25 de janeiro de 2013

Soldado do Exército morto em treinamento é sepultado em Goiânia

‘O sonho dele era seguir carreira no Exército’, lamenta amiga de militar
Soldado de 20 anos morreu após se afogar em treinamento, em Goiânia.
Exército instaurou inquérito para investigar as causas da morte do militar.

A família do militar Kevin Alexandre Vaz dos Santos, de 20 anos, acredita que a morte dele foi uma fatalidade. Ele morreu na noite de quarta-feira (23), após se afogar enquanto fazia um exercício na piscina da Brigada de Operações Especiais do Exército, no Jardim Guanabara, em Goiânia. Amiga da vítima, Vanderli Viana afirma que ele era saudável e sabia nadar. “O sonho dele era seguir carreira no Exército”, lamenta.
Familiares, amigos e colegas de farda acompanharam o velório de Kevin Alexandre. Ele foi sepultado na quinta-feira (24), no Cemitério Vale da Paz, em Goiânia. A assessoria de imprensa do Exército afirmou que uma equipe está apoiando a família do jovem.
Leia mais:
Militar do Exército morre afogado em treinamento da Brigada de Operações Especiais
Investigação
O Exército instaurou um inquérito para apurar a causa da morte do militar. Segundo o assessor de imprensa da Brigada de Operações Especiais do Exército, Major Luis Gustavo Stumpf, o laudo deve ser divulgado em um mês.
O departamento informou que a instrução de natação é uma atividade prevista no programa de treinamento dos militares. Além disso, uma equipe médica acompanhava a execução do exercício, ressaltou o major.
“Sempre temos uma equipe médica, com ambulância, em qualquer atividade de risco nossa. Tentaram fazer a reanimação, como não conseguiram, ele foi encaminhado imediatamente ao Hospital Santa Genoveva. O militar chegou com vida à unidade de saúde, mas não resistiu”, afirmou Luis Gustavo Stumpf.
Kevin Alexandre estava lotado na Brigada de Operacões Especiais havia dois anos. Conforme a assessoria de imprensa da unidade, o militar havia passado por exames anuais de rotina.


6 comentários:

Anônimo disse...

Poxa, se tinha equipe médica... tinha segurança... existiam militares profissionais como monitores... tudo estava na mais perfeita normalidade... e o cara se afogou numa piscina!!!!!! Fala sério, como pode? Num rio com correnteza até pode fugir ao controle da equipe de segurança, mas numa piscina com água parada? Ninguém viu quando o militar apresentou os primeiros sinais de dificuldade? Por acaso a piscina que usam lá possui água de de cor negra que impossibilita que as pessoas vejam quem está afundando ou que permanece muito tempo submersa? Na boa... não tem explicação, a não ser que ele tenha tido uma morte súbita na piscina durante o treinamento, aí sim não teria como se evitar. Mas afogar-se durante exercício de natação que está sendo executado "conforme o QTS" e com uma equipe médica por perto e outros militares monitorando é subestimar demais a inteligência de um homem mediano. Na certa alguém fez o que não devia ou deixou de fazer o que devia e agora o "BRAÇO FORTE, MÃO AMIGA" fará de tudo para encobrir, mentir e/ou omitir a verdade, caso ela seja prejudicial à "IMAGEM DA FORÇA TERRESTRE", né CCOMSEX ?

Anônimo disse...

Comentário ridículo e desnecessário... típico de um militar frustrado com a instituição. Instituição essa que coloca a comida no prato da sua família. Tem que se revoltar contra esse governo revanchista que deseja sucatear as nossas Forças Armadas. Se está revoltado com a Instituição, estude e vá embora...

Anônimo disse...

Ao cidadão de baixa auto estima que fez o segundo comentário: militar nenhum ou servidor civil ou empregado público tem que prestar honrarias a sua instituições quando ela age errado!
E tem mais, a comida posta na mesa do militar tem um custo, o militar não vai ao DSUP apanhar comida ou recebe cesta básica do Exército. A comida é adquirida no comércio com o dinheiro fruto do TRABALHO que cada um de nós executa no seu respectivo quartel. O Exército, quero dizer, a União, não paga salário sem a contraprestação do servidor, logo, a comida comprada e posta na mesa do militar não é DOAÇÃO, não é de GRAÇA, é fruto do trabalho. Não há o que se agradecer, pois ninguém está fazendo favor a ninguém, o salário é consequência do cumprimento das obrigações, não é consequência da gratidão, solidariedade ou comiseração da União. Tenha mais dignidade, não se diminua tanto ao achar que o "Exército põe a comida na sua mesa", confie mais em vc e pare com esse pensamento do cidadão que recebe Bolsa Família.

Anônimo disse...

- dexa ele falar puxando pro lado do EB, MAS QUANDO ACONTECER COM UM IRMÃO, AMIGO, PAI DELE SÓ ASSIM O COMENTARISTA 26 de janeiro de 2013 16:09 VAI SENTIR

Anônimo disse...

Tem uma familia chorando a morte de um garoto de 20 anos por causa da pura incompetencia daqueles que se julgam os maiorais e vem o babão aqui postar essa babaquice de que o EB põe comida no prato. Quem põe a comida no prato é o militar que rala pra satisfazer o ego de uma instituição em que cada quartel tem alguns intocáveis, onde tudo o que dizem é lei, que praticam injustiças e ainda permitem que uma mãe tenha que chorar a morte do filho. Todo mundo tem o direito de estar insatisfeito, estar insatisfeito é querer um futuro melhor para nós dentro da força e não necessariamente ter que estudar pra sair...

Anônimo disse...

Quem põe a comida no prato do soldado não é a instituição, e sim o povo brasileiro que paga os impostos para manter a instituição. Não é da vontade dos cidadões brasileiros, que pagam impostos, verem seus filhos morrerem numa piscina de treinamento.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics