31 de julho de 2013

Na chincha: 'novas tratativas' com a Defesa fazem Marinha cancelar folga nas sextas-feiras

Defesa enquadra Marinha, que desiste da ideia de reduzir jornada de trabalho
Comunicado distribuído aos militares definia que eles não trabalhariam às sextas-feiras para cortar gastos

VINÍCIUS SASSINE
Militares da Marinha não trabalham mais às sextas-feiras
Divulgação
BRASÍLIA — A Marinha do Brasil recuou da polêmica decisão de reduzir a jornada de trabalho em um dia da semana, como chegou a ser divulgado em comunicado interno para os militares. Em resposta aos cortes de orçamento que atingem o Ministério da Defesa, a Marinha chegou a decidir pela redução da jornada. A medida durou menos de 24 horas, por decisão do Ministério da Defesa. No Exército e na Aeronáutica, a redução da jornada está em estudo como forma de reduzir gastos.
“A Marinha esclarece que, em virtude das restrições orçamentárias em curso, considerou, como uma das medidas de economia a ser adotada, a redução da jornada de trabalho. Após análise e consonante com as novas tratativas com o Ministério da Defesa, tal medida não será adotada”, diz nota do Centro de Comunicação Social da Marinha divulgada no início da noite desta terça-feira, 30.
O dia de folga seria a sexta-feira e a medida já começaria a valer nesta semana, a partir do dia 2. As exceções apontadas no comunicado seriam os servidores das organizações militares das áreas de saúde, ensino, Programa do Submarino Nuclear e Programa Nuclear da Marinha. O comunicado interno que chegou a ser divulgado ainda ressalta que órgãos de direção devem adotar medidas de economia e cumprir as metas estabelecidas diante dos cortes orçamentários. A reação negativa da medida no Ministério da Defesa levou o comando da Marinha a recuar da decisão.
Leia também:
Economia: Marinha suspende expediente às sextas-feiras
A Defesa foi a segunda pasta mais afetada nos dois cortes no Orçamento da União de 2013 anunciados pelo governo federal. No anúncio de maio, dos R$ 28 bilhões a serem cortados, R$ 3,67 bilhões se referem à Defesa, valor de corte inferior apenas da previsão de redução de gastos do Ministério das Cidades. Na semana passada, o governo anunciou uma nova redução no Orçamento, no valor de R$ 10 bilhões. O Ministério da Defesa terá menos R$ 919 milhões para seus gastos. Ao todo, a pasta terá R$ 4,58 bilhões a menos.
A redução das jornadas de trabalho está em análise nas outras duas Forças Armadas. O Exército estuda o impacto dos cortes no Orçamento do Ministério da Defesa e pode adotar “medidas adicionais”, segundo o Centro de Comunicação Social do Exército. O centro não nega que a redução da jornada é uma das medidas estudadas, mas também não dá detalhes sobre o que poderá ocorrer. Uma definição está prevista para a próxima semana.
A Aeronáutica também avalia a possibilidade de redução da jornada de trabalho dos militares. “A Força Aérea está estudando as medidas que se fizerem necessárias e divulgará oportunamente”, diz o Centro de Comunicação Social da Aeronáutica, que não detalha quais são as medidas nem descarta a hipótese de uma jornada de trabalho menor na Força Aérea
O Globo/montedo.com

13 comentários:

Anônimo disse...

Durante o intervalo para o almoço, o pessoal pode ir em casa ou qualquer restaurante almoçar e voltar para o trabalho. Vamos difundir essa ideia...

Anônimo disse...

Com a comida servida no padrãozinho atual, tem expediente o ano todo.

Outra coisa: como se explicar as etapas serem diferentes? Estômago tem posto/graduação? É ridículo, parece que estamos na idade média...

Anônimo disse...

Outro dia em uma OM do CMS o comandante encheu a boca pra dizer que a partir de setembro as sextas seriam com expediente integral..... ai ai como viajam na maionese esse pessoal rsrsrs

Anônimo disse...

No CMNE, agosto em diante terá expediente integral. A alimentação será pão com epa e risoto de arroz misturado com arroz e água em temperatura ambiente, para não gastar energia. Mas, teremos expediente. Afinal, o que importa é o material e não o pessoal.

Anônimo disse...

a tendencia é piorar!

Anônimo disse...

Assim como a etapa, o parto do filho do praça é diferente, a farda que usamos é diferente, ridículo, estes valores diferentes por postos e graduações?

Anônimo disse...

Bem pessoal aqui na minha OM (na Fronteira - CMS - RS) já foi publicado em BI que haverá 2 meios na sexta somente em agosto e a partir de setembro voltamos aos velhos tempos - meio só do pagamento. Será que vai mudar??????

Anônimo disse...

A solução é simples: folga na Marinha e Aeromãe pro EB seguir FIRME na missão, comendo boi ralado todo dia hahaha. O integral sexta já caiu pela manobra, agora só falta começar os meios nas segundas de manhã...

Anônimo disse...

Engraçado: um tenente sem dependentes paga o dobro de plano de saúde que um sargento com 50 filhos. Engraçado: um tenente paga o dobro de PNR que um sargento. Vai na imobiliária e fala que é sargento pra ver se diminuem seu aluguel... Vai na unimed e fala que é sargento que te dão desconto na mensalidade

Anônimo disse...

Pessoal, nós mesmo nos ferramos: basta ver que acabaram de criar mais um comando de área no EB só para darem mais vagas para Generais (pq não vai servir p/ mais nada mesmo), e ainda querem mais três Brigadas até 2030. Tem é de extinguir essa pancada de quartel inútil que temos por aí e REDUZIR efetivos. Manter uma estrutura inchada, com gente sobrando, que só faz faxina e fica na cantina o dia inteiro no quartel, sem munição, com armamento de museu, sem combustível, mal treinado, mal alimentado, mal pago...muito melhor uma tropa enxuta, altamente letal e mobilizável, além de bem paga e preparada, tal qual o Exército Inglês da atualidade.

Moacir disse...

Trabalhar todos os dias da semana, oito horas por dia, é o mínimo que os integrantes das Forças Armadas deveriam cumprir, não está satisfeito ? Pede pra sair!

SUB VÉIO disse...

MINHA GENTE SE FOR PRA FALAR SÉRIO ALGUMAS MEDIDAS PODERIAM SER IMPLEMENTADAS QUE AJUDARIAM BASTANTE NA ECONOMIA:
1. VALE REFEIÇÃO, POR EXEMPLO NO BANCO DO BRASIL É DE R$800,00 MENSAIS, SÓ COM ESTÁ MEDIDA MILITARES QUE TRABALHAM EM RANCHO IRIAM PARA OUTRAS FUNÇÕES, O ESPAÇO DO CASSINO/RANCHO SERIA ALUGADO PARA ALGUM RESTAURANTE OFERECER A COMIDA, É CLARO QUE SE A COMIDA NÃO ESTIVER BOA PROCURAMOS OUTRO LOCAL, SEM FALAR EM OUTROS GANHOS A COMIDA SERIA DA MESMA QUALIDADE SEM DISCRIMINAÇÕES! IMAGINEM O EFETIVO DO RANCHO EM OUTRO LOCAL FORA OS PROCESSOS DEMORADOS DE LICITAÇÕES( SEMPRE SOB SUSPEITA DOS FOFOQUEIROS DE PLANTÃO DA CASERNA) QUE SERIAM SUPRIMIDOS! FORA OUTRA MEDIDAS QUE SE FOSSEM IMPLEMENTADAS AJUDARIAM BASTANTE.



Anônimo disse...

Sub Véio

Os ranchos de unidades operacionais têm a sua função logística no combate (afinal dificilmente vc poderá pedir uma pizza delivery na zona de combate), mas para QG e outros quartéis administrativos a sua idéia é válida, sim.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics