21 de março de 2013

Forças Armadas terão mais de 500 bolsas de estudo do Programa Ciência sem Fronteiras

Militares e servidores civis da Marinha, do Exército e da Força Aérea já podem contar com importante incentivo de estudo: 517 bolsas de intercâmbio no exterior pelo Programa Ciência sem Fronteiras. Uma cerimônia realizada nesta terça-feira, no Ministério da Defesa (MD), marcou o início da parceria entre a pasta e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). A iniciativa foi celebrada pelo secretário de Pessoal, Ensino, Saúde e Desporto do MD, Julio Saboya de Araujo Jorge. De acordo com Saboya, a parceria celebrada hoje é uma solução bem-vinda que trará proveito não só às Forças Armadas, mas ao Brasil. “Quando investimos em educação, estamos preparando o país para o futuro”, sentenciou.
O presidente do CNPq, Glaucius Oliva, endossou as palavras do secretário do MD e enfatizou “a missão fantástica” que as Forças Armadas desempenham na área de educação. Segundo ele, o objetivo do programa é utilizar a ciência e a tecnologia para o bem da sociedade.
Glaucius Oliva agradeceu, também, o “engajamento” da Defesa no processo de desenvolvimento da proposta de participação das Forças no “Ciência sem Fronteiras” e explicou a diferença entre os bolsistas militares e os demais. De acordo com o presidente, como já há todo um trâmite legal para manutenção de oficiais e praças no exterior, a bolsa do CNPq, para eles, não prevê o pagamento de mensalidade.
“Temos uma dívida histórica com as Forças Armadas, principalmente com a Marinha, uma vez que o idealizador do Conselho foi o almirante Álvaro Alberto”, afirmou Oliva. O CNPq, órgão vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, foi criado pela lei nº 1310, de janeiro de 1951.

Programa
Instituído no final de 2011, o Programa Ciência sem Fronteiras é fruto da cooperação entre os Ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e do Ministério da Educação (MEC), por meio de suas respectivas instituições de fomento, o CNPq e a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).
A ação tem por objetivo promover a consolidação, expansão e internacionalização da ciência e tecnologia, da inovação e da competitividade brasileira por meio do intercâmbio e da mobilidade internacional.
Ele prevê a utilização de até 101 mil bolsas em quatro anos para promover intercâmbio, de forma que alunos de graduação e pós-graduação façam estágio no exterior. Já foram concedidas cerca de 20 mil bolsas.
O “Ciência sem Fronteiras” busca, ainda, atrair pesquisadores estrangeiros que queiram fixar-se no Brasil ou estabelecer parcerias com estudiosos brasileiros nas áreas prioritárias definidas no programa, como engenharias, ciências exatas, nano e biotecnologia, petróleo e gás, entre outras.
No caso das bolsas para os militares e servidores civis das Forças Armadas, haverá possibilidade de participação nas seguintes modalidades do programa: graduação e doutorado sanduíche, doutorado pleno, pós-doutorado e desenvolvimento tecnológico e inovação.
FONTE: Ministério da Defesa
FORÇAS TERRESTRES/montedo.com

7 comentários:

Anônimo disse...

Adivinhem quem vai estudar no Exterior com essas bolsas!!!!

Anônimo disse...

Vai dar briga. Para ir a Alemanha, uma meia dúzia de militares já se esbofeteou numa OM do RS. Quero ver quem vai levar esta "bolsa-peixaria"!

Anônimo disse...

Para ir tem que ter mestrado e credenciamento em inglês. Com certeza não irão aqueles que passam o dia cuspindo no prato em que comem...
Façam um favor ao EB, estudem e sumam!

Anônimo disse...

kkkkkkkk Mestrado? Qual? Aqueles que vcs oficiais fazem as custas do povo na ECEME? Hoje temos MUITOS praças pós-graduados e com mestrado e poucos com Doutorado, com os cursos pagos com o suor do próprio trabalho e sacrificio da família, seja ele financeiro ou social.
Se você chama cuspir no prato que comeu, tentar obter uma justiça igualitária, então estou cuspindo!!!

Anônimo disse...

E quem falou que é o mestrado da EsAO ou o Doutorado da ECEME?
Deixa de ser recalcado e amplie seus horizontes.
Para o desinformado acima, me referi aos Cursos de Pós-graduação "stricto-sensu" civis que oficiais ou praças podem realizar.
Faça um favor ao EB e à si mesmo.
Estude e suma.
Recalcado com a profissão que escolheu.
Ou queria entrar pra ser gerente e pensou que iria virar supervisor ou presidente?
Fala sério, vá para a iniciativa privada e conheça mais o mundo e pare de falar besteiras desagregadoras tipo "temos muitos praças que fazem cursos tal, tal e tal"

Anônimo disse...

Ao anônimo 21 de março de 2013 22:29; Prefirimos fazer um favor ao Brasil e mudar o Exército "brasileiro", como cidadãos plenos, concientes de seu papel na sociedade. As FA pertencem ao povo, e a ELE deve satisfação como qualquer instituição pública.

SGT Major

Anônimo disse...

Prefirimos? Você quis dizer preferimos?
Fale por você, ou você representa alguma instituição? Ou associação?
É militar? Avise.
E seu comentário não tem nada a ver sobre o que repliquei em relação ao recalcado e infeliz oficial ou praça das 11:30.
Leia e interprete antes de escrever besteiras.
Ou melhor, estude e suma do EB. Eu agradeço.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics