30 de março de 2013

FX-2: Suecos fazem ofensiva pelo Gripen

Saab inicia nova ofensiva para oferecer o caça Gripen
A francesa Dassault Aviation também deve visitar o Brasil para promover o modelo Rafale
Um caça russo Mig-29 em performance num show aéreo em Moscou, 14 de agosto, 2011
O governo do Brasil abriu uma concorrência internacional em 2009 para comprar 36 caças/Dmitry Kostyukov/AFP
Vannildo Mendes
Brasília - Dois meses depois de a indústria americana de aviação Boeing lançar nova ofensiva para fechar a venda de caças à Força Aérea Brasileira (FAB), em um negócio de mais de US$ 4 bilhões, a cúpula da sueca Saab desembarcou no Brasil esta semana para uma série de contatos com autoridades, com o objetivo de mostrar as vantagens comparativas do seu modelo Gripen. Está também no páreo a francesa Dassault Aviation, fabricante do modelo Rafale, que deve agendar uma visita ao País nas próximas semanas.
Diretor-geral das campanhas Gripen, o executivo Eddy de La Motte disse que veio informar às autoridades o novo cenário criado com as megacompras fechadas em fevereiro pelos governos da Suécia e da Suíça, no montante de US$ 7,5 bilhões, para fornecimento do mesmo modelo que está sendo negociado com o Brasil.
Para ele, o perfil técnico da presidente Dilma Rousseff e as vantagens comparativas da Saab melhoraram as chances do Gripen, mas o futuro é uma incógnita. "Sabemos que o processo é longo e complexo, mas estamos pontos para a maratona", observou.
Ele disse não ter certeza de como a presidente Dilma vai decidir, mas alegou ter os argumentos muito fortes. "A relação preço do produto, custo operacional e cooperação para uma parceria duradoura e vantajosa para os dois lados tornam nossa proposta muito competitiva", observou. "O que estamos propondo é o menor custo de aquisição,o menor custo de operação e a melhor cooperação industrial, ou seja, uma parceria perfeita neste momento", enfatizou.

Concorrência
O governo brasileiro abriu em 2009 concorrência internacional para compra de 36 caças, com o objetivo de modernizar a obsoleta Força Aérea Nacional. O País praticamente fechou negócio naquele ano, quando o presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou a anunciar a opção pelo Rafale, após ter se encontrado com o então presidente Nicolas Sarkozy. Mas um relatório do comando da Aeronáutica pôs o negócio por terra ao atestar que os modelo Gripen e Boeing, nessa ordem, tinham melhores vantagens comparativas.
A crise mundial e a chegada de Dilma ao governo em 2011 embolaram de vez a escolha e os três concorrentes passaram a disputar o negócio a ferro e fogo. Lanterna na disputa, a Saab viu suas chances melhorarem desde então. O Gripen é disparado o modelo mais barato - estimadamente metade do preço cobrado pelo Rafale francês, o mais caro dos três. Tem também o custo de manutenção e de operação mais baixo - US$ 4,7 mil a hora de voo, contra US$ 16 mil do Rafale e US$ 11 mil da Boeing. Mas carrega a desvantagem de ter apenas um motor e pouco tempo de teste efetivo no mercado aeroespacial militar em comparação com as concorrentes.
Exame/montedo.com

Um comentário:

Anônimo disse...

UM SÓ MOTOR A PERDA SERÁ GRANDE EM CASO DE PANE, SEUS TRIPULANTES TERIAM QUE SAIR FORA EIS Q QUESTÃO A BOEING ESTÁ NO BRASIL A MAIS DE 50 ANOS, ACABA DE COLOCAR NOVA FILIAR EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP, UM GRANDE CENTRO NA CIDADE UNIVERSITÁRIA DO RJ, ALÉM DE COMPRAR SUPER TUCANOS A-29, PODERÁ AUMENTAR AS VENDAS DOS CARGUEIROS MILITARES KC 390, ALÉM DISSO O JATO DOS USA TEM MUITO MAIS HORAS, TESTADO EM COMBATE QUE OS DOIS CONCORRENTES...POR ANALOGIA SÃO OS P-47 DO PASSADO, OS JATOS DE HOJE... RAFAELE SERIA IDEAL PARA SUPRIMENTO DA MARINHA, PARA SEU PORTA AVIÕES SÃO PAULO, HOJE MUITA MAIS ENGAJADO NA MARINHA DO QUE NA AERONÁUTICA...PENSAR PROFESSORES(AS)

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics