11 de janeiro de 2013

A desvalorização das praças do Exército

Atendendo a pedidos...
Pessoal, esta postagem acaba de atingir 140 comentários. É um número bastante expressivo, porém mais relevante ainda é a gama de opiniões e ideias aqui colocadas. Deixando de lado a visão limitada e a mediocridade costumeira de alguns, creio que temos uma boa amostragem do que pensam os profissionais do Exército Brasileiro.
Postado originalmente as 11h26 de 6 de janeiro
O texto é anônimo, mas a análise e os questionamentos são muito pertinentes
A AÇÃO INSTITUCIONAL DO EXÉRCITO BRASILEIRO NA DESVALORIZAÇÃO CONTINUA DAS PRAÇAS DE CARREIRA:
QUAIS OBJETIVOS A INSTITUIÇÃO ALMEJA ALCANÇAR?
Sou graduado do Exército Brasileiro e realizei nos dias 24 e 25 de novembro de 2012 o Concurso de Admissão ao Curso de Habilitação ao Quadro Auxiliar de Oficiais – CA/CHQAO, normatizado pela Portaria nº 070-EME, de 21 de 21 de maio de 2012.
O concurso decorreu com relativa tranquilidade. Achei exagerado o tempo de 4 horas para realizar a prova e mais exagerado ainda ter que esperar 2 horas e 30 minutos para poder sair. Um absurdo, levando em consideração que a grande maioria não demorou mais que 1 hora para fazer a prova e marcar o cartão de resposta.
Mas meu objetivo aqui não é analisar o CHQAO e sim fazer uma reflexão. Usei as 2 horas que tive que esperar para fazer uma reflexão sobre nossas carreiras e como o Exército Brasileiro tem nos tratado.
Deste ponto em diante, passo a minha reflexão.
O Exército Brasileiro tem agido na contramão das demais Forças Armadas Marinha e Aeronáutica, na valorização de suas praças concursadas. Vem continuamente nos últimos vinte anos modificando e criando normas para dificultar a carreira. A carreira existente hoje difere totalmente da constante dos editais dos concursos da década de oitenta e noventa, uma verdadeira propaganda enganosa, já que quando entramos a carreira era uma e hoje, já no terço final, ela é outra, muito pior e mais sofrida.
O que será que a cúpula pretende com tamanha desmotivação patrocinada pela instituição? Vou citar apenas alguns fatos para melhor elucidar o que digo:
1) REAJUSTE DIFERENCIADO DE 28,86%:
Esse reajuste foi concedido pela Lei nº 8.627, de 19 de fevereiro de 1993, sendo contemplados servidores públicos federais civis e militares. Oficiais Generais e Oficiais Superiores (Coronel, Tenente Coronel e Major) receberam o índice integral dos 28,86%; já os postos e graduações abaixo de capitão foram contemplados com índices diferenciados, escalonados. Por que? Seria porque as praças de carreira atingem o posto de capitão? Seria uma forma de “mandar” para a reserva os velhos capitães QAO? Desmotivar os subtenentes a alçarem a carreira de oficial?
Nesse episódio a cúpula das Forças Armadas foi contemplada com os índices integrais. Vai dizer que eles não sabiam que estavam recebendo índices maiores que seus subordinados?
2) EDIÇÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 2.131, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000:
Essa Medida Provisória que vigora hoje com o nº 2.215-10, de 31 de agosto de 2001, revogou a Lei nº 8.237, de 30 de setembro de 1991, criando nova Lei de Remuneração dos Militares das Forças Armadas e alterando/suprimindo diversos direitos dos militares, inclusive alterando substancialmente a Lei nº 3.765, de 4 de maio de 1960, Lei das Pensões Militares.
Essa MP foi sem dúvida o mais duro golpe nos militares das Forças Armadas aplicado no Governo FHC. Foi a maior prova de deslealdade, falta de camaradagem e de todos os outros preceitos cultivados pela caserna, patrocinados pelos Chefes da época. Esse golpe foi dado pela cúpula das Forças Armadas da época e não pelo Governo FHC, já que os que comandavam as Forças à época garantiram todos os benefícios da lei anterior e ainda incluíram novos direitos na nova Lei de Remuneração, tais como o Adicional de Permanência de 5% por cento do soldo para quem fique 720 dias após os 30 anos de serviço e daí em diante mais 5% por cento a cada promoção.
Esses Chefes Militares, digo chefes porque recuso a chamá-los de Comandantes, abandonaram seus subordinados à própria sorte, pois não propuseram ao Governo FHC regras de transição para os demais militares. Militares com 9 anos e onze meses, 19 anos e onze meses meses, 29 anos e onze meses perderam direito a Licença Especial de seis meses, já tendo cumprido quase 90% (noventa por cento) do período aquisitivo, militares que perderam o direito a irem para a reserva com os proventos do posto ou graduação superior, já tendo cumprido mais de 90% (noventa por cento) de suas carreiras de 30 (trinta) anos.
Por que as cúpulas das Forças Armadas não se empenham na votação da Medida Provisória nº 2.215-10, de 31 de agosto de 2001 para transformá-la em lei para que possam ser criadas as regras de transição que beneficiariam muitos de seus subordinados? Seria porque eles não ganhariam nada com a nova lei? Seria porque isso desagradaria a Presidenta? Será que quem manda hoje na Força acha conveniente manter tudo como esta? Será que as baixas/demissões não atendem ao que eles querem que é reduzir o efetivos dos quadros, principalmente o quadro das praças de carreira, já que hoje o efetivo de Primeiro Sargento e Subtenente esta muito grande em todas as Organizações Militares do Exército? O Exército tem dado sinalização de que hoje o foco são os militares temporários (Oficiais, Sargentos e Cabos), sob o pretexto de que esses militares quando começam a ficar velhos são licenciados, não acarretando gasto com saúde e previdência, ou seja, os militares concursados estão sendo desestimulados a continuar suas carreiras.
A Lei de Remuneração das Forças Armadas é uma Medida Provisória com 12 (doze) anos de existência. Acho que somos a única carreira que recebe através de Medida Provisória. Desconheço se existe alguma outra categoria no serviço público federal ou estadual. Por se tratar de MP não se permite o socorro ao judiciário para podermos pelo menos criar uma regra de transição para aqueles que perderam benefícios por meses e dias da reserva. O Congresso Nacional só age sob pressão. Nós infelizmente não temos como nos mobilizar, pois não temos nem Associação como a Policia Militar. 
Dos anos 2000 até hoje vários militares e pensionistas já faleceram levando para o túmulo direito que não puderam usufruir por descaso de quem vem nas mídias sociais falar em “Família Militar” e dizer que tem “hora certa de plantar e de colher”, ”nossas urgências serão traduzidas em fatos concretos”. Depois de mais de cinco anos de estudo conseguem 30% (trinta por cento) para repor perdas acumuladas em cinco anos (2011, 2012, 2013, 2014 e 2015), abatidos a inflação média de 5% (cinco por cento) em cinco anos. Ao fim, ganharemos 5% (cinco por cento). Faça um favor a todos nós e peça para ir para casa! A propósito, a compulsória não pega esse sujeito?
      Se a cúpula das Forças Armadas quisesse a Medida Provisória nº 2.215-10, de 31 de agosto de 2001 já teria virado lei. Cada Comando de Área tem um Coronel que é Assessor Parlamentar agindo diretamente nas Assembleias Legislativas; o Gabinete do Comandante do Exército tem Assessoria agindo diretamente no Congresso Nacional. Não conseguem porque falta interesse pela situação difícil que passam seus subordinados. Existem casos verídicos de militares de baixa graduação recorrendo a agiotas para pagar conta de supermercado; há  militares que estão morando em imóveis sem energia elétrica que já foi cortada por falta de pagamentos, e nosso Chefe preocupado com SISFRON, END e outros projetos como se nos fossemos o Exército Inglês...
3) SITUAÇÃO SALARIAL:
O que dizer da nossa situação salarial? As Forças Armadas recebem o pior salário do serviço público federal. Isso quem diz é o próprio Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão em seus Boletins. Nossa situação salarial chegou onde chegou por desleixo, desrespeito e falta de ação de Comando dos Chefes Militares ou foi intencional? Será que a cúpula das Forças utilizou a lógica neoliberal capitalista de criar uma massa de excluídos? Uma massa de inocentes úteis? É mais fácil comandar quadros esfarrapados ávidos por uma movimentação, uma promoção, uma diária? Brigamos para ocupar Próprios Nacionais Residências (PNR) que muitas vezes não oferecem qualidades mínimas de habitação, mas são disputados por praças e oficiais que hoje não conseguem pagar um aluguel para morar em um lugar decente com suas famílias nas grandes e medias cidades. Comandar militares bem remunerados, treinados, equipados e com consciência republicana e democrática é mais difícil, por isso desconfio que as mazelas a que estamos expostos diariamente são institucionalizadas para nos dominar. 
Hoje o que mais aflige os quadros é a falta de moradia e dificuldade de pagar um aluguel nas cidades médias e grandes quando das transferências. Várias categorias no serviço público conseguiram nos últimos anos o pagamento de Auxílio Moradia. Nós militares tínhamos esse direito que foi usurpadopela Medida Provisória nº 2.131, de 28 de dezembro de 2000 e até hoje, 12 (doze) anos depois não conseguimos retornar com esse beneficio. Por que será? Vejamos:
- Os Oficiais Generais e os demais Oficiais em cargo de Comando, Chefia e Direção, Chefes de Estado-Maior, Subchefes de Estado-Maior e algumas outras funções tem direito a Moradia Funcional, quase sempre todas mobiliadas, com direito a telefones fixos e celulares custeados pelo erário, combustível, alguns ainda recebem alimentação do quartel para manterem suas residências, fora isso para se protegerem eles criaram cotas para atender exclusivamente aos oficiais superiores, com isso em quase todas as Guarnições que chegam os Majores, Tenentes Coronéis e Coronéis tem moradias garantidas, salvo algumas exceções.       
Para as praças de carreira não existe distinção: um Subtenente com 25 (vinte e cinco) anos de serviço concorre a um PNR em igualdade de condições com um Terceiro Sargento. Os Capitães e Tenentes também sofrem para conseguir uma moradia igual às praças. Acontece que um oficial de carreira com menos de vinte anos já será oficial superior, passando a ser beneficiado pelas cotas criadas. Já a praça vai passar por isso a vida toda, mesmo que saia oficial sua carreira termina como Capitão, sofrendo quase sempre até ir para a reserva.
Por que a cúpula brigaria por um Auxílio Moradia para beneficiar principalmente aqueles que eles querem ver pelas “costas”?  Nesse caso cabe a nós uma última esperança: existe ação na justiça já em segunda instância condenando a União a indenizar militar que foi movimentado por necessidade do serviço e não conseguiu moradia na cidade de destino. Será que o JUDICIÁRIO nos ajudará a conseguir algo que nossos Chefes não conseguem por falta de interesse?
4)  CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE HABILITAÇÃO AO QUADRO AUXILIAR DE OFICIAIS – CA/CHQAO
A explicação institucional para o CHQAO se da pelo fato das praças serem alçadas ao posto de 2º Tenente sem possuir curso superior. Segundo eles, com o CHQAO preenche-se essa lacuna. Aí eu me pergunto: e o oficial Temporário (R2), que são garotos que ingressam no EB com somente o ensino médio, com a única exigência de estarem cursando uma faculdade? Eles são promovidos ao primeiro posto sem estarem ao menos no 2º período da faculdade. A resposta possível e que ouso é que eles são temporários e esta regra não os abrangeria; ora, então nas universidades, os professores substitutos não precisam ter o mestrado? Os juízes substitutos não precisam ser bacharéis, basta que estejam cursando?
Acontece que segundo informações de bastidores, o Exército criou o curso sem antes planejá-lo.
Segundo informação, o MEC não reconheceu o curso que inicialmente seria superior de dois anos e ao fim do curso os concludentes seriam tecnólogos em recursos humanos e tecnólogos em logística. Hoje não sabemos se o CHQAO será fundamentalmédiosuperiortécnicoextensão,especialização... Aceitamos sugestão. O MEC é bem taxativo nos requisitos para um curso superior funcionar. Primeiro tem que partir de uma Instituição de Ensino Superior, coisa que a EsSIE não é. Segundo, a Instituição Superior tem que possuir um corpo docente com formação específica que atenda a especificidade de cada curso, além de, obrigatoriamente, contar com um percentual mínimo de 30% de mestres e doutores. Será que o EB possui esta estrutura? Como achar que o MEC reconhecerá um curso como o CHQAO feito sem cumprir estes requisitos?
Durante nossa carreira aprendemos que tudo que está ruim ainda pode piorar e piorou. O Estado-Maior do Exército, utilizando uma sensibilidade/tato de uma Anta com pé de atleta publicou no Boletim do Exército nº 047, de 23 de novembro de 2012, vejam bem, a 24 (vinte e quatro) horas do Concurso de Admissão do CHQAO, nova sistemática de promoção, aumentando o tempo de permanência na graduação dos Primeiros Sargentos da turma de formação de 1992 em diante, de cinco anos e meio para seis anos na graduação, sendo que para alguns sargentos vai significar mais 1 (um) ano no mínimo na graduação atual, isso significa prejuízos financeiros e morais. Aumentaram também o tempo mínimo na graduação de Subtenente para atingir o QAO, passou de 4,5 (quatro anos e meio) para 5 (cinco) anos. Tudo isso na véspera da prova, qual seria o objetivo dessa gente? Seria desmotivar o máximo de militares possível para que eles desistam de suas carreiras e assim que completarem os trinta anos, peçam reserva? Assim se resolveria o problema causado pelos pífios planejamentos passados que estão eclodindo agora no grande acúmulo de Subtenentes nas OM...  Se a intenção foi essa acho eles conseguirão, pois vários militares chegaram altamente desmotivados para a realização do concurso. O próprio art 17 da portaria que cria o CHQAO é bem claro quando enfatiza que o militar tem que estar ciente que mesmo que ele venha a ser aprovado no processo seletivo, mesmo que venha no futuro concluir com aproveitamento o CHQAO, isto não lhe garante a promoção a 2º Tenente.
Parabéns ao EME pela objetividade das matérias publicadas no BE do dia 23 de novembro de 2012. Atingiram todos os objetivos propostos!
5) IGNORÂNCIA INSTITUCIONAL PROPOSITAL SOBRE A CONDIÇÃO INTELECTUAL DAS PRAÇAS:
Hoje vivemos a Era do Conhecimento. As praças de modo geral e as praças de carreira em particular passaram a procurar se inserir nessa nova era, melhorando seu capital intelectual. Como consequência disso mais Subtenentes e Sargentos passaram a procurar os bancos das Universidades e Faculdades, como forma de entender melhor a sociedade em que vivemos e de também quem sabe prosperar em suas carreiras nas Forças Armadas. Acontece que o Exército Brasileiro não acompanhou esse raciocínio, permanecendo com a mesma visão perpetrada desde Guararapes, ou seja, sargento bom tem que ser “burro” e “forte”.
Hoje temos subtenentes e sargentos portadores de diplomas de graduação, pós-graduação, mestrado e até doutorado, porém essas qualificações são completamente inúteis e ignoradas pela Instituição. Esses militares não tem oportunidade de ascensão interna, não são aproveitados como professores dos Colégios Militares (apesar da falta de professores atualmente), das Escolas de Formação de Praças. O Exército prefere contratar oficiais temporários para serem professores, mas não oferecem essas oportunidades aos seus praças, utilizando a lógica de que quem nasceu nas “Senzalas” não pode jamais alcançar a “Casa Grande”.     
O próprio serviço público valoriza seus servidores que se especializam oferecendo oportunidades para ascensão interna. No serviço privado nem se fala! Existem empresas que custeiam cursos superiores para seus empregados, mesmo que após o curso eles possam sair para outras empresas, porém no período em que eles lá permanecem dão o máximo e contribuem para o crescimento da produtividade, pois estão motivados e felizes.
O cúmulo do absurdo acontece com o CHQAO, a Instituição está obrigando quem já possui curso superior a fazer um curso técnico para ser promovido a oficial, pode uma coisa dessas? Se uma grande empresa nacional ou estrangeira souber disso ou mesmo se algum outro Exército souber que o Exército Brasileiro que alega que as praças ascendem ao oficialato  sem curso superior, por isso criou o CHQAO, ministra um curso técnico para quem já possui curso superior sair oficial, seremos motivo de chacota...  e ainda falamos mal dos Portugueses!
Por que a Instituição nos ignora? Será pelos motivos acima elencados ou por absoluta falta de visão estratégica? Se continuar como estamos, com os piores salários do serviço público federal e com carreiras a cada ano menos atrativas, duvido que teremos mão de obra qualificada para operar o SISFRON e outros projetos estratégicos do Exército Brasileiro, ou vocês acham que oficiais generais e superiores vão colocar a mão na massa? Nunca colocaram por que colocariam agora?
6) CONCLUSÃO:
Cada um tire a sua conclusão. A instituição Exército Brasileiro, chefiada por gente descompromissadacom a categoria, está promovendo um plano de demissão voluntaria camuflado na categoria “VALORIZAÇÃO DOS QUADROS”. Não se surpreendam se nosso tempo de serviço passar para trinta e cinco anos e se houver a perda da paridade salarial entre ativos e inativos/pensionistas.
Não se iludam: nossos Chefes são Oficiais Generais, cargo político e como tal o compromisso deles é com os políticos, são prepostos do Executivo a frente das Forças Armadas. Estes chefes vivem em suas torres de marfim, envoltos em privilégios.
Tenho um amigo que gosta de fazer uma comparação de nossa situação com um clássico da sociologia brasileira. No livro Casa Grande & Senzala, o ilustre Gilberto Freyre diz que “os escravos são os pés e as mãos dos senhores de engenho”; meu amigo parafraseia-o dizendo que “As praças são os pés e as mãos dos oficiais do Exército Brasileiro”, e complementa que no Exército há uma estrutura semelhante às grandes fazendas do Brasil colônia, que eram divididas entre a Casa Grande e a Senzala; não preciso dizer quem fica na senzala...
Por fim respondendo o objetivo proposto: QUAIS OBJETIVOS A INSTITUIÇÃO ALMEJA ALCANÇAR?
Reduzir o número de Primeiros Sargentos e Subtenentes existentes no momento, fruto de planejamentos errados no passado, que hoje estão eclodindo nas OM. (vide artigo crítico sobre o CHQAO disponível no Portal Militar) Para isso estão sendo usados expedientes para desmotivar as praças a continuarem suas carreiras, com sucessivos aumentos de interstício durante os últimos vinte anos, criação do CHQAO, criação da Comissão de Promoção de Sargentos para pontuar militares apadrinhados do “SISTEMA” e excluir militares que possuam méritos e desempenho, porém são contra indicados para atingir o oficialato por terem em algum momento de suas carreiras contrariado interesses nada republicanos de alguns!
“Pensar é questionar o óbvio” – Darcy Ribeiro
A situação tende a piorar!
Ass: MAX WOLFF FILHO – EX-CMB/FEB

189 comentários:

Anônimo disse...

rss, teve um comandante do Exército que numa reunião cheia de praças mandou a seguinte pérola: eu tenho sgts que sabem entrar até na internet... eu não sei se eles teem esse pensamento mesmo ou se falam pra diminuir e assim se sentirem superiores...

Anônimo disse...

Prezado Montedo. Sou leitor assíduo do seu Blog. Por motivos óbvios não desejo me identificar. Mas posso lhe dizer que transito pelo círculo dos oficiais e, nessa condição, o que tenho a lhe dizer se resume ao texto abaixo, de autoria de Bertolt Brecht:
O Analfabeto Político
O pior analfabeto é o analfabeto político.
Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos.
Ele não sabe o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.
O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política.
Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais.
Ah! Concordo com o companheiro de farda. Para nós, tropa, nada de novidades. A tropa não sabe dos projetos do EB, não temos marketing interno. Assim, fica mais fácil pedir para sair...

Anônimo disse...

O Sistema de promoção dos Praças das Forças Armadas é covarde, injusto e imoral, para não dizer que representa um grande abuso de autoridade. Os aumentos diferenciados citados acima são criminosos, colocando os Praças em situação de enorme constrangimento.

Anônimo disse...

SG DA MARINHA NA RESERVA REVOLTADO DIZ: meus parabéns por este comentário, foi mt feliz nas suas colocações, quero dizer não é só no EB q desmotivam suas praças, acredito, q em todas as FA é igual. Espero esta vivo daqui uns 10 anos, pq acredito q alguém vai se revoltar, pois não pode continuar por mt tempo como esta. Um abraço e sucesso. Que venha o partido do PMB, para tentar mudar alguma coisa.

Anônimo disse...

Meus amigos, se a situação é desmotivadora para quem já está realizando o CHQAO, imagine nós Sgt da Turma de 96 em diante, que passamos a ter interstícios enormes. Só pra ilustrar, enquanto um Sgt de 98 recebeu sua promoção a 2º Sgt, um aspirante, recebeu a 2º Ten, 1º Ten, Cap e Maj, legal né?
E enquanto temos ombreando Sub e 1º Sgt dos gloriosos interstícios de 5 anos, 6 anos, nós amargamos 8 pra cima. pergunto: Vale a pena se esforçar para ganhar 6 meses a mais ou a menos num espaço de tempo desse?
No começo de 2012, li um BE dizendo que iriam criar um Grupo de Trabalho para valorizar os Sgt, esses dias li outro BE com as perspectivas de nossa carreira, advinhem? E ai quem estudou quando era jovem e teve melhores oportunidades de entrar na AMAM fica o resto da vida sossegado... e o pracinha, pode ter doutorado que vai ser aux... e não tá contente pede pra ir embora...não é isso? Srs não tenho recalques, acho que os oficiais merecem ir a General e ter seus privilégios... mais precisa essa diferença toda? ainda estamos no império? nobres e plebeus. Mais digo o seguinte: gosto da profissão, tenho família pra sustentar, já não tenho 20 anos de idade, criei boas oportunidades intelectuais e financeiras e não vou dar baixa agora.... vou continuar frustado, lamentando anonimamente, não porque sou covarde, mais porque o sistema é, vcs sabem...
chega por aqui, vou comer uma costela que ganho mais, abraços a todos e bom domingo...

Anônimo disse...

PENSO ASSIM: MEU SGT TÁ NA MIKE VOU TENTAR AJUDAR ELE, PORÉM ALGUNS COLEGAS PENSAM ASSIM, MEU SGT TÁ REVOLTADO, TENHO QUE CONTER, CABRESTO NELE OU TEORIA DO BODE NA SALA... RSRS

Anônimo disse...

Prezado sargento:
Não concordaria totalmente com a tese de que há um "plano velado" para a desmotivação das praças, pois servi a minha vida inteira no corpo de tropa (exceto um curto período como instrutor) e bem sei o valor e a falta que fazem os bons ST e Sgt nas nossas lides diárias. Uma das grandes limitações que temos, atualmente, no meu quartel é a falta de sargentos. Também sentimos falta de oficiais QAO, já que possuímos 05 vagas no nosso QCP, que não são preenchidas. Normalmente os QAO são movimentados para grandes comandos (ou unidades diretamente subordinadas) por esse Brasil afora, não permanecendo muito tempo nos corpos de tropa. Isso é um indício de que são considerados profissionais de valor, pelo menos é como vejo e tenho visto acontecer. Os demais aspectos que você postou, porém, são de uma coerência bem objetiva e também já venho há muito me questionando sobre o porque da Força tratar seus integrantes dessa maneira. Como oficial superior, faço o que está ao meu alcance para apoiar os da minha equipe, e sei que muitos outros oficiais também o fazem. E também nunca tive papas na língua para expor esse entendimento aos meus comandantes. Creio firmemente que qualquer verdade pode ser dita aos chefes, com o devido respeito, educação e dignidade. Aliás, foi exatamente isso que você fez nessa sua reflexão. Mas, como você mesmo disse, as ações passíveis de efetivamente atender à Força e, principalmente, às praças como um todo, têm que vir dos mais altos escalões, aos quais nem eu nem você pertencemos. Não sou um oficial de berço e nem de "linhagem" (não fiz ECEME) e, sinceramente, tenho as mesmas dificuldades para entender as motivações dos "ideúdos" de Brasília, que bem parecem - eu reconheço - estar firmemente obstinados em nos afundar, cada vez mais. Bom, uma coisa é certa... Seria ingenuidade não esperar que os órgãos de inteligência das FA acompanhem o que se posta no presente Blog e em tantos outros existentes... Sendo assim, a sua reflexão (juntamente com este meu comentário) certamente vai galgar os escalões superiores da nossa Força. Espero que tenham hombridade e consideração de a fazer chegar aos nossos comandantes. Provavelmente não irão respondê-la, mas verão, uma vez mais, que a ponta da linha não é composta de "inocentes úteis" e que a cisão poderá surgir. E, quando infelizmente acontecer, não havérá outros a serem responsabilizados, senão eles próprios. Ainda confiamos neles, mas qualquer confiança se fundamenta em merecimento. Um abraço, espero que tudo dê certo para todos nós. Feliz 2013.

Anônimo disse...

Olha quem escreveu esse artigo esta de parabéns, traduz com perfeição o que ocorreu e esta ocorrendo no EB.

Corneteiro Lopes disse...

Nada tenho a acrescentar ao texto do companheiro, em poucas linhas ele expressou a realidade que é vivida pelas praças do Exército. Já ciente dessa realidade ja estava e irei continuar utilizar todo tempo que disponho e ir embora de uma instituição que trata seus integrantes (STen, Sgt) como mão-de-obra barata.

Rogério - JF disse...

Parabéns!
É a primeira vez que leio algo sensato e racional atinente a situação em que se encontra as Praças do EB. O autor traduziu o dilema enfrentado desde o cabo estabilizado até o capitão QAO. Infelizmente nós do Quadro Especial não contamos com essa visão crítica, mas,responsável do autor. Vejo os leões de alojamento dizerem: - Eu não concordo com promoção de QE. Eu sou concursado, tenho tantos anos de serviços e seria injusto para comigo.
É como diz a canção do mineiro Zé Geraldo - Milho aos pombos - "Se vem alguém querendo consertar pega esse idiota e enterra." As praças do EB tornaram-se órfãos de pais, a mãe continua sendo a Pátria Amada, mas até quando?
Na unidade onde sirvo tem um 1º Sgt que possui 2 cursos superior - Administração e Direito, e é obrigado a fazer esse CHQAO.
Em suma, o caldeirão do inferno não precisa de guardas, pois um tende a puxa o outro para o fundo do poço.
Ainda que amiúde, meus parabéns pela belíssima reflexão, fico extremamente feliz em ver que nem tudo está perdido.

Anônimo disse...

é parabens ao TEXTO, apesar de ser anonimo, é a PURA REALIDADE, NUA E CRUA!!!hoje estou de FERIAS, planejando sabe o que? ser ambulante no LITORAL, para complementar a renda, depois de alcançar a ultima promoção de praça, vou tolerar mais esse 5 anos que faltam, mas não desonrar minha querida familia!!!!!!Se por uma acaso encontrar um jovem falando que vai pra ESA, envie esse texto para ele e explique o que é!! pois ja deixamos a essencia da nossa Juventude aqui dentro e hoje não podemos sentar e relaxar vendo o resultado desse esforço, o tempo e a FORÇA(CH, CMTS.....nos trairam!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Comentário de muita depressão, muito pessimismo, acusações e algumas verdades, muito individual.Acho que não é bem assim.

STen Reis disse...

Parabéns ao autor do tópico, que é a mais pura verdade. O Alto-Comando do EB não tem a mínima consideração com seus "praças". Um subtnente, por exemplo, com mais de 25 anos de serviço, e uma carreira incerta, são submetidos a uma Comissão de Promoções ridícula (CP-QAO) e excelentes profissionais não conseguem ser promovidos ao QAO, e vão para a reserva com 4 minguados vencimentos, enquanto isso garotos formados nos NPOR da vida, com 10 meses de meio-expediente, no final chegam facilmente ao oficialato, e quando vão embora ainda recebem bem mais que um profissional que dedicou toda sua vida a Força...para piorar, agora inventaram esse ridículo CHQAO, que só serve para menosprezar ainda mais o praça.

Anônimo disse...

Parabéns ao autor deste texto-reflexão é sim um RX completo da nossa carreira e da nossa vida no EB. Estou voltando de férias, mas passei todo o período delas trabalhando para por em dia as minhas contas. Sou ST EB com 26 anos de serviço, mas como tirar férias com dívidas? então resolvi fazer um bico numa oficina de motos de um colega pois eu sou mec auto e aí trabalhei 25 dias das minhas férias para pagar as contas pendentes de 2012. Nesse período refleti bastante sobre a nossa situação salarial e o tratamento a nós dispensados pelo nossos comandantes. Formamos uma tropa humilhada que nem no tempo de César há 2000 atrás se via tal humilhação. Os combatentes de César eram bem tratados e por isso deram a ele grandes vitórias. Nós hoje somos as vítimas de uma ideologia petista: a de destruir as FFAA e os ditos comandantes estão lá para executar esse pensamento, pois todos eles foram escolhidos pela nossa presidanta petista, cargos políticos e no meio desse contexto estamos nós, vítimas dessa
engenhoca destrutiva e ideológica do PT. PT NUNCA MAIS.

Anônimo disse...

Em relação a adoção do CHQAO pelo Exército, e motivo de reclamações dos ST e Sgt pela criação do referido curso, o fato é que foi imposição do TCU, pois todo ano as contas do Exército eram aprovadas com restrição tendo em vista que o QAO era promovido sem uma formação superior. Outro motivo, é a promoção do QE, motivo de observação daquele tribunal, pois o mesmo não faz um curso de formação para ser promovido, apesar de sua formação prática ser de mais de 15 anos. Outra observação que faço, é que somente o Exército não existia tal Curso para ingresso no Quadro Auxiliar. As demais Forças a muito tempo tem esse tipo de Curso de Habilitação. Na Marinha, inclusive, o Sargento pode se inscrever desde 3º Sgt Quando chega a Capitão-Tenente, se possuir formação superior civil pode tentar a passagem para o Quadro Técnico, (QCO no EB), podendo alcançar os postos de Oficial Superior. Seria uma boa opção futura para o Exército também adotar essa opção, pois, hoje é grande o numero de ST e Sgt com nível superior.

Anônimo disse...

Concordo plenamente com com essa carta. Disse quase tudo e eu aproveito aqui para tentar completar e mostrar outras verdades por trás desse "descaso" com a tropa, não só do EB mas também da MB e FAB.

Os altos comandos da MB, EB e FAB sempre estiveram à serviço e debaixo da sola da bota dos EUA, principalmente depois da II guerra mundial quando a América Latina passou oficialmente à condição de QUINTAL DOS EUA e esse tipo de gente (generalecos com chapelões cheios de ramalhetes dourados e óculos escuros rayban) foram alçados, com ajuda da cia à ditadores de republiquetas tipicamente exportadoras de bananas. Essa gente nunca teve, não tem e nem nunca terá compromisso com o Brasil e suas forças armadas. Sempre cumpriram rigorosamente ordens da Cia para nunca permitir que fosse criada uma força militar moderna, bem treinada e bem remunerada no Brasil. Essa gente é a mesma que "compra" equipamentos (velhos) militares nos EUA - carros de combate, navios e aeronaves - por milhões de dólares e as recebem por aqui mentindo e enganando trouxas com discursos em palavras bonitas e eloquentes tipo.... "a marinha do Brasil, ao receber esse novo navio de combate terá uma nova e maior capacidade de projetar poder e blá blá blá...." tudo mentira, são porcarias velhas, verdadeiros lixos que são "arrendados" à peso de ouro pelo erário e os safados ainda falam isso em coquetéis maravilhosos regados à vinho, whisque 12 anos e muito caviar, lagosta e etc. Safados enganadores.
Essa gente passa férias em Miami, seus filhos, muitos estudam nos EUA. À essa gente nunca interessou que o Brasil tivesse realmente forças armadas prontas para o combate. Em um conflito, hoje que envolva grandes forças navais, nossa inexistente marinha, com a meia dúzia de porcaria velhas que tem não poderia fazer absolutamente nada e isso é de propósito mesmo.
Na FAB nossas aeronaves de linha são f-5 modernizados com mais de 40 anos de uso, nosso EB, para defesa de um país que é quase um continente não possui nem 500 ou 600 carros de batalha, ou carros de combate pesados, isso sem falar em fardas, botas, armamento portátil, munição e etc e etc e etc. Volto a afirmar! Isso foi e continua sendo planejado para que nosso país esteja, na verdade, indefeso.
Nossas FFAA são a verdadeira "casa grande e senzala": aos oficiais tudo, às praças, que é quem realmente pegam o boi pelo chifre NADA.
Quanto ao analfabetismo politico é importantíssimo para essa gente que muitos digam e continuem dizendo que politica não é sua "praia" porque enquanto a maioria pensar assim, muito mais fácil será de serem manobrados com grande facilidade.

Ueta Zilef disse...

Eu com meu tempo de Exército só venho recebendo más notícias quando o assunto é carreira (rastejo?) dos sargentos.

No fim o QAO será extinto e os sargentos de carreira serão reduzidos drasticamente em favor do aumento de militares temporários (oficiais e sargentos).

Só que não pode ser da noite para o dia. É um degrau de cada vez nessa grande escada (descida, no caso).

Anônimo disse...

Meu amigo, a instituição está fazendo economia. Quanto a maior parte do efetivo estiver nas graduações inferiores mais economia para o exército. Faça a conta anteriormente um 3º Sgt ficava em torno de 5 anos e agora são em torno de 8 anos, veja a economia nos 3 anos que não promovel a 2º Sgt e assim sucessivamente.

A maior diferença de soldo ocorre no posto de capitão para major, porque isso, os sargentos de carreira atingem o máximo o posto de capitão e não existe mais a melhoria da remuneração ou posto acima quando passa para a reserva, veja a economia são poucos capitães que são promovidos para major.

Outro aspecto são achatados os soldos abaixo de major, até o posto de 2º tenente ou seja, impedem que os praças recebam uma remuneração maior, os Subtenentes, mais economia. E a grande maioria dos oficiais são subalternos, 1º/2º Tenentes temporários, quando são licenciados ex-officio recebem uma remuneração por ano de serviço, se a remuneração deles são baixas logo receberam menos, mais economia.

O CHQAO foi para transferir a responsabilidade da instituição para os militares. Atualmente o exército é obrigado a promover os subtenentes ao oficialato, pelo menos a maioria. Como a instituição errou,não quer admitir e a solução encontrada foi convencer que o final da promoção dos sargentos de carreira é como suboficial, podendo ser equalizada em 30 anos, e para a promoção a oficial é uma "gratificação" e não faz parte da carreira. Os oficiais possuem a lei 5821/72 que regula as promoções de aspirante-a-oficial a general e os praça não possuem lei, dependendo apenas de decretos e portarias.

Os estatuto prevê as promoções como um modo a obter-se um fluxo regular e equilibrado de carreira para os militares, mas não explica como obter o fluxo regular, equilibrado e o tempo máximo para atingir o última graduação (30 anos) ou se todos poderão ou terão direito de atingí-la.

A partir de 2017 a instituição transferiu a responsabilidade da promoção para os subtenentes da seguinte maneira, se você quiser ser promovido a oficial você dever ser aprovado na prova e no curso, se não fizer não será promovido, desta forma diminui consideravelmente a quantidade de subtenentes para a promoção, a promoção é agora problema seu.

Até a responsabilidade dos problemas decorrentes da movimentação é problema seu, se não tem moradia é problema seu, não esqueça foi você que preencheu o plano de movimentação e pediu para ser movimentado, tudo foi feito por você e para você, agora o problema é seu.

Existe mais mas por enquanto é só, pense bem tudo pela economia.

Tenho um ótimo 2013.

Anônimo disse...

Sou da turma de 98 da ESA (e não sou c... de turma e não tenho deméritos), ainda sou 2°Sgt. Capitães sem ESAO que chegaram junto comigo na minha primeira OM já são Ten Cel, os Aspirantes que também chegaram comigo na mesmo OM hoje já são Majores os 1°Sgt que já estavam na minha OM hoje são Capitães QAO.
Agora pergunto a todos os visitantes do blog: VOCÊS ACHAM QUE EU DAREI O MESMO GÁS NO MEU TRABALHO DIÁRIO DIANTE DESTA DISCREPÂNCIA DE BENEFÍCIOS ENTRE A MINHA GERAÇÃO E A GERAÇÃO ANTERIOR?
Mas é óbvio que eu não me esforçarei!!! Eu não tive os mesmos aumentos por meio de promoções que eles tiveram. Não sou mercenário, mas certamente, assim como qualquer ser humano, eu devo me sentir motivado para executar o meu trabalho a contento e, os interstícios da geração anterior foram muito mais benéficos do que os da minha geração, logo, acho que eles devem mais ao Exército do que eu pois foram mais beneficiados. Os "antigões" devem mais ao exército do que os "moderninhos" de hoje. Ser militar não é sacerdócio, é uma profissão apenas. Portanto, tentarei me aproveitar ao máximo dos benefícios diretos e indiretos (dispensas, meio expediente, dispensa médica etc) em prol dos meus interesses pessoais, pois a instituição está dando provas ano a ano que os interesses dela são na direção de apenas o de me diminuir cada vez mais dentro da pirâmide institucional. Eu trabalho e trabalharei na proporção inversa da desvalorização que o EB me inflinge (maior desvalorização, menor aplicação ao trabalho).

Anônimo disse...

O caldeirão do inferno está sulapando. Quem está no fundo será soterrado e que esta na boca ou em cima cairá direto no fundo.

CONDE DE MONTE CRISTO

Anônimo disse...

Olha mais essa ai Montedo!!!
La vão os severinos...
Glauber pede apoio do 7ºRCMec para realização da limpeza urbana.
Fonte: Jornal A Plateia.

Anônimo disse...

Concordo plenamente com o texto, pois, temos distorções absurdas na carreira militar e todos sabem, mas ninguém faz absolutamente nada. VEJO CIVIS COM 19 anos entrarem pela janela e sairem Oficiais em apenas três meses de formação. VEJO O QUADRO DE SAÚDE terem direito a meio expediente, com a desculpa de que se não for assim não teremos médicos. ( pura desculpa, pois médicos e dentistas fazem concurso para trabalharem em Prefeituras para ganharem R$ 1500,00 por mês) . VEJO A FAB E A MARINHA TEREM CONCURSO INTERNO PARA QCO, sendo que qualquer praça com curso superior pode fazê-lo, com duração de apenas três meses.
Vai acontecer algo, podem esperar...

Anônimo disse...

VAMOS LÁ PESSOAL!
VAMOS IMPRIMIR ESSE TEXTO E COLAR NOS ALOJAMENTOS...

Anônimo disse...


Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores
Geraldo Vandré

Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não
Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Caminhando e cantando
E seguindo a canção

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

Pelos campos há fome
Em grandes plantações
Pelas ruas marchando
Indecisos cordões
Ainda fazem da flor
Seu mais forte refrão
E acreditam nas flores
Vencendo o canhão

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

Há soldados armados
Amados ou não
Quase todos perdidos
De armas na mão
Nos quartéis lhes ensinam
Uma antiga lição:
De morrer pela pátria
E viver sem razão

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Somos todos soldados
Armados ou não
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não

Os amores na mente
As flores no chão
A certeza na frente
A história na mão
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Aprendendo e ensinando
Uma nova lição

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

Anônimo disse...

SRS... OS PRAÇAS ESTÃO NAS MÃOS DOS OFICIAS, NUM NÍVEL MENOR EM SUA OM, EM OUTRO MAIOR, ATRAVÉS DE PORTARIAS, ETC... A VERDADE É QUE DEVEMOS SER MAIS INTELIGENTE E EXPLORARMOS COM NOSSOS OFICIAIS OS NOSSOS PROBLEMAS... NÃO ADIANTA SER BABA OVO, TEMOS QUE SER EFICIENTES, MAIS DENTRO DE NOSSA COMPETÊNCIA,SER DISCIPLINADO, MAIS EM CASO DE ABUSOS, BUSCAR A JUSTIÇA... PARECE QUE ESTAMOS AMADURECENDO POLITICAMENTE E PRECISAMOS DISSO, EXEMPLO DOS QE, PARECE QUE ALGUNS DEPUTADOS DEFENDEM MAIS OS SGT QUE OS NOSSOS OF... SRS OFICIAIS GENERAIS, SOMOS A SUA TROPA, E JUNTOS NÓS SOMOS A INSTITUIÇÃO, SOMOS QUEM VAI PRA GUERRA LUTAR OU TRABALHAR NO QUARTEL AO SEU LADO, VCS DEVEM NOS POR EMBAIXO DE SUAS ASAS E TEREM ORGULHO DE NOS DEFENDER. 90% DOS CMT DE OM TRABALHAM PRA IMPRESSIONAR OS SRS, COM A DESCULPA QUE TRABALHAM PARA A INSTITUIÇÃO, MAIS PERGUNTO, QUAL MELHOR RECOMPENSA PARA UM CMT QUE TER UMA TROPA QUE O RECONHECE COMO UM VERDADEIRO LÍDER... MAIS ENFIM, ACHO QUE AS COISAS VÃO MELHORAR, SE VIEREM GUELA A BAIXO, POR MEIO DOS POLÍTICOS OU MAGISTRADOS...

Kommando56 disse...

Cada vez mais difícil deixar a 128
"corrida dos ratos"!!!

Anônimo disse...

E o que falar do Sv de Saúde. A cada dia piora. Falta tudo. Acorda Capitão, Tenente. Você ainda não chegou ao apogeu, não recebe as benesses que os Generais possuem,tens filhos pequenos que precisam estudar e quem sabe chegar aonde você chegou.Tens que manter o status. Será que vale a pena ficar calado e esperar 20 anos para deitar no berço de ouro?

Anônimo disse...

Assine e divulgue a Petição em favor da MP 2215-01 (LRM):
http://www.avaaz.org/po/petition/Votacao_no_Congresso_Nacional_da_Medida_Provisoria_221501_LRM_Lei_de_Remuneracao_dos_Militares/?ccWihdb
(Copie e cole no seu navegador)

Já temos uma Audiência Pública no Senado, marcada para 04 Fev 2013, fins tratar do assunto referente a famigerada MP 2215 (LRM).

Anônimo disse...

Pronunciamento no Senado, realizado dia 19/12/2011, pelo Senado Paulo Paim, sobre a situação dos aposentados e pensionistas das Forças Armadas e a MP 2215(LRM).

http://www.senadorpaim.com.br/verDiscurso.php?id=2391
(Copie e cole no seu navegador)


Anônimo disse...

NÃO ACREDITO NO EB HA DECADAS, POIS AO SER CRIADA A ESAEX FOI DITO Q ERA PARA APROVEITAR OS PRAÇAS FORMADOS E Q IDADE MAXIMA ERA DE 46 ANOS PARA INGRESSO. MAS FOI PURA BALELA, NO 1 CONCURSO A MAIORIA FOI DE CIVIL ATE 46 ANOS PARENTE DE ALGUEM, NO 2 CONCURSO BAIXARAM A IDADE PARA 36 INCOMPLETO, E RAROS PRAÇAS FORAM APROVADOS, OS TINHAM QI. FUI PUNIDO AO AFIRMAR HA UM GEN Q O EB TRATA OS PRAÇAS COMO CIDADÃO DE 2 CLASSE. E VIREI UM PAREA NA OM AO DIZER A VERDADE. FUI PARA A RESERVA COMO PRAÇA. LEMBREM Q ATE OS OF ORIUNDOS DE PRAÇA SÃO DISCRIMINADOS PELOS OUTROS OF. VC JA DEVEM ESCUTADO Q SÃO CHAMADOS SARGENTOES.

Anônimo disse...

E-X-C-E-L-E-N-T-E Colocação do Amigo Praça. O que realmente está acontecendo é a verdadeira "DESVALORIZAÇÂO DO MÉRITO MILITAR DOS PRAÇAS". Até quando vamos suportar isso ? Um dia a casa cai e não poderão nos taxar de rebeldes e revoltados. Isso não está longe de acontecer. PMB Já!!!

Anônimo disse...

Colegas, já disse várias vezes, vocês do EB e da Marinha devem seguir o exemplo do pessoal da FAB, cagam mole para a Força, procurem trabalhar fora e façam da Força um bico de luxo, ou seja, vai recebendo essa merreca e aguardem a reserva para garantir esse dinheirinho para o resto da vida, tenho certeza que com o pagamento de serviços extra quartel dá para ir levando. Na reserva tudo melhora, até sua alta estima, esse papo de patriota, vocação, segunda pele, é balela. Permaneci 30 anos na FAB por necessidade porque tenho família, era mecânico de voo, poderia continuar no ramo mas mudei, colegas de turma hoje são comandantes (piloto) nas empresas aéreas, por isso eu torno a repetir, caga mole pra essa p...ra.

Anônimo disse...

Não adianta apelar pra of em suas torres de marfin e seus benefícios, eles querem que o praça se ferre...e o que falar do EME, que toma medidas covardes na surdina, pra afundar ainda mais as praças, não vi nos noticiários, formaturas gerais e NE o aumento do interstício para os sgt de carreira para 8 anos no mínimo. Pra os oficiais a tendência é diminuir. Covardia total.

Anônimo disse...

Caros leitores! Ao invés de ficarem reclamando de suas vidas profissionais, por que não buscam outros ramos de emprego? Fui praça da Marinha e agora sou Auditor do Trabalho. Parem de reclamar e mãos à obra. Parem de inventar desculpas e pôr a culpa em suas instituições. Façam a diferença por vocês e suas famílias.

Rogério - JF disse...

A casa grande sempre existiu e a senzala não é apenas para nós do QE.
Até que enfim parece que as Praças estão acordando.
Nós do Quadro Especial clamamos por socorro e muitas vezes somos esculachados pelos próprios pares de escola.
Liberdade, ainda que tardia!

Anônimo disse...

Acho que as Forças Armadas estão ruim tanto para as praças como para os oficiais, essa mania que temos de segregar os oficias dos praças é um erro que persiste entre nós os praças,um grande erro.
Em Minas Gerias um subtenente da Policia Militar ganha R$ 12.000,00, imagina um Tenente Coronel quanto deve receber? Creio que um Ten Cel do Exército não recebe R$ 12.000,00 mês.

Sou subtenente e recebo R$ 4,200.00 liquidos, 5.500,00 brutos meensais, valor insuficientes para manter minha família em condições condizentes, com a minha capacidade fisica e intelectual, fazer o quê? A propósito alguém conhece a voz do Comandante do Exército? Eu não conheço. Reflexões pertinentes, nunca considerei oficial inimigo, eles estão tão mal quanto nós, Ou alguém acha que R$ 7.000,00 pagos a um Capitão é um bom salário? Sinceramente esse salário estaria razoável a um 1º Sargento.
Ainda acredito que as coisas irão melhorar,pois pior que está não poderá ficar ou poderá?

Anônimo disse...

É isso aí Rogério! Libertade, ainda que tardia! Lendo todos esses comentários, é fácil notar que ninguém quer nada demais. Essa é a conclusão que chego. PARA OS AMIGOS S2 de plantão vamos fazer um resumo geral:
01- Todos os militares serão livres para optarem em qual plano de saúde serão vinculados;
02- Queremos rever todos os nossos direitos perdidos com a MP2215;
03- queremos um plano de carreira de verdade, ou seja, se as praças e Oficiais são carreiras distintas, o que precisamos é uma conformidade. Explico: Do 3 Sgt até S Ten tenha o mesmo intertício que os oficiais, tendo, inclusive os mesmos soldos. Isso sim seria uma CARREIRA PARA PRAÇAS. 3 sgt equiparado a Asp e assim subsequentemente até S Ten e Cel;
04- Que a EsFCEx seja transformada em concurso interno para TODAS AS PRAÇAS com curso superior (obviamente nas áreas de interesse do EB), com idade até 46 anos;
05- (...)
Vamos complementar o texto aí pessoal, quem sabe não seria o pontapé inicial para alguma coisa?


Anônimo disse...

Rsrsrsrsrsrsrsrs, fico vendo tudo o que escrito por alguns e fico olhando sabe temos que se ferrar mesmo classe desunida, sou CB tenho 22 anos de serviço tenho 2 cursos técnicos e outros mas, fiz o Enem tirei uma boa nota , poderia ter feito direito mas com o meu salario não da , muitos graduados pensam que cabo e soldado são semi analfabeto, que o plano de cerreira que poderia ser aprovado do quadro para QE não merecemos,falam que são injustiçados, mas se fossem estero pensariam, não temos mas idade ou tempo de serviço nem para sermos 2 sgts, mas rebatem somos concursados , rsrsr por uma prova de 1 grau e abrem a boca para falar que são concursados, tem transferência de 2 ou 3 anos , acompanham a outras classes da caserna , mas os cabos e soldados ???????????????????????????????????????????????????????????????????????. deveriam ter vergonha sim e pedir não so para uma classe mas em sim para todas as classes pois vamos obter vitoria se respeitarmos e sermos companheiros um dos outros. BRASIL!

Anônimo disse...

Um Gen de exército disse certa vez quando da criação da ESA que essa escola seria um celeiro de subversivos, é isso o quê eles pensam dos graduados. Recomendo para quem ainda não conhece, a leitura do livro: O USO POLÍTICO DAS FORÇAS ARMADAS E OUTRAS QUESTÕES MILITARES. É bem esclerecedor no que diz respeito a relação entre oficiais e graduados.

Anônimo disse...

AMIGOS, VAMOS FAZER COM QUE O TEXTO ORIGINAL, JUNTAMENTE COM TODAS AS OPINIÕES EXPOSTAS AQUI, CHEGUEM ATÉ OS GABINETES POLÍTICOS PAÍS AFORA, PRINCIPALMENTE BRASÍLIA. SOMOS ELEITORES, NOSSAS FAMÍLIAS SÃO TAMBÉM! VAMOS EXPOR NOSSOS ANSEIOS A QUEM, TALVEZ, NOS OUÇA, SE NÃO POR RESPEITO, POR NECESSIDADE POLÍTICA AO MENOS. JUNTOS TEMPOS FORÇA...
1º Sgt Inf...

Anônimo disse...

O Autor do texto original ao que entendi, tinha como principal objetivo provocar a reflexão, o que acho que esta ocorrendo.
Acho importante usarmos esse espaço para compartilharmos nossos pontos de vista. Cada um de nós tem uma visão de nossa situação, um Cabo vê de uma forma; o 3º Sgt QE tem sua visão; os militares oriundos das Escolas (ESA, etc..) tem a sua maneira de ver a coisa; os oficiais enxergam de maneira diferente; todas as opiniões são bem vindas. Quem puder divulgar esse texto para outros sites, acho pertinente.
Continuemos a reflexão proposta pelo Autor desse texto.
OBS: Montedo seria bom, caso possível, que você recoloque esse texto no início do BLog mais dias, já existem 41 comentários com o meu, acho isso excelente.
OBS: Quem puder leve esse texto a seus chefes, se acharem pertinentes.

Anônimo disse...

As pessoas nem se prestam a verificar a veracidade de informações. Parem de se enganar, ningué no funcionalismo público ganha rios de dinheiro. Só para exemplificar. Meu pai é Subtenente da PM de Minas, e ela não ganha 12000. Ganha 8 mil bruto. Isso porque ele esta aposentado ha 20 anos e tem todos os direitos que os atuais que ingressam não possuem. Olhem o site do ministerio do planejamento com plano de cargo e salários, verão que ninguém está a mil maravilhas. OI exército tem lugar para todos, a maioria que reclama é um péssimo admistrador de dinheiro. Conheço vários Sargentos que possuem carrão e até casa de praia com o dinheiro do Exército somente. Assim como conheço vários que estão na décima PJ, não transferem, não se habilitam, não fazem curso e querem que as coisas melhores. Meus amigos, fiquem espertos, tem cara dando tiro errado, fazendo concurso pra ganhar mil a mais. Uma transferência tira essa diferença por dois anos. Aproveitem o Exército. A profissão é boa!

Anônimo disse...

Realmente é isso que esta acontecendo com o Exército. Dê uns tempos para cá perdemos a pensão para as filhas, a licença especial, a venda das férias, o posto acima, os 28%, o 1% por ano de serviço (tp/sv) querem tirar nossos genitores (pais) do FuSEx, pretendem aumentar o tp/sv, ainda transferiram vários militares contra a vontade, causando desajustes familiares, suicídios, etc... etc...pois não temos auxílio moradia (PNR), mesmo que transferidos por necessidade do serviço, criaram o CHQAO que já passa de umas 20 portarias normatizando o mesmo, uma corrigindo a outra, tem oficiais que em 10 anos de serviço conseguem ser transferidos mais que 6 vezes (mercenários)...e muito mais é o que esta acontecendo no EB.

Anônimo disse...

Essas coisas estão acontecendo realmente no exército e muitas outras como transferências para "peixes". Conheço um capitão do exército com esta situação: RJ para selva em 2001 por término da ESAO; em 2004 sai da selva para RJ novamente; em 2006 sai do RJ para o RS; em 2008 volta para o RJ; E, 2010 volta para o RS e agora em 2013 tá voltando para o RJ. Que necessidade do serviço é essa?

Anônimo disse...

Um Ten Cel do EB recebendo R$ 12.000,00? Quem me dera, companheiro. Meu contracheque deste mês, após a cascata de descontos e consignados, somou R$ 5.600,00. Nem mesmo um Gen de Bda recebe R$ 12.000,00 líquidos. E também não existem ainda Ten Cel da turma de 98, isso eu garanto. De qualquer forma, concordo que a carreira das praças precisa de uma reestruturação urgente. Sou a favor da equiparação de soldos e da criação de 02 graduações adicionais, para que tanto oficiais como praças tenham 06 promoções ao longo da carreira. Considero também que o concurso para a EsSA e EsFCEx (antiga ESAEX) deveria contemplar vagas internas, ainda que em parte.
O Exército dos EUA saiu na frente há muito tempo, inicialmente acabando com a distinção entre "oficiais" e "praças", que só gera divisão interna. Se organizaram em Oficiais "Comissionados" e "Não Comissionados", sendo que os comissionamentos (comandos de tropa e outras funções) são preenchidos por qualificação. Foram criadas as figuras do "Staff Sergeant", "Drill Sergeant" e "Sergeant Major", com funções específicas (equivalentes à de certos oficiais no EB) e permitindo igual número de promoções em cada quadro. Nas unidades formadoras, por exemplo, toda a instrução básica é conduzida pelos "Drill Sergeants", supervisionados pelo "Sergeant Major". O S/3, nesse caso, cuida tão somente do emprego tático e não se envolve com a formação dos soldados. Quem nunca viu nos filmes o sargentão cara de mau com o característico chapéu de aba larga, gritando no ouvido da recrutada?
Pois é, não critiquemos tanto os Yankes, pois eles souberam evoluir, enquanto a estrutura do nosso EB ainda é bem parecida com a da 2a Guerra Mundial.
A mudança é urgentíssima e tenho certeza que nossos generais, que podem ter muitos defeitos mas burros não são, já perceberam isso há muito tempo. Aliás, essa divisão entre "oficiais e praças", que se tenta incutir nas Forças Armadas nem sempre com objetivos muito dignos, já nos causou efeitos catastróficos, como os acontecimentos de 1935 e 1964, por exemplo. Isso não leva a nada, a não ser à corrosão interna, ao enfraquecimento.
É necessária a mudança, mas ela não virá dos generais, pois não está ao alcance deles, mesmo que quisessem. Devemos cobrar dos parlamentares - isso sim. Qualquer melhoria estrutural nas carreiras tem que passar pelo Congresso Nacional, não tem jeito. Uma luz no fim do túnel, talvez, seja a recente estruturação do Partido Militar Brasileiro. Se não instituirmos uma voz dentro do Congresso Nacional, qualquer melhoria virá (se vier) a passos de tartaruga. Um abraço a todos.

Anônimo disse...

"A corrupção avança quando se limita o poder de investigação do Ministério Público". Por Carlos Alberto Di Franco


Aprovada em comissão especial da Câmara dos Deputados, a proposta de emenda constitucional que restringe os poderes de investigação do Ministério Público é um golaço para o time da corrupção. Ainda não foi aprovada em plenário, mas deve ser encarada como um grave entrave ao combate à corrupção.

É preciso refletir sobre os riscos de uma proposta que visa a cercear, tolher e manietar a instituição que, de forma mais eficaz e notória, combate a crônica impunidade reinante no País. De fato, o Ministério Público, em colaboração com a Polícia Federal, tem conseguido esclarecer diversos casos de corrupção.

Será que o Ministério Público, que é quem forma as convicções sobre a autoria do crime, não pode fazer diligências para ele mesmo se convencer? Está em andamento um movimento para algemar a instituição. Se o Congresso excluir o MP do processo investigatório, o reflexo imediato será o questionamento sobre a legalidade e até a completa anulação de importantes apurações.

O papel do Ministério Público, guardadas as devidas proporções, se aproxima, e muito, da dimensão social da imprensa. Fatos recorrentes evidenciam a importância da informação jornalística e da ação do Ministério Público como instrumento de realização da justiça. Alguém imagina, por exemplo, que o julgamento do mensalão teria sido possível sem a pressão de um autêntico jornalismo de denúncia? O Ministério Público, muitas vezes, é acionado por fundamentada apuração jornalística. É o ponto de partida. Ninguém discute que o Brasil tem avançado graças ao esforço dos meios de comunicação, mas também graças ao trabalho do Ministério Público. A informação é a base da sociedade democrática. Precisamos, sem dúvida, melhorar os controles éticos da notícia. Consegue-se tudo isso não com censura ou limitações informativas, mas com mais informação e com mais pluralismo.

O mesmo se pode dizer do trabalho do Ministério Público. Como escreveu a jornalista Rosane de Oliveira, respeitada colunista de política do jornal “Zero Hora”, “em um país em que a polícia carece de recursos para investigar homicídios, tráfico de drogas, roubo de carros e outros crimes, não se compreende a briga pela exclusividade na investigação, típica disputa de beleza entre as corporações. Em vez de as instituições unirem forças, tenta-se com essa emenda constitucional impedir o Ministério Público de investigar. Mais fácil é entender o sucesso do lobby no Congresso: boa parte da classe política não suporta os promotores com sua mania de investigar denúncias de mau uso do dinheiro público”.

Esperemos que o Congresso não decida de costas para a cidadania. É preciso que a sociedade civil, os juristas, os legisladores, você, caro leitor, e todos os que têm uma parcela de responsabilidade na formação da opinião pública façam chegar aos parlamentares, com serenidade e firmeza, um clamor contra a impunidade e uma defesa contundente do papel do Ministério Público no combate à corrupção.

Anônimo disse...

Boas palavras as do Ten Cel, porém discordo no tocante as mudanças internas, muitas são de carater administrativo, como as mudanças na antiga ESAEX, essa aberraçao chamada CHACAL", e tantas outras. No que tange a equiparação dos soldos, até entendo que é atribuição do executivo, mas a maioria É EXCLUSIVAMENTE ADMINISTRATIVA.

Anônimo disse...

CARO MONTEDO, MANTENHA ESSA NOTA NO TÓPICO E CONCLAME AOS QUE QUISEREM A COMENTAR O TEXTO.
MUITOS DESSES COMENTÁRIOS VC DEVE ANOTAR, POIS TENHO CERTEZA QUE SERÁ DEP. FED. SE QUISERES E AINDA VAI LEVAR ALGUÉM CONTIGO DE LAMBUJA DE TANTO VOTO...
ABRAÇOS

Anônimo disse...

" Anônimo disse...
Um Ten Cel do EB recebendo R$ 12.000,00?..."
Muito bom comentário. Só discordo quando fala que as mudanças "...ela não virá dos generais, pois não está ao alcance deles, mesmo que quisessem.".
Discordo pois os Generais tem a meu ver quase toda culpa pelas privações que temos passado.
Para melhorar nossa situação esses senhores não precisam ser indisciplinados com o Executivo e Legislativo, basta apenas propor as mudanças, que a tropa vai apoiar, apoiar com disciplina e responsabilidade, vide manifesto pela revisão de nossa remuneração no Portal da Cidadania do Congresso Nacional que atingiu mais de 10.000,00 apoios em poucos dias.
Sirvo em um Comando de Área onde tem um General 4 estrelas, ele nunca se dignou a fazer uma reunião com seus subordinados para tratar da situação da tropa, pelo menos dar uma satisfação, dizer o que o Alto Comando tem proposto para nos, a fim de melhorar e valorizar a profissão de militar. Passa uma imagem de completo abandono e mais, passa a ideia errada ou não de que o EB está se lixando sobre o sofrimento da tropa.
Finalizando, nós, digo, a maioria de nós jamais pediu que nossos Generais se insurgissem contras as autoridades constituídas, apenas esperamos deles a lealdade e a verdade.

Sgt Yerik disse...

de qualquer forma, foram muito lúcidos todos os comentários até agora emitidos....Para colaborar, gostaria de acrescentar algumas "pseudo-valorizações" que o nosso exército (minúsculo mesmo) deu aos praças...(digo pseudo, não pelas "benesses" em sí, mas pela forma alusiva como foram apresentadas aos militares...)

- Distintivo de "Brigada" ao sargento-ajudante

- Aos ST/Sgt com CAS a realização de sindicâncias

- Porta-estandartes aos 3º Sgts

- Utilização dos praças formados em direito como "acessores"

- Queima de bandeiras para os Subtenentes

- Divisas em tamanhos "maiores" nas fardas de passeio

- Aumento do tempo de formação nas Escolas de sargentos (EsSA, EsIe, 10/23º BI, etc...) (e olha que em anos anteriores todos os sargentos sempre foram muito bem formados com 08 meses...)

- Aumento dos índices do TAF (esse tópico recai mais sobre os nossos 1ºSgt/ST que precisam da "valorização" ao contrário dos Of)

- Reconhece a equivalência como técnicos e pós-técnicos os cursos de formação (EsSA, EsCom, etc...) e pós-formação (Comandos, PQD, Mth, etc...) ministrados aos Sargentos, de acordo com a Port. 146 - Decex de 15 Out 12

- Determinadas punições de St/Sgt não podem mais ser publicadas em BI Ostensivo (apenas no reservado)

....e por aí vai...como diz o provérbio: ""Enquanto houver cavalos, São Jorge não andará a pé."


gde abraço a todos

Anônimo disse...

Engraçado que tem sempre aqueles sgtos, que fazem parte de grupo de 1%, que são movimentados sempre que querem, para onde querem e ficam indo do NE pra Brasília morando em PNR, depois pegam uma missão no exterior, depois voltam pra Brasília, depois fronteira, ai pro sul, depois Brasília denovo...
São esses que assessoram o "alto comando do EB". ai eu pergunto: Vcs do blog acham que esses ST e Sgt falam o que do EB????

Anônimo disse...

O pessoal aqui até parece que não tem argumentos para discutir com amplitude a nossa situação dentro das FFAA. Sinceramente, há uma limitação de ideias e de ponto de vistas de nós militares acerca de tal assunto, os praças criticam oficiais e vice-versa e ponto final. Cadê o nosso senso político para os questionamentos? Cadê a nossa atuação política na sociedade? Não estou falando de política partidária não, estou falando da política de convencimento social das FFAA, da política de união dos militares. São em cima desses pilares é que conseguiremos as nossas conquistas
e prestígio junto a população. A D. Ivone Luzardo da UNEMFA dá show em política, nós podemos muito bem
mirarmos nela, não podemos? Com segregação e briga doméstica não chegaremos a lugar algum. Um abraço a todos 1º Sgt Sau

Anônimo disse...

SOU SUBTENENTE DO EB COM 26 ANOS DE SERVIÇO. ESTOU DE FÉRIAS ESTE MÊS, MAS ESTOU FAZENDO UM BICO NUMA OFICINA DE MOTOS DE UM AMIGO JÁ QUE SOU MEC AUTO PARA PODER FECHAR 2012 NO AZUL POIS TENHO CONTAS PENDENTES AINDA. AGORA SÃO 11:20 HORAS AQUI NO RIO ESTOU DESCANSANDO UM POUCO DEPOIS DO ALMOÇO, POIS PEGUEI ÀS 06 HORAS DA MANHÃ E VOU ATÉ AS 19 HORAS. FAÇO ISSO PORQUE TENHO UM NOME A ZELAR, MAS ISSO TAMBÉM ME LEVOU A REFLETIR HOJE SOBRE A NOSSA CARREIRA E A NOSSA SITUAÇÃO SALARIAL QUE ESTÁ INSUSTENTÁVEL. RECLAMAR ATRÁS DE UM TECLADO SEI QUE NÃO ADIANTA MUITO, MAS PODE FAZER UMA DIFERENÇA, POIS ATRAVÉS DELA PODEMOS DEIXAR A SOCIEDADE A PAR DA INDIFERENÇA QUE O GOVERNO NOS TRATA E NOS HUMILHA. NUNCA PENSEI QUE A COISA FOSSE FICAR TÃO RUIM ASSIM COMO ESTÁ HOJE E O PIOR É QUE NÃO HÁ UMA PERSPECTIVA DE MELHORA PARA A NOSSA CLASSE. POLÍTICOS? NÃO ACREDITO NELES. POLÍTICA? NESTA SIM EU ACREDITO, POIS É O QUE ESTOU FAZENDO AQUI, EXPONDO FATOS NEGATIVOS DA NOSSA CARREIRA ASSIM COMO OUTROS O FAZEM.
PODEMOS SIM FAZER POLÍTICAS SIGNIFICATIVAS NA INTERNET INCLUSIVE A PARTIDÁRIA. VAMOS LÁ MEUS CAROS COLEGAS DE NORTE A SUL DO BRASIL. VAMOS EXPOR AS NOSSAS FERIDAS À SOCIEDADE E JOGAR NA CONTA DOS NOSSOS POLÍTICOS MEDÍOCRES E JÁ PARAFRASEANDO ZECA PAGODINHO POLÍTICOS QUE ME DÃO NOJO, PARTIDOS QUE ME DÃO NOJO, PRESIDENTA QUE ME DÁ NOJO, MINISTROS QUE ME DÃO NOJO, ENFIM ELES SÃO OS GRANDES CULPADOS PELAS NOSSAS MAZELAS, ENTÃO IMPLACAVELMENTE DENUNCIEMOS-OS.

Anônimo disse...

Eu não concordo com aqueles que atribuem nossos problemas aos governos. Na verdade acho que quando a cúpula das Forças tentam de forma velada, através dos Clubes Militares, atribuir os baixos soldos e o desaparelhamento aos governos, na verdade querem é tirar o "seu da reta", pois eles são os principais responsáveis por tudo isso.
Foi no Governo FHC que foi editada a famigerada MP que retirou nosso posto acima na passagem para a reserva, LE, gratificação por tempo de serviço, dentre outras vantagens. Tenho informação de fonte segura que naquela época FHC deixos nas mãos das FA a redação da MP, porém disseram que foi tanta discussão e incompetência que o governo avocou para a responsabilidade pelo texto da MP.
Quando o molusco assumiu já estavamos na "m", não to defendendo o Governo Lula não, muito pelo contrário, porém atribuir a ele o a Dilma nossos problemas e livrar a cara dos Generais é no mínimo ingenuidade.
Na verdade os Generais vivem de status, pois poder e salário não existe mais. A única coisa que lhes resta é manter o status, usando carros oficiais, moradia gratuita, telefone com faturas pagas pelo erário, avião da FAB e helicópteros do EB, para fazerem suas visitas de inspeção, que na verdade são pretextos para receberem diárias polpudas a fim de melhorar os salários.
Infelizmente o que nos resta a melhorar a consciência política e se possível melhorar nosso capital intelectual como disse o autor do texto, e dessa forma tentar mudar algo de dentro para fora e de baixo para cima, pois se dependermos do Alto Comando não conseguiremos melhorar nossa condição social.
A proposito o Alto Comando se não me engano é composto por 14 generais 4 estrelas, que se reunem para decidir que cor de capacete o militar deve usar quando fardado em motocicleta, se praça pode prestar continência para oficial general em movimento, etc., como acreditar que algo pode melhorar?

Rogério - JF disse...

Conclamo aos companheiros militares que divulguem esse texto, ele aduz a verdadeira situação das Praças nas FFAA. Não se trata de um texto desrespeitoso e nem indisciplinar, muito pelo contrário, sensato e racional. Eu particularmente já o enviei para os meus contatos para que possam ler e divulga-lo também. Em síntese, percebo que há uma anarquia entre nós praças e isso facilita e muito a vida dos nossos chefes, pois o dia em que nós Praças começarmos a refletir e questionar como o autor do texto em tela o fez. Aí sim, a situação tende a mudar.
Sou infante mas vou parafrasear Osório - "é fácil a missão de comandar homens livres."

João Candido Almirante disse...

Concordo inteiramente com o texto original e com todos os comentários, gostaria apenas de acrescentar algumas opiniões:
1º) Pessoal QE, cabos e 3º sargentos: conheço muitos QE, atribuir a condição atual a eles é no mínimo covardia, o EB incorporou, estabilizou, sugou e não ofereceu oportunidade deles progredirem internamente igual a Marinha, porque não criou concursos internos para possibilitar a Ascenção? Ora achar que alguém vai passar 30 anos em uma Instituição e receber uma promoção é no mínimo ingenuidade, com o passar do tempo o QE ficou insatisfeito com razão e o EB só esta se mexendo agora porque um político comprou a causa, pois se dependesse do nosso Comando nada seria feito.
Com relação a promoção a 2º Sgt e a ST, muitos militares de carreira tem se manifestado contra, pois como promover o QE a St se eu que fiz concurso e ESA também só chego a ST? Como disse não podemos atribuir a situação do QE a eles e sim a Instituição, porque não criou um plano de carreira para eles lá atrás?
2º) Militares de Carreira, ESA, ESIE, ESLOG e outras: o raciocínio é parecido com o anterior, como disse o texto, na década de 1980 e 1990, os editais dos concursos previam que o Sgt chegaria a Cap na ativa e iria para a reserva como os proventos de Maj. Com o passar dos anos a carreira regrediu, passamos a chegar a Cap somente, hoje para chegar a Cap só com 32 anos de serviço e olhe lá, proventos de Maj nem pensar.
Com o passar dos anos, novo século seria ideal a valorização da carreira, hoje temos praças graduadas em diversos cursos superiores e como a força não permite ascensão interna o que resta são os concursos públicos ou aguardar a ida para a reserva para passar a outras atividades.
O DIAGNÓSTICO É O SERGUINTE: Hoje existem dois tipos de praças de carreira.
O primeiro é aquele que já tem mais de 20 anos de serviço e chegou a conclusão que tem que aguardar os 30 anos e posteriormente ter outra atividade, se possível levar uma atividade paralela.
O segundo é aquele que já sabe que a carreira não tem futuro, esta estudando e os que já estão formados estão realizando concursos para outras áreas, inclusive estão fazendo prova para Sd PM, vejam bem a que ponto chegamos Sargentos fazendo concurso para Sd PM.
A proposito, não sei se vocês tem notado, nosso recrutas não fazem mais concursos da ESA, por que será.
Infelizmente para a Instituição, hoje a maioria dos Sgt esta aqui so como trampolim para algo melhor e menos sofrido.
3º) Oficias de Carreira: muitos oficiais também já chegaram as mesmas conclusões dos “Militares de Carreira, ESA, ESIE, ESLOG e outras”, acredito que a eles se aplicam o mesmo diagnóstico. Com agravante eles estão mais perto da cúpula e chegaram a conclusão da nossa situação a muito tempo. Basta ver Oficiais QEMA Tem Cel pedindo reserva, muitos não querem comandar, por que será?

1º Sgt Inf Jorge disse...

Respeitosas saudações aos colegas praças e aos Srs Oficiais! Muito pertinente e instigante o texto referência e respectivos comentários dos participantes do Blog, sobre eles algumas considerações: mesmo sendo diretamente interessado julgo constitucionalmente inviável a criação de vagas na EsFCEx (antiga EsAEx) exclusivas para praças do EB,por tratar-se de concurso público de caráter nacional, sendo, no caso, discriminatório para com os demais cidadãos brasileiros (por analogia,seria tão nefasto quanto criar-se reserva de vagas em concurso público para seleção de juiz ou promotor, em que metade das vagas ofertadas fossem direcionadas aos funcionários das respectivas instituições),portanto,no caso em tela, a solução e graduar-se em alguma área de interesse do EB e estudar (muito) para passar neste concurso,visto que é de altíssima e qualificada concorrência,com mais de 100 candidatos/vaga, o que por sí dá ideia do seu grau de dificuldade. O caminho está em uma melhor e maior representação política em Brasília, por que é lá que as coisas acontecem, nos escaninhos do poder político e administrativo, o demais são apenas elocubrações e vãs esperanças, visto que dos nossos "chefes" muito pouco será apresentado. Por fim, a divisão interna entre oficias e praças ( e isso acontece,lamentavelmente) e respectivas "subcategorias" tipó sou de escola,fulano é QE;somos de escola mas sou melhor por ter tal curso;sou Of de academia,o fulano é do IME ou QAO;sou da EsFCEx, beltrano é temporário; sou da escola de sáude, sicrano é capelão; são posicionamentos mesquinhos e egoístas que de nada servem a uma causa maior - a valorização da carreira militar -, ao contrário, só nos dividem e enfraquecem... Resumindo: "A união faz a força" e juntos certamente somos mais fortes do que qualquer um isoladamente, do contrário estaremos fazendo o jogo dos poderosos, que é dividir para enfraquecer, por consequência sobrepujar os orgulhosos e incautos. Cumprimentos ao moderador do Blog e Saudações a todos os irmãos de armas. 1 ºSgt Inf Jorge

Anônimo disse...

Montedo: Depois da questao salarial do ano passado, acho que este assunto é o que mais foi postado comentários. Ele reflete exatamente os anseios e dificuldades das praças com a carreira. É de se refletir o caminho que está sendo tomado pelo EB na questao da valorizaçao do pessoal.

Anônimo disse...

É por conta dessa desvalorização que eu só faço o básico, não dou mais ideias e nem me aplico nas questões militares do dia a dia da caserna. Vejo as merdas acontecerem e faço vista grossa, pois se eu der solução o meu chefe ficará sempre dependendo de mim e pagando missão. Dedico-me a apenas aos meus estudos para concurso, mesmo dentro do quartel, e para resolver os meus problemas pessoais. E tem mais, não engulo comando que fica querendo "apertar", pois todos esses comandantes tem telhado de vidro (falcatruas, dispensas ilegais de licitação, poda de árvores sem autorização, usam carro funcional para fins particulares etc) e, tal qual um passarinho, se me apertarem muito eu cago, se me soltarem eu voo.
Essa é a minha atual filosofia de vida dentro da caserna, gostem ou não. Eu sou um produto do meio, sou o reflexo dos meus comandantes e chefes diretos, me espelho neles.

Anônimo disse...

Existem 3 tipos de MILITARES:
- OS QUE GOSTAM E NÃO NECESSITAM. Esse tipo é aquele que vem de uma família rica ou de classe média alta, filhos de Generais, etc... mas está na Força porque gosta. Atualmente acho que é minima a quantidade.
- OS QUE GOSTAM E NECESSITAM.
Esse tipo é aquele que permanece na Força porque gostamdo que fazem, amam a Instituição acima de tudo, não reclamam,tem consciencia que o militar não ficará rico e também precisa do pouco que ganha mas com lisura, para o sustento de sua familia.
- POR FIM, OS QUE PRECISAM MAS NÃO GOSTAM.
Esse é o pior tipo de militar. Ficam esperando o expediente terminar para fazer o que gosta lá fora, e não estão nem aí para o que acontece dentro de sua OM e a até no local de trabalho. Reclamam de tudo mas não tem CORAGEM MORAL, para sair, somente se tiver algo já certo para substituir a carreira das armas. Acho que deve ser muita tortura ser um desses.

Anônimo disse...

Na minha modesta opinião, nunca um militar NB (Of, St/Sgt, Cb/Sd) que não gostasse de ser militar. Tenho mais de 20 anos de serviço e nunca tive uma remuneração boa, no nível dos Servidores com Carreira de Estado, tipo PF, PRF, TCU, etc. Quando entramos todos nós sabíamos que não iriamos ficar rico e a maioria de nós não tem objetivo de ficar rico.
Hoje com o nível da remuneração paga aos praças esta difícil de sustentar uma família e propiciar saúde, educação, alimentação, lazer e outras necessidades básicas de qualquer cidadão.
Nunca pensei em ficar rico no EB, gostaria apenas de ao final de um ano poder tirar umas férias e viajar com minha família, não precisa ser um destino de luxo, apenas descançar e curtir um pouco a vida.
É pedir demais após 20 anos de serviço ter uma casa, um bom carro e poder tirar umas férias com a família?

Anônimo disse...

Nossa remuneração não é nunca foi grande coisa, porém o que tem assustado hoje em dia é a falta de perspectiva de uma melhora, pois nossos Cmts não demonstram aptidões necessárias para liderarem uma Instituição do tamanho do EB, Caxias, Osório, Sampaio e outros vultos de nossa história devem estar se sentindo envergonhados desses que se dizem Lideres atuais.
Cmt o Sr é uma vergonha para nós.

Anônimo disse...

Ao comentário de 8Jan13 19:30, que definiu três tipos de militares, cujo trecho destaco abaixo:

(...)"amam a instituição acima de tudo"(...)

Ah, fala sério meu amigo, eu amo é a minha família acima de tudo, não amo e nunca amarei instituição alguma, no máximo nutrirei alguma simpatia por uma ou outra enquanto ela(s) atender(em) aos meus anseios. Amor é um sentimento incondicional e, certamente a minha permanência nas Forças Armadas é uma situação condicional assim como a de 99% dos militares. Vamos parar com essa hipocrisia de falar de "amor pela pátria", "amor pelo Exército", pois ninguém aqui se propõe a trabalhar como militar sem receber remuneração, só por amor!Ao menos não em tempo de paz! Ou existe alguém que mesmo sem receber permaneceria nas Forças Armadas com o peito estufado e tecendo elogios e fazendo afirmações moralistas.
Por favor, tire o seu coturno extraleve de 4cm de solado e pise no chão, militar !!!!!!! Pare de romantizar aquilo que já há muito tempo deixou de possuir romantismo ou garbo.
OBS.: SÓ SAIREI QUANDO ME FOR CONVENIENTE E POSSÍVEL, POIS TENHO OS PÉS NO CHÃO, MAS NEM POR ISSO DEIXAREI DE APONTAR OS ERROS QUE A ALTA ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO COMETEU/COMETE AO LONGO DESSES ANOS. NÃO SÃO SITUAÇÕES EXCLUDENTES (PERMANECER E RECLAMAR), OU VC ACHA QUE QUEM ESTÁ DENTRO DA FORÇA NÃO TEM O DIREITO DE RECLAMAR SOBRE QUESTÕES ÓBVIAS QUE ESTÃO NA CARA DE TODO MUNDO?

Anônimo disse...

"Se me apertar eu cago, se me soltar eu voo" - Essa pra mim foi novidade. Vou incorporá-la ao meu caderninho de frases de impacto (rsrsrsrsrsrsr!)

Anônimo disse...

Temos que fazer os assuntos de nosso interesse ganhar repercussão na internet, só assim que nossos Comandantes se mexem, lembra-se do que o Senador PAULO PAIM falou, que o Congresso Nacional só age sobre pressão? Portanto temos que fazer pressão sobre nossos Comandantes para ver se eles se mechem.
A internet é um meio muito rápido e dentro da disciplina podemos divulgar nossas queixas, temos que envidar esforços em publicar matérias como essa e fazê-las chegar aos meios de comunicação, por isso repassem para os civis e militares.
A proposito dê uma olhada nesse processo nº 0506385-53.2011.4.05.8500S, no qual um militar da ativa conseguiu judicialmente no Juizado Especial Federal de Sergipe uma indenização por danos matérias em face da União.
O CASO FOI O SEGUINTE: ele foi movimentado por necessidade do serviço para Aracaju, pagou aluguel durante cinco anos, entrou na justiça pedindo ressarcimento a União pelos valores pagos de aluguel, tendo em vista que foi movimentado por necessidade do serviço e a Lei 6880, de 9 DEZ 1980 prevê o direito a moradia funcional, como não existia disponibilidade de PNR teve que pagar aluguel, a justiça entendeu que ele tinha direito, ganhou na 1ª instância; ganhou na Turma Recursal; a União interpôs Recurso Extraordinária para o STF, o recurso teve seguimento negado para o STF; a sentença está em via de transitar em julgado, gerando jurisprudência para quem quiser cobrar o ressarcimento dos aluguéis pagos em localidades sem PNR.
Link:
https://wwws.jfse.jus.br/cretainternetse/consulta/processo/detalhe.wsp?tmp.processo_judicial.id_processo_judicial=126332&tmp.processo_judicial.nr_processo_judicial=0506385-53.2011.4.05.8500

Anônimo disse...

Montedo, seria pedir demais que este post permaneça amanhã bem visivel no Blog? 65 comentários em dois dias, acho muito bom.
Abraços,

Anônimo disse...

Olá pessoal, em resposta ao comentário de 08jan19:30 gostaria de dizer-lhe que NINGUÉM AQUI ESTÁ QUERENDO SALÁRIOS FELPUDOS COMO O PESSOAL CIVIL , O QUE RESSALTAMOS É O DESCASO DE NOSSOS PSEUDO-CHEFES, É O ACHAR QUE SOMOS ANALFABETOS, MÃOS DE OBRAS ACÉFALOS. É ISSO QUE DESTACAMOS AQUI! ESSE É O NOSSO GRITO!!! ESTAMOS DEIXANDO CLARO PARA ELES QUE NÃO AGUENTAMOS MAIS O DESCASO E A HIPOCRISIA EM NOSSO LOCAL DE TRABALHO.
A PROFISSÃO QUE ESCOLHEMOS A 15, 20 ou 30 ANOS ATRÁS, E QUE SUSTENTA NOSSA FAMÍLIA PRECISA SER REVISTA, REFORMULADA, REESTRUTURADA E READAPTADA PELA NOVA REALIDADE.
O SENHOR FOI MUITO INFELIZ EM GENERALIZAR, POIS TODOS SABEMOS QUE NINGUÉM VAI ENRIQUECER DE FORMA LÍCITA NA CARREIRA DAS ARMAS, E O QUE ALMEJAMOS É TÃO SOMENTE CHEFES COM "C" Maiúsculo para, pelo menos brigar por melhores condições. AQUELES LÍDERES QUE COLOCAM-SE A FRENTE NO "CAMPO DE BATALHA" E DIGA: SIGAM-ME! TODOS NÓS PODEMOS LUTAR POR DIAS MELHORES NO NOSSO LOCAL DE TRABALHO, SEM COM ISSO SERMOS INSUBORDINADOS E TAMPOUCO OUVIRMOS AQUELA FRASE MEDÍOCRE DE QUE: "QUEM NÃO ESTÁ SATISFEITO PEDE PRA IR EMBORA".

Anônimo disse...

ja se passou da hora de aumentarmos nossa representatividade política. Os militares, com suas famílias, englobam milhares de eleitores e isso faz a diferença. Vamos eleger quem depois a gente possa cobrar!

Anônimo disse...

Boa noite, acabei de ler o post e os comentários, parabéns a todos, isso mostra como temos evoluído.
O que falta no momento é a consciência da importância da política, é ele que define o preço do leite, gasolina, alimentos, salários dignos, etc., precisamos eleger candidatos militares e civis comprometidos com os militares, digo não queremos tratamento diferenciado, so queremos ser tratados com cidadãos como todo mundo merece.
Nem que as mudanças sejam para o futuro, vamos lá.

Anônimo disse...

vê ai a matéria que saiu no yahoo:

http://br.financas.yahoo.com/noticias/profiss%C3%B5es-receberam-maiores-aumentos-redu%C3%A7%C3%B5es-130009450.html

e ainda tem milico reclamando de salário, agora me deem licença que vou gastar meus enormes vencimentos.

Anônimo disse...

Ao companheiro "anônimo" de 8 de janeiro de 2013 21:12;

Você criticou o comentário a respeito dos militares que, supostamente, "amam a instituição acima de tudo"... Sim, suas observações são coerentes, eu também coloco minha família como instituição numero 1; Porém, o autor não ordenou esse ou aquele aspecto como a forma "correta" de se pensar; Apenas afirmou que existem indivíduos que assim pensam. E - posso lhe dizer - eles existem, por incrível que possa parecer. Talvez seus históricos de vida, traumas de infância ou desajustes quaisquer os façam assim pensar. E fazem as próprias famílias passarem por terríveis provações, pois dedicam-se exclusivamente à Corporação, sem lembrar que "existe vida além do Corpo da Guarda". Muitos se tornam profissionais de sucesso e alguns até viram generais. Esse tipo de militar existe, de fato, e te digo isso porque acabei de ser comandando por um deles, há pouquíssimo tempo. Se orgulhava em nos dizer que os filhos estudaram em mais de 15 escolas diferentes e a esposa abriu mão de todos os sonhos e projetos, para acompanhá-lo na sua dedicação à "Força". Se pensa assim, problema dele, mas também tenho visto alguns desses senhores, após passarem para a reserva, descobrirem finalmente que ninguém ao seu lado mais há. Os filhos bateram asas e se foram cuidar das suas vidas, a esposa, se ainda houver, condenou-se à depressão ou ao vício em barbitúricos e os "amigos" não o procuram mais, por não aguentarem aquele velho chato que "só sabe falar de quartel". Casamentos desfeitos, convivências perdidas, famílias desestruturadas, e por aí vai. E eles existem, isso é fato, infelizmente. Sendo assim, amigo, não é o caso criticar opiniões divergentes, pois a liberdade de expressão é, talvez, o mais rico patrimônio do presente espaço. Acho mesmo que a totalidade dos nossos problemas profissionais se deve a esses indivíduos que colocam a "instituição" como primeiro pilar em suas vidas. Esquecem que os QCP das OM são preenchidos por pessoas e não por "números". Eles acham que todos devemos pensar da mesma forma, porque não conhecem outro referencial. Não sabem o que é amar e receber amor, no aconchego de uma família. Coitados deles, muito mais dignos de pena do que de raiva. Eu amo o Exército, mas não tanto assim. Minha mulher e filha estão em (total) primeiro lugar, lógico. Abraços a todos.

Anônimo disse...

Algumas considerações sobre a conjuntura do EB:

PROBLEMA A: Em 2012, 50 Cb/Sd NB da OM em que sirvo pediram baixa antes de completarem os 7 anos. Neste ano, aproximadamente 80 vão pedir. Ano que vem, a baixa terá que ser depois do tiro dos recrutas pois não haverá antigos para concorrerem às escalas.

PROBLEMA B: Falta de Cb/Sd motoristas carteira D (não entrarei no mérito das demais QM´s por questão de tempo). Hoje um motorista carteira D mal remunerado está recebendo o salário de um 3º Sgt. Como segurar um Cb/Sd carteira D?

PROBLEMA C: Regulamentos ultrapassados contrariando a Constituição; amadorismo irrestrito; pessoal sem qualificação; apadrinhamento; chefia incopetente; falta de acessoramento; falta de conhecimento técnico; má vontade; soberba; a famosa desculpa "se não está satisfeito pede para sair"; esses são alguns dos vícios presentes na Oficialidade. No Exército, se você colocar uma estrela em um jegue, ele já serve para comandar. Para se formar um Sgt Combatente Temporário você precisa de um militar que já passou pelo serviço militar obrigatório com CFC e CFST, com no mínimo 1 ano e seis meses de quartel. Já um comandante de pelotão com 10 meses no meio expedite e voilà, cá temos o senhor do universo. Não vou nem citar o EST porque aí sim seria covardia.

PROBLEMA D: A falta de planejamento. Você recebe uma missão em cima da hora com direito ao "se vira negão" de praxe e tem que correr atrás de viatura, contato com a OM de destino, catanho e tudo mais, quando para isso deveria haver uma ordem de serviço determinado as ordens aos elementos subordinados, aqueles que deveriam fazer em tempo hábil o que você teve que fazer em tempo recorde. E o mais legal que é que quando existe algum arremedo de planejamento, ele não corresponde à execução da tarefa. Resposta minha a um of superior me arrochando por causa do atraso no cumprimento da missão: Major, estou aqui para realizar todos os seus desejos, para isso só preciso saber o que o Sr quer, coisa que nem o Sr sabe. Eles estão perdidos, sem saber de onde vieram, onde estão e para onde vão. E isso não os preocupa pois o importante não é onde estou, mas como estou. É cada parasita bem nutrida que vejo aqui na OM.

Caro Montedo, agradeço a oportunidade desta catarse, ciente que nada vai mudar neste sistema de castas indianas e que a sargentada vai ficar cada dia mais revoltada(ou recalcada como dizem os Of). Talvez assim poderemos ter um EB nos moldes da novela das 8, só com Oficiais, aí sim eu gostaria de saber quem é que iria limpar as latrinas.

PS: essa exigência do TCU para o curso de habilitação do QAO é balela pois o QFO dos NPOR/CPOR não é de nível superior e nem os alunos têm como pré-requisito possuírem diploma de nível superior para tal. Tenham a hombridade de assumirem isso como medida tapa-buraco (o EB é pós-doutor nisso) para filtrar a promoção das turmas "gigantes".

PS 2: o CHQAO só vai conseguir formar o subão QE, aquele que não se habilitou, não tem perspectiva de promoção e vai pôr o dedo na cara de Of e mandar enfiar TAT, TAF, marcha e o que vier naquele lugar.

Anônimo disse...

: O POSTExistem 3 tipos de MILITARES:
- OS QUE GOSTAM E NÃO NECESSITAM. ...............................
- OS QUE GOSTAM E NECESSITAM.
......................., DEPOIS DE SUA FAMÍLIA, amam a Instituição acima de tudo, ................................................
- POR FIM, OS QUE NECESSITAM MAS NÃO GOSTAM.
.....................................................
FOI DE PROPÓSITO, SOMENTE PARA VERR A REAÇÃO!apesar de saber temos aqueles que realmente amam a instituição acima de tudo.
EU AMO MINHA FAMILIA ACIMA DE TUDO! PARA FICAR CLARO!
Ao comentarista que se doeu, MINHAS DESCULPAS PELA COLOCAÇÃO, ACIMA DE TUDO.

Anônimo disse...

Acho interessante alguns praças atacando oficiais...lembro que voces são "praças" porque querem, porque tiveram preguiça de se preparar para um concurso para a AMAN ou para a EsAEX, e preferiram prestar um concurso bem mais light para EsSA. Portanto senhores, ponham a mão na consciencia e parem de atacar os oficiais, pois, se quizessem voces poderiam ser um deles. Existe sim, uma grande desvalorização dos praças, onde oficiais R2 com menos de um ano de 2 nos de serviço são muito mais valorizados que um praça com mais de 20 anos. O sistema de promoções é injusto, o intertício e o sistema muda praticamente todo ano, o salário é péssimo, e não temos nenhuma perspectiva de melhora, pelo contrário. Lembro que abaixo dos generais e Comandantes de OM que são cobertos por inúmeras regalias TODOS os demais estão na merda.

Anônimo disse...

Tem cara que nao sabe nem mentir... 80 Cb/Sd EP deram baixa e agora mais 50... 80???? Ta de sacanagem.... Mentira das piores.

Anônimo disse...

Escrever em CAIXA ALTA não dará valor a sua opinião.
Seja ponderado, respeite e tenha argumentos, que será lido e quem sabe influênciará.
Obrigado.

Anônimo disse...

Quem dos senhores já ouviu de algum comandante de subunidade ou unidade que seria interessante regularizar sua situação eleitoral, transferindo o título para a zona eleitoral onde residem?
Um dos motivos de não termos representatividade no legislativo é porque não votamos.
Obrigado.

Anônimo disse...

Sou Oficial Superior de Intendência e anos atrás enviei a seguinte sugestão ao EME:
1) Que se acabasse com a figura do "Fiscal Administrativo", pois este efetivamente não fiscaliza nada (controle interno é função das ICFEx), pelo contrário, é um executor com o nome no ROL de RESPONSÁVEIS! Além do mais, dificilmente vemos um Oficial de Intendência na função, que normalmente é confiada a um leigo (oficial de Arma).
2) Propus, então, que a função passasse a ser chamada de "Oficial de Administração", responsável pela Administração no Quartel e confiada ao Oficial de Intendência.
3) Este Oficial de Administração coordenaria a Tesouraria, o Rancho, o Almox, a SALC, o SPP, o suporte documental e demais funções administrativas.
4) Para não haver necessidade de aumento de efetivo, propus que a Tesouraria (o CPR hoje funciona quase sozinho, basta praticamente ligar o computador), o Rancho, o Almox, e as outras funções adm fossem confiadas a praças, que se reportariam ao Oficial de Intendência.
5) Hoje em dia a formação do Of de Intendência deveria focar em planejamento, gerenciamento de projetos, de atividades, logística (atual, não aquela da II Guerra). E este Oficial estaria capacitado a gerenciar muito bem a Administração, e não ser sub-empregado na qualidade de um executor, e a praça deixaria de ser apenas auxiliar para exercer uma chefia, o que já seria um avanço e uma valorização).
6) Nem sei qual foi o fim que deram ao texto que enviei. Possivelmente esteja no triturador, ou guardado na gaveta da mesa de algum QEMA para ele apresentar na hora certa para ganhar os créditos, tal como aconteceu com outro trabalho de minha autoria...
7) Concordo com muito do que foi dito no texto do companheiro, eu sinceramente entendo, após mais de 28 anos de serviço, que muitas das dificuladades que enfrentamos poderiam ao menos ser amenizadas na própria esfera administrativa, mas parece que nego em Brasília só consegue pensar em como PIORAR a situação, já crítica.
8) Nem todos Of Superiores têm PNR garantido, apenas aqueles funcionais (normalmente comandantes/Diretores), os demais ficam na briga de um PNR que folgue (quando há na guarnição), e sinceramente preferiria morar fora de PNR, recebendo o auxílio-moradia, pois já tive stress sério de convivência em vila quando morei em PNR, pq alguns "companheiros" não conseguem entender que PNR, quando ocupado, é a CASA do SUJEITO DE INVIOLABILIDADE PROTEGIDA PELA CONSTITUIÇÂO, e não uma extensão do quartel (hoje moro em casa própria graças aos céus, comprada a muito custo).
Abs e boa sorte a todos em 2013 (vamos precisar).

Anônimo disse...

Bom dia a todos!
Gostaria de parabenizar ao Autor do texto, dono do Blog e todos que comentaram até o momento.

A divisão entre Oficiais e Praças, que foi matéria do comentário do Gen GUILHERME, lembram dele? Vulgo toquinho da maldade, leiam no link: "http://noqap.blogspot.com.br/2012/03/general-pede-uniao-e-diz-nao-quero.html", é incentivada pelo Alto Comando do EB, como forma de dominar melhor a tropa, é conveniente para os Oficiais Generais manter essa desunião, utilizando a lógica "dividir para conquistar, controlar, etc..".

Como disse o "Anônimo disse... 9 de janeiro de 2013 11:54" existem muitas coisas atualmente que o EB poderia fazer para melhorar a vida de seus militares, porem não é feita, sabe-se lá por que.

Dois adjetivos em falta hoje no Alto Comando do EB, LEALDADE e RESPEITO a seus militares.

Bom dia a todos.

Anônimo disse...

Hoje em dia essas brigas de oficiais e praças não têm mais cabimento em nosso meio. Todo mundo está no mesmo barco furado sentindo na pele a indiferença do governo diante da nossa situação caótica. Sinceramente eu prefiro mil vezes ir para a reserva como subtenente e ganhando proventos de capitão a ser um capitão na reserva ganhando como um ST. O que está errado são os nossos defasados soldos e não a carreira em si. Só sei de uma coisa que vou lutar com unhas e dentes para tirar o poder do PT. DILMA E PT NUNCA MAIS.

Anônimo disse...

Prezados companheiros
Sou Oficial, porém fui praça (soldado, cabo, etc, etc)
A vida de oficial não é um mar de rosas como dito por alguns companheiros. Aliás, onde sirvo está cheio de companheiros que fazem corpo mole (oficiais e praças). Porém, quando um companheiro finge que trabalha, ele sobrecarrega outros, que estão na mesma situação.
Essa coisa de CASA GRANDE E SENZALA, me desculpem, é um discurso alienado.
Como disse, a grande maioria dos oficiais tb estão sem PNR, não recebem auxílio-transporte, muitos ficam depois do término do expediente, enquanto 99% das praças, antes do toque de ordem, já estão prontos para vazar, não interessa se tem pendências na seção. Esses companheiros ficam depois da hora não pq gostem, mas pq são profissionais e são conscientes de suas responsabilidades; pois, quem será cobrado o oficial ou a praça da seção? Certamente, o oficial.
Desde qdo incorporei acho que essa divisão entre oficiais e praças é ridícula. Esta divisão fere qq método de gestão de pessoas.
Quem ainda recebe algum benefício diferenciados são os oficiais QEMA, não por uma questão de falta de isonomia, mas pq a coisa tá feia mesmo. Até para os QEMA o negácio tá ruim. Ninguém quer comandar e quem comanda, comando com o c... na mão.
Não tem como a instituição tratar todos de forma igual.
Lógico que poderia ser mais razoável.
O restante, que não é QEMA, tá no mesmo barco.
Acho que valorizar o profissional é atribuir responsabilidade tb, mas parece que alguns companheiros não entendem assim; para alguns, valorizar é só proporcionar bônus, nada de impor ônus. Por isso concordo com a opinião do companheiro de intendência. Aliás, não entendo pq os OD são Oficiais de Arma!!! PAra quem trabalha na administração é uma sofrimento. As vezes vc tem que passar para a seu chefe aquilo que vc demorou 5 anos para aprender em 5 minutos.
Outra alienação é achar que um Soldado tem que ter os mesmos benefícios que um General tem. Isso não acontece nem na iniciativa privada.
Entendo que a melhor forma de ascender profissionalmente é por meio de concurso. Podemos discutir os métodos, mas acho justo a promoção ao QAO por mérito intelectual. Pq não adotar o método da Marinha? O CHQAO tem que existir sim.
Outro ponto que gostaria de alertar é que, mesmo com mudanças na gestão de pessoas na Força, vai ter que existir o 1º Sgt e o ST, No fundo o nosso problema é falta de dinheiro no bolso.
A MP do mal foi uma...não tem adjetivos possíveis para classificá-la.
Até a Polícia Militar do Estado de São Paulo tem posto superior quando da passagem para a reserva remunerada.
Na PMSP, quando vc é instrutor (oficiais e praças) vc recebe uma gratificação.
O auxílio-moradia quebra a paridade entre ativos e inativos?
Quebra pq a proposta não é de R$ 50,00 para cada militar da ativa.
O pré-escolar quebra a paridade?
O auxílio-transporte quebra a paridade?
A gratificação de fronteira quebra a paridade?
A compensação orgânica quebra a paridade?
Ou alguém acha que a União vai construir PNR e qq guarnição de São Paulo, ou do Rio Grande do Sul, ou de Santa Catarina, ou da Bahia?
A única valorização que a instituição patrocinou, pasmem, pq eu ficou boquiaberto, foi a REVITALIZAÇÃO DO SERVIÇO DE SAÚDE; sem comentários.
Com o meu vencimento de oficial e com três filhos em idade escolar, tendo que pagar aluguel, escola, comida, vestuário, colocar gasolina do meu bolso para ir para o quartel, tá difícil. Não consigo trocar os pneus do meu carro!!! Sério.
Grato

Anônimo disse...

Resposta ao comentário do Anonimo postado as "9 de janeiro de 2013 13:36".

Gostei do comentário, mostra a visão de um Oficial no o que esta acontecendo e o que eles estão sofrendo, tanto quanto os Praças.

GOSTARIA DE LHE FAZER UMA PERGUNTA: Você como Oficial que se relaciona com o Oficial Comandante, o que ele fala de nossa situação? Você acha que o Alto Escalão tem a percepção do está acontecendo ou estão alienados como parece?

Abraço a todos do Blog.

Anônimo disse...

Parei de ler na metade...isso é papo de praça recalcado e endividado ( endividado por que quer, assim como a maioria dos que tem problemas finaceiros ) e se é que foi escrito mesmo por algum militar.
S Ten Marcos Pinto de Oliveira França - 25º BLog - RJ

em tempo : Esse cidadão não pede demissão porque? seria melhor pois sofreria menos.

Anônimo disse...

Ao anônimo de 08 Janeiro 21:12. Você destaca a história de um comandante que diz "amar a instituição acima de tudo" pois te digo que isso é "amar a carreira acima de tudo" Sendo ele um oficial e tendo uma carreira que lhe deslumbra em algum aspecto, mesmo que seja o status de comandar, ou a possibilidade de ter algum poder, ele pode "amar essa sensação" Não a instituição. Se essa mesma pessoa fosse um praça, sem perspectiva nenhuma de carreira, iria "amar a instituição como diz amar/'? Iria deixar a familia em segundo plano dedicando-se a pensar somente no quartel? Claro que não, ele faz isso, não por amor ao quartel, mas sim por amor ao poder que a carreira lhe dá, mais a cada posto, a cada função, quanto mais a idade avança, mais poder a carreira lhe dá, e isso lhe serve como uma droga que lhe entorpece e oculta sua personalidade. Isso nunca foi amor a instituição. Amor a instituição é doação, é abnegação, é trabalhar de verdade. Muito diferente desse seu exemplo.

Anônimo disse...

Amigo das 14:07

Como Oficial eu lhe digo: tropa é um Exército, Alto Comando (tapetão de gabinete) é outro completamente distinto.
E Cmt OM (QEMA) só quer saber de uma coisa: que os seus dois anos de comando passem voando sem alteração para ele voltar aos tapetões e não ficar mais na berlinda (inclusive tem muito QEMA pedindo para não comandar).
O que eu posso lhe falar é o seguinte: há um distanciamento enorme do dia-a-dia da tropa e dos tapetões, e o que se anseia na tropa muito raramente chega aos ouvidos de quem está no tapetão (e tem o poder de decisão), sendo que estes que vivem no tapetão vivem uma outra realidade BEM off line em relação ao que acontece na tropa.
Ou seja, Cmt de OM, por mais bem intencionado que seja, quando muito, mal tem o poder de mudar alguma coisa em sua Unidade. Grandes mudanças, como o CH QAO, são decididas nos cafezinhos dos Generais em Brasília (acredite se quiser, mas já vi muita decisão importantíssima ser tomada nestes "intervalos").
Apenas esclareço isto pq muita praça tem uma visão equivocada de que o Major SubCmt, o TC Cmt poderia se "mexer", e tal... grande ilusão... esses mal conseguem resolver a própria vida, podem acreditar... a cobrança deveria recair muito mais sobre os gabinetes de Brasília...esta é a realidade da oficialidade...

Cassio ALves disse...

Bom questionamento. Os senhores oficiais de academia, o que acham da atual situação dos praças ? Digam a verdade. Não façam média, sejam sinceros. Precisamos saber suas opiniões reais, já que não podemos ter uma conversa digna, tete-a-tete, de homem para homem, nos quartéis. Vamos lá! Manifestem-se! (E não me venham com a resposta pronta predileta "pede pra sair", ok?)

Anônimo disse...

Ao anônimo das 13:36. Concordo que nem todos os oficiais estão em um mar de rosa, mas discordo veementemente de que praças e oficiais estão no mesmo barco furado.
Existem diferenças gritantes no tratamento, no dia a dia que não nos permitem estar no mesmo barco.
Veja um oficial com 25 anos de serviço, será tenente coronel, mesmo que não seja QEMA, terá um tratamento completamente diferente dos aspirantes a oficial em início de carreira, no que tange a alojamento, formaturas, tratamento nem se fala, atendimento médico, tudo. Veja agora um praça com 25 anos de serviço, Subtenente. Qual a diferença do dia a dia dele para um 3º Sgt, início da carreira? Mesmo alojamento, tratamento idêntico, função até pior no que tange a desgaste físico (encarregado de material), tratamento, etc etc etc.
Não estamos no mesmo barco meu amigo. Só se alguns estiverem tomando vinho no convés e outros remando e levando chicotadas.
Eu como subtenente em final de carreira, era encarregado de material, com apenas um soldado como auxiliar, tinha inúmeras missões que me exigiam imensamente tanto físico quanto mentalmente, desde embarque de material de toda a subunidade, cozinha, montagem de acampamento, com melhoramentos, sem equipe. E obviamente que ao reivindicar isso para poder trabalhar era visto como um criador de problema. Pergunto se um oficial em final de carreira é tratado desta maneira? Precisa estar em todas as formaturas? Divide o alojamento com os oficiais lobinhos? Nâo que isso seja demérito, mas recebem o retorno que a antiguidade lhes proporciona. Enquanto para praça a antiguidade não serve para absolutamente nada. Já fui escalado para missões só porque o meu comandante de subunidade era o mais moderno, mas eu era o subtenente mais antigo de todos, então minha antiguidade não vale nada, vale a do oficial que me comanda. Estamos em barcos muito distintos. Mesmo no que tange a salário defasado, nós ainda amargamos a diferença dos 28,86%. Só temos em comum usarmos a mesma farda. Falta realmente sermos tratados todos como militares.

Anônimo disse...

Montedo, esse post só reafirma que estamos todos descontentes com a situação salarial, mas acima de tudo o descontentamento é pela falta de valorização dos praças. O comando observar esse sintoma e tratar com descaso, é o mesmo que observar uma febre e tratar com um anti-térmico sem querer descobrir a origem do problema, mascarando os sintomas. Em algum momento a real causa se manifestará, e poderá ser muito tarde para qualquer forma de tratamento. Parabéns pelo oportuno post, pela maneira de abordar o tema e por representar essa tribuna onde todos tem voz e vez. Um grande abraço!!!

Anônimo disse...

"Anônimo disse...
Parei de ler na metade...isso é papo de praça recalcado e endividado ( endividado por que quer, assim como a maioria dos que tem problemas finaceiros ) e se é que foi escrito mesmo por algum militar.
S Ten Marcos Pinto de Oliveira França - 25º BLog - RJ

em tempo : Esse cidadão não pede demissão porque? seria melhor pois sofreria menos.
9 de janeiro de 2013 15:42"


E por militar como você que estamos como estamos.

Como você se identificou e colocou a OM, no mínimo deve estar fazendo média para sair QAO.

Lamentável!

Anônimo disse...

Solicito que enquanto este post esteja sendo bastante comentado, seja mantido no topo do blog. Isso é mais do que utilidade pública, é uma janela para a realidade do que acontece dentro dos quartéis. Obrigado. Abraço

Anônimo disse...

Enquanto houver militar que sabe apenas argumentar "pede pra sair", "você está endividado porque quer", "se vira", etc... a coisa tende a piorar, porquê? Esses milicos são ignorantes, ditadores de extrema direita, pensam que estão acima do bem e do mal, para esses indivíduos declino meus sinceros votos de desrespeito e nojo. Quando o rancho não está bom ou alguma coisa incomoda a galera corre um zumzumzum, nenhum avião decola nessa porra, rapidinho muda-se tudo, isso meus amigos não é motim, isso é respeito para com o subordinado. Só haverá mudança com cobrança e finalmente digo ao ignorante aí encima "ninguém fica rico trabalhando".

Anônimo disse...

Existem muitos camaradas, tanto Praças quanto oficiais, que possuem uma grande cegueira mental.
Muitos apegam-se ao costume da caserna ("sempre foi feito assim") sem nunca terem se questionado o porquê de cada atividade e rotina imposta pelos regulamentos, que normalmente são elaborados por aqueles que estão muito longe do "chão de fábrica" (tropa).
Muitos Comandantes omitem-se por não enxergarem ou por cagarem simplesmente.
Nós devemos criar as facilidades para as nossas vidas como o meio-expediente sempre que possível; com atividade física de qualidade com academias dentro dos quartéis - vamos parar com a ideia de que TFM tem que ser corridão sob o Sol - com boa alimentação; com incentivo aos militares que estudam após o expediente; com planejamento adequado das missões (montar som para festinha de General no final de semana e faxina não são missões, são punições, pois militar não faz concurso para ser DJ e gari) para que ninguém seja pego de surpresa; tratamento equânime com os subordinados, respeitando o militar não só pelo seu tempo de serviço (critério muito questionável tendo-se em vista que os "lixões" também envelhecem na carreira) mas pela sua capacidade de trabalho e capacidade intelectual; só utilizar a força de trabalho militar para atividades de natureza pública que tenham pertinência com a atividade fim das Forças Armadas (não é o caso de ser mata-mosquito e pintor de meio-fio); os Comandantes conscientizarem os seus oficias que os mesmos devem ter um conhecimento mínimo sobre as suas funções (papirar a legislação não custa nada) e não ficarem dependentes dos subordinados até para a tomada de decisões simples; os Comandantes cobrarem mais empenho dos Oficiais Temporários que agem como se estivessem numa colônia de férias remunerada, que vivem no oba-oba ganhando um salário que não conseguiriam na iniciativa privada e empurrando suas responsabilidades para os Sargentos. Enfim, muitas coisas dependem de ações internas e, já que o Governo não nos dá o reconhecimento que almejamos, vamos dobrar os nossos salários trabalhando apenas meio-expediente, sem prejuízo dos nossos afazeres administrativos que, convenhamos, dá pra ser feito tudo no primeiro expediente, exceto o serviço de 24h, pois o expediente da tarde só serve para nos enganarmos achando que estamos trabalhando.

Anônimo disse...

Quando militar (Of ou Praça) começa a estudar normalmente muitos ficam contra, quando fazia faculdade uma vez precisei trocar de serviço, vejam bem, trocar apenas, não pedi para não tirar o serviço, um certo Maj não autorizou, quando do estágio e da prática jurídica tive que ir escondido, meu Ch direto me liberava.

Depois de formado fui chamado por esse mesmo Maj para auxiliá-lo em uma sindicância.

Ou seja apos formado tudo me chamavam, colocavam os Sgt formados em contabilidade no Set Fin.

Tinha um certo Sgt formado em Fisioterapia, o Cmt queria desloca-lo para a SSSU a fim dele atender como fisioterapeuta, ai ele perguntou se podia seguir o mesmo expediente dos Of Med, ele disse que não.

Essa são as recompensas que nós dão pelo esforço, ainda vem com aquele chavão do "auto aperfeiçoamento".

Saúde e sucesso a todos, dentro ou fora do EB.

E vamos parar com essa baboseira de "quem não esta satisfeito que peça demissão, isso é discurso de quem não tem argumento".

Anônimo disse...

SRS GENERAIS ACABEM COM O OF TMPR, ABERRAÇÃO DO SISTEMA, VAI CHEGAR A HORA QUE VAI SE TORNAR QUESTIONAMENTO JURÍDICO OU POLÍTICO, COMO PODE UM CIDADÃO MENOS PREPARADO E EM CONSEQUÊNCIA MAIS INCOMPETENTE, SEM CONCURSO, SEM REQUISITOS QUE O TORNEM MAIS PREPARADOS QUE OS ST/ SGT TER ASCENSÃO SOBRE UM MAIS PREPARADO, CONCURSADO, NA PRÁTICA É ISSO O QUE ACONTECE, UM GURI TENENTE, TER PRECEDÊNCIA SOBRE UM ST OU 1º SGT... ABERRAÇÃO.......... PRA ECONOMIA, JÁ QUE TODOS QUE ENTRAM NA FÁBRICA TEM QUE SAIR TEN CEL...

Anônimo disse...

Primeiramente, dizer que o companheiro é endividado pq quer é o mesmo que dizer para o companheiro que questiona o sistema "pede para sair".
Hj quem está bem no EB é quem tem duas rendas, quem tem uma outra atividade ou aquele que comeu ou come o filé mignon do EB. (missões no exterior) Vcs sabiam que no exterior o militar tem direito a auxílio-moradia?
Pondo de lado as aloprações, vamos ao que interessa.
Eu acho a carreira do 1º Sgt e ST desatualizada com a realidade do mundo onde vivemos. Sem falar da remuneração!!!
Realmente, vc colocar um ST como Encarregado de Material, não dá...
Um detalhe: é ilusão achar que todos os oficiais trabalham em condições ideais de trabalho.
Outro ponto: em todas as OM que servi, o alojamento de oficiais (vários beliches e armários) era comum a todos os círculos. Somente o Cmt Om tinha um alojamento separado.
Quando falo em "todos no mesmo barco" logicamente que devem ser guardadas as devidas proporções.
Mesmo pq eu não recebo o tratamento que o CHEM recebe, por ex!!!(PNR funcional, carro funcional) mais isso não me autoriza a dizer que o CHEM está nadando em dinheiro.
Mas isso não é o mais importante.
O problema é a falta de representatividade. Os Cmt não nos representam. Eles não são formados para isso e,principalmente, não tem legitimidade.
O problema é acreditar no discurso institucional, aquele que vem de Brasília-DF.
Nós deveríamos ter uma legislação como a dos juízes, por exemplo.
Deveria haver uma vinculação remuneratória, já que somos proibidos de fazer greve
Outro ponto é a própria estrutura remuneratória.
Pelo que observo nos comandantes, eles conhecem a situação, porém, a situação tá feia para todos.
Assim como acho um desrespeito a carreira dos 1º Sgt e ST, tb acho que um Comandante de OM receber apenas 10% a mais para exercer comando!!! Deveria ser ao menos 20%.
Concordo com o companheiro acima de que os Cmt OM não tem muito o que fazer, mesmo sendo Of Gen.
Os Of Gen que servi, todos tem conhecimento da situação, mas como eu disse, desconsiderando o discurso institucional, eles não nos representam.
O caminho é buscar uma representatividade nas instâncias legislativas e esquecer o discurso do perseguido, do patinho feio da instituição!!! Isso não leva a nada.
Nenhum oficial, ao menos os que eu conheço, entendem que as praças são seres de 2ª categoria. Os que eu conheço entendem que são profissionais, pais de família,verdadeiros heróis para sobreviver com a remuneração que recebem e que necessitam de melhor remuneração e de reconhecimento. E detalhe, se estão endividados, não é pq são irresponsáveis ou pq querem, basta estudar a evolução remuneratória dos militares nos últimos 25 anos.
Já vi muito Of Gen interceder pelo companheiro SGT/ST para uma transferência na DCEM!!!
Aliás, cadê o Bolsonaro?

Anônimo disse...

Não sei se os companheiros do Blog concordam, mais a 15 anos atrás existiam um generais que tinham uma maneira um pouca grossa de se dirigir a tropa, cito como exemplo o Gen Lessa ex-Cmt do CML, porém esses generais apesar disso eram mais próximos da tropa, faziam reuniões com Of e Praças, falavam do nossa situação salarial, deterioração dos MEM, etc.

Os generais de hoje viraram políticos, fazem questão da distância entre eles e a tropa, não reunem seus comandados para mais nada.

Isso a meu ver causa uma sensação muito grande de abandono.

No início de 2012 o Cmt EB editou uma Port com diretrizes para se estudar um novo Plano de Carreira dos Quadros, pergunto: Eu sirvo em um Grande Comando e nesse G Cmdo não houve uma reunião se quer para pedir opiniões dos Of e Praças, em alguma OM foi pedido sugestões?

A sensação de abandono e muito grande, principalmente dos nossos Cmts em Brasília, também conhecida como Corte.

A PROPOSITO: Quem vai ficar para operar os sistemas SISFRON, PROTEGER, etc.........

Corneteiro Lopes disse...

fingem que comandam que eu finjo que trabalho, fazer CHQAO é ruim hein, vou ser aquele sub bem vagabundo, quando eu entri no E#B tinha uma pena de direito perdi tudo, e não me venham que eu tenho que pedir pra sair, não sou R2 apadrinhado, enquanto isso estou curtindo uma de maluco e estudando pra concurso, em profissão melhor ?

Anônimo disse...

Srs.
Não quero ser o dono da verdade, mas oficial é oficial, e praça é praça. Assim como numa fábrica temos os operários, os gerentes e os diretores, no serviço público a coisa não é muito diferente.
Eu sinceramente entendo que está todo mundo no mesmo barco, exceto o pessoal da corte, que vive na "cauda do cometa". Entenda-se o "cometa" como os Generais e a "cauda" os assistentes/ auxiliares que vão para o exterior, pegam missões boca boa, transferência de 2 em 2 anos para onde querem, PNR funcional, muita diária,e por aí vai...
Bem, mas daí ter praça aqui exigindo as mesma condições de trabalho dos oficiais... não acho correto... pois é assim no mundo todo, em todas as instituições.
O que não pode haver é atentado à dignidade do profissional. É se buscar a razoabilidade. O rancho dos oficiais TEM de ser melhor, mas isso não significa que o das praças deva servir lavagem para porcos (como vi em alguns quartéis por onde passei quando estava na ativa).
Acho que oficiais que não estão na "cauda do cometa" tb estejam passando por dificuldades, e jamais é certo generalizar, há oficiais com os quais servi que foram verdadeiros exemplos de profissionais. Lógico que tb tiveram aqueles que serviram de exemplo de profissional e pessoa horrorosos.
Um amigo aí disse que a culpa da situação que enfrentamos é "dos gabinetes de Brasília". Concordo sem dúvida, pois lá está o poder decisório na Força. E posso dizer isso pq servi em BSB por longos 15 anos. Não adianta apontar o dedo para o companheiro do lado. A nossa penúria tem um óbvio viés político, basta ver que não mudam os Comandantes atuais pq não incomodam e ficam quietinhos para tudo (o cúmulo foi deixarem estudantes imbecis esculacharem militares da reserva no Clube Militar sem darem um pio, e sem acionarem a PE, e ainda pedirem para o Presidente do Clube Militar tirar do ar uma nota que o Governo não gostou. Tb me dá nojo a forma que empregam a tropa em ações "subsidiárias" (severinos) e tb ter um Cmt enrolado em denúncias de desvio de dinheiro no convênio com o DNIT).
Vamos mirar naqueles que realmente estão nos colocando na M..., nos vendendo, entregando nossa cabeças numa bandeja de prata, e cobrar desses chefes (pq cmts não são, e nunca serão), como disse o amigo acima.

Anônimo disse...

"Tem cara que nao sabe nem mentir... 80 Cb/Sd EP deram baixa e agora mais 50... 80???? Ta de sacanagem.... Mentira das piores."

pelo que entendi o companheiro quis dizer que 50 antigos foram embora na baixa de antigos de 2012 antes de fechar os sete anos e que na baixa dos antigos de 2013 tem previsão de mais 80 irem embora. provavelmente até os recrutas que engajaram no lugar dos que foram embora em 2012 tambem estão pedindo para sair. deve ser de algum quartel tipo 3.

não sei de números, mais aqui no batalhão, a maioria dos antigos não pediu reenganjamento. os guris tão saindo para trabalhar até com telemarketing. os comandantes de subunidade estão preocupado pois a recrutada alem de alterada é ruim de serviço.


Anônimo disse...

Montedo, vamos bater o recorde de comentários desse assunto.
Será que algum assessor dos nossos comandantes vai ter mostrar nossos comentários para eles? Creio que sim, pois nossos chefes devem saber o que realmente pensamos.

Se algum coronel falar bem de praça pode ter certeza que é porque não passou na ECEME, pois se fosse sangue azul não defenderia. Eles mesmo não se dão bem, os de ECEME detestam os manga lisa.

Anônimo disse...

"Experiência" nenhum banco escolar ensina; É a vida que nos dá isso. É o tempo de serviço que me dá experiência. Daí vem um adolescente melhorado de 19 ou 20 anos, com um cursinho de NPOR de meio expediente, dizer o que um 2º, 1º ou Subtentente tem que fazer de correto e mesmo não podendo, muita vezes avalia este militar. Tá brincando.

Anônimo disse...

E o STen do 25º BLOG deu provas no seu post de que não entende patavinas de retórica e argumentação (uma regra na caserna, infelizmente). Darei uma dica então: essa pérola do "pede pra sair" é uma falácia chamada falsa dicotomia. Como imagino que já tenha ouvido falar a exaustão no tal "aprender a aprender", sugiro agora que pesquise sobre a bobagem que escreveu.

Anônimo disse...

Excelente texto, realidade pura e crua.
Agora digo, se esta ruim para os formados em escola imaginem a situação dos QE????? E digo mais, como é péssimo ser discriminado, hein????
Ass: Um Sargento QE

Anônimo disse...

Eu procuro fazer a minha parte. Estou insatisfeito sim, mas quem não está?
Deixei de preocupar-me com conceito, merecimento e outros subjetivos, pois, percebi que estas coisas pouco dependem de mim. Descobri que o meu conceito ou merecimento como queiram, esta mais sujeito ao mérito do meu avaliador em avaliar-me do que a minha capacidade, eis aí o X da Questão (parece até nome de pagode).
Eu tenho mais de 25 anos de serviço e sou praça. Oficial ou praça, tanto faz, o que importa são as idiossincrasias. Não tenho medalhas, não tenho cursos, não tenho transferências, não tenho Guarnição Especial, Missões no exterior? Nem pensar. Promoções por merecimento? Formação,... Mas tenho minha cabeça e a mantenho erguida. Procuro auto avaliar-me, de quando em vez, tiro um extrato, existem créditos, existem débitos, mas sempre no final o saldo é positivo (também sou humano e confesso que às vezes sou pessoal, ainda mais quando trato comigo mesmo). Agradeço a Deus por mais um dia, deito de lado e durmo. MISSÃO CUMPRIDA!!!
Evidentemente, após a apresentação deste currículo, corro o risco de ser tachado de incompetente, alterado, descansado ou “problemático”, adjetivo mais usado para rotular todo militar que se impõe, que discorda de um sistema secular, corrupto e injusto, que muitas vezes evoca para si a bandeira do bom mocismo, o guardião da moralidade, da ética e dos bons costumes da Nação, arauto, paladino e o guardião da justiça (só quem esteve dentro da Arca de Noé é que sabe como foi duro sobreviver).
Eu sei, existem aqueles que dizem: “Todo mundo aqui é voluntário, não está satisfeito pede para sair...”, “Esta endividado porque quer...”, e outras pérolas mais...
A grande verdade é que eu sirvo numa Instituição que possui um dos maiores índices de credibilidade com o povo brasileiro. Aí eu pergunto: “Como está a sua credibilidade com seu público interno Forças Armadas?” (em particular o Exército Brasileiro)
Outra frase que alguns felizardos gostam muito de usar: “Tudo que eu tenho, devo ao Exército.”. Sobre isso digo categoricamente o seguinte: Não. Ao Exército devo a oportunidade, o respeito e a lealdade. O mais devo ao meu trabalho (é minha gente, militar trabalha sim.), as escalas de serviços apertadas, as noites mal dormidas, aos dias longe da família, as chegadas às 6:00hs da manhã pronto para uma formatura que só se inicia às 09:00hs e tantas outras coisas que tenho certeza a maioria aqui conhece muito bem.
Eu particularmente acredito que Deus tem me dado mais do que eu mereço. Portanto companheiros, não se deprimam e nem se revoltem. Acreditem, tenham fé, esperança e principalmente, façam a sua parte.

Anônimo disse...

Quem disse a você que os oficiais aprovados na ECEME passam a "não gostar de praças"? E quem te disse que os "Kolynos" detestam os "manga lisa"? Dá pra subir o nível da discussão, por favor?

Anônimo disse...

Ao companheiro do comentário "Você destaca a história de um comandante que diz..."

Ok, que seja. Você está definindo "conceitos" de amor e o que seria amor à "carreira", ou à "Instituição".
Mas a minha abordagem foi em outro sentido. Quis apenas contrapor, a um outro debatedor, que "amar o Exército Brasileiro" não é algo tão estapafúrdio, ridículo e impossível, como ele quis colocar no comentário dele.
Existem indivíduos que cometem verdadeiras idiotices em nome de uma banda de rock, um artista ou mesmo um time de futebol. Há pouco tempo atrás todos vimos indivíduos que venderam o pouco que tinham para comprar passagem para o Japão e assistir à vitória do Corinthians. Gente que inclusive e conscientemente perdeu o emprego, para poder viajar. Soube inclusive de um médico que antecipou o parto da própria filha, para que pudesse ir assistir ao jogo, enquanto a esposa aqui permaneceu, amamentando um bebê recém nascido (com touquinha do Corinthians). Nada contra o Corintians ou qualquer outro time, mas em um país em que indivíduos fazem essas coisas por futebol, dedicar amor à instituição Exército Brasileiro (ou Marinha, ou FAB) não me parece algo tão condenável assim... Se a forma dessa dedicação é equivocada ou não - isso é uma outra história.

Anônimo disse...

Sou militar da turma de 90, formado em letras e no dia 14 de janeiro deste ano começarei um novo curso de graduação, que é o curso de Farmácia; Diante de vários tipos de comentários em que há bastante crítica ao Comando do Exército perante a situação atual das praças, eu não poderia deixar de deixar minha opinião. Quando entrei no Exército em 1990, um anos antes, eu era um reles Sd da Polícia Militar ganhando um terço do salário mínimo e já entrei como terceiro sargento ganhando quase 15 salários; Meu erro foi a ilusão que naquela época eu não precisaria mais estudar, pois eu estava ganhando bem. Perdi a oportunidade de colar em companheiros de OM que queriam mais e passaram em 91 a 93 para cursos para Oficiais da polícia militar e bbombeiros do Distrito Federal. Entretanto, o tempo faz a gente refletir sobre nossas vidas e com força de vontade tentar consertar os erros, ou seja, adquirir algo melhor para gente e respectivas famílias.
Não acho saudável para a instituição, essa briga interna entre Oficiais e Praças, embora reconheço que o Exército desde os tempos do Mrechal Deodoro da Fonseca Floriano Peixoto foi feito somente para os Oficiais, sendo os praças relegados às sobras. Por isso, comecei a estudar novamente, apostando na minha capacidade de resiliência e de enfrentar as adversidades, o que me levarão a concluir esse novo curso e montar meu próprio empreendimento. Fiz a prova do CHQAO, e percebi que quem trabalhou na montagem das prova subestimou a inteligência de nós praças, com uma prova de conhecimentos Gerais muito abaixo da prova da EsSA de 2012, e de conhecimentos militares aplicáveis a qualquer CFC. Meu tempo de serviço fechará 30 anos em abril de 2015 e não esperarei entrar no quadro de acesso a Oficial pois essa promoção não me seduz, embora eu seja filho e irmão de Oficial. O que me seduz é dinheiro no bolso.
Para finalisar eu peço aos companheiros que gastem suas energias no estudo, apostem suas fichas em vocês mesmos; façam cursos que habilitarão vocês quando vocês forem para a reserva.

Anônimo disse...

Nada mudará enquanto não nos engajarmos no quadro político. Esperar ajuda de Of General é esperar em vão. Eles não pensam na tropa, apenas nas diárias pompudas e nas estrelas que ganharão. Nós temos é que tomar de assalto o congresso, eleger parceiros que lutarão pelos interesses da tropa.
Devemos apoiar o PMB. Votar em seus representantes e aí sim sonhar com melhoras. Somos centenas de milhares pelo Brasil. Elegeríamos quem quiséssemos. Lembro-vos : TUDO passa pela política, não deixemos a política para os políticos !

Anônimo disse...

- Concordo plenamente,isso que estão fazendo com as praças já está sendo, não somente hoje, mas há muitos anos humilhante demais.

Anônimo disse...

Aproveitando o comentário do post "23:13", também fico indignado quando alguém tenta emocionar a plateia com algo do tipo: "Tudo que eu tenho devo ao Exército". Putz!

Um sujeito desse deve ter sérios problemas de auto estima. Ahh, tá, o EB te deu tudo?! Quer dizer que ele foi lá bater na sua porta e caridosamente ofereceu/deu uma vaga de sargento (ou oficial)? Então você não teve que estudar para o concurso? Não deixou seu couro na ESA (ou AMAN)? Não perdeu noites de sono em serviço, acampamentos e ou missões diversas? Não engoliu sapos do tamanho de elefantes? NUNCA SOFREU UMA INJUSTIÇA, POR MENOR QUE SEJA?

Acorda, militar! Teve conquistas em sua vida? Então o mérito é SÓ SEU! E orgulhe-se disso! O mundo é cruel, e ninguém vai dar nada de graça! Já está bem crescidinho para acreditar em Papai Noel, não?

Anônimo disse...

Teve um anonimo que em seu comentário disse que Oficiais tem que comer melhor...acho que ele postou no Blog errado, o dele é lá da idade média...onde os cavaleiros comiam carne, e os seus escudeiros somente vegetais e as sobras da mesa de seu senhor. GRAÇAS A DEUS que a maioria dos Oficiais que conheço, inclusive apoiam que deveríamos ter um único rancho, para que todos compartilhassem a mesma mesa. ACREDITO, AINDA que ja deveríamos ter terceirizado o rancho a muito tempo. Acabaria com essa tal de economia de rancho para fazer obras em quartel, com suas quimicas de trocar cimento em carne.

Anônimo disse...

Comentando o número 4 do texto (30% do corpo docente formado por mestres e doutores): creio que a instituição que atenderia essa (e outras exigências) do Ministério da Educação para ofertar um curso de tecnólogo seria a AMAN!

Anônimo disse...

Parece que a única instituição do EB em condições de atender à exigência do Ministério da Educação (30% do corpo docente formado por mestres e doutores) e ofertar o curso de tecnólogo (CHQAO) seria a AMAN!

Anônimo disse...

Como estamos no campo das ideias, exponho algumas jurisprudências sobre auxílio-moradia:
"TJRJ - APELACAO APL 934632920088190001 RJ 0293463-29.2008.8.1...
Data de Publicação: 22 de Agosto de 2011

Ementa: Ação de obrigação de fazer com pedido de gratuidade de justiça. Servidor público. Policial militar inativo. Pretensão de recebimento de auxílio moradia. Sentença julgando improcedente o pedido autoral. Inconformismo. Entendimento desta Relatora quanto à manutenção da sentença guerreada. Aplica-se ao caso em exame a súmula de n.º 148 deste E. Tribunal de Justiça. O auxílio moradia não pode ser estendido aos inativos por possuir natureza indenizatória e precária. Precedentes do TJERJ.

TJRJ - APELACAO APL 3436720220088190001 RJ 0343672-02.2008.8.1...
Data de Publicação: 21 de Setembro de 2010

Ementa: CONSTITUCIONAL E PREVIDENCIÁRIO.POLICIAL MILITAR. PROVENTOS DE APOSENTADORIA. AUXÍLIO-MORADIA. NÃO INCLUSÃO. NATUREZA INDENIZATÓRIA E PRECÁRIA. IMPROCEDÊNCIA DO PEDIDO. ACERTO NO JULGADO. A verba recebida a título de auxílio-moradia não pode ser estendida aos inativos, uma vez que é devida em função do exercício efetivo de atividades especiais, ou seja, enquanto o servidor desempenha a atividade.Recurso manifestamente improcedente. Negativa de seguimento.
TJRJ - APELACAO APL 2952750920088190001 RJ 0295275-09.2008.8.1...
Data de Publicação: 28 de Março de 2012

Ementa: APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO ORDINÁRIA. BOMBEIRO MILITAR. AUXÍLIO MORADIA. INCORPORAÇÃO AOS PROVENTOS DE INATIVIDADE. DESCABIMENTO. A Indenização de Auxilio Moradia criada pela Lei Estadual n. 658 /1983 e paga aos policiais militares e bombeiros militares da ativa do Estado do Rio de Janeiro tem caráter indenizatório e por isso não pode ser incorporada aos vencimentos do beneficiado que passa para a inatividade."

TJRJ - APELACAO APL 1986709820088190001 RJ 0198670-98.2008.8.1...
Data de Publicação: 19/10/2009

Ementa: CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO. MANDADO DE SEGURANÇA. POLICIAL MILITAR INATIVO. AUXÍLIO MORADIA. SENTENÇA DE IMPROCEDÊNCIA. O auxílio moradia possui nítido caráter indenizatório, pro labore faciendo, conforme estabelece o art. 3º da Lei Estadual 658 /83. Não configurada ofensa ao princípio da paridade.

Sem querer ofender a Polícia Militar do Rio de Janeiro, mas até a Polícia Militar do Rio de Janeiro recebe auxílio-moradia.

Portanto, não há quebra de paridade de vencimentos caso seja restabelecido o auxílio-moradia.

Anônimo disse...

Pare de fala besteira companheiro... Na AMAN o cadete estuda Calculo I, Física, Mecânica, Química, Psicologia I e II, Sociologia, Estatística, Português, historia, geografia, direito civil, constitucional, administrativo, penal, penal militar... Tu acha que o futuro oficial fica lá só correndo de um lado para o outro durante 4 anos? Curso tecnólogo... Você é um brincante. E eu só coloquei as matérias que lembrei agora, em dez segundos... E nem coloquei as militares.

Anônimo disse...

Bom dia a todos e parabéns pelos comentários, de maneira em geral reflete o que nós somos. Diversidade de opiniões e maneiras diferentes de ver o mesmo problema, graças a Deus que pelo menos aqui podemos expressar nossas opiniões sem sermos admoestados. Deve ter muito S2 de plantão tentando identificar algum militar a fim de ganhar conceito.

A compulsória atinge os servidores públicos de modo geral aos 70 anos, e assim no STF, STJ, STM, PTTC, etc.....

Nosso Comandante nasceu (Rio de Janeiro, 11 de abril de 1941) tem 71 anos, a regra não serve para ele?

Por favor General dê a oportunidade para outro General tentar fazer aquilo V Exa não conseguiu em quase 10 anos.

Anônimo disse...

Vamos colocar tempero nessa discussão - Publique Montedo, é sobre nossa CHEFA, afinal, a culpa é dela também!!!!!!!
A CAMPANHA JÁ COMEÇOU...... ATENÇÃO PARA OS BRINDES..........
VOTE NA DILMA - Arnaldo Jabor
VOTE NA DILMA !
as promoções da época!
Vote na Dilma e ganhe, inteiramente gratis, um José Sarney de presente agregado ao Michel Temmer.

Mas não é só isso, votando na Dilma você também leva, inteiramente grátis (GRÁTIS???) um Fernando Collor de presente.

Não pense que a promoção termina aqui.

Votando na Dilma você também ganha, inteiramente grátis, um Renan Calheiros e um Jader Barbalho.

Mas atenção: se você votar na Dilma, também ganhará uma Roseana Sarney no Maranhão, uma Ideli Salvati em Santa Catarina e uma Martha Suplício em S.Paulo.

Ligue já para a Dirceu-Shop, e ganhe este maravilhoso pacote de presente: Dilma, Collor, Sarney pai, Sarney filho, Roseana Sarney, Renan Calheiros, Jáder Barbalho, José Dirceu, Delúbio Soares, José Genoíno, e muito, muito mais, com um único voto.

E tem mais, você também leva inteiramente grátis, bonequinhos do Chavez, do Evo Morales, do Fidel Castro ao lado do Raul Castro, do Ahmadinejad, do Hammas e uma foto autografada das FARC´s da Colombia.
Isso sem falar no poster inteiramente grátis dos líderes dos bandidos "Sem Terra", Pedro Stedile e José Rainha, além do Minc com uniforme
de guerrilheiro e sequestrador.

Ganhe, ainda, sem concurso, uma leva de deputados especialistas em mensalinhos e mensalões. E mais: ganhe curso intensivo de como esconder dinheiro na cueca, na meia, na bolsa ..., ministrado por Marcos Valério e José Adalberto Vieira da Silva e José Nobre Guimarães.

Tudo isto e muito mais..

TSE retira comentário do Arnaldo Jabor do Site da CBN

.
Não deixe de repassar é o mínimo que podemos fazer diante de tanta corrupção!
ESSE TEXTO PRECISA E DEVE SE TRANSFORMAR NA MAIOR CORRENTE QUE A INTERNET JÁ VIU !!!

Anônimo disse...

Sou 1º Sgt do Exército Brasileiro e após 18 anos de serviço estou certo de que conheço a Instituição que aprendi a respeitar. Porém, vejo-me desmotivado. Desmotivação essa que tem parcela de culpa minha por haver acreditado, enquanto mais jovem que os meus "chefes" estavam preocupados coma Força e com o pessoal. Mas hoje, tardiamente vejo que não há preocupação alguma dos "nossos chefes", seja com a Força e muito menos com o pessoal. E isso continuará a ocorrer. Como os "chefes" de hoje, que estão somente preocupados com sua carreira, com seu próprio benefício, com seu próprio conforto, com seu crescimento pessoal e financeiro, os futuros "chefes assim também serão e farão. O pessoal, em especial as Praças estão abandonadas por aqueles que por seus subordinados deveriam zelar. Não existe igualdade no Exército... dizem em alto e bom tom: "vestimos a mesma farda"... pura demagogia!!! No Exrcito Brasileiro impera a lei do Maior e do Menor, onde o mairo tudo pode e o menor tem que só acietar calado, em respeito a uma disciplina... que deveria partir dos "chefes" como exemplo. A desmotivação toma conta não só de mim, mas sim de muito, muitos companheiros que não conseguem ter uma vida o mínimo dígna para sí e sua família. Companheiros que não conseguem morar em locais dígnos de um membro das FFAA, que não consegue estudar seu filho em um bom colégio, que não conegue se livrar de dívidas que o assolam a anos, que não consegue se fardar de um modo bem apresentado como lhe é cobrado, que fica a mercê de seus "chefes" que o cobram o trabalho bem feito, pois necessita de um conceito futuro para uma mísera promoção. Escutamos sempre os "chefes" dizendo sobre estudos para a valoriação das praças, mas na verdade a Instituição tem a sua frente pessoas, "chefes" que desejam ver as praças pelas costas, cada vez mais distantes de seu meio social, cada vez mais submissa, cada vez mais necessitada, cada vez mais humilhada. Este é o entendimento que tenho da situação atual. Atualmente minha esposa trabalha em dois empregos para me auxiliar nas despesas do lar e do aluguel. Luxo como estou acostumados a ver na vida dos meus "chefes", com carros novos, viagens ao exterior, filhos em colégios particulares, esposas fazendo faculdade, passeios e tranquilidade no desempenho de sua função, pois tem os St e Sargentos para resolverem os problemas, e eles levarem os méritos... Este é o entendimento que tenho do Exército de hoje... deveria haver visto isso antes, continuado meus estudos e acreditado menos nas pessoas que achava serem sérias e comprometidas com o seu subordinado. Infelizmente, para as Praças as coisas só irão piorar. Podem apostar.

Anônimo disse...

Vou citar aqui também outros detalhes que ninguém citou.
Primeiro: Auxílio Fardamento. O uniforme que utilizamos no dia-a-dia é o mesmo. Não há por que basearem o auxílio no soldo. Acho que todos deveriam receber o auxílio baseado no soldo de General-de-Exército, ou outro valor mas que fosse igual para todos.
Auxílio-Transporte: A justiça já proferiu decisão em várias ações favorável aos militares. Deveriam parar com as restrições.

Auxílio-natalidade: Igual ao auxílio-fardamento. O filho do oficial é melhor do que o filho do praça ? Ele merece remédios melhores? Roupas melhores ? Fraldas melhores ? Absurdo !

Adicional militar: O general é mais militar que o Sargento ? Bom, acho que a escala de serviço deles é mais apertada.

Um abraço e feliz 2013.

Anônimo disse...

Me ensinaram nas escolas militares que o militar zela pelas condições de vida digna dos seus comandados, tanto quanto pela manutenção da disciplina e dos deveres castrenses. Eu levei isso ao máximo, talvez além. Eu cometi o crime para chamar a atenção de uma situação injusta e hoje, sem medo de errar, negligente da época. Hoje sou tenente-coronel e sei muito bem o que aquele capitão fez e eu sabia que ele ia pagar por aquilo; eu digo que ele pagou o preço disso.

s palavras acima foram citadas em uma entrevista do Ten Cel WALTER, aquele mesmo que invadiu a prefeitura de Apucarana no Paraná para protestar contra as condições salariais que as Forças Armadas viviam na época. Infelismente esse tipo de chefe miliar saiu de linha e a máxima de que o Oficial tem FÉ DE OFÍCIO já caiu por terra Há muito tempo, hoje o que vemos na caserna nos leva à certeza que nunca estivemos tão ruim quanto agora. Nossos Chefes Militares (Oficiais) estão se lixando para os praças e infelismente nós praças ainda não acordamos para esta realidade. A única forma de mudarmos essa situação é a politização da classe. Os militares s fossem mais unidos certamente conseguiriam eleger pelo menos um representante por estado, seriamos uma grande bancada e conseguiriamos mudar esta situação mas, infelismente, impera a desunião pois todos votam em qualquer outro corrupto que apareça como candidato, menos no candidato militar por achar que esse vai se dar bem. Não precisamos de oficiais para nos mantermos no limbo em que nos encontramos, nós os praças somos MUITO DESUNIDOS e isso faz a diferença contra nos mesmos. Desde que incorporei no Exército que ouço a seguite frase: "Arma que mata sargento tem divisa no cano" é a pura verdade quem puxa o tapete dos praças são os próprios, não são os Oficiais. CLASSE DESUNIDA é muito mais fácil de controlar, enqunto não mudarmos nossos conceitos vamos continuar na mesma "M" em que nos encontramos.

Anônimo disse...

Anônimo das 14:26 foste muito coerente no comentário. O grande problema das FA é que maioria do pessoal indepedente de P/G se preocupa em agradar o Cmt, ou seja, trabalha para cima ficando refem não só do conceito mas tbm de algum outro benefício. Portanto, façamos a reflexão, será que nas FA o pessoal trabalha em prol do subordinado ao ponto de se indispor com o Cmt por algo que esteja previsto ou por uma causa justa.

Anônimo disse...

O limite de idade de 70 anos para a permanência no serviço público não se aplica aos cargos de confiança e aos titulares do Poder Legislativo (escolhidos pelo povo!).
O cargo de Cmt de Força é um cargo de confiança de natureza especial (NES), portanto, de livre nomeação e exoneração, não é um cargo efetivo.
O General Enzo Martins Peri já está na reserva (aposentado) até porque a cota compulsória (reserva obrigatória) se aplica aos 66 anos de idade aos Generais-de-Exército (art. 98, inciso I, alínea "a" do Estatuto dos Militares).
Portanto, ao Gen Enzo não se aplica o limite de 70 anos de idade para a aposentadoria obrigatória do servidor público ocupante de cargo público efetivo, tal como previsto no art 40, inciso II da CF.
Espero ter esclarecido a questão suscitada pelo companheiro no comentário de hoje as 12:45.


Celso

Anônimo disse...

Caro Montedo, acho que vc pode coordenar o lançamento de alguns candidatos a Dep Fed ano q vem, sou de SP e nao posso votar em candidato do RS, mais podemos tentar concentrar votos em pessoas que farão a diferença.
Abçs

Anônimo disse...

Engraçado como ninguém fala dos cabos e soldados. Os excluídos. Se vcs não sabem, na Marinha os cabos e soldados são de carreira e muitos já se casam como cabos ou até mesmo como soldados. Se os sargentos já vivem mal com os salarios que ganham, imaginem os cabos e soldados que gastam a metade do salario só com o aluguel. Também somos praças, também chegaremos a subtenente, e também constituímos família. Fala serio, somos os mendigos das FFAA. Os verdadeiros escravos.

Anônimo disse...

Aqui no Forte Apache tudo é maravilha. A escala é 1 a cada 5 meses. Missões no exterior? quando quiser é só pedir, mesmo sem ser habilitado, verifiquem os boletins de movimentações. Tem milico que já foi três vezes para Haiti, deve ser muito bom esse militar! Se forem depender dos praças aqui de Brasília, podem descartar, o sistema já os contaminaram. 99,99% temem perder alguma coisa, principalmente serem movimentados. Muitos deles já estão ocupando a função de "CORDINHA", haja vista que os Coronéis não querem mais ficar levando malas e etc.
Aqui no Forte Apache tem algumas diferença em relação a algumas Guarnições: o horário certo de irmos para casa, termos um PNR digno e o tratamento de saúde aceitável, muitos convênios, show.
Algo vai mudar com certeza nas FFAA, porém em vida muitos não estarão para comprovarem.
O que meu minúsculo processador não consegue processar, mesmo aumentando a memória RAM é o seguinte: nossos Comandantes já estão com uma certa idade, tiveram um bom tempo para organizarem suas vidas, é olha que foi tempo, o que eles querem mais? Um deles nem casado é.
No próximo mês parece que o Senador Paim vai apoiar a reabertura da nossa MP. Poxa Comandantes! autorizem os seus comandantes de OM de Brasília a autorizarem seus subordinados a participarem da audiência. Quem sabe....

Anônimo disse...

No número 4 do texto original, o autor nos diz que "O MEC é bem taxativo nos requisitos para um curso superior funcionar. Primeiro tem que partir de uma Instituição de Ensino Superior, coisa que a EsSIE não é. Segundo, a Instituição Superior tem que possuir um corpo docente com formação específica que atenda a especificidade de cada curso, além de, obrigatoriamente, contar com um percentual mínimo de 30% de mestres e doutores. Será que o EB possui esta estrutura? Como achar que o MEC reconhecerá um curso como o CHQAO feito sem cumprir estes requisitos?"

Quando falei sobre curso de tecnólogo, me referi ao CHQAO (tecnólogo em Recursos Humanos).

Quando me referi à possibilidade de a AMAN conduzir este curso, em substituição à EsIE, seria na modalidade do Ensino à Distância, já que a Academia forma os Bachareis em Ciências Militares (Aspirantes-a-Oficial) e possui em seu corpo docente 30% (ou mais) de mestres e doutores (Oficiais com EsAO - Mestres em Ciências Militares - e Oficiais QEMA - Doutores em Ciências Militares).

Portanto, a AMAN forma bachareis e, por esse motivo, atende às exigências do Ministério da Educação podendo formar tecnólogos.

Acredito que o Sr. deva ser oficial para lembrar em 10 segundos de tantas disciplinas ministradas naquela Academia. Também no meu comentário não fiz nenhuma referência a ficar correndo de um lado para outro. Quem assim procedeu foi o Sr.

Com todo respeito, não se preocupe comigo e nem com o meu comentário pois não tenho o sonho de ser oficial.

Apenas comentei o texto original lançando uma ideia, que é o objetivo deste blog.


Anônimo disse...

Estava em uma Operação que o batalhão em que sirvo participava e escutei de um MAJOR: " como pode o Auxílo Pré-Escolar de um Of Superior ser igual a de um Sargento. O filho de um Sargento usa fraldas do R$ 1,99 e os filhos e os dos Oficiais usam Pamper's".

É um absurdo as diferenças de soldos...
- a farda é a mesma? então por que Auxílio Fardamento tão diferentes?
- Por que diárias tão diferentes???
- Porque Auxílio Natalidade tão diferentes... há distinção entre as crianças que nascem por serm filhos de Of ou de Praças???

Alguém tem que exergar isso...


...

Rogério - JF disse...

Prezados leitores!

É de extrema importância que essa reflexão não fique somente no mundo das ideias. A Polícia Militar de Minas Gerais se mobilizou, elegeu seus representantes políticos e está atingindo seus objetivos.
É chegado a hora de nós praças pararmos com essa síndrome de leão de alojamento. O texto em tela compilou centena de comentários, isso é uma demonstração do quanto é possível se unirmos força.
Você leitor, daqui a pouco teremos eleição presidencial, de um lado a Presidenta Dilma e o PT, do outro lado o Senador Aécio Neves com a figura do FHC. Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come. Como bom mineiro, eu te pergunto montedo! Como é que vamos chupar essa manga?

Abraços a todos!

Anônimo disse...

Caros colegas das Forças Armadas!
Como pode-se notar, comentaram esse Blog militares da Marinha, Aeronáutica, EB, PM,civil, etc., uma coisa ficou clara, as mudanças necessárias só vão ocorrer com a mobilização de BAIXA para CIMA.

A CORTE não vai querer se queimar e perder um pouco das benesses que ainda lhes restam, então vamos lá.

Abraço a todos e Feliz 2013.

Anônimo disse...

Eu fico me perguntando o que se passa pela cabeça de um Oficial Superior que vem comentar aqui a agrura que passa o Sargento na tropa. Com esse salário miserável já quase passei fome com minha família. Falar em planejamento financeiro comigo é piada. A maior fonte de rendimentos do Oficial é a transferência. Dinheiro sem tributação, que entra limpinho na conta a cada, o quê, dois anos? PNR esperando. Fica fácil. Quando cheguei na tropa minha primeira missão foi supervisionar o jantar festivo no Círculo Militar que homenageava os Asp Of recém chegados do CPOR. Tudo com dinheiro da comida dos soldados. Desde que eu entrei no EB, a cada ano piora a carreira. Não teve um ano que pensei melhorou. Nem quando fui promovido. Sargento é tudo igual, uns são mais antigos, outros mais modernos, mas o cmdo sempre pensa no Sgt como um ser inferior. Justiça seja feita, as novas gerações de oficiais tem um respeito maior por nós que os antigos oficiais, mas ainda muito tem que mudar. Perante a CF todos somos iguais. Mas os quantitativos de saque no rancho são diferentes. O local (cassino) também é diferente. O mais ridículo é o Fusex. Todos pagamos o mesmo valor, pois é proporcional ao soldo. Mas o atendimento é diferenciado. Os leitos, o respeito pela vida, tudo muda. Hoje vejo Sargentos formados assessorando em alto nível o cmdo, inclusive assumindo funções de alto nível técnico. Porém sempre seremos sargentos, serventes, lacaios, seres inferiores. Não me sinto inferior, mas me sinto humilhado todos os dias quando coloco minha farda. O pior é que muito dessa culpa é do próprio praça, pois muitos companheiros só faltam rastejar na frente do Cmt, buscando pontinhos. Senhores, infelizmente somos covardes, somos desunidos, e nossa situação tão cedo não vai mudar. Parabéns pelo teu blog montedo, é muito bom ler postagens inteligentes como as que leio aqui. Só o conhecimento liberta!!

Anônimo disse...

Ao anônimo de 10 de janeiro de 2013 16:40
"Aqui no Forte Apache tudo é maravilha. A escala é 1 a cada 5 meses. Missões no exterior? quando quiser é só pedir, mesmo sem ser habilitado, verifiquem os boletins de movimentações. Tem milico que já foi três vezes para Haiti, deve ser muito bom esse militar! Se forem depender dos praças aqui de Brasília, podem descartar, o sistema já os contaminaram. 99,99% temem perder alguma coisa, principalmente serem movimentados. Muitos deles já estão ocupando a função de "CORDINHA", haja vista que os Coronéis não querem mais ficar levando malas e etc."

Isso é a mais pura verdade, pois tem um companheiro que eu considerava, servimos juntos, éramos "amigões", cada vez que nos encontrávamos era aquela "alegria", etc... mas aí eu cogitei de conseguir um convite para Brasília.. e como por mágica fiquei invisível, todos os fins de ano passo a 5 metros do colegão e ele nem me vê... isso mostra que ninguém quer largar a teta...

Anônimo disse...

A coisa está feia, mas este não é ainda o problema. O problema é que vai ficar muito pior!!! Como não temos representação política que defenda os interesses a favor do pessoal nossos soldos ficarão cada vez mais defasados e as duas coisas que sobraram que são 30 anos de serviço para pedir reserva (informo ao civil que ler isto que falo de reserva, podendo ser mobilizado, não é aposentadoria)e paridade remuneratória da reserva com a ativa vão para o espaço.
Sendo cético com relação aos chefes, fica difícil não ser em relação aos futuros militares políticos, isto se e quando os tivermos em quantidade para fazerem a diferença.
Sugiro aos companheiros que continuem se fiando somente em si próprios, na família e em Deus.
Corram para adquirir uma formação profissional para desempenhar na reserva, sejam empresários(sei da incompatibilidade com o desempenho de cargo público), façam concursos com remuneração superior.
Continuem a ser bons profissionais militares, afinal um olho no presente e outro no futuro. Quando você não trabalha outro militar terá que trabalhar o dobro, os prejudicados não serão aqueles que merecem(se é que alguém merece) mas os companheiros.
Fujam de empréstimos, até mesmo os do FAM/Poupex (os juros e condiçoes gerais são as mesmas do mercado que é coisa de agiota), tenham como meta saldar todas as dívidas, sinto na pele que é muito difícil mas não impossível.
Tenho que dizer isto:CHEGA DE DESCULPAS, porque não passam disso, exemplos: Um representante da FAM/Poupex disse que eles tem que cobrar os mesmos juros do mercado para financiar imóvel (quando financia)por imposição do órgão que controla essas instituições, fala sério, então pego o financiamento na Caixa,o carácter social do FAM derruba o argumento. Se não, façam acontecer, resolvam o problema, afinal se é possível resolver o problema para uns porque não para todos. Vide apartamentos de luxo em Brasília, acho que todos conhecemos a história. Outro exemplo, não quero nada com QCO, é inconstitucional tornar-se concurso interno, ok. Peguem o tal de QAO e o transformem em concurso interno, para todo o público interno (ST, SGT, CB e SD), ahh e porque até Cap mandem uma lei para o congresso e aumentem alguns postos. Conseguiram para Cel no QCO não? Droga, resolvam os problemas!!!!!
Feliz 2013.

Anônimo disse...

Muitas opiniões e críticas , mas poucas soluções esse é o grande problema ... alguém resolva isso !!!

Anônimo disse...

Por falar em QCO
Só para demonstrar que a falta de motivação é geral.
Criaram o posto de Cel para o QCO. "UM SACRILÉGIO HÁ ALGUNS, VERDADEIRA BLASFEMIA".
Mas vamos lá:
alguém sabe se a instituição vai corrigir os interstícios?
Por ex: quem ficou um ano a mais com 1ª Ten e um ano a mais Cap vai ter a sua carreira ajustada?

Anônimo disse...

EU NÃO QUERIA FALAR SOBRE HAITI, MAIS!!!
Como um companheiro falou sobre o Haiti, vou compartilhar fatos que presenciei:
Fui servir em uma OM e chegou um companheiro já baixado. A sargentada ficou p da vida pq ele não tirava serviço (ADJUNTO). Tinha problemas nas costas.
Aí veio um Fax do Gabinete do Comendante do Exército informando que o citado companheiro havia sido selecionado para a missão do Haiti.
Aconteceu um milagre!!! O cara voltou para a escala de serviço. O fax do Gabinete curou o cara. Foi instantâneo.
Detalhe: era a quinta vez que ele ia para a missão.
Conheci outro que tinha na época da seleção de um determinado contingente mais de 25 anos de serviço e foi preterido por um outro militar com exatos "18 meses de coturno".
FOI TRISTE!!! O papo foi que o escolhido falava alemão. Mas falar alemão no Haiti???
Todo mundo que consegue ir na missão fala que a grande maioria da galera fala aquele "IGRES FRUENTE" THE BOOK'S ON THE TABLE.
Repetir militar na missão é a prova de que precisa haver mudanças na nossa instituição. HJ temos telefone, email, intérpretes, etc, etc, etc. E o militar vai duas, três vezes pq tem experiência!!!!
Fazer o que!!!!

Esse é o nosso EB BRASILEIRO

Anônimo disse...

Considerações:

1) O melhor sargento ainda é sargento;
2) O pior oficial ainda é oficial;
3) O soldado é insensível às palavras e suscetível a exemplos;
4) O soldado não respeita quem não o respeita;
5) Ao tratar o soldado como criança, ele naturalmente agirá como criança e consequentemente tratará o armamento como brinquedo;
6) Dê responsabilidade ao soldado e ele agirá com responsabilidade;
7) Hierarquia é diferente de respeito. O soldado obedece as ordens do superior, mas respeita o homem por trás da autoridade;
8) Ninguém é melhor que ninguém. Até um recruta tem algo a ensinar a um general;
9) Nunca se sabe o bastante. Tanto o sábio quanto o tolo estão cheios: este de si, aquele de dúvidas;
10) Profissionalizar a força é inevitável. Antes de formarmos combatentes, deveríamos formar profissionais. Combatentes só são úteis na guerra, profissionais em qualquer situação;
11) A avaliação deve contemplar os méritos intelectual e pragmático, pois nem sempre o 01 da turma apresenta o melhor desempenho no trabalho;
12) O salário é o primeiro indicativo de satisfação no trabalho, mas não é tudo. Há carreiras no serviço público melhor remuneradas que a militar e ainda assim aqueles servidores não estão satisfeitos com suas funções;
13) Quem é favorável às diferenciações sempre é favorecido por elas. O melhor deve ser para todos;
14) A representação política só funcionaria se houvesse comunhão entre os círculos;
15) Antiguidade é posto, não é graduação. A experiência deve ser valorizada e não confinada em uma reserva de material;
16) Nenhum auxílio deve ser vinculado ao soldo. Este se encarrega de prover o escalonamento merecido;
17) Oficiais devem estar nas fases do planejamento, organização e controle. Praças devem estar nas fases da organização, direção e controle;
18) A família é o maior bem de um homem. Não confie em um homem que não valoriza a própria família;
19) A faxina é apenas uma atividade-meio;
20) Não é no cassino que se descobrem seus melhores companheiros; para isso existe o EDL;
21) Disciplina não é sinônimo de omissão. Omissão é pior que comissão;
22) Experiência é diferente de antiguidade pois as ervas daninhas também envelhecem;
23) Reverência é devida às veneráveis cãs e não às estrelas;
24) Militares performáticos escondem fragilidades de caráter. Quem trabalha não tem tempo para enredar.

Se não está satisfeito, peça para sair... da zona de conforto. Infeliz é o homem que se tornou escravo das circunstâncias. A felicidade é um estado, não um lugar. Mudar demanda esforço e renúncia. A mudança pode vir através do estudo, o único meio de ascensão pelos próprios méritos. Nunca é tarde para mudança. Dizem que o homem só envelhece quando deixa de sonhar e o momento ideal da mudança é agora.

Anônimo disse...

Caros Colegas
A atual situação da carreira militar está muito ruim e tende a piorar no futuro.
Eis o porquê:
1. Tudo indica que as próximas eleições a presidente serão polarizadas por "Dilmandona" do já tão conhecido PT e "Aecinho" do PSDB de FHC (8 anos sem reajustes, CPMF) e da MP do mal, lembram-se? Ou seja, "se correr o bicho pega, se ficar o bicho come", pois ambos partidos e ideologias nos detestam, e onde primeiro vão cortar gastos e querer economizar.
2. Os militares continuarão DESUNIDOS e a própria estrutura organizacional, tradições seculares, mentalidade de manutenção do "status quo", ESTIMULAM as divisões internas.
Dentro de cada especialidade destas temos tanto os oficiais como praças SEPARADOS por "N" armas, quadros, serviço, especialidades diversas.
Vamos agora abordar as DIVISÕES internas geradas pelos "NICHOS" e "TRADIÇÕES".
Na Marinha os "maiorais" são os militares da Armada, que se acham mais importantes que os outros e assim por diante. Na Armada a elite, os "bambambam" são os Submarinistas e nos Fuzileiros os COMANF e depois os GRUMEC.
No EB a Infantaria é a tida como "rainha das Armas", que disputa com a Cavalaria a condição de "mais mais" do EB, porém, nos últimos anos,foram passadas para trás pelo "lobby" dos artilheiros e atualmente dos engenheiros....
Ainda dentro do EB tem os "maiorais" dos Forças Especiais e Comandos, que SE ACHAM os "deuses", os PQD que se acham "semi-deuses" e os Guerra-na-selva que são o "cão nuclear" da Amazônia e que "NÃO OUSEM...!!!", mas quem TEM CERTEZA que são "deuses" são os médicos....
A FAB possui os Aviadores, que são os "maiorais", depois a Intendencia e depois a infantaria da Aeronáutica, nesta ordem. Ainda tem os Pilotos de Caça, que são a elite da elite, os de transporte e helicoptero. Na Infantaria temos PARASAR que são a elite da sua infantaria.
3. Um pouco da minha impressão pessoal sobre a "MENTALIDADE e CULTURA" de cada Força Singular.
Na minha opinião constatei o seguinte, o pessoal da Marinha, mais "elitizado", se relaciona melhor com a FAB e ambos não são muito chegados no pessoal do EB.
O pessoal da FAB,são como os "políticos", sabem "transitar" bem por todas areas e categorias, mas é difícil saber quando estão sendo apenas "simpáticos", sinceros ou só fazendo cena.
O EB passou há alguns anos a atuar nessa "seara política", mas parece que só se dá mal, pois os políticos profissionais passam a lábia(presidentes, governadores e prefeitos) o que pedem pro EB fazer ele faz, de limpar rio poluido, pintar praças, caçar mosquito da dengue,fiscalizar vacinação de vacas,subir e ocupar favelas, fazer estradas, distribuir agua, desocupar area indigena,fiscalizar madereiras, etc, etc. OU SEJA, só "carrega piano" dos outros ( Faz trabalho da alçada da PF, PM, DNIT, ANVISA, IBAMA, SUDENE, SUDAM, FUNAI, e por aí vai...).
Desta forma, já deu pra ver que cada uma (Força) é cada uma e elas não se misturam.
Bem, espero ter demonstrado que UNIDOS, dificilmete seremos algum dia, pois o próprio "SISTEMA" não permite nem estimula ou estimulará algum dia que os militares sejam unidos.
Para finalizar, deixar alguma "esperança" é de que estamos " acordando" para essa nossa atual "realidade". Agora esperar alguma mudança brusca de rumo duvido.
O que posso dizer aos mais novos é que estudem, se preparem intelectualmente e profissionalmente não só para carreira militar como para vida civil também, que para os bons sempre há espaço, no meio militar ou no civil. A profissão militar sabe reconhecer quem é bom.
Aos mais antigos que se preparem para vida civil, tenham uma outra atividade em mente para fazer na reserva, a vida continua e manter a mente trabalhando é essencial para viver por muitos anos com saúde.

Anônimo disse...

Sobre o meu post
10 de janeiro de 2013 22:28
Acrescento que pessoalmente penso que não deveria nem existir QAO, carreira de praças é carreira paralela a de oficiais, deveria terminar em STen. MAS e isto é o essencial, remuneração de S Ten deveria ser próxima a de Cel e assim sucessivamente. Remuneração não é hierárquia. Mas reconheço que remuneração como hieráquia é coisa de Brasil, mas as instituições que levam a sério seus servidores dão um tratamento diferente ao assunto. Outra, remuneração não é só o que vem no contracheque.

Melhorando o que disse um companheiro acima, prefiro ser S Ten com remuneração de Cel do que Cap com remuneração de S Ten!!!

Anônimo disse...

Após ler a matéria " A Desvalorização das praças do exército Brasileiro" escrito por Max Wolff Filho - Nosso herói da II guerra rsrsrs..., faço a seguinte observação: Sou 2 Sgt de Com, constantemente desmotivado com a carreira militar devido as baixas remunerações pagas a todos os integrantes das forças e, principalmente, a falta de chefia, em todos os níveis de comandos. Lembro sempre o meu pai(1 Ten QAO) falando que não se fazem mais generais como antigamente. Gen Enzo, nosso cmt, não fez nada para melhorar a situação da tropa. Fez, somente, negar o real motivo da evasão dos militares do exército que são os baixos salários. Cmt de brigada, divisão quando falam aos seus comandados relatam que os melhores em Brasília estão brigando por nós!!! e bla bla bla... Minha esposa trabalha numa empresa com capital público e privado e no que tange a especialização, a empresa ajuda com 20 % das despesas desde que a especialização seja da área de atuação. No glorioso EB, que atualmente não é mais tão glorioso assim, quando o cmt verifica que alguma praça está fazendo uma graduação, a motivação para essa praça, geralmente, será uma missão boca podre para dificultar a concretização daquele objetivo.

Anônimo disse...

É uma pena os senhores generais terem deixados as FFAA chegarem ao ponto que chegou. Podem ter certeza generais, que a maioria dos que publicaram os comentarios lidos aqui, ou amam ou um dia amaram essa instituição. Mas agora estão todos desmotivados pq vcs que são os chefes deixaram isso acontecer. Vcs jogaram as FFAA armadas no lixo. NO FUNDO VCS SABEM QUE NÃO EXISTE EM LUGAR NENHUM NO MUNDO ALGUMA FORÇA ARMADA QUE OBTENHA SUCESSO COM OS SEUS SUBORDINADOS DESMOTIVADOS. Sou sargento e sempre sonhei em ser do exercito, mas desde que entrei eu só me frustrei. Se vcs ainda não sabem a situação já chegou aos oficiais intermediários e subalternos. A maioria que conheço e converso estão desmotivados e compartilham as mesmas ideias dos praças. Um capitão hoje, não chega a receber o que qualquer subtenente PM recebe. Os oficiais que servem no batalhão aqui só cumprem o expediente e não querem saber de mais nada. Vcs sabem que vcs têm os melhores profissionais do Brasil, os mais dedicados e não dão a mínima. Vejam as estradas concluídas no mais alto padrão, a missão do Rio de Janeiro, Haiti, apoio às enchentes, desastres e muitas outras.

Vcs que dizem que se preocupam, mas coloquem a mão na consciência e parem para pensar de quem é a culpa de tudo isso. Será que vcs chefes vão ter competência para elaborar um plano de urgência para a reestruturação do exercito? Será que vcs que são muitos mais políticos do que militares não conseguiram se aproximar de nenhum senador ou deputado ae pra brigar pela gente?

Não, não, eu acho que não...
Vcs jogaram séculos de credibilidade e honra das FFAA no lixo. Me desculpe Gen Exzo, vc não merece a farda. Coloque o paisano e saia dae.

Anônimo disse...

Acho que está faltando uma Guerra para acabar com tanta briga e reclamações interna nas FFAA!

Anônimo disse...

Amigos, copiei os comentários postados aqui, juntamente com o texto que deu origem e estou enviando a todos os deputados e senadores através de e-mail. Acho interessante que todos façamos o mesmo...
Um abraço
Sgt Inf

Anônimo disse...

Pessol, como militares da ativa sabemos que dentro dos muros os nossos CMT tem verdadeira ojeriza pelas cobranças de fora dos muros.

Já vi Cmt serem exonerados só para darem respostas a indagações da mídia e da sociedade civil.

Por isso temo que nós mobilizarmos para temas de nossos interesses serem explorados pela mídia. Assim obrigatoriamente a Caserna toma providências.

Vamos levantar temas bem fundamentados e abastecer jornalistas para que esses escrevam a nosso favor, ou seja, se tornem nossos mensageiros.

Tudo deve e pode ser feito dentro da hierarquia e disciplina, assim não poderão nós cobrar, alegando DESLEALDADE e outras baboseiras que ouvimos no dia-a-dia.

Anônimo disse...

RSRSRSRS...eu tenho que rir mesmo.
No quartel onde sirvo, veio uma comitiva de um general americano inspecionar a nossa nova doutrina. Quando o americano pegou o nosso "fuzil" (pq para eles isso não é um fuzil) ele educadamente comentou que o fuzil era muito pesado e obsoleto. O general brasileiro (não vou citar por questão de ética) disse que a nossa fábrica de armamento estava produzindo um fuzil mais moderno e que estava em fase de distribuição. O americano perguntou o nome do fuzil. A resposta vcs já sabem né... O general colou...não sabia o nome do fuzil que a sua própria tropa usará daqui há algum tempo. Conclusão, o cara é o comandante da DE e não dá a mínima para o armamento que a sua tropa usa ou virá a usar no futuro. Fala sério. Isso é um comandante???
Sem contar que o próprio general não falava inglês, era um tenente que traduzia pra ele. Até onde eu sei, eles são doutores em ciências militares, e pra ser doutor em qualquer faculdade do Brasil eu acredito que se tenha que falar no mínimo 1 ou 2 línguas estrangeiras. Será que eles falam espanhol e haitiano?
Generais são políticos, não militares.
São esses ae que vcs acham vão mudar alguma coisa no exército.

Corneteiro Lopes disse...

Meus amigos, companheiros, irmãos de arma: Todos aos lermos esta enxurrada de comentários sabemos que vivemos o pior momento da historia das Forças Armadas, tanto na situação de pessoal, como salarial e também material, e somos também sabedores que isto está sendo feito de forma propositada, por este governo petista corrupto em comum acordo com generais políticos que só querem saber de si mesmos vivendo realidades paralelas, enquanto a tropa padece de todas as formas, temos que canalizar nossa força para uma representatividade política, principamente as turmas de sargentos de 90 para baixo que nada têm a esperar mais do EB, a não ser míseras promoções com longos intertícios, pois ja fomos vilipendiados de nossos direitos com a MP do mal, a idéia de um partido que nos represente é excelente porém o nome MILITAR, já desgasta a imagem perante o eleitorado civil, creio que temos que brigar por nossos anseios sem também deixar de lado a cooptação de votos de uma parcela signicativa da sociedade, que está insatisfeita com o Grande Circo Brasil que virou nossa nação. Temos que fazer uso da imagem da instituição de mais credibilidade no meio civil para ganhar a simpatia do eleitor, pois sabemos todos que esta imagem já se firmou do lado de fora dos muros dos quartéis pois nós sabemos como funciona a instituição nas suas entranhas e só nós que somos a maioria podemos modificar a nossa realidade.
Parabéns a todos que postaram nessa coluna, que isso sirva pelo menos para que possamos extravasar nossos sentimentos, porém temos que sair do mundo das idéias e partimos para a luta de nossos direitos como cidadãos que somos.

Temos que unir: Subtenentes, Sargentos de carreira, Sargentos QEs (parabéns pela luta em brigar pelo direito de vocês, sucesso na empreitada), Cabos e Soldados

Praças do Exército nada vos prende a não ser vossos grilhôes

Anônimo disse...

Pra tudo tem um jeito. Se não tiver como colocar a antiga (EsAEx) como concurso interno, então fecha essa m... de NPOR pra paisano e dê oportunidade aos praças bem conceituados a fazerem uma prova interna e concorrerem as vagas para oficial. Pode até ser menos vaga, mas já uma coisa né. Ae sim o NPOR vai ter uma formação capacitada e militares de um nível melhor do que esses ae formados nas coxas no meio expediente.
Mas isso nunca vai acontecer, né general. Sempre vai haver aquela desculpa de que eles são formados pra reserva em caso de guerra. Fala sério hein.
Se houver guerra mesmo, é só promover um monte de sargento a comandante de pelotão que a missão sai. Os soldados bons serão promovidos pra suprir as vagas dos sargentos, já que isso já é feito nos quartéis hoje em dia em tempo de paz. Vejam os sargentos temporários.

Anônimo disse...

só não entendi porque vcs do exército não galgam coisas maiores?porque não buscar empregos civis.nos quais com estudo e esforço,o que nos é peculiar dentro das forças armadas,galgarmos novos horizontes,canso de ver por aí praças das três forças com 45 anos de idade emais de vinte de serviço.se acharem velhos acabados,estão errados,ainda podem muitas coisas na vida,mas se acomodam e ficam se lamentando daquilo que poderia ser feito por eles,mas em qual momento sentaram e disseram agora vou fazer de forma diferente,vou estudar, me formar e ser um fiscal,juiz,delegado,policial federal e outros,não adianta ficar aqui se lamentando,porque isso nunca vai mudar e não depende só dos oficiais generais,esta acima deles,nosso ramo político esta infestado de corruptos,que manobram nosso pais,sou militar a 20 anos e estou saindo para ser um servidor do estado,porque esta pagando melhor do que as FA,sei como isso vai me doer porque sou operações especiais a 13 anos,fiz cursos nas tres forças,nunca tive uma punição,mas tenho família,a qual precisa que eu vença,e continuando nas FA,cheio de empréstimos,e vendo muitos colegas sgt e subt se humilherem por viagens acho que ja passou da hora de todos acordarmos,estamos falidos,deixem as forças armadas e vão viver uma nova vida enquanto ainda as tem,existe um universo de trabalho aqui fora,esperando pessoas determinadas como nós militares,sigam enfrente,mudem o curso de suas histórias,não lutem contra o sistema,ele é mais complexo do que se imagina.ass: caveira do mar

Anônimo disse...

PODERÍAMOS COMEÇAR AQUI UM GRANDE MOVIMENTO NACIONAL ANTI-PETRALHA. OS NOSSOS COMANDANTES ESTÃO LÁ EM BSB PORQUE O GOVERNO PETRALHA OS NOMEOU. SE O PT GANHAR EM 2014 AS COISAS CONTINUARÃO COMO ESTÃO PORQUE SERÃO NOMEADOS OUTROS GENERAIS COM O MESMO PERFIL DOS ATUAIS. PORTANTO É IMPRESCINDÍVEL COLOCARMOS O PT PARA FORA DO PODER, MAS PARA ISSO PRECISAMOS TRABALHAR DURO, É PRECISO QUE OS MILITARES DA ATIVA SE INTERESSEM POR POLÍTICA E TRANSFIRAM OS SEUS TÍTULOS PARA ONDE FOREM, COISA QUE HOJE NÃO
ACONTECE. "NÃO VOTEI PORQUE NÃO TRANSFERI O MEU TÍTULO" OUVI MUITO ISSO NA MINHA OM NO ANO PASSADO QUANDO PERGUNTAVA AOS MEUS COLEGAS EM QUEM TERIAM VOTADO. CONHEÇO CIDADE COM 5000 HABITANTES ONDE A METADE DA POPULAÇÃO PERTENCE A FAMÍLIA MILITAR E NÃO ELEGEU UM VEREADOR SEQUER QUE FOSSE LIGADO AOS MILITARES. ENTÃO MINHA GENTE DESSE JEITO VAI SER MUITO DIFÍCIL CONSEGUIRMOS ALGUMA COISA. PRECISAMOS URGENTEMENTE SE INTERESSAR MAIS POR POLÍTICA.

Anônimo disse...

Já passou da hora do EB tratar ST e SGTs como os profissionais que são. Praça só é visto como profissional pelo EB para cumprir missão, escala de sv, chegar no horário, fazer sindicâncias, etc...
Quando requer algum direito ai já começam as dificuldades, tem que ver se é possível e coisas do gênero.
As promoções não são respeitadas, os interstícios sempre aumentam, não temos PNRs, transferências usadas como método de punição, não recebemos diárias, etc.
ST com mais de 25 anos de sv não pode sair qao pq não fez ChQao para ter ens superior.
Mas asp of de Npor podem, sem ter ens superior e com um cursinho de meio expediente, chega na om e com seis meses já é promovido.
Não é questão de indisciplina, é simplesmente questão de respeito aos militares, ao profissional que foi aprovado em um concurso publico!
E só pra relembrar alguns companheiros que gostam de falar que deveríamos ter feito AMAN, a EsSA também é uma escola de formação militar, com um concurso de âmbito nacional, e muitos St-Sgt não foram para a AMAN pq não são oriundos de Colégio Militar.
E pra terminar, em nada me sinto valorizado quando me repassam as vossas obrigações.

Anônimo disse...

o EB da época da máquina de escrever: os Ch de seção (que já estão na reserva) davam despachos aos documentos dizendo o que queriam e se o subordinado não entendesse eles retiravam as dúvidas, mostravam que conheciam os regulamentos.

o EB da informática: em plena globalização, recebemos documentos com o famoso CP (conhecimento e providências), se tiver dúvidas tem que se virar, depois do sv pronto ainda tem que explicar ao Ch como foi feito para ele poder despachar com o Cmt.

A grande maioria não quer nem saber das missões e dos regulamentos, precisam somente de um buana (praça) para carregar seus fardos.

Por essas que não acredito em mudanças, uma vez que o esquema tá bom demais pra quem tá no topo da piramide.

Ganhar um bom soldo pra servir de estafeta e participar de reunião é muito fácil.

Anônimo disse...

Corneteiro Lopes apresente sua prposta para melhoria da situação das FFAA. Fico no aguardo.

Anônimo disse...

SUGESTÃO PARA AMENIZAR NOSSO SOFRIMENTO:

1º) Voltar com os interstícios do período 1988 a 1990;

2º) Criação de uma lei de promoções de graduados, acabando com as famigeradas IG e IR editadas ao bel critério de ocasião;

3º) Rever a lei de promoções de graduadas, acabando ou reduzindo para um terço das vagas por merecimento, acabando dessa forma com a babação e ovo;

4º) Criar concurso interno para as praças (St, Sgt, Cb e Sd atingir o Ofialato, acabando com os Of Tempr e QAO;

.........etc.....

Corneteiro Lopes disse...

Ao amigo que cobrou-me uma proposta. A luz no fim desse túnel primeiramente se chama UNIÃO, pois somos a classe mais desagregada do funcionalismo público. De que adianta qualquer prosposta sem um embasamento que de legitimidade a qualquer anseio de nossa classe.

Um abraço companheiro

Anônimo disse...

o cidadão Anônimo das 16: 08, de 11/01/2013 falou tudo: é preciso nos interessarmos por política...numero de votos a família militar tem, basta correr atrás e querer mudar!

Anônimo disse...

Pessoal, partindo princípio de que quem tem........tem medo, só o fato de estarmos debatendo esse assunto aqui nesse espaço democrático já é um avanço.

Pelo menos tornamos público nossa insatisfação, como disse um companheiro mais acima, temos que produzir textos bem embasados e repassarmos para a mídia,de forma que a Instituição não tenha como desqualificar, e sim prestar contas e propor solução junto ao Executivo e Legislativo.

Quem viver verá...........

Anônimo disse...

Caros companheiros, pelo o que vejo em todos esses comentários é que a maioria de nossos problemas são de carater interno, ou seja, político não resolve. REVER INTERTÍCIO DE PROMOÇÃO, CONCURSO INTERNO PARA OS SGTS COM CURSO SUPERIOR SAIR OFICIAL, tudo isso é ato discricionário de cada força, que aliás já deveria ter mudado, uma vez que, temos apenas um Ministério. ISSO TUDO É ATRIBUIÇÃO DAQUELES QUE FICAM DISCUTINDO COR DE COTURNO E SE A GANDOLA DE COMBATE DEVE OU NÃO TER BOLSOS.

Anônimo disse...

Amigos de farda, temos que nos concientizar que o EXÉRCITO BRASILEIRO foi formado por gente simples: negros, pobres, mestiços e índios, e ainda é assim desde a Batalha de Guararapes, de canto a canto de nosso País temos nossos irmãos dando o suor e o sangue, quer seja na umidade da selva, na sequidão da caatinga, no frio intenso do sul...
Nós sgts, cabos, soldados e muitos oficiais precisamos mostrar quem somos de verdade, NÓS SOMOS O EXÉRCITO! PRECISAMOS NOS UNIR NESSE IDEAL E CUMPRIRMOS NOSSO DEVER DE CIDADÃO, DENUNCIANDO CHEFES CORRUPTOS, ACABANDO COM AS ABSURDAS QUÍMICAS NAS OMS, vamos varrer de norte a sul do País toda sujeira de debaixo do tapete. Vamos denunciar USO DA MÁQUINA ADM PARA BENEFÍCIOS PARTICULARES, VIATURAS, PESSOAL , LICITAÇÕES FRAUDULENTAS, tudo que tiver errado em nossos quartéis. LEMBREM-SE QUE temos a obrigação regulamentar de fazer isso. VAMOS DEIXAR DE FAZER VISTA GROSSA E COLOCAR TODA SUJEIRA NA FRENTE DO VENTILADOR.
Assim mostraremos para "eles" quem realmente somos e do que somos capazes.

Anônimo disse...

A instituição Exército é permanente, secular, perene e vai estar sempre presente daqui a 200 anos e nós, seres humanos cheios de falhas e erros não seremos nem lembrados. Algumas figuras históricas são lembradas por nós militares como heróis e para os civis verdadeiros assassinos; basta ver o que aconteceu com a população do Paraguai e do povoado de canudos. No nosso Exército dos tempos atuais, em 22 anos como militar conto nos dedos oficiais de brio, que aplicam a justiça em primeiro plano, não se importando com as consequências e sim com a razão. Já sofri perseguições por oficiais que não sabem distinguir competência de bajulação. Esse militares querem ver o praça sempre com os dentes abertos, se comportando como um pelego, mas eles fazem isso porque no nosso meio está cheio de graduado "judas" que se vendem por uma menção A no conceito. A situação militar está feia por causa da gente mesmo, sendo os oficiais querendo manter o status sem ter casa e ostentando carros grandes e os praças com o complexo do patinho feio e parado no tempo e só reclamando. Graças a Deus eu sou especializado em administrar dinheiro e durante esses meus vinte e dois anos de serviço já tenho meu apartamento e um terreno de 50m por 100m para construir meu sitio no futuro. O sistema de conceituação do Exército é desumano e injusto, digo isso porque sempre trabalhei bem mas como não bajulo meu conceito cai e recente na minha última OM, 28º BIL meus avaliadores me apunhalaram pelas costas pois eu já não estava na OM e eles me conceituaram com menção D em conhecimento militar; na prova do CHQAO de 40 questões eu acertei 39 e menção D em conhecimento geral; sou formado em letras e habilado em inglês nivel B e na prova do CHQAO acertei 32 questões de 40. Dá para acreditar na veracidade e seriedade desse sistema. Fala sério.

Anônimo disse...

Caro Montedo!
Parabéns pela iniciativa de postar uma matéria como essa, isso ajuda nossa luta para melhor nossa classe, só isso, da demais, não estamos sendo indisciplinados e nem estamos ferindo a hierarquia e a disciplina.

Só estamos lutando pela sobrevivência digna da classe.

Mais uma vez parabéns.

Anônimo disse...

Concordo com o anônimo de 11 de janeiro de 2013 14:31 quase que 100% e não sou SGT

Anônimo disse...

Os homens vão, a Instituição permanece.
A Instituição é quase perfeita. Tudo está escrito em seus Regulamentos e Normas que também necessitam constantemente estarem em constante atualização e adaptação a situação e ao momento. Porém, o grande problema, são ALGUMAS pessoas que FAZEM esse Exército.

Anônimo disse...

Os 6 maiores problemas do Exército e também das outras Forças:
- SALÁRIO
- ESCALA DE SERVIÇO
- CONCEITO
- PNR
- PROMOÇÃO
E TRANSFERENCIAS
Sempre haverá alguem beneficiado e outro prejudicado.
Os 4 primeiros são no nivel OM, os 2 últimos, no nível Alto Comando.

Anônimo disse...

Correção no Post dos maiores Problemas do Exército:
Os 2, 3º e 4º problemas são no nível OM. O 1º, 5º e 6º, são no nível Alto Comando. Entretanto, no tocante a Escala de Serviço e PNR, também podem ser melhorados no nível alto comando, com mudanças no RISG (Escala de Serviço) e Construção de mais PNR nas Guarnições.

Anônimo disse...

Precisamos sim de união, união de oficiais e sargentos, mas não unir para bajular e permanecer como está. Precisamos de uma união ao contrário, em que os oficiais de convicção vejam nossa situação, abracem junto conosco essa causa para melhorar, que nos inspirem confiança demonstrando que enxergam nossa situação e nossas justas reivindicações, aí sim haverá união e poderemos nos sentir no mesmo barco. Por enquanto estamos reclamando e peleando sozinhos, falta o reconhecimento pelo menos por parte da oficialidade, que passem a valorizar mais quem trabalha e menos quem bajula. Que saibam que assessorar não é sinônimo de concordar. Para haver o militar que gosta de bajular tem que haver o militar que goste de ser bajulado. O sistema precisa mudar, precisamos de seriedade e de identificação. Precisamos todos olhar para os lados e enxergar irmãos de farda, líderes e chefes de verdade, não apenas homens que se escondem atrás da hierarquia para beneficiar seu próprio ego. Tem muita gente boa que entra nesse sistema e acaba se contaminando, tanto oficiais quanto praças. Precisamos acordar enquanto é tempo.

Anônimo disse...

Ao prezado Sgt de Com que postou " Se vcs ainda não sabem a situação já chegou aos oficiais intermediários e subalternos"...
Camarada, seu dado não é correto, infelizmente...
A desmotivação já atingiu oficiais superiores há muito tempo. Me parece que os únicos imunes a esse desânimo desastroso são os "generaláveis" e, é claro, os próprios generais. Mas nem eles escaparão, pois um dia a reserva chegará, para todos nós. Será quando começarão a escrever artigos agressivos para jornaizinhos de extrema direita, falando mal do "governo", dos "comunistas" e bla bla bla. ARTICULAÇÃO POLÍTICA NO CONGRESSO JÁ - ou nós estados é fu..., meu irmão.

Anônimo disse...

Os tempos mudaram;hoje vc pode fazer um curso superior on-line , ou seja nem precisa sair de casa muita facilidade.Muitos oficiais temporários fazem este tipo de curso, e tem plano de "carreira" melhor que sgt/s ten . Depois quando termina tempo de "contrato" deles recebem 7 cotas de ajuda de custo e o S Ten com 30 anos de serviço recebe 4 cotas de ajuda de custo.Alguém observou alguma valorização profissional ??

Anônimo disse...

O Exército Brasileiro de hoje difere do de ontem, é muito pior, os valores mudaram muito.
O Exército de hoje é comandado por Oficiais Generais políticos, como disse um certo general, a politicagem invadiu a instituição.
Hoje o EB adota sistemática parecida com o Exército Nazista Alemão, usa a comunicação como forma de projetar suas realizações (ou falta), vejam por exemplo a Estratégia Nacional de Defesa, SISFRON, PROTEGER e outros projetos chamados de estratégicos, não passa de pura propaganda, não vemos nada na prática, porém se acessar os sites do EB veremos um monte de planilhas no Power Point alardeando realizações que não passam de propaganda enganosa para o público interno e externo, porém valorizam sempre os generais que na verdade é o que eles querem passar uma imagem que estão trabalhando para o reaparelhamento da força.
A realidade está longe das propagandas, a verdade é que os Médicos, Engenheiros Militares, Oficiais Combatentes e outros estão dando no pé, basta consultar as turmas no DGP e ver que os formados pelo IME de 2000 em diante, em quase todas turmas 50% já foi para iniciativa privada, os Oficiais Médicos grande parte também pediu demissão para ingressar na iniciativa privada.
Como disse um companheiro em um dos comentários, hoje poucos “são militares” a maioria “está militar” até conseguir coisa melhor, infelizmente a verdade é que a Força está desagradando gregos e troianos.

Anônimo disse...

O que dizer da FHE/POUPEX,
A FHE/POUPEX a muito tempo vem simplesmente servindo de cabide para Oficias Superiores e Oficiais Generais, por isso chegou na decadência atual, verifica-se que grande parte dos militares abriram mão de serem sócios, pois há muito pouco vantagem, as duas instituições tornaram para nós uma “financeira qualquer” já que elas não cumprem suas finalidades, só querem os lucros como qualquer outra.
Fui financiar um imóvel junto a essas instituições, e a primeira coisa que me pediram foi meu contracheque, não tiveram nem a sensibilidade de simularem o financiamento que queria, “infelizmente o senhor não tem margem para o financiamento”, fui na CEF e consegui o financiamento, fui enquadrado pelo Gerente em um convênio do MPOG para funcionários públicos, só tive que pagar um valor de cadastro R$ 300,00, ai foi só aguardar, todo o resto a CEF fez, avaliação, consulta a cartório, avaliação do engenheiro, etc., e o juro ficou quase no mesmo patamar da FHE/POUPEX .
Nomeiam Coronéis para chefiar os Escritórios só pelo Posto não pela competência administrativa e outros requisitos, ai vem o camarada da uma palestra na OM e não sabe responder as indagações dos associados, por que em vez de contratar funcionários civis a FHE/POUPEX não contrata praças para trabalhar em seus escritórios? Seria mais uma forma de melhorar a vida de quem sustenta o sistema, mais sabe como é né, praça, esse povo não sabe nem ler direito......
Até nisso somos explorados........

Anônimo disse...

Eu sou o Sgt de Com que se equivocou ae... Me desculpe senhores oficiais superiores, eu não sabia que a situação tinha afetado vcs também. É que não tenho muito contato com oficiais superiores na minha OM.

Só um desabafo, alguém tira o General Enzo de lá por favor. O cara é um paisano de farda. Acho que nem os Generais de Armas devem vê-lo como um comandante.

Anônimo disse...

Vcs jogaram séculos de credibilidade e honra das FFAA no lixo. Me desculpe Gen Exzo, vc não merece a farda. Coloque o paisano e saia dae.

11 de janeiro de 2013 09:07

Concordo plenamente com o anônimo desse comentário acima. No passado os grandes heróis eram líderes. Diziam:"Sigam-me!" Hoje, esses ae dizem:"Vai!", ou então "se vira negão", "se safa", "eu só quero o pronto".
Não zelar pela sua tropa e pelos seus subordinados (oficiais e praças) é jogar uma instituição como essa no lixo. A hierárquia é uma pirâmide onde nós somos a base. Se a base não estiver sólida tudo vai ruir e o tombo de vcs ae em cima vai ser maior ainda.

Anônimo disse...

Boa tarde Montedo e companheiros que comentaram o Blog.

Vamos divulgar a postagem e os comentários para nossos contatos.
Quem tiver como repassar isso para políticos e jornalistas seria bom. Assuntos como esse de insatisfação interna dentro da Força sempre chama atenção da mídia.

como disse um comentário acima, vamos produzir textos e repassar para a mídia, deve ser texto com embasamento para que não possam negá-lo.

SUGESTÃO: Alguém se habilita a fazer um estudo sobre promoção? Abordando toda a legislação, tipo AMAN, QCO, QAO, GRADUADOS e outros, demonstrando a falta de critérios legais, mostrando que ficamos a merce de IG e IR editadas pelo EME para atender quesitos de ocasião?

Anônimo disse...

Pessual, eu tava nu cafezinhu lá na sala do café do meu batalhão e de repente o Cel, q não é QEMA, mas era o OD do meu btl tocou no assunto transferencia, ai o 3 Sgt falou pra q se fosse pra SP iria passar maus bocados, pq ganhava só 2600 e poucos reais, sabe o q o OD falou?
- Nossa um sargento só recebe isto, entao os Cb e Sd recebem uma merda, e começou a rir muito com os outros Oficiais.
É isto, os oficiais nao sabem, nem querem saber de sua vida pessoal.
Experimenta qualquer um de voces aki deste blog reclamar para seus superiores sobre sua situação, seja financeira, seja outra qualquer.
Eles nao querem problemas, só querem beber uisquinho black label comprado com as economias do rancho, nos dias de formatura, enqto os sd comem pao velho com margarina e kisuco.
Quem nunca passou mal com a comida que é servida no rancho nos fins de semana qdo está de sv? Pq será q a comida cai o padrão fim de semana?
Eu mesmo já fui punido só por falar em forma q os oficiais nao tavam fazendo o taf e q tavam mandando eu colocar a menção deles no papel.
Ah, também tenho uma prisão por ter falado para o tenente q ele era um filho da pera, isto pq ele nao quis me liberar pra levar minha filha q estava doente no hospital.
enfim, eles nao querem nada com nada, só querem saber de suas carreiras pessoais.
E como diz a musica do Rage Against the Machine: Wake up, How long? Not long, cause what you reap is what you sow. Acorde. Quanto tempo? Nao muito, pq vc colhe o q vc planta

Anônimo disse...

Se preparem!!!!!!!
Vai piorar!!!!
Vão acabar com o 100% na reserva!
Vão acabar com a estabilidade!
A política partidária vai entrar nos quartéis!!!!!!
AAAAAAAHHHHHHHH! Ia esquecendo! Vocês vão ganhar menos ainda!!!!!

Anônimo disse...

Puxa, bem observado pelo anônimo "15:33". Fico impressionado com as notícias que o próprio EB inventa, digo, divulga: obra pra cá, obra pra lá, aquisição disso, aquisição daquilo, melhorias diversas... Gozado que já estou na minha 8ª OM e, até agora, a única coisa que me surpreendeu foi o sucateamento cada vez maior das OMs por onde passei.

Anônimo disse...

Em 30 anos como praça, sd, cb, sgt e subtenente, não vi nenhuma porta se abrir para praças. Só vi portas se fecharem. Para não faltar com a verdade o único avanço que vi durante todos esses trinta anos foi o fim do pernoite, onde era encarado como recompensa ser dispensado da revista do recolher, ou seja os praças até 1º Sgt não tinham o direito de dormir em casa nunca, era sempre uma regalia concedida pelo comandante. Fora essa mudança, nada mais, repito, NADA MAIS foi melhorado na vida dos praças. Só perdemos direitos, e mesmo naquilo que o regulamento nos faculta vejo comandantes dificultando pois sabem que a maioria não vai abrir o bico por medo de perder conceitos. Então já vi inventarem escalas de serviço para subtenente, ou criar outras missões de toda ordem para agradar o público civil e fazer a tropa de capacho, apoiando desfiles de moda, cortando grama na casa de políticos, pintando escolas particulares, construindo muros em clubes particulares e coisas do gênero. Ser praça é ser discriminado por todos, sociedade (que nos culpa pela revolução de 64, sem levar em conta que 99% do efetivo nasceu depois disso) discriminados pelos políticos pois só nos cortam nos direitos que outras categorias são atendidas, e discriminados pelos oficiais que só fazem dificultar o nosso dia a dia, justamente em atos que poderiam nos melhorar a qualidade de vida. Os comandantes de OM podem sim melhorar a vida de seus subordinados, dentro do que lhes compete, mas preferem bancar os "linha dura" pois a única maneira que sabem comandar é pela força, visto que não são capazes de despertar admiração na tropa que não enxerga nenhum atributo de liderança neles. Fico imaginando o que será o futuro das FFAA

Anônimo disse...

Em mais de duas décadas de EB vi algumas coisas mudarem lentamente:

1- "antigamente" uma das frases de quartel era: quem dá a missão, dá os meios. Hoje é: se vira negão!

2- "antigamente" os oficiais tinham conhecimento de leis, regulamentos, ir, ig e etc. Um auxiliar de seção podia tirar dúvida com o oficial. Hoje, com raras e honrosas exceções, o oficial é um despachante de luxo: apenas leva os documentos numa pasta para despachar e quando o Cmt "aperta", mandam chamar o auxiliar que fez o documento.

3- o respeito entre os militares caiu muito porque "antigamente" as alterações eram apuradas e, havendo transgressão ou crime, os responsáveis eram punidos. Hoje "é o que é" ou "cica" (ciente, cag...).

4- "antigamente" autoridade e responsabilidade andavam juntas e eram diretamente e reciprocamente proporcionais. Hoje, com raras e honrosas exceções, a autoridade normalmente é usada para se manter longe de problemas do dia-a-dia de um quartel e apenas receber as facilidades e algumas outras benesses de tais cargos.

5- "antigamente" o concurso da EsSA era bastante concorrido e hoje, em 2012 pela primeira vez na história dos concursos para sargento, sobraram vagas.

Lentamente, muita coisa está mudando.

Devemos nós também "mudar"? Pesquisando na internet vemos vagas e mais vagas em concursos públicos para todos os níveis de escolaridade. Todos nós temos grande capacidade, pois cada um sabe o preço que teve que pagar para chegar aonde chegou: os Sgt QE de hoje foram escolhidos entre os melhores soldados de sua época; os subtenentes e sargentos de hoje passaram em concurso que muitos amigos da escola ou do bairro não passaram; os oficiais passaram em concurso de enorme grau de dificuldade. Temos sim, plena capacidade. Basta avançar na direção certa. Vamos estudar, porque a educação faz a gente transformar a nossa realidade.

Deixar de fazer as obrigações no quartel ou qualquer outro ato contrário aos regulamentos é "dar murro em ponta de faca". Basta estudar e tentar mudar a sua realidade, saindo pela porta da frente, da mesma forma que entramos. É isto o que estou fazendo agora, pois já cansei de esperar!

Anônimo disse...

Triste ver o rancor de muitos...mas o que posso dizer é que a mudança não se dará por conta de atos extremos.
Muitos reclamam da situação financeira, porém conheço muitos sargentos bem posicionados, alguns comprando seu segundo imóvel. Conheço oficiais na penúria também. Pra mim, essa questão é pessoal, é uma questão de educação financeira. Cada um deve viver dentro de seus limites.
Concordo que nos últimos 20 anos a carreira piorou e que decisões tomadas por Chefes e Governos trouxe prejuízo para todos com um peso maior para as praças.
Vivemos uma ausência de lideranças nos mais altos escalões, o último Gen que conheci de verdade foi o Heleno.
Sou oficial, filho de praça, e me orgulho muito dos diversos sargentos que trabalham ou já trabalharam comigo.
Em todas as unidades que servi, o ambiente entre praças e oficiais foi mito bom, mas excessões sempre existirão, inclusive entre oficiais.
Existe uma real necessidade de se pagar um auxílio moradia para militares e sei que o Cmdo do Exército está em tratativas com a equipe econômica do governo.
Acho uma vergonha o uso de taifeiros nas residências de qualquer militar que seja. Um luxo que não tem mais cabimento nos dias atuais. Cmts já recebem 20% de representação para isso.
Lembre-se que a carreira é uma pirâmide, o topo só comporta um militar. O sistema é cruel sim, mas vc tem a opção de mudar.
Faça vc sua mudança, ESTUDE E SAIA PELA PORTA DA FRENTE, COM DIGNIDADE. É isso que qualquer profissional faz quando está insatisfeito.
Não vi ninguém reclamando que:
1) não trabalha sexta de tarde
2) se aposenta com vencimentos integrais

Anônimo disse...

O EB É UM LIXO!!!!VOU METER O PÉ!!!!

Anônimo disse...

Replicando o comentário do Anônimo que comentou em 13 de janeiro de 2013 22:08.

Quando você diz: "1) não trabalha sexta de tarde. 2) se aposenta com vencimentos integrais", devo ressaltar que o meio expediente das sextas-feiras existe para benefício do "EB" e dos "Generais" que usam esse dia sem almoço para realizarem as festas de confraternização entre eles e autoridades ou para bancar aniversários de esposas. Com relação a se aposentar com remuneração integral compensa um pouco as perdas, porém já esperamos para um futuro bem próximo a perda desse benefício.
Quando você fala "ESTUDE E SAIA PELA PORTA DA FRENTE, COM DIGNIDADE", não me parece razoável, temos é que mudar a instituição e não mudarmos de emprego. Para um militar com mais de 25 anos de serviço, na graduação de Subtenente ou Major por exemplo, como dar baixa? Temos que brigar para melhorar valorizar nossa condição de militar.
Como dito acima por um companheira vamos parar de falar chavões tipo "quem não ta satisfeito que de baixa" etc.

E outra coisa vamos parar de atribuir toda nossa desvalorização a Governos, chegamos nessa situação por omissão de nossos Comandantes.

Anônimo disse...

É falso o argumento que não há recurso para almoços na sexta por conta de comemorações. Aliás a Dilma questionou isso ao assumir a presidência. Foi mostrado a necessidade de um complemento de recursos para alimentação. Como sempre, não fomos atendidos e o Cmt do EB não cedeu às pressões e manteve o meio da sexta para não prejudicar mais ainda a qualidade da alimentação.
Com 25 anos de EB, devem faltar 4 a 5 anos para a reserva...tarde de mais para almejar uma melhora na carreira. Faça planos para sua reserva, ela está próxima.
Não acreditem em pessoas que defendam o coletivo, o ser humano é feito de interesses pessoais, sustenta sempre a bandeira que mais vai lhe beneficiar. ISSO VALE PARA TODOS OS NÍVEIS.
Reclame do EB, porém tente ver como funciona na iniciativa privada. É MUITO PIOR, e é por isso que as pessoas aqui reclamam, reclamam e reclamam mas acabam não saindo. Querem mudar o imutável, assim como APEB e os controladores de vôo...que fim levou esse pessoal?
Vamos ser sinceros, tá ruim sim e vai piorar. Não há solução então está solucionado.
Cabe a você tomar a decisão individual de mudar. Já vi vários companheiros sairem, e bato palmas pra eles pois sairam silenciosamente para condições melhores de trabalho. Oficiais e sargentos, todos muito bons profissionais, aliás só os bons conseguem sair, os porcarias só reclamam...não se mexem, só querem ser amparados, coisa muito comum hoje em dia na sociedade.
FAÇA VC MESMO SUA MUDANÇA!!!PARE DE SE ENGANAR!!!

Anônimo disse...

Faleceu ontem a pessoa que atrapalhava sua vida...
Um dia, quando os funcionários chegaram para trabalhar, encontraram na portaria um cartaz enorme, no qual estava escrito:
"Faleceu ontem a pessoa que atrapalhava sua vida na Empresa. Você está convidado para o velório na quadra de esportes".
No início, todos se entristeceram com a morte de alguém, mas depois de algum tempo, ficaram curiosos para saber quem estava atrapalhando sua vida e bloqueando seu crescimento na empresa. A agitação na quadra de esportes era tão grande, que foi preciso chamar os seguranças para organizar a fila do velório. Conforme as pessoas iam se aproximando do caixão, a excitação aumentava:
- Quem será que estava atrapalhando o meu progresso ?
- Ainda bem que esse infeliz morreu !

Um a um, os funcionários, agitados, se aproximavam do caixão, olhavam pelo visor do caixão a fim de reconhecer o defunto, engoliam em seco e saiam de cabeça abaixada, sem nada falar uns com os outros. Ficavam no mais absoluto silêncio, como se tivessem sido atingidos no fundo da alma e dirigiam-se para suas salas. Todos, muito curiosos mantinham-se na fila até chegar a sua vez de verificar quem estava no caixão e que tinha atrapalhado tanto a cada um deles.
A pergunta ecoava na mente de todos: "Quem está nesse caixão"?
No visor do caixão havia um espelho e cada um via a si mesmo... Só existe uma pessoa capaz de limitar seu crescimento: VOCÊ MESMO! Você é a única pessoa que pode fazer a revolução de sua vida. Você é a única pessoa que pode prejudicar a sua vida. Você é a única pessoa que pode ajudar a si mesmo. "SUA VIDA NÃO MUDA QUANDO SEU CHEFE MUDA, QUANDO SUA EMPRESA MUDA, QUANDO SEUS PAIS MUDAM, QUANDO SEU(SUA) NAMORADO(A) MUDA. SUA VIDA MUDA... QUANDO VOCÊ MUDA! VOCÊ É O ÚNICO RESPONSÁVEL POR ELA."
O mundo é como um espelho que devolve a cada pessoa o reflexo de seus próprios pensamentos e seus atos. A maneira como você encara a vida é que faz toda diferença. A vida muda, quando "você muda".

Luiz Fernando Veríssimo

Anônimo disse...

PURA omissão de nossos Comandantes.

MONTEDO DEP FED 2014!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Ops!! mais um deixando o EB, mês que vem. Agradeço em segundo lugar a DCEM que atendeu minha última opção de transferência (12ª, na época) pois foi lá que a porta de saída foi aberta.

Anônimo disse...

Texto excelente. Você está de parabéns. Conseguiu explicar de forma clara e em ordem cronológica os motivos que fizeram a carreira de praça se tornar o que é hoje.
Me formei Sgt pela ESA em 1994 e fiz de tudo para ficar no EB. Entretanto após diversas tentativas na então ESAEX desisti e tentei concursos para Auditor Fiscal. Consegui passar e hoje lendo o que você escreveu percebi que nada mudou, aliás, piorou. Se há um conselho que posso dar aos praças é que estudem para sair. Sei que é complicado largar a profissão escolhida, mas tem um momento na vida que é preciso fazer escolhas. Continuar onde está ou tentar melhorar. Fiquei por 15 anos e desisti. Percebi que não dava mais, que as coisas não iriam melhorar. A maior virtude do homem é ter a capacidade de prever o futuro. Certo dia, em umas das infindáveis formaturas olhei para a direita da primeira fila e vi um Subão (Sub Ten) já sugado pelo tempo de serviço. Me vi ali naquela situação depois de 15 anos. Olhei para a última fila de sgt e vi onde tinha começado. Neste dia eu imaginei como seria o meu futuro e percebi que não era aquilo que eu queria.
Portanto, acredito que só com esforço individual é possível mudar essa trajetória. Esperar alguma coisa dos oficiais que mandam na Força é inútil.
Abr a todos e mais uma vez parabéns pelo excelente texto.

Lundgren disse...

desde os meus 6 anos de idade, que o grande sonho da minha vida era seguir carreira no exército. quando era conscrito, quebrei a perna e fui dispensado, então não servi como temporário, ja ultrapassei o limite de idade pra fazer concurso pra oficial, estava pensando em faze pra sargento, mais depois do que eu vi aqui, eu desanimei, como havia desanimado a muito tempo, infelizmente pra você ser um militar aqui no Brasil, voc~e tem que se mata de estuda, pr atentar ser oficial, por que se não é uma carreira leviana, os praças são muito desvalorizados, pros comandantes, soldado e cabo não é militar. é difícil dizer isso, porque o exército é uma instituição que eu amo, mesmo nunca tido servido, e eu me pergunto até hoje, da onde que surgiu a minha vocação, para servir o EB, pois não tenho nenhum militar na família, nem amigos. infelizmente essa é a realidade do nosso país. a gente só tem que torcer pra não piorar.

Anônimo disse...

Sou filho de lavrador analfabeto, nasci e fui criado em favelas do Rio de Janeiro, quando fiz 20 anos fui aceito e incorporado ao EB. A partir desta oportunidade tive a felicidade de servir na 1RM e no antigo servico radio do EB. Vi que ser do EB fora a melhor oportunidade que tive em toda a minha vida e decidi fazer o concurso da EsSA, o qual fui aprovado na primeira vez que o prestei e sem realizar qualquer cursinho preparatório. Me formei sargento e tive uma serie de oportunidades inimagináveis para um filho de pobre. Tive a oportunidade de fazer vários cursos em area tecnica de aviação, tanto no Brasil quanto no exterior. Fui promovido por antigüidade ate Subtenente e estou as vésperas de ser promovido
Oficial QAO e acho que posso atestar que a minha vida, depois que entrei para o EB, melhorou uns 1000% e apesar de nao estar previsto para realizar o CHQAO, me inscrevi, nao tirei dispensa de 30 dias, passei e já conclui esse curso e nao vi problema algum em fazê-lo, só tenho a agradecer, mais uma vez ao EB a oportunidade. Concluindo, acredito que a maioria das reclamações que foram postadas aqui tem apenas duas razoes: falta de conhecimento sobre a instituição e falta de vocação para a vida militar. Todo trabalho possui altos e baixos, mas pelo que se exige nesta instituição e pelo pagamento que recebemos, como já disse, nao vejo razão para tanta reclamação.

ST turma de 1989

Anônimo disse...

Não tá satisfeito... Vá embora!
Nenhuma outra instituição paga esse salário para nível médio e depois mantém na aposentadoria, inclusive tem plano de saúde e seguro de vida.
Invés de gastar seu tempo reclamando... vá estudar ou trabalhar.


ASSINADO ESPANTA PREGUIÇOSO

Anônimo disse...

Vá embora do meu Exército!!
Pára de reclamar e vai trabalhar!
Quer ser milionário e vida boa? Ganha na loteria ou abre sua empresa!
Exército não é emprego normal, é servir a pátria.



AMAN 2012

Anônimo disse...

Onde está a "Lei de Carreira dos Praças das Forças Armadas do Brasil"? Só existe a Lei do Oficialato?! Onde está as Carreiras Militares de Ensino Médio das Forças Armadas????????

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics