8 de dezembro de 2016

Militares podem ter mais tempo de contribuição na previdência

As negociações do governo com as Forças Armadas continuam, mas essa é a proposta mais adiantada até agora, informou a fonte, que participou das negociações
Por Lisandra Paraguassu, da Reuters
Brasília – O governo prepara uma reforma Previdenciária separada para os militares, que devem continuar sem idade mínima para aposentadoria, mas poderão ter o tempo de contribuição mínimo aumentado de 30 para 35 anos, com um tempo de transição de 13 anos, disse à Reuters uma fonte governista.
As negociações do governo com as Forças Armadas continuam, mas essa é a proposta mais adiantada até agora, informou a fonte, que participou das negociações. O texto, quando fechado, será enviado por projeto de lei.
“A reforma para as Forças Armadas pode ser infra constitucional, não precisa ser uma emenda constitucional”, explicou o líder do governo no Congresso, senador Romero Jucá (PMDB-RR).
A intenção inicial do governo era incluir os militares no regime geral. A reação das Forças Armadas, no entanto, levou o governo a aceitar a necessidade de um regime diferenciado.
“Há algumas funções que um militar não tem capacidade de fazer com mais de 60 anos”, justificaou uma fonte palaciana à Reuters há alguns meses, quando confirmou que os militares ficariam de fora da reforma inicial.
Na reforma proposta e apresentada pelo presidente Michel Temer a líderes do Congresso e sindicalistas nesta segunda-feira, trabalhadores da iniciativa privada e do serviço público terão 65 anos como idade mínima para aposentadoria.
Também ficaram de fora da reforma os policiais militares e os bombeiros. Nesse caso, de acordo com Jucá, porque são forças estaduais, e os Estados devem fazer as suas próprias reformas.
Das forças de segurança, ficaram no pacote do regime geral os Policiais Federais e os Policiais Rodoviários Federais. A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) retira a previsão de aposentadoria especial para quem tem risco de vida.
Os policiais, no entanto, querem que sua reforma seja tratada do mesmo modo que os militares. Um grupo esteve no Palácio do Planalto, enquanto o texto era apresentado, para conversar com parlamentares e pedir que sua reforma seja encaminhada junto com a das Forças Armadas.
EXAME/montedo.com

Major do Exército morre em acidente no interior do Ceará

Major do Exército morre em acidente na Serra do Facão, em Boa Viagem
O militar perdeu o controle do veículo e saiu da pista. Esposa e filho da vítima saíram ilesos do acidente

Boa Viagem (CE)  - O major do Exército Brasileiro, Domingos Sávio Silva Costa, morreu após capotamento no km 170 da BR-020, na Serra do Facão, em Boa Viagem, interior do Ceará, no início da tarde desta quarta-feira, 7. O militar perdeu o controle do veículo e saiu da pista. Outras quatro pessoas estavam no carro, entre elas a esposa e o filho de cinco anos da vítima.
De acordo com informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), a esposa do militar, Rita de Cássia Rufino Costa, e o filho do casal saíram ilesos do acidente. Duas ocupantes do veículo tiveram fraturas nos membros inferiores e foram socorridas ao hospital.
O POVO online/montedo.com


Previdência de militares virá como lei complementar em 2017, diz ministro

Resultado de imagem para previdencia dos militares
O ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou nesta quarta-feira (7) que os militares participarão da Reforma da Previdência "em um segundo momento" por meio de uma Lei Complementar que será enviada ao Congresso provavelmente no início do ano que vem. Ele rechaçou as informações de que os militares são "algozes" do déficit de Previdência.
"Os militares não estão fora da Reforma. Os militares não estão nessa etapa, porque eles não necessitam de uma PEC. Isso pode ser feito através de lei complementar, o que será feito. E deverá acontecer, possivelmente, no início de 2017", afirmou, após participar de cerimônia no Palácio do Planalto. "Não se trata de evitar qualquer tipo de critica e muito menos com isso dizer que os militares não estão dispostos a contribuir com a reforma. Os militares estão e vão", comentou.
Jungmann disse que ninguém pode se negar a contribuir para a reforma e que os militares entendem que ela é importante para o Brasil. "Os militares estão efetivamente prontos para dar a sua contribuição de acordo com as suas singularidades, de acordo com as suas especificidades", destacou.
O ministro afirmou também que não há nenhum privilégio para a categoria pelo fato de eles entrarem apenas em um segundo momento. "Privilégio teria se os militares ficassem fora, mas não vão ficar. O presidente já disse isso e eu estou reafirmando", completou.
Segundo o ministro, está havendo equívocos ao colocarem os militares como vilões do déficit da Previdência Social. "Na verdade, os militares não contribuem como está sendo dito aí com R$ 34 bilhões e com 45% do déficit. O déficit real que os militares contribuem é de R$ 13 bilhões", afirmou, destacando que a pasta vai apresentar esses dados de forma detalhada para comprovar o engano.
"Os militares já deram contribuição em 2001, vão dar nova contribuição e não são, de forma nenhuma, os algozes desse déficit que temos ai e que de fato nós reconhecemos que precisa ser equacionado", reforçou. "Os militares têm uma contribuição decrescente, desde 2001, relativamente ao PIB, em termos de Previdência", afirmou.
O ministro destacou ainda que a categoria já passou por uma "grande reforma" em 2001 e, desde então, os benefícios para as filhas dos militares - questão que gera críticas da sociedade - já estão excluídos. "As filhas dos militares estão excluídas desde 2001, o que resta é pagamento, porque a lei não poderia retroagir, daquelas que ainda estão vivas", afirmou.
Jungmann explicou que o equívoco em relação à contribuição do déficit se dá porque na contabilidade da União está somado outras categorias, soldos e aposentadorias, o que "leva maximização da contribuição dos militares". "Hoje temos discussão com a própria secretaria da previdência, para que no balanço da União sejam separadas as categorias que hoje estão juntas e geram esse tipo de compreensão", afirmou.
Estadão/montedo.com

Planalto altera PEC da reforma da Previdência para beneficiar militares, diz jornal

Manobra
Segundo a Folha de S.Paulo, medida foi tomada após pressões dos ministros Raul Jungmann (Defesa) e Sergio Westphalen Etchegoyen (Gabinete de Segurança Institucional)
O projeto de reforma da Previdência, divulgado pelo governo federal à imprensa na terça-feira, é diferente do texto protocolado na Câmara dos Deputados. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, a proposta de emenda à Constituição (PEC) teve pontos alterados em benefício de militares, policiais militares e bombeiros, permitindo que membros das Forças Armadas acumulem aposentadorias e pensões, direito que não poderá ser adquirido pelo restante da população caso a reforma seja aprovada.
De acordo com a publicação, o governo Temer fez as mudanças em resposta às pressões dos ministros Raul Jungmann (Defesa) e Sergio Westphalen Etchegoyen (Gabinete de Segurança Institucional). A alteração também deixa policiais militares e bombeiros fora das novas regras de acesso à aposentadoria.

Decisão em tempo recorde
No início da tarde desta quarta-feira, o deputado Alceu Moreira (PMDB-RS) afirmou que protocolará seu parecer pela admissibilidade da PEC da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara horas depois de ser confirmado como relator da matéria no colegiado.
Segundo Moreira, a proposta não fere nenhuma cláusula pétrea da Constituição Federal, na medida em que não mexerá em direitos adquiridos.
— Sou The Flash — disse o peemedebista, em referência ao super-herói dos quadrinhos que possui poder de se mover em velocidade ultra rápida.
O parlamentar previu ainda que vai ler seu parecer na CCJ somente na próxima semana. A previsão do deputado é que o texto será aprovado na comissão antes do início do recesso parlamentar de fim de ano, que começa no dia 23 de dezembro.
Zero Hora/montedo.com

Em nota, Exército esclarece incidente da fronteira que resultou na morte de um colombiano

#Fronteiras - EB emite nota referente ao incidente com colombianos acontecido na Vila Bitencourt, domingo passado, 4/12
Referente ao incidente acontecido domingo passado (4/12), na Vila Bitencourt, pertencente ao município de Japurá (AM), o Exército Brasileiro, através da 16º Brigada de Infantaria de Selva emitiu uma nota referente ao assunto. Veja abaixo na íntegra a nota:
“O Comando da 16º Brigada de Infantaria de Selva informa que na tarde do dia 04 de Dezembro de 2016, por volta da 18:00h, na localidade de Vila Bitencourt-AM, duas embarcações que navegavam em águas brasileiras do Rio Japurá se negaram a parar no Posto de Bloqueio Fluvial do Exército Brasileiro, estabelecido para controle de trânsito na região.
Foi empreendida uma perseguição às embarcações e na abordagem foram realizados disparos de arma de fogo contra a tropa brasileira que reagiu de forma progressiva e proporcional à ameaça. Um dos integrantes do grupo foi ferido no confronto e veio a óbito posteriormente.
As embarcações foram capturadas e 5 (cinco) elementos colombianos foram detidos. Os elementos se encontram à disposição da justiça.
O Comando da Brigada determinou a instauração de um Inquérito Policial Militar para apuração dos fatos e as autoridades colombianas já foram informadas sobre as ações.”
Blog Bocas e Notícias/montedo.com

7 de dezembro de 2016

Penta!!!

Patrulha do Exército entra em confronto com colombianos na fronteira. Um morto

#Fronteiras - Confronto entre o Exército Brasileiro e colombianos, ontem, domingo, 4/12, em Vila Bitencourt
Tabatinga (AM) – No último domingo (4/12), por volta das 17h, houve um enfrentamento na Vila Bitencourt, no Pelotão de Fronteira Vila Bitencourt do Exército Brasileiro. O Pelotão Vila Bitencourt fica na fronteira com a Colômbia ao norte de Tabatinga (AM), no município de Japurá (AM).
Oito colombianos armados tentaram passar pela barreira do exército, e houve confronto. Um colombiano morreu e sete estão presos na Vila Bitencourt.
Na segunda-feira (5/12), dois helicópteros do Exército seguiram para o local do confronto.
Blog Bocas e Notícias/montedo.com

Humor: sucatas paralisadas

PODER SEM PUDOR
SUCATAS PARALISADAS
Durante a discussão, no Senado, do projeto do governo Lula que autorizava a doação de 12 aviões da FAB ao Paraguai e à Bolívia, o senador Edison Lobão (MA) disse na época que das 800 aeronaves, 400 estavam paralisadas. O então senador tucano Arthur Virgílio (AM) interveio:
- Com a doação dos 12 aviões, a FAB ainda ficará com 48,5% da frota paralisada. Se o governo Lula doar os 400, poderá proclamar que deixou a FAB com 100% da frota em condições de voo...
DIÁRIO do PODER

Sargento do Exército reage a assalto e é baleado em Manaus

Sargento do exército é baleado em assalto no Distrito Industrial
Segundo a polícia, crime foi praticado por dois homens, ainda não identificados, que tentaram levar a motocicleta da vítima; sargento foi levado ao Hospital 28 de Agosto
Carla Albuquerque - DEZ Minutos / portal@d24am.com
Manaus (AM) - O sargento do Exército Brasileiro (EB) Luiz Eduardo Mota Gomes, 38, foi baleado com dois tiros, durante um assalto, na manhã desta segunda-feira (5). O crime, segundo informações do Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops), ocorreu na Rua Guaruba, no Distrito Industrial. O crime foi praticado por dois homens, ainda não identificados, que tentaram levar a motocicleta dele, uma CB 300.
Dados do Ciops indicam que o crime ocorreu por volta das 5h45. Segundo a polícia, a dupla abordou o sargento quando ele saia de um ramal e antes mesmo da abordagem, atiraram. O homem foi atingido com um tiro na mão esquerda e outro na perna direita.
Após terem baleado o sargento, a dupla tentou roubar a moto dele, mas segundo a polícia, não conseguiram porque o sistema de alarme a travou e abandonaram o veículo ao local.
O sargento foi socorrido e levado ao Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto, onde de onde foi transferido, na manhã desta segunda-feira, para o Hospital do Exército.
D24am/montedo.com

6 de dezembro de 2016

Soldado do Exército morre afogado após tentar salvar amigo durante treinamento no Paraná

bibdentro
Por Marina Sequinel e Luiz Henrique de Oliveira
Curitiba (PR) - Um soldado do Exército morreu afogado durante um treinamento no bairro Bacacheri, em Curitiba, no fim da manhã desta terça-feira (6). Elias Fernandes Yang, de 19 anos, pulou em um lago dentro do quartel para tentar salvar um amigo, mas não conseguiu sair da água. O caso foi registrado no 20º Batalhão de Infantaria Blindado (BIB).
Segundo informações apuradas pela Banda B, os alunos soldados prestavam serviços para o canil quando um deles caiu no lago. Elias, então, pulou para resgatá-lo, mas não teve sucesso. Os dois começaram a se debater e um terceiro colega, que viu toda a cena, mergulhou para ajudar. Ele tirou os soldados da água, mas apenas um conseguiu sobreviver.
Devido à quantidade de água nos pulmões, Elias sofreu complicações respiratórias e não respondeu às manobras de reanimação dos socorristas. O corpo do soldado foi recolhido ao Instituto Médico Legal de Curitiba.
Banda B/montedo.com

As vezes, me dá uma canseira...

Comentário recebido na postagem:

Nova série: "Por que não estou surpreso?"



Anônimo disse...
Lamentável a publicação do blog. Alterações agora denegrindo a imagem da força são causadas apenas pelos temporários? ahahaha faça me rir!
http://extra.globo.com/casos-de-policia/sargento-do-exercito-que-agrediu-propria-mulher-preso-19619321.html
http://diariodesantamaria.clicrbs.com.br/rs/geral-policia/noticia/2016/11/sargento-do-exercito-e-preso-com-carro-clonado-em-santa-maria-8377348.html
http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2016/07/cadete-do-exercito-e-detido-apos-agredir-pms-em-vitoria.html
6 de dezembro de 2016 08:42 

Companheiro, vá capinar um pátio!


Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics