23 de junho de 2012

Cesto sem tampa: Forças Armadas abrem temporada de caça os professores fardados

Força Militar: Pente fino nos docentes

MARCO AURELIO REIS
As Forças Armadas estão passando um pente fino em seus quadros para descobrir militares que lecionam para aumentar a renda. A ordem é do Tribunal de Contas da União e se se baseia em regra Constitucional que só libera acúmulo de dois cargos públicos para professores e médicos e prevê, ainda, dedicação exclusiva para militares, inclusive os com formação docente e de saúde.
O pente fino expõe num só ato os baixos soldos e uma incoerência para um País onde faltam professores, sobretudo de Química e Geografia, disciplinas amplamente estudadas nos meios militares.
“A Constituição permite o acúmulo de cargos (professores e médicos) a funcionários públicos civis, mas por que não aos militares?”, criticou uma fonte da Força Aérea, que está respondendo a uma sindicância interna pelo acúmulo de matrículas.
“São 5 mil militares da FAB nessa situação, sendo 2,4 mil só no Rio, somados aos que já estão na reserva, que também respondem à mesma sindicância”, completa o militar, destacando que “o estresse é muito grande”.
Outro militar decidiu apelar ao Congresso para a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional 008/2009, que permite a acumulação de cargo militar com outro cargo público de magistério.
Força Militar (O Dia Online)/montedo.com

Comento:
É o velho caso do cesto de caranguejos: para que tampar, se os próprios militares puxam os companheiros para baixo?
- Ah, mas é contra a lei, Montedo! Pois sim. Contra a lei é não pagar um direito (28,86%) que o STF já garantiu como líquido e certo.
A lei está errada? Pois mude-se a lei, ora bolas!
Mas ao invés de fazer gestões nesse sentido, os chefes militares abrem a temporada de caça aos professores fardados. Os mesmos, aliás, que não tem oportunidade de exercer a função dentro de sua Força. 
Mostrar serviço para os Ministros do TCU parece bem mais importante e urgente que tentar melhorar a vida da tropa, que come salsicha nos quartéis e convive com traficantes nas favelas, por não ter dinheiro para alugar uma casa decente.

38 comentários:

Anônimo disse...

Sou professor, sargento, favelado e o que me deixa mais infeliz é receber ordens de um jumento formado em 10 meses no meio expediente. Não acredito nas FFAA! nem nos chefes militares!!

Anônimo disse...

Até entendo o porque...Quando vejo alguns companheiros bem casados (médicas, engenheiras, advogadas, etc.),bem no meio desta penúria toda, achegando ao quartel com carro de 100 mil ou indo passar as ferias na Europa.Percebo que alguns ficam incomodados...rsrsrsrs

Anônimo disse...

Tem muito milico financeiramente desorganizado e mal casado com mulher que só fica em casa ganhando "arroba" (medida de massa) e reclamando de falta de dinheiro, transferindo o comportamento choroso ao marido. E tais militares chorosos, que ficam apenas parasitando no quartel (não estudam, ficam jogando paciência no computador o dia todo, não tem uma profissão civil) são os primeiros a botarem lenha na fogueira para que os militares que se empenharam em estudar sejam exonerados dos cargos de professores para que estes fiquem na merda igual aos chorosos. Ou seja, existe uma torcida por parte dos militares SEM PROFISSÃO para que os militares professores sejam exonerados.

Anônimo disse...

Se entendi o texto da reportagem, o mesmo se refere a militares que exercem a docência em escolas/universidades PÚBLICAS.

Quem exerce a docência em escolas/universidades PARTICULARES não estaria em atitude ilegal.

Sds

Anônimo disse...

As forças armadas brasileiras são o único órgão da galáxia a perseguirem quem estuda e lincharem quem leciona. De nada adianta o meu mestrado, já que sou praça. Eu seria muito mais valorizado se fosse um oficial temporário matriculado no primeiro período de uma faculdade à distância. Nesse sistema de castas é a estrela que faz o homem e não o conhecimento. Você vale pelo posto que ocupa e não pelo trabalho que desenvolve. Esse sistema leva à política da descrença: o que os comandantes falam é de pronto questionado e desacreditado. Oficiais não são preparados para servirem à pátria, mas para se servirem dela. Destituídos de humildade ou senso da realidade tornam-se déspotas por apenas aprenderem princípios de chefia mas serem incapazes de desenvolver a liderança. A aura dourada não os permitem se misturar com a sargentalha ou com os soldados. Não passam de eternos aspirante perpetuando o sonho dourado da fábrica. A maioria só acorda quando é preterida na promoção para general. Outros poucos que alcançam o generalato sofrem o revés de não conseguirem uma boquinha nos cabides federais. Mas não os culpo, são vítimas de um sistema que os força a sacrificarem os comandados em nome de uma justiça que só eles enxergam. Tal comportamento é evidenciado em indivíduos que tratam pessoas como objetos. Esses seres são deficientes morais e cegos emocionais por terem sido lobotomizados na mais tenra idade para não dizer castrados do senso de fraternidade, substituído pelo corporativismo responsável por acobertar os erros e as arbitrariedades cometidos pelos pares estrelados. É mais fácil abrir uma sindicância para apurar quem ministra aulas fora do expediente do que abrir um IPM para apurar quem desvia recursos da força, ou ainda abrir um processo de seleção interno para que praças possam se tornar professores nos colégios militares. Praças apesar de ministrarem instruções, sequer podem ser chamados de instrutores, cabendo-lhes a função de monitores. Há muito já abandonei minhas esperanças em relação à alguma mudança benéfica na força. Isso requer liderança e profissionalismo em lugar de covardia e oportunismo. Lembre-se: recalcado é quem não aceita ver o companheiro vencer pelos próprios méritos e não mede esforços para prejudicá-lo.

Anônimo disse...

A lei não pode ser ter um fim e em si mesma ! A lei serve ao homem, pois dele provém ! Se a lei não se adéqua mais à realidade, que seja mudada então !

Anônimo disse...

Pra quem ainda não sabe, ser militar É UMA PROFISSÃO !

Anônimo disse...

A omissão e o comodismo de três senhores idosos estão acabando com o que resta das FFAA. Salários defasados, equipamentos sucateados. Vive-se apenas de aparências e de promessas que nunca se tornam realidade, nada mais que isso. A pergunta intrigante é: o que os referidos senhores ainda querem a essa altura da vida, com toda essa idade?

Asp Of Cav 2012 disse...

"Ser soldado é mais que profissão: é missão de grandeza." Eu acho que a legislação deve ser respeitada, militar tem que se dedicar inteiramente ao serviço da pátria. Se está sobrando tempo para dar aulas fora com certeza tá sobrando missão na OM para ser cumprida também.
Sargento que não está satisfeito com o soldo, Oficial também, ou espera nosso governo democraticamente eleito cooperar ou mete o pé e vai ser feliz e bem pago em outra profissão.

Em breve me formo na "fábrica" e sei que não vou ser rico, se quisesse ter uma vida boa e um grande salário não teria abandonado a faculdade de Direito e tantos concursos que passei quando estava ingressando na EsPCEx. Vim para o EB contribuir, como na fábula do porco e da galinha, dou meu sangue pela Instituição, não peço da pátria nada em troca, nem mesmo a compreensão. O dia que eu não estiver mais satisfeito com o EB farei algum concurso e serei bom profissional também em outra área, a formação da AMAN me permitiu desenvolver atributos que só contribuem para vencer na vida.
Montedo, admiro seu blog, mas fico indgnado com esse papo de alguns praças que criticam oficiais mas agem como os mesmos, só me resta pensar que é recalque.
Cavalaria!

Américo disse...

Já viram esse vídeo?
______________________
http://www.youtube.com/watch?feature=endscreen&NR=1&v=BFiaD6WQ5us

Américo disse...

"Sargento que não está satisfeito com o soldo, Oficial também, ou espera nosso governo democraticamente eleito cooperar ou mete o pé e vai ser feliz e bem pago em outra profissão".
-Asp Of Cav, invejo seu feliz humor. Não tenho as mesmas qualidades intelectuais como as suas, por isso tive que servir, com muita honra, a Força a qual eu pertencia por 32 anos. Se tivesse lido esse seu comentário tão brilhante e inspirador, lá pelos anos 60, com certeza teria seguido sua sugestão.
Seu comentário, certamente servirá muito para os jovens militares que não estão satisfeitos com seus vencimentos.

Anônimo disse...

"tá sobrando missão na OM" ! Esse camarada só pode estar de sacanagem! Digam-me, que missões uma instituição que está largada ao relento por Comandantes hipócritas e politiqueiros há mais de uma década tem a cumprir hoje ? Faxina, arrancar cri-cri, poda de árvore, pintura de meio-fio, buscar material aqui e acolá? Fala sério! Tem um monte de oficiais bocós que já estão final da carreira e nunca viram uma MISSÃO propriamente dita. 99% das ditas MISSÕES que ouvimos falar no dia a dia são na verdade ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS, e nada mais. A palavra MISSÃO comporta um significado muito mais nobre do que o usual utilizado nos quartéis. MISSÃO cumpre o combatente que está lá no Haiti, o combatente que está lá AFEGANISTÃO, IRAQUE etc... Em situação real de pronto emprego e/ou combate. Eu me recuso a fazer faxina ou outras atividades ridículas e atribuir o nome de missão! Militar não é "empreguete", militar não deve fazer faxina e outras atividades ridículas, pois para isso existem as empresas terceirizadas. Cada vez que eu vejo um soldado ou até mesmo um Sargento com uma vassoura na mão sob às ordens de um Oficial eu enxergo nisso uma total incoerência, pois se dizem que MILITAR é uma nobre profissão como entender alguma nobreza em atividades tão medíocres. Lembro aos críticos da minha opinião que em nenhum outro lugar do serviço público o servidor faz faxina em sua repartição, pois cada cargo público tem um conjunto de atribuições que certamente não inclui faxina. Os babacas dos milicos são os únicos que ainda não perceberem isso! Pior, parecem até se orgulhar deste desvio de função.

Anônimo disse...

Ser militar é ter um emprego e não uma PROFISSÃO !!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Asp Of, tu fala estas babozeiras porque tu não deve ter um pinto para dar comida. Claro um guri de 20 anos ganhando mais 5 mil por mês, com plano de carreira traçado até sair capitão, com PNR, com três ou quatro transferencias até ir para tal de ESAO (que nos meus vinte anos de sv não sei para que serve)se tirar algum serviço de escala vai ser no máximo uns 3 anos (depois vira cmt de SU e sai da escala) e detalhe e mais importante vai aprender tudo com o Cb Véio e com o Sgt do Pelotão, vai bater nas costas deles, chamar de amigo, comer carne e tomar cerveja juntos de depois vai ferrar com eles assim como os outros. Me poupe deste discurso de a formação da AMAN me permitiu desenvolver atributos que só contribuem para vencer na vida. Vencer como? ferrando os outros. Te dou no máximo dois anos para tu começar a reclamar tbm. Por favor Montedo publica, tem gente que precisa ver este comentário.

Anônimo disse...

Já ouvi muito o bordão "não esta satisfeito vai embora".Na aviação estão seguindo a risca, sargentos saindo as duzias gerando um problema para quem fica, como por exemplo: a falta cronica de mão de obra (a formação plena de um mecânico pode levar cinco anos).Mêcanico pleno, na iniciativa privada em determinados modelos praticamente não tem. Mêcanicos com as caracteristicas aprendidas na caserna (senso de responsabilidade e profissionalismo), valem ouro.

Corneteiro Lopes disse...

O "amigo" aspirante ainda não deve ter saído do mundo de Alice que é a AMAN, quando ele encontrar a ralidade que paira sobre a tropa, vai se dar conta do monte de asneiras que acabou de proferir, quando arrumar mulher e filho vai ser mais um dos que vão reclamar dos salário, ou quando pagar uma PJ.
É amigo tome cuidado quando apontar o dedo para os outros, lembre-se que há três apontando de volta para você.
P.S: Gostei muito de sua piada

Anônimo disse...

Deve ser algum praça tirando onda...Ninguem é tão topera assim...Se for verdade esse comentario, fique sabendo que eu tenho dois empregos e gamho mais que vc, OFICIAL! E ta sobrando tempo simmm...Viva!!!kkkkk

Anônimo disse...

Esse menino... Asp Of Cav... vive no mundo de ilusões... cai na real moleque...

Anônimo disse...

aspira, fica na boa... quando sai da "casa mater" em 2008 tinha esse mesmo pensamento. Acho que com 1 mês de tropa, vc vai ver o que realmente é exército. Amigo, respeita o St/Sgt/cb/sd, é deles que vc vai precisar pro resto da vida, a não ser que tu seja realmente "o cara", a missão passa por eles, e por vezes e com eles que tu vai aprender a trabalhar. Tu vai ver um cara que tem de serviço o que tu tem de vida, um cara que se vira com um contracheque de menos de R$ 1.000,00 para alimentar familia, com 3 bocas pra dar de comer. Esse cara saberia que não ia ser rico, só não sabia que ia viver de esmola, e não são os emprestimos que "queima" o contracheque não, pois foram feitos pra atender, também, a necessidades básicas... Aspira, relaxa, tu vai ver temporario ser bem tratado pq tem peixada, e o cara se formou em 10 meses no meio expedeco. Aspira, não te engana, vão passar a rasteira em ti pra ganhar missão. Aspira, não fica com raiva, em um mês, talvez, tu vai descobrir o que é exército, como Montedo diz: uma caixa de carangueijo, na minha época era o "caldeirão do capeta". Aspira, como ultimo conselho, não sai com esse pensamento de que estudo fora do quartel é coisa de vagabundo, ou que ta faltando missão no quartel. O estudo é o único meio de engrandecer o homem, valorize quem estuda, nós mesmos temos a ganhar com isso, ou então, ainda vamos ver oficiais escrevendo "derepente", "menas" e que não saiba as mínimas regras de ortograia e concordância...

E quando vc ve o que realmente é exército, te entubem de missão "porque tá com tempo pra estudar"...

Desce pra terra, aspira.

P.S: na aman, o cara em junho, já sabe que vai se formar... experimenta ver na AFA q q os caras do 4º ano tão fazendo...

Asp AMAN 2008.

Anônimo disse...

Ridículo esse CADETE falando!!!! Se toca muleque!! Militar é 24h para PREPARO e EMPREGO (ao meu ver)... ativadade administrativa, faxina, festas obrigatórias, formatura não é preparo e emprego. Fica mesmo no quartel direto, para tu ver o presente que tu vai ganhar na cabeça... quando tu tiver familia tu vai saber que o mais importante eh ela... ridiculo

Cap Eng

Souza Neto disse...

Força Armada é profissão que exige dedicação exclusiva pelos seus integrantes. Concordo! Entretanto, os militares devem ser regiamente remunerados, de modo a não necessitarem buscar equilíbrio financeiro em atividades extras.

Enquanto isso não acontece, não se pode cobrar dedicação exclusiva!

Passei 29 anos na ativa! Quando fui transferido para a reserva, fiquei 2 anos como "fiscal da natureza". Cansei de ficar à tôa e fiz concurso público para o magistério de um estado da federação, onde sou professor regente há mais de 11 anos.

Atualmente, estou pedindo afastamento temporário, sem remuneração, das atividades de professor, trocando-a pelo "sopão" (tarefa por tempo certo) na Força.

Tudo isso porque o coitado do professor ganha tão pouco que 30% dos meus vencimentos brutos é mais do que o salário de um mestre.

Enfim, gostaria de saber onde está escrito que militares das Forças Armadas não podem exercer o cargo de docência pública quando na reserva?

Anônimo disse...

"Ser soldado é mais que profissão: é missão de grandeza."

"se dedicar inteiramente ao serviço da pátria"

"fábula do porco e da galinha"

Do que esse guri está falando? Leu meia dúzia de frases escritas no fundo das Cias de Cadetes, juntou umas histórias contadas pelos instrutores DINK WINK, DIPSI, LALA e POW nas colinas verdejantes da fábrica e já se acha o consultor-mor de carreiras militares?

"a formação da AMAN me permitiu desenvolver atributos que só contribuem para vencer na vida"

Só se for na vida militar, meu querido em que tem sempre um sargento para tomar conta de você, porque se for na civil, a julgar pelo padrãozinho de Asp que temos recebido na tropa, você vai morrer de fome rapidinho.

Anônimo disse...

servi em uma OM em que os todos, de 1º ten para baixo, só escapando o sub ten por respeito a idade, digo, todos ficavam escalados finais de semana e feriados fazendo faxina. Não acho justo que o exército desperdice mão de obra especializada desta forma. Os altos coturnos, têm que mudar esta mentalidade. Pelo amor de deus, o camarada estudou 4 anos para ficar fazendo faxina. Fala sério... Achei legal o bostejar do cadete, mas a realidade é muito mais forte que o discurso...

Anônimo disse...

Insatisfação+Incapacidade=INFELICIDADE ETERNA

Anônimo disse...

Que belas palavras do aspirante DE CAVALARIA, só não sei de que exército ele é.

Americano? Inglês? Israelense?

Quando começar o pow pow nas manobras, quando faltar comida pro expediente, quando receber honoríficas missões de faxina pra general no sábado e domingo, quando vibrar com os míseros 2% de representação em missões que outras instituições ganham gordas diárias, quando for preterido em cursos e missões no exterior por "filhos de", quando receber ordens de um incompetente e ser enquadrado por discordar (quiçá ser punido, como eu), quando tiver um comandante que não dá a mínima para a tropa, se tranca em sua sala e tchau, quando ve quimicas e mais quimicas em rancho pra fazer coquetel de arma, ou pra receber imperiosos generais "romanos" ou "ingleses", quando... ah.. cansei.. talvez vc saiba o q eh exercito!!

exército brasileiro tá falido aspira, material e moralmente... pula fora que ainda dá tempo!!

Aspirante a Oficial de Cavalaria de 2006 (a unica coisa que me orgulho, ainda)

João Nunes Nt disse...

Senhores, entendo que todos os comentários colocados aqui são de pessoas que querem permanecer na Instituição ou, talvez, por uns que não tem meios para abandoná-la.
Mas a coisa não está boa. Os últimos governos estão implantando no Brasil uma lenta revolução, da qual nós militares somos vítimas quase inevitáveis, pois os meios com que ela está sendo implantada passa pela desestabilização interna das Forças Armadas (vide 1959-64). E estão fazendo isso muito bem, de forma pacífica e simples, como pregava Antônio Gramsci.
Nesse contexto e com menos retórica, O GOVERNO ESTÁ NOS FERRANDO COM OS BAIXOS SOLDOS e rindo das consequências. Sem querer ser pessimista, acho muito difícil que haja um reajuste condizente com nossas perdas, pelo menos neste momento. Resta a nós, como bons brasileiros, buscarmos nosso jeitinho de aumentar a renda, mas sugiro que façamos isso na forma da lei, pois AINDA não é a hora de ferir a Constituição. Se o militar não pode acumular cargo público, não acumule, se pode lecionar em escola particular, lecione. Só não esqueça que É MILITAR e está professor. Se pensar o contrário, é melhor para todos, inclusive para ele, saia da Força.

Anônimo disse...

Militares do Brasil, nossas Forças Armadas precisam de ajuda. Diferenças de pensamento sempre existiram entre graduados e oficiais, o que é até natural devido a forte influência do positivismo que ainda serve de base na formação do oficial brasileiro. Mas não podemos esquecer que, todos, graduados, oficiais, soldados e até mesmo o suposto cadete de cavalaria (jovens!!!), pertencemos à uma instituição que ainda merece o respeito e admiração do povo brasileiro. Brigas internas, discussões, distanciamento, são atitudes que só interessam aos que desejam o desmantelamento das Forças Armadas e ruptura das demais instituições brasileiras. Meus amigos, tenho insistentemente tentado chamar a atenção de todos para o perigo que o PT representa para todo o Brasil. Não é à toa que as três forças estão à beira da falência, não é por acaso que nossos salários são baixos e não é por nada que agora, mais uma vez, procuram iniciar uma caça aos militares que lecionam. Amigos, prestem atenção. Não é por causa do acúmulo de vencimentos. A principal preocupação do governo atual é afastar os militares do ensino pois a visão pedagógica do militar não aceita o que atualmente se tenta “enxertar” nos projetos político pedagógicos das escolas (PPP). Prezado (suposto) jovem cadete de cavalaria, tome muito cuidado. Procure observar bem o que está realmente acontecendo à sua volta. As modificações a que estamos sendo submetidos, de forma sutil e gradual, irão redundar em uma tremenda transformação social que poderá levar nosso país ao caos, caso as FFAA não tenham bom senso e coesão suficientes para saber dicernir o certo do errado. Meus prezados, sou 1º Sgt, formado em história e pedagogia e tenho acompanhado de perto a profunda transformação que nosso sistema de ensino vem sofrendo. Como educador, já testemunhei professores ensinando para seus alunos (da 6ª série) que o “MST é um movimento legítimo que tenta promover a justiça social através da derrubada do capitalismo imperialista”, sou testemunha de professores que ensinam para seus alunos que Chê Guevara (assassino e terrorista), foi um “herói das massas”. Meus amigos, há professores que ensinam tudo sobre o PT, sobre Marx e sobre a necessidade de transformação social, só não ensinam o que nossos filhos vão precisar realmente. Essa suposta caça aos educadores militares é mais um passo da sistemática e gradual manobra de manutenção do poder. Faz tempo que peço aos amigos que iniciem uma ação integral e coesa de combate ao PT e P C do B, através do voto consciente. Sinceramente, eu espero que alguns se interessem por minhas palavras e ajudem a difundir nossa ideia: É HORA DA MÃO AMIGA MOSTRAR SEU BRAÇO FORTE! RESPOSTA MILITAR AO REVANCHISMO PETISTA!!! CAMPANHA: NÃO AO PT NO GOVERNO!!!
É DIFÍCIL MANTER A CABEÇA ERGUIDA DIANTE DAS DIFICULDADES POR QUE PASSAMOS, MAS TRATA-SE DE UMA QUEDA DE BRAÇO; DESTE LADO ESTAMOS NÓS, HOMENS DE BEM, PAIS DE FAMÍLIA, TRABALHADORES, DO OUTRO, A MAIS SÓRDIDA, CRUEL E INESCRUPULOSA QUADRILHA JAMAIS VISTA EM NOSSO PAÍS.
NÓS PODEMOS FAZER A DIFERENÇA E PODEMOS MOSTRAR QUE NOSSO DESTINO NÃO SERÁ GOVERNADO POR LADRÕES.
MEUS AMIGOS, ACREDITEM NO VOTO, ACREDITEM EM NOSSA CAPACIDADE DE JULGAMENTO E DECISÃO, ACREDITEM EM NOSSO POTENCIAL COMO SOLDADOS!!! POR FAVOR, DIFUNDAM ESTA MENSAGEM!!! É HORA DA MÃO AMIGA MOSTRAR SEU VOTO FORTE!!!
UM FORTE ABRAÇO – TENHO MUITO ORGULHO DE TÊ-LOS COMO IRMÃOS DE ARMAS
JBL

Anônimo disse...

senhores vcs escrevem sobre exercito, mas q exercito? exercito não existe mais, foi extinto, agora tem de tudo, so não tem militarismo. vejamos: faxina, faxina e mais faxina, o bom dia chefinho, om cheias de vampiros de lagartixa a varias gemadas, todos contando "no meu tempo" era assim, mas trabalhar mesmo nada, temporarios mil pensando q são autoridades, um monte de jovens tentando descolar um milico otario para marido. sera q ainda não intenderam q milico se carreira é um numero infimo e nem as escolas preenchem as vagas? ha o tal aspof deve ter se perdido na via dutra, pediu abrigo e comida e matricularam ele.

Anônimo disse...

Muito bom Cadete! Mantenha a impulsao! Os incomodados que se mudem. Voce convivera com muita gente fustrada. Va se acostumando... BRASIL ACIMA DE TUDO!

Anônimo disse...

MATEUS 12:25
"Jesus, porém, conhecendo-lhes os pensamentos, disse-lhes: Todo reino dividido contra si mesmo é devastado; e toda cidade, ou casa, dividida contra si mesma não subsistirá." =
-> Dividir para destruir! = Não estamos dominando a "arte da guerra"...
-> Corte-lhes as "vias de suprimento"! = Não estamos dominando a história do exército romano...
-> Entretanto, para os mais novos, fica a sugestão da análise desse provérvio:
-> As palavras dos sábios ouvidas em silêncio valem mais do que o clamor de quem governa entre os tolos.(Ecl 9:17).

Anônimo disse...

Senhores instrutores da AMAN, por favor, orientem esse "menino", ou pelo menos, caso vocês não possam "abrir o jogo, por ossos do ofício", discretamnte, deixem-no como "canga" de um cadete filho de praça!

Souza Neto disse...

"A principal preocupação do governo atual é afastar os militares do ensino pois a visão pedagógica do militar não aceita o que atualmente se tenta “enxertar” nos projetos político pedagógicos das escolas (PPP)."

Copiei o trecho acima de um comentário. Essa afirmação pode ser verdadeira, apesar de a LDB facultar ao professor toda a liberdade para planejar suas aulas.

A escola sempre foi usada como "aparelho ideológico do Estado"!

Como militar e professor ao longo de 11 anos, "quebrei" essa tendência e bati de frente várias vezes com algumas direções pedagógicas.

Souza Neto

Anônimo disse...

OHH.. ASPIRA..1º VC É MUITO MODERNO E MUITO COMÉDIA. 2º A AMAN NÃO É A REALIDADE DO EB. 3º VALORIZE SEUS SGT SENÃO VAI SER UM PÉSSIMO CHEFE, QUIÇA UM LÍDER, SE ENCONTREI ALGO QUE MOTINA NO EB, POR VALER MAIS QUE IDEAIS E SOLDO, SÃO OS AMIGOS E POR FIM SIRVO NUM QUARTEL DE CAV NO RS, TOMARÁ QUE VC VENHA PRA CÁ E EU TE RECONHEÇA, QUERO TE ORIENTAR UM BOCADINHO, ALFERES OSÓRIO.
CAP CAV/ 00

Anônimo disse...

Achei sua colocação grandiosa, o mundo "lá fora" não está nada fácil! Sei das dificuldades, mas não se enganem, são para todos nós brasileiros. Brasilllll

Anônimo disse...

Aspira vc é bom! Mas quando chegar na tropa vc vai falar que usava pantufas???


Isso nínguem conta...não é menininho de papai? kkkkkkkkk

Asp Cav 2004!

Anônimo disse...

Enquanto as FFAA perseguem aqueles que passaram para RR ou RF sob o t´titulo de "possível acumulação ilegal" via TCU, internamente mantém a indecência do "SOPÃO", aquele apadrinhado que na inatividade volta a trabalhar lá com a tal "TAREFA DE TEMPO CERTO", mas que se renova ano-a-ano, inclusive ocupando a vaga de quem está na ativa, até na promoção. Disso ninguém fala!

Anônimo disse...

Não entendo por que tanto rancor, não entendo por que tanto ódio. Nascemos em um pais maravilhoso, onde poderíamos viver todos em paz e desenvolvermos nossas famílias em boas condições. Ao invés disso nos entregamos aos rancores, atendendo a interesses escusos que moldam nossa sociedade com objetivos bem definidos. Toda a forma de oposição esta sendo desenvolvida. Negros disputam com brancos pelas cotas das faculdades, homens disputam com mulheres, pobres com ricos, homossexuais com heterossexuais. Até as crianças entram nessa onda de luta entre classes em que os safos disputam com os bisonhos e a essa pratica deram o nome bacana de bullyng. Sargentos se opõem a oficiais sob a tutela do anonimato em virtude de uma baixa remuneração que afeta a todos igualitariamente. Parece que isto já aconteceu na historia. Lembro-me de ter lido algo sobre uma reunião no auto-clube. O plano é antigo, mas agora esta sendo bem aplicado.
Sou oficial, sou filho de praça, genro de praça e nunca me senti de forma alguma prejudicado na carreira por minha origem. Alguns dos maiores destaques da minha turma de AMAN são filhos de praças cujos pais se preocuparam com a formação dos filhos. Sempre me relacionei muito bem com meus subordinados, nunca me imaginei em qualquer tipo de competição ou enfrentamento. Sim, aprendi muito com meus camaradas sargentos, particularmente nos primeiros anos de oficialato no interior do RS. Nunca fui distinguido com qualquer beneficio que não fosse digno pelos meus próprios méritos e por expor meus pensamentos nunca fui considerado muito merecedor. Fazem dez anos que moro na mesma cidade, aqui comprei minha casa, minha esposa encontrou trabalho e meus filhos estudam em um Colégio Militar, uma das vantagens que o Exército nos oferece. Abdiquei de muitas coisas em busca destes objetivos, mas entra ai a escala de valores de cada um. Normalmente conquistamos aquilo a que realmente nos propusemos. Em 26 anos de serviço, tendo chegado ao posto de TC, não mudei meu pensamento em relação ao Exército, até por que tenho dois irmãos bem mais velhos dos quais repeti os caminhos. Sempre soube as regras do jogo e procurei utiliza-las a meu favor. Que cada um faça suas apostas e se não estiverem satisfeitos, acredito sinceramente que mais vale acender uma vela que mal-dizer a escuridão.

Ana Suzuki disse...


As tropas estão divididas, já vi tudo. Do que vocês precisavam é de uma guerra como a que meu pai enfrentou, nos campos da Itália.
Exceto aqueles quatrocentos e poucos que morreram, os outros quase cinco mil voltaram amigos de verdade. Nos campos de batalha os homens se tornam para sempre unidos, coesos,
porque lá eles conhecem, de fato,o
que é ter um inimigo comum a todos. O Brasil está em pé de guerra, acho melhor vocês se unirem para defender uns aos outros.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics