28 de janeiro de 2014

Planalto prepara Forças Armadas para garantir segurança durante a Copa do Mundo

Desde 2004, as Forças Armadas, especialmente o Exército, vem desenvolvendo e aperfeiçoando a doutrina que prevê o emprego da tropa terrestre em ações tipicamente de polícia
Tania Rego/ABr
Simulação de contenção de multidão (Tania Rego/ABr)
Luiz Carlos Azedo -
Brasília – A presidente Dilma Rousseff convocou uma reunião de emergência, com a participação dos ministros da Justiça, José Eduardo Cardozo; da Defesa, Celso Amorim; e dos Esportes, Aldo Rebelo, para discutir a segurança da Copa do Mundo, que já preocupa tanto quanto os atrasos nas obras de construção dos estádios e de mobilidade urbana. O encontro será realizado tão logo ela volte da viagem a Cuba e à Venezuela. Ouvirá do ministro Celso Amorim que as Forças Armadas estão preparadas para garantir a segurança da competição e do acesso dos torcedores aos estádios. Os protestos de sábado contra a Copa, com pessoas feridas, depredações e ondas de vandalismo, ligaram o alarme no Palácio do Planalto.
Nessa segunda-feira, o Ministério da Defesa anunciou que criou um grupo de trabalho para fazer “ajustes pontuais” no regulamento lançado em dezembro, que disciplina a atuação das Forças Armadas em ações de segurança pública. Publicado em 20 de dezembro, o manual de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) atribui poder de polícia ao Exército, à Marinha e à Aeronáutica. Essas operações se darão mediante ordem da presidente da República, em locais e por tempo previamente delimitados. O documento traduz a nova doutrina de “operações de amplo espectro” do Exército, que prevê a utilização de blindados em ações para garantir a ordem pública. Uma legislação antiterrorista também foi aprovada pelo Congresso Nacional para dar suporte legal à segurança da Copa. Recentemente, o Exército e a Marinha atuaram para garantir a realização do leilão de Libra, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.
Desde 2004, as Forças Armadas, especialmente o Exército, vem desenvolvendo e aperfeiçoando a doutrina que prevê o emprego da tropa terrestre em ações tipicamente de polícia, utilizando-se da expressão “garantia da lei e da ordem” ou, simplesmente, GLO. Esse tipo de operação é regulamentada pela Lei Complementar 97/99 , com base no artigo 142 da Constituição Federal. A Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah, na sigla em inglês) vem servindo para os militares aperfeiçoarem a doutrina. O Haiti, em estado de beligerância, tinha elevados índices de violência e de criminalidade. Além de ações de patrulha periféricas e esporádicas, o Exército instalou-se dentro das zonas conflagradas para garantir e manter um estado de segurança permanente para a população. A experiência, depois, foi aplicada na ocupação dos complexos do Alemão e da Penha, obtendo bons resultados.
O general de brigada Valério Stumpf Trindade, que, até recentemente, comandava a Brigada de Cavalaria Mecanizada do 3º Exército, publicou artigo na última edição da revista Doutrina Militar Terrestre no qual defende a adaptação dos regimentos de cavalaria blindada como núcleos das operações de amplo espectro para garantia da lei e da ordem. Para ele, a Cavalaria Mecanizada, para cumprir suas missões clássicas, “necessita das capacidades decorrentes da combinação de meios sobre lagartas (esteiras) e sobre rodas. O mesmo pode-se dizer em relação às operações urbanas, bastante prováveis em cenário de amplo espectro, como bem se observou em operações no Complexo do Alemão, no Haiti e na Faixa de Gaza. No Haiti, a abertura de fossos impediu o deslocamento de viaturas sobre rodas; no Complexo do Alemão, foram obstáculos de concreto.
ESTADO DE MINAS/montedo.com

4 comentários:

Anônimo disse...

Quando querem e precisam as coisas funcionam, pobre Exército, eu tenho pena é do inimigo ...

Anônimo disse...

E o salario do militar ohhhhhhhhh!!!!!

Anônimo disse...

Agora era hora de negociar..."O aumento de verdade"

Anônimo disse...

Previsão do Tempo para o período em questão:

- Torcedores das Seleções dos diversos países(com ingresso para Estádio);
- Turistas dos diversos países(sem ingresso para Estádio);
- Torcedores da Seleção Brasileira (com ingresso para Estádio);
- Turistas Brasileiros(sem ingresso para Estádio);
- Grupos Anárquicos de manifestantes (inclídos os "Black Blocs");
- Lideranças Penitenciárias (PCC, PGC, etc);
- Policiais e Bombeiros dos mais variados matizes, em greve ou Operação Padrão;
- Controladores de voo em greve ou manifestação;
- Funcionários dos hotéis em greve;
- Funcionários da Aduana e Receita Federal em Operação Padrão;
- Taxistas em greve;
- O pessoal das "comunidade" descendo para pista para fazer arrastoões; e
- Grupos de estudantes, dispensados por não haver aula;
- Trânsito caótico (as obras de mobilidade não ficarão prontas a tempo)

E o Exército dos Severinos, a Marinha e FAB, com seus meios de GUERRA (FAL, Bateria Antiaérea, M113, etc) e ADESTRAMENTO, bastante específico, para (sob comando supremo do MINISTRO DA JUSTIça e dos olhares do mundo), salvar a pátria.

Obs: 1. o povo, ordeiro, não se fará presente, acompanhará tudo de casa. Por falta de dinheiro não poderá comprar ingressos.
A menos que o comite organizador da FIFA, por WO das torcidas extrangeiras, realoque os ingressos a preços acessíveis, aos torcedores brasileiros.
2. Os militantes dos partidos políticos também não se farão presentes, estão sendo comprados desde já pelo Governo de plantão.
3. Se tudo correr bem, será a prova máxima que Deus é brasileiro.

Quem viver verá.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics