3 de fevereiro de 2013

Tragédia em Santa Maria: a exemplar atuação das Forças Armadas. Ou: Ministro da Defesa para quê?

Ação militar, como se houvesse um grande atentado

Roberto Godoy
Houve um atentado em Santa Maria e a reação da Defesa foi rápida, ampla e voltada para o socorro às vítimas. Helicópteros preparados para o transporte de feridos, times especializados e veículos rápidos estavam prontos para a ação bem depressa, já na madrugada de domingo.
Os primeiros grupos de soldados da 3.ª Divisão de Exército chegaram à boate Kiss quando o prédio ainda estava fumegante. Poderia ter sido também um cenário de batalha em área urbana.
O resgate, o atendimento e a remoção dos feridos estão seguindo procedimentos militares, próprios de crises. Os resultados foram bons. A intervenção dos médicos - 64 deles só da Aeronáutica - especialistas no atendimento a queimados, traumatologistas e intensivistas, com suporte de seus times de enfermagem, fez a diferença entre a possibilidade de vida e a morte imediata para os 75 sobreviventes que ontem ainda corriam sério risco, internados em UTIs. A ponte aérea entre Santa Maria e Porto Alegre - os Blackhawks desciam no Parque Farroupilha, ao lado de dois grandes hospitais da capital - foi combinada com voos mais longos, porém imediatos.
Uma frota de aviões, cujas tripulações, na primeira fase da crise, foram mantidas em regime de alerta, permaneceu pronta para decolar a qualquer momento. O esquema acionou recursos médicos na retaguarda, e integrou equipes dos Ministérios da Saúde e Integração Social. Uma espécie de centro C3 (Comando, Controle, Comunicações) coordena a operação com 1.300 militares.
O coronel aviador Jefson Borges, coordenador das operações aéreas em Santa Maria (RS), em entrevista à Força Aérea FM, afirmou nesta terça-feira (29) que a aeronave Amazonas 65, transformada em UTI para atendimento das vítimas do incêndio que matou 231 pessoas no último dia 27, é a maior UTI aérea já montada no Brasil. Segundo Borges, a aeronave possui sete leitos e que para cada um dos pacientes foi mobilizado um médico e dois enfermeiros. “Ao todo temos 21 profissionais de saúde trabalhando simultaneamente na recuperação dos feridos
A Força Aérea Brasileira divulgou mais ações de auxílio às vítimas do incêndio ocorrido em Santa Maria (RS). Ontem (28) um avião C-130 Hércules da Força Aérea Brasileira decolou da Base Aérea do Galeão, no Rio de Janeiro (RJ), com equipamentos necessários para aumentar o número de leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Hospital Conceição, em Porto Alegre (RS).
A carga é de 15 monitores de sinais vitais, 10 respiradores e 10 sistemas duplos com monitor e respirador. Estes equipamentos foram emprestados pela rede pública municipal e estadual do Rio de Janeiro após coordenação do Ministério da Saúde .
No final da tarde desta segunda-feira (28) o Exército Brasileiro informou ter mobilizado 377 militares para a cidade de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, local do incêndio que vitimou 231 pessoas na madrugada de domingo (27). Mais cedo, o Comando da Aeronáutica informou por meio de nota que cerca de mil militares da Força Aérea Brasileira (FAB) participam da missão, sendo 64 médicos e enfermeiros, além de 4 psicólogos.
Estadão (Cenário)/montedo.com

Comento:
Recordam que Celso Amorim divulgou nota na segunda-feira (28), mais de 30 horas depois da tragédia, 'colocando as Forças Armadas à disposição'? Na ocasião, comentei aqui: 
As Forças Armadas - as notícias postadas no blog atestam - estão atuando desde o primeiro momento para amenizar a dor e o sofrimento das vítimas e familiares em Santa Maria, dentro daquilo que está ao seu alcance. Essa manifestação de Amorim é extemporânea e desnecessária.
Aliás, convém lembrar que, enquanto o primeiro escalão do governo, Dilma à frente, se fez presente no local da tragédia - atitude totalmente correta e elogiável - Amorim imitou Lula e permaneceu à distância, enquanto seus comandados davam um show de profissionalismo.
Pensando bem, Ministro da Defesa para quê?

4 comentários:

fusch disse...

Fiquei orgulhoso de ver o nosso profissionalismo...É isso que se espera das Forças Armadas.

Paralelo a isso, queria explicar a alguns companheiros inexperientes que os caminhões refrigerados do DSup não são apenas para o transporte de gêneros ou alimentação... (isso é feito em tempo de paz)

Em caso de guerra eles são utilizados sim, para o transporte de mortos e feridos, ou qualquer outra finalidade que sejam úteis.

Gde abraço a todos e que nossos jovens de Sta Maria nunca sejam esquecidos.

Anônimo disse...

Sobre esse Celso Amorim, não vou comentar nada, pois caso escrevesse nesse espaço o que penso desse sujeito, por dever de ofício do administrador desse blog e por razões óbvias, teria que ser deletado, já que a ideia de livre pensamento e expressão nesse saqueado país é mera retórica.

Anônimo disse...

Esse governo é de uma eficiência incrível! Sobre esse ministro, digamos... da defesa, nem cabe comentar, porque seria ridículo, mas, sobre o ministro da saúde, vou comentar o que ele próprio declarou em rede nacional,quando disse que só tomou conhecimento da tragédia, às 08:00hs da manhã de domingo, quando entrou na internet para inteirar-se das notícias do dia. Quer dizer, passaram-se seis horas,pilhas de mortos já tinham sido transportados em caminhões, o Brasil inteiro chorava, o resto do mundo já sabia desde cedo do holocausto, mas o ministro da saúde do país onde ocorria a tragédia, não sabia de nada! Esse é o fiel retrato desse governo de total incompetência e descaso.

Anônimo disse...

Esse é apenas um dos motivos que me fazem sentir imenso orgulho em pertencer às FFAA. Não dependemos de políticos, ministros ou mesmo Cmt. Somos uma organização que se movimenta sozinha, quando necessário. Pudemos ver, nessa terrível trajédia, assim como em outras anteriores, oficiais, graduados e soldados, atuando juntos, trabalhando unidos para salvar vidas, vidas brasileiras. Isso me faz vibrar de orgulho e emoção e amar,acima de tudo, a profissão que abracei.
1º Sgt Inf

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics