30 de março de 2014

1964: discurso de Jango aos sargentos repercute até hoje nas Forças Armadas.

Essa matéria do jornal O Dia dá uma boa ideia do ambiente que imperava nos quartéis em 1964 e permite entender porque a cúpula das Forças Armadas, até hoje, tenta manter os praças na condição de militares de segunda categoria, diferentemente, por exemplo, da maior potência do planeta, onde o sargento é um profissional extremamente valorizado.

Rastilho de pólvora
Ida de Jango à reunião de sargentos, no Centro, e discurso contra a remessa de lucros foram a gota d’água para o golpe ser deslanchado. Testemunha diz que suboficiais pegariam em armas se o presidente pedisse
Arte: O Dia
Leandro Resende
Rio - O relógio marcava 23h do dia 30 de março de 1964 quando João Goulart cruzou, com semblante tenso, o salão do Au­tomóvel Club do Brasil, na Rua do Passeio, Centro do Rio. Chovia forte quando ele deixou o local e tomou a direção da Cinelândia. Àquela altura, provavelmente ele já sabia que o discurso feito momentos antes na reunião dos sargentos havia sido seu último como presidente do Brasil. Mas a verdadeira tempestade ainda es­tava por chegar. O DIA conversou com duas testemunhas daqueles momentos, dois sargentos simpa­tizantes de Jango, que garantem: se o presidente quisesse resistir ao golpe, os suboficiais pegariam em armas. “Não é questão de dizer se ia ou não ter sangue. A ditadura matou centenas: isso é sangue”, diz o hoje capitão reformado Amadeu Felipe Ferreira, 78 anos.
Amadeu era da ala esquerda do Exército e não concordava com a realização do encontro: defendeu a permanência dos janguistas nos quartéis pois, segundo ele, o gol­pe já estava em curso. “Quem sabe primeiro das coisas é o sargento. Bastava Jango pedir que pegaria­mos em armas”, garante. Mesmo contrariado, Amadeu saiu de Re­alengo, onde vivia com a família, e foi ao encontro, organizado pela Associação dos Sargentos e Subo­ficiais da Polícia Militar. O evento começou às 19h30. “Jango falou das reformas e agradeceu o apoio dos sargentos. Depois, saiu depres­sa. Sabia que as tropas estavam na rua para dar o golpe”, relembra.
A presença de Jango ao lado da baixa oficialidade das Forças Armadas, há exatos 50 anos, foi o último capítulo de uma relação tensa desde 1961, quando ele, do PTB, assumiu o governo após a renúncia de Jânio Quadros, do PTN. Ali, os ministros militares se ma­nifestaram contra a posse do então vice-presidente, por conta de sua ligação com a esquerda. Em setem­bro de 1963, sargentos da Marinha e Aeronáutica se insurgiram em Brasília, por conta da negativa do STF às suas candidaturas – Jango manteve-se neutro.
A historiadora da UFF e da Unirio, Ângela de Castro Gomes, coautora de ‘1964’, livro lançado neste mês, diz que a presença do presidente no encontro foi a gota “que transbordou” o copo. “O epi­sódio selou a ruptura entre Jango e os militares. Ficou comprovado que o presidente não era garan­tia da hierarquia militar”, indica. Para ela, Jango sabia que sua ida ao encontro seria interpretada como provocação, por conta do contexto. “Claro que o golpe no dia seguinte tem vinculação com a reunião. Afinal, o chefe das For­ças Armadas mostrou descompro­misso com a hierarquia.”
Se os rumos do país foram sa­cramentados naquela noite, a his­tória poderia ter sido outra caso dois destinos se cruzassem antes. No verão daquele ano, Amadeu e cinco sargentos saíram do Rio numa caminhonete, em direção a Petrópolis. O objetivo era alertar Jango, de férias na serra, sobre o golpe que estava por vir. “Não con­seguimos falar com ele. Sem di­nheiro, acabamos dormindo num trem antes de voltar”. Os sargentos estavam mobilizados para alertar os políticos sobre o “espírito na­zifascista” que tomava conta dos quartéis. Dias depois da frustração na serra, foram a JK para repetir o alerta. “Éramos 40 sargentos, de terno e gravata, em excursão a Copacabana. Dissemos ao JK que ele seria o maior prejudicado pelo golpe, já que queria ser candidato em 1965. Ele achou que era ‘coisa de sargento novo’”, lamenta.
A relação entre Jango e os “sar­gentos novos” é mais um indício do racha dentro da caserna. “Mui­tos estavam ao lado de Jango, tan­to que, consumado o golpe, vários foram presos e punidos”, argumen­ta Ângela. No discurso feito dia 30, o presidente exaltou as reformas de base, “que não podiam mais ser adiadas”, mas não esqueceu de apoiar a baixa oficialidade. “Os sargentos jamais aceitarão ordens sem contestações, porque o cami­nho que lhes está traçado é o que me foi traçado também”, disse.
Para Amadeu, se Jango tivesse confiado nos sargentos, o destino seria outro. O presidente prefe­riu seguir o caminho que, como o próprio disse, “estava traçado”. Saiu do país dias após o golpe e só voltou para ser sepultado, em 1976. Já Amadeu foi preso e caiu nos porões da ditadura. “Estreei o que viria a ser o Doi-Codi (Des­tacamento de Operações de Infor­mações do Centro de Operações de Defesa Interna), na rua Barão de Mesquita.”

Ataque aos 'privilégios’
Ao se ler o discurso de Jango na reunião dos sargentos, não é difícil imaginar a razão para que ele tenha sido considerado como a gota da’água para deslanchar o golpe. O presidente, em discurso por rádio e TV, avisou aos golpistas que confiava no povo para a defesa de seu mandato, e dizia que o momento exigia calma dos brasileiros, “para fazer face ao clima de intrigas feitas por grupos poderosos.” Jango disse ainda que o financiamento das ações dos conspiradores vinha de fora do país. “Tantos recursos para campanha tão poderosa, para mobilização tão violenta contra o governo, eu diria simplesmente, sargentos brasileiros, que tudo isto vem do dinheiro dos profissionais da remessa ilícita de lucros”, afirmou. Antes de justificar a necessidade das Reformas de Base, o presidente que seria deposto defendeu-se dos que o acusavam de ser comunista. “Elas (as reformas) são, acima de tudo, reivindicações legítimas do povo brasileiro, indispensáveis ao desenvolvimento do nosso país.”
Na parte final do discurso, pareceu antever o golpe – e antecipar que não reagiria: “nesta noite, na hora em que se estão praticando as maiores indisciplinas, não admitirei que a desordem seja promovida em nome da ordem; não admitirei que o conflito entre irmãos seja pregado.”

Em 10 km, a História política do país
Num espaço de cerca de 10 km no coração do Rio se desenrolaram alguns dos principais e mais decisivos acontecimentos da História política recente do Brasil. Entre o campus da UFRJ na Praia Vermelha e a Central do Brasil, um presidente se suicidou no Catete (Getulio Vargas, em 1954), um político se entrincheirou, aguardando as tropas golpistas em Laranjeiras (Carlos Lacerda, governador da Guanabara em 1964), e, na altura do Aeroporto Santos Dumont, o estudante Edson Luís foi morto em 1968, desencadeando a reação que culminaria na decretação do Ato Institucional número 5.
Mesmo tendo deixado de ser Distrito Federal com a transferência da capital para Brasília em 1960, o Rio continuou sendo a cidade mais agitada do país. Tanto que Jango fez a defesa mais veemente de seu governo na Central do Brasil, em 13 de março de 1964, e estava na Rua do Passeio quando as tropas golpistas começaram a marchar para tirá-lo do poder.
Da Cinelândia à Candelária caminharam 100 mil pessoas, em 1968, em protesto organizado pelo movimento estudantil contra a ditadura. Quatro anos antes, centenas de milhares de pessoas caminharam no sentido contrário, com intenção igualmente oposta: era a Marcha da Vitória, celebração pelo sucesso na deflagração do golpe e benção dos civis ao regime.

Entrevista com Daltro Dornellas, Ex-sargento do Exército que defendia a resistência ao golpe

P. Qual a situação da caserna antes do dia 30?
R. Eram 5 % de esquerda, 5 % de direita e 90% em cima do muro. Fizeram besteira em Brasília, em 1963, e isso instru­mentalizou a direita. No ano seguinte, depois do episódio dos marinheiros, um companheiro me disse algo que jamais esqueci: ‘Agora radicalizaram a p... toda!’ Estávamos fazendo trabalho de base e ganhando a guerra de convencimento, ex­plicando a Reforma Agrária, a Lei de Remessa de Lucros.

2) Onde o senhor estava no dia da reunião do Clube dos Sargentos no Automóvel Club?
R: Naquele dia fiquei rodando as unidades, de metralhadora em punho. Não fui ao encontro porque queria juntar todos e ir ao Palácio Laranjeiras, de uniforme de passeio, para declarar apoio ao Jango, às reformas e ficar de prontidão. A reunião estava rolando quando aquelas tropas golpistas vagabundas vieram. Não daria para encarar a gente.

3) O que o senhor pensa do presidente João Goulart?
R: Ele estava coagido, mas foi débil. Foi triste ver os sargen­tos chorando, quando Jango resolveu que não iria resistir. Dizem que um sargento, preso após o golpe, se suicidou batendo com a cabeça na grade da cela, pois não entendia como nós não haviamos resistido. Ele (Jango) não tinha o direito de aceitar isso (o golpe). Uma resistência seria sufi­ciente para parar o golpe.

4) Os sargentos estavam preparados para resistir?
R: Primeiro, nós não queríamos dar golpe. As Forças Arma­das já estavam aguçadas desde o Comício da Central… Mas a gente podia virar aquele jogo. Os meus superiores diziam: o presidente não quer que faça, não quer derramamento de sangue. Pedimos apoio a um comandante, mas ele não veio. Sem comando, não tínhamos nada.

Fundador do Partido Militar Brasileiro defende voto direto
No período pré-golpe, uma das causas de insatisfação dos militares de baixa patente era o fato de não poderem votar ou serem votados. Atualmente, a Constituição garante os direitos políticos aos militares, mas impede a filiação partidária dos que estão em serviço.
Para o capitão Augusto Rosa, os militares “salvaram o Brasil de uma ditadura comunista”, e Jango quebrou a hierarquia quando encontrou os sargentos. “Hierarquia é a estrutura base do militarismo. Sem ela, só há o caos”, indica. Fundador do nanico Partido Militar Brasileiro, ainda em busca da legalização, ele critica a ação da Comissão da Verdade (“os crimes contra os militares não precisam ser apurados?”), discorda do termo ‘ditadura’ e prefere não falar sobre a repressão feita pelo Estado (“não compete a mim falar sobre isso). “Mas não queremos voltar a esse período, que foi de exceção. O PMB defende o voto direto”, garante.
Rosa também é a favor da redução da maioridade penal para 16 anos e transformação do crime de corrupção em hediondo. E, claro, contra a legalização da maconha, do aborto e o direito de voto de pessoas que recebam o Bolsa Família. “PT, PSDB, PMDB, são todos partidos de esquerda e se preocupam com marginais. Nós somos de direita e nosso alvo é o cidadão de bem”, resume.
O DIA/montedo.com

16 comentários:

Anônimo disse...

Nas FFAA brasileiras o sargento sofre por ser visto pelos superiores como alguém intelectualmente incapaz e entre seus pares com uma espécie de ameaça, um concorrente em potencial. É uma classe idealizada (cultural e institucionalmente) para ser desunida e desagregadora.
Na cabeça da maioria da oficialidade, o sargento está ali pra servir-lhe (e não à instituição). Infelizmente esse pensamento mesquinho, pequeno, é o que impera e não há no horizonte perspectiva de mudança. É a verdade...

Anônimo disse...

Atualmente na FAB ocorre, com frequência, que a diferença entre um sargento e um oficial é o Manual de Etiqueta e Boas Maneiras da AFA. Só. E isso constitui uma injustiça enorme quando se compraram os "ganhos anuais".

Anônimo disse...

Importante a reportagem porque muitos do mais novos que não se interessam pela historia acabam acreditando naquele lero lero que os comandantes falam todos os anos.. antes com direito a formatura e tudo mais e atualmente com palestras discretas aos of e sgts.

Anônimo disse...

O grande problema foram as reformas de base propostas p jango. Isso assustou mta gente boa. O eb foi apenas um instrumento usado nessa história.



Anônimo disse...

Clima antes de 64

- O país vivia uma situação calamitosa, num clima de intranquilidade e insegurança. Desordem generalizada em todos os setores;

- No país pairavam sombras de guerra civil;

- O governo João Goulart estava rodeado de comunistas e pelegos;

- Caos administrativo, econômico e financeiro;

- Custo de vida e inflação, altíssimos;

- O governo pregava a incitação à indisciplina nas FFAA;

- Abuso por parte do Presidente da República que governava via decretos-leis, desrespeitando claramente o Poder Legislativo;

- O governo desencadeava uma forte guerra psicológica para convulsionar o país, utilizando-se da farsa, da demagogia e da mentira para perpetuar-se no poder.

FONTE: Jornal Correio da Manhã, do Rio - 31 de março de 1964.

Anônimo disse...

Deve ser por isso que o EB insiste tanto em tentar desunir os SGTs, "dividir para conquistar". É puro medo dos homens de estrelas.

Anônimo disse...

O comentarista das 1957 é so mais um alienado que acredita nas elites jornais e globo etc. O jango queria uma reforma de base ele nao era comunista veio de familia rica no sul ele queria algo que ate hoje queremos medicos e escola para todos coisa que a elite nao quer ela quer manipular o povo burro. Os vinte anos do governos militares trouxeram progresso sim eles eram nacionalistas e nao venderam o pais como fez o fernando henrique. Mas nao deixaram o povo desenvolver nao tivemos direito a educação, apenas os ricos faziam faculdades, nao gosto do PT mas quem quer faz facul hoje, vao para o exterior, tudo com bolsa. Olha as privatizaçoes que o FHC fez no parana a 9 reais o pedagio e olha as do lula na regis e fernao dias a menos de tres reais. Estamos fu.. mas entre PT e PMDB/PSDB é facil escolher.

Anônimo disse...

Falo com conhecimento de causa e quase 30 anos de tropa:mais de 90 % dos sargentos de carreira que entram no EB, querem usa-lo como trampolim! Tu pergunta para os novos que chegam e eles falam que querem fazer curso superior e largar a farda de divisas! Para serem mais valorizados tanto profissional como financeiramente! Parabéns e que consigam atingir seus objetivos, pois em 30 anos de farda e consegui ser promovido a subão, nunca tive "peixadas", fui só para onde o "sistema" me mandou, e só perambular por lugares que não me acrescentou nada na minha vida e principalmente de minha família, somente dividas e mal estar!

Anônimo disse...

LITERALMENTE, DIVISÃO JÁ HOUVE ATÉ ONDE DEUS MORA... IMAGINE AQUI NESTE MUNDO. Farei de tudo pra que meus filhos não sirva as FFAA... Vão servir o país de outra maneira: não sendo corrupto, trabalhador e temente a DEUS.

Anônimo disse...

Anônimo de 30 de março de 2014 22:22, por favor companheiro pelos teus comentários deve ser um baita Petralha enrustido neste Blog. Amigo por favor me dá o bizú da faculdade, pois estou pagando R$ 2.000,00 por mês para a minha filha que completou vinte e cinco anos e nem abater toda esta despesa no imposto de renda eu posso, como você disse não podemos acreditar nos órgãos de imprensa, por favor me informe o caminho. Vai dormir petista cara de pau.

Anônimo disse...

Eu tambem sub veio com a valorização de um chakal em q nao consigo estudar pois tenho area de faxina carga e acampamento pra montar li o comentario do sub acima e me vi nele, apenas mau estar

Anônimo disse...

Hoje só não faz faculdade quem não quer. Pelo amor de Deus, quando eu era 3º Sgt tentei cursar Administração, que era o único que existia no interior do RS, além de pedagogia, e o curso custava 2/3 do meu vencimento, e não existia nenhum tipo de financiamento, ou seja, só os ricos prosseguiram. Hoje tem colega praça que eu conheço que faz faculdade de Direito, sua esposa faz de Psicologia e seus 2 filhos fazem outras faculdades, todos particulares e numa cidade pequena do interior, e não gastam 1/6 do vencimento, por que tem PROUNI, FIES, financiamento do Governo estadual, da Prefeitura e da própria universidade. Como tem gente de memória curta e cega pela ignorância política radical.

Anônimo disse...

Nesses dias que antecederam 64 os SGTs que se elegeram com o voto nas eleições foram impedidos de tomar posse de seus cargos pelo supremo, mais uma vez a desculpa por esse ato arbitrário foi a quebra de hierarquia. Clara prova de que as FA usam esse discurso retórico para alienar e reprimir os seus graduados. Depois desse golpe contra os SGT, nos tornamos o que somos hoje.

Anônimo disse...

No EB hoje é assim: enquanto oficiais e praças lutam entre si, o rombo no casco deste Titanic que é a força terrestre vai deixando a água entrar e um dia, essa p.... vai afundar e todo mundo vai para o fundo brigando e se matando. Senhores, o inimigo não veste farda, se unam e lutem juntos antes que só sobrem as baratas do rancho....

Anônimo disse...

Não cabe aqui incentivar discórdia entre Oficiais e Sargentos nas FA. Ambos possuem seu papel e importância definidos na estruturação da Instituição. Quem é Oficial que pensa que é melhor que Sargento o erro é pontual, do Oficial em questão, e não da Classe como um todo. Nos tempos passados poderíamos acreditar que existia essa rixa entre Oficiais e Praças, hoje as coisas estão ficando mais conciliadoras à medida que a estrutura de Força Armada (cito principalmente o caso do Exército, não sei as outras) baseada no Exército Francês, que delimita bem as diferenças sociais, culturais e financeiras entre Oficiais (tidos como deuses) e Praças (tidos como servos dos deuses) vai dando espaço para uma mudança gradativa para nova estrutura de Força Armada, baseada no Exército Americano, onde os Sargentos e Praças em geral são valorizados e todos (Oficias, Sargentos, Cabos e Soldados) lutam para defender a Instituição, o País. Um modelo de Exército onde não há espaços para "briguinhas de classes"..... Sou sargento, cheguei a viver os tempos de Oficiais-deuses, e hoje vejo cada dia mais que as coisas estão mudando, aos poucos, mas dá para ver sim, que não é mais como era antes. Oficiais são gestores, diretores, planejadores diretos, fiscais de altos e médios escalões. Sargentos são coordenadores, auxiliares de planejamento, assessores diretos, executores e fiscais de médio e baixo escalão. As demais praças são cooperadores, colaboradores, auxiliares e executores diretos. É assim que as coisas funcionam, nada de preciosismo ou de inconformismo. Cada qual no seu quadrado, sem julgamentos, de rancores, sem injúrias. Vamos trabalhar em prol do nosso Exército que ganhamos mais. Cada qual, dentro de seu posto/graduação, individualmente, deve refletir para saber se está de fato realizando bem ou mal o seu papel, não cabe uns ficarem julgando e jogando pedra nos outros, isso causa indisciplina, e quebra a hierarquia, o que não é bom para a Força. Brasil Acima de Tudo!

Anônimo disse...

Não cabe aqui incentivar discórdia entre Oficiais e Sargentos nas FA. Ambos possuem seu papel e importância definidos na estruturação da Instituição. Quem é Oficial que pensa que é melhor que Sargento o erro é pontual, do Oficial em questão, e não da Classe como um todo. Nos tempos passados poderíamos acreditar que existia essa rixa entre Oficiais e Praças, hoje as coisas estão ficando mais conciliadoras à medida que a estrutura de Força Armada (cito principalmente o caso do Exército, não sei as outras) baseada no Exército Francês, que delimita bem as diferenças sociais, culturais e financeiras entre Oficiais (tidos como deuses) e Praças (tidos como servos dos deuses) vai dando espaço para uma mudança gradativa para nova estrutura de Força Armada, baseada no Exército Americano, onde os Sargentos e Praças em geral são valorizados e todos (Oficias, Sargentos, Cabos e Soldados) lutam para defender a Instituição, o País. Um modelo de Exército onde não há espaços para "briguinhas de classes"..... Sou sargento, cheguei a viver os tempos de Oficiais-deuses, e hoje vejo cada dia mais que as coisas estão mudando, aos poucos, mas dá para ver sim, que não é mais como era antes. Oficiais são gestores, diretores, planejadores diretos, fiscais de altos e médios escalões. Sargentos são coordenadores, auxiliares de planejamento, assessores diretos, executores e fiscais de médio e baixo escalão. As demais praças são cooperadores, colaboradores, auxiliares e executores diretos. É assim que as coisas funcionam, nada de preciosismo ou de inconformismo. Cada qual no seu quadrado, sem julgamentos, de rancores, sem injúrias. Vamos trabalhar em prol do nosso Exército que ganhamos mais. Cada qual, dentro de seu posto/graduação, individualmente, deve refletir para saber se está de fato realizando bem ou mal o seu papel, não cabe uns ficarem julgando e jogando pedra nos outros, isso causa indisciplina, e quebra a hierarquia, o que não é bom para a Força. Brasil Acima de Tudo!

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics