habilita a fazer essa viagem.
Mas jabuti não sobe em árvore, teve dedo de alguém nesta passage para fora da Força. E ainda tem gente que defende esse absurdo.

Anônimo disse...

Ele deve ser bom também em no idioma francês pois foi ao Haiti entre 18 e 25 de março último. Se procurar tem mais.
Mas se tem competência, nada a opor, afinal QI existe para isso. MATEUS MATEUS PRIMEIRO OS MEUS...

Anônimo disse...

Trombone, não. Ficaria bem na fita tocando uma flauta.ir

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics