27 de abril de 2013

Sinalização náutica: praças da Marinha tentam regularização através da MP dos Portos

Força Militar: Caso pode entrar na MP dos Portos

Com a demora do Ministério da Educação (MEC) para responder aos questionamentos de sargentos e suboficiais que travam batalha para serem reconhecidos como sinalizadores náuticos, a categoria tem se movimentado na tentativa de incluir na legislação do setor itens que permitam a prática da função apenas pelos técnicos. A mudança vai de encontro à decisão da Marinha de delegar o serviço apenas a oficiais e pessoal de Nível Superior.
A demora para resposta do MEC, informam fontes da coluna, evidencia o tamanho do impasse entre o ministério e a Marinha sobre a Norma da Autoridade Marítima (Normam-17) — que regulamenta a atividade de sinalização nos portos brasileiros.
Como havia sido publicado pela coluna na primeira semana de fevereiro, a Marinha não tem a intenção de mudar a Normam-17 e é categórica ao afirmar que apenas ela tem autoridade para alterar a regulação da sinalização náutica — posicionamento obtido através de nota.
Na esperança de conseguir prestar os serviços de sinalização nos portos privados após chegar à reserva, uma fonte da coluna enviou ofício ao deputado Eduardo Braga (PMDB-AM), da Medida Provisória 595/12, a chamada MP dos Portos, solicitando a anulação dos Artigos 0410 e 0411 da Normam-17, que dá o direito à sinalização apenas aos oficiais e engenheiros.

Leia também:
Norma da Marinha restringe trabalho de praças na sinalização náutica
Ainda sobre os faroleiros da Marinha
Apesar de portaria do MEC, Marinha não muda regras e mantém restrições para praças praticarem sinalização náutica no meio civil
FALSIDADE IDEOLÓGICA
Preocupado com a situação dos praças que podem perder o direito de atuar na sinalização náutica, fonte alega que a Marinha tem “defendido o exercício ilegal da profissão, o que caracterizaria falsidade ideológica por parte dos oficiais que trabalham na área”.

POLÊMICA
Praças que tem travado batalha para ter o direito ao trabalho reforçam que a Marinha, ao criar a Normam-17, passa por cima do parecer jurídico interno da instituição, que não aprova artigos que dão apenas a oficiais o direito de exercício da função.
O Dia Online/montedo

Um comentário:

Anônimo disse...

Onde se diz "Marinha do Brasil" pode se ler, interesses de uma oficialidade corporativista,onde, as benefes de qualquer coisa que ocorra ou venha a trazer o meio naval militar deva recair nos "Lordes caídos". Resumindo, dinheiro pouco o oficial primeiro e único . Os Praças da Marinha para alguns oficiais ainda deviam levar surras como ocorria antes do Almirante Negro com sua revolta da chibata.
Não generalizo a situação para todos os oficiais pois existem homens compromissados e com visão moderna em relação ao meio naval.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics