16 de janeiro de 2013

Deputados defendem mais recursos para as Forças Armadas

Perpétua quer mais recursos para as Forças Armadas

Deputados apontam falhas no Plano Estratégico de Fronteiras, lançado há um ano e meio pela presidente Dilma Rousseff, e cobram uma atuação mais efetiva do governo para reduzir a entrada de armas ilegais e de drogas no País e conter a onda de violência nas cidades.
O balanço positivo divulgado em dezembro pelo governo sobre o aumento de prisões e apreensões de drogas, nas operações feitas no âmbito do Plano Estratégico de Fronteiras, não convenceu deputados cuja atuação está relacionada às fronteiras e à segurança pública.
O vice-presidente da Representação Brasileira no Parlamento do Mercosul, deputado Antonio Carlos Mendes Thame (PSDB-SP), acredita que o plano não resolveu a situação: “Praticamente nada foi feito. O Brasil tem quase 17 mil quilômetros de fronteiras, com dez países, três dos quais são os maiores produtores de cocaína de todo o planeta. E nós não vimos nenhum ato concreto para realmente proteger essas fronteiras, que estão absolutamente relegadas.”
Para Mendes Thame, o governo deveria, em primeiro lugar, qualificar as Forças Armadas. “Recentemente, o general Maynard Santa Rosa declarou que o Brasil tem munição para meia hora de combate, só isso, e que a maioria dos armamentos brasileiros foi adquirida há mais de 30 anos. Não dá para enfrentar um problema como o da segurança, das drogas, do crack, do óxi, apenas no discurso.”
O presidente da Comissão de Segurança Pública e de Combate ao Crime Organizado, deputado Efraim Filho (DEM-PB), diz que a situação das fronteiras se tornou crucial no combate à criminalidade no País, já o problema tem foco nas drogas e nas armas. “Tem que haver ações que vão desde a valorização do servidor da segurança pública ou da Receita que presta serviços nas fronteiras. Eles têm que ter uma gratificação a mais por estarem cumprindo esse papel”, aponta.
A Comissão de Trabalho já analisa um projeto, enviado à Câmara em agosto pela presidente Dilma Rousseff, que concede indenização de R$ 91 por dia de trabalho em delegacias e postos de fronteira (PL 4264/12). O projeto será analisado também pela Comissão de Constituição e Justiça, antes de ir para o Senado.
Efraim Filho acrescenta, porém, que o problema não está apenas no pessoal. “O Brasil possui quase 17 mil quilômetros de fronteira, e não temos quantidade de pessoal para tomar conta dela, por mais que sejam feitos inúmeros concursos. É preciso avançar no quesito da tecnologia.”

Planejamento
O deputado Fernando Francischini (PEN-PR), que já foi delegado da Polícia Federal, também critica a falta de servidores e de infraestrutura. “Não há fórmula mais direta do que aumento do efetivo e infraestrutura nas pontas, onde esse pessoal vai trabalhar. Então, o governo precisa fazer investimento financeiro, de criação de infraestrutura (prédios, viaturas, equipamentos) e, por outro lado, concursos públicos para as carreiras típicas de Estado que trabalham em fiscalização de fronteiras.”
Francischini aponta falta de planejamento e diz que uma prova disso foi a compra de veículos aéreos não tripulados de Israel para a Polícia Federal, os chamados Vants, que ficaram parados. “É um bom projeto, mas o governo precisava ter dado a infraestrutura necessária à Polícia Federal para que esse avião pudesse fazer o monitoramento das áreas, as fotografias aéreas, e tivesse uma equipe em solo para agir contra os contrabandistas de armas e de drogas.”
O deputado, que foi coordenador de Operações Especiais de Fronteiras da Polícia Federal no Sul do País, afirma que a fronteira está cheia “buracos” e cita sua região como exemplo: “No Paraná, temos o lago de Itaipu. São 175 quilômetros de leito navegável, separando o Brasil do Paraguai, entre a região de Foz do Iguaçu e Guaíra, e com a fiscalização quase zero. Nós temos uma base da Polícia Federal em Guaíra, pequena, mas o efetivo não chega nem perto do que é necessário em Foz do Iguaçu, e o lago é terra de ninguém.”

Moradores
A presidente da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional, deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC), trabalha para a inclusão de recursos para as Forças Armadas no Orçamento da União. Moradora de uma região de fronteira, ela promoveu seminários para a discussão não apenas dos problemas relacionados à segurança, mas dos direitos das pessoas que vivem nessas áreas.
“Temos pessoas que moram de um lado da fronteira e às vezes casam com pessoas de outro país, ou moram numa cidade e atravessam a fronteira para trabalhar ou para estudar. Além o debate sobre a proteção da fronteira, temos que nos preocupar também com a vida de quem está morando na região”, afirma a deputada.
Agência Câmara/montedo.com

8 comentários:

Anônimo disse...

A receitinha federal já ganha sua valorização ao apreender mercadorias de alto valor e armazená-las em locais próprios, se é que vocês me entendem...

Anônimo disse...

blá blá blá

E nada será feito, de novo.

Anônimo disse...

Estamos na 2a década do século XXI e só agora esses caras descobrem para que servem as Forças Armadas... Há pouquíssimo tempo atrás um ex-presidente declarou, no almoço de fim de ano com os oficiais generais, que "teve que virar Presidente para descobrir a importância dos militares"... Pois é, colocando gente desse naipe, na condução dos rumos do país, boa coisa não poderia dar... O poviléu tem o governo que merece...

Anônimo disse...

Fiquei impressionado com uma reportagem do Jornal Nacional dizendo que os funcionários do TRE ganahm hora extra para trabalharem fora do expediente próximo a eleições, no próprio local do serviço. E nós milicos que tb trabalhamos nas eleções? Recebemos alguma coisa a mais? Acho que fora da sede é paga gratificação de representação ou diária, mas quando trabalhamos na sede não ganhamos NADA!!! É o que eu digo: somos a classe mais mal paga do Serviço Público.

Anônimo disse...

Recursos... antes de mais nada, o que precisamos é da valorização do militares, em especial das Praças, de melhores salários, de moradia (Aux. Moradia), para que possamos novamente pensar em dedicação EXCLUSIVA, depois sim devem pensar em recursos... Nossos chefes tem que acordar !!!

Anônimo disse...

As FA estão falida tem um bando de militar contando os dias para ir embora , ninguem quer mais estar dentro dela ainda querem injetar dinheiro só para enriquecer oficial generais

Anônimo disse...

...MONTEDO, tem alguma notícias sobre o pessoal que cancelou ou não assinou a renovação do Seguro de Vida Poupex, mas o desconto ainda consta no pagamento de FEV 2013... Agradeço a atenção.

Anônimo disse...

Ao comentarista que fez o questionamento sobre o desconto da FHE: leia o prospecto que foi enviado à residência ou quartel ou então vá a um escritório da FHE e faça o cancelamento do desconto. Muito simples, não é preciso que o blogueiro MONTEDO faça publicação sobre tal providência. É direito do consumidor como em qualquer outro caso de cobrança indevida reaver o que foi descontado indevidamente, e no caso o valor deve ser em dobro.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics